Baek Ji Young – Sarang Ahn Hae – ( I won´t love) , de novo no Youtube e desta vez com legendagem.


Porque isto da censura chateia-me um bocado se calhar iniciava este pequeno preview da nova fase deste blog, não com um trailer ou uma review de um filme mas sim com algo que muita gente até pensa pertencer a uma banda sonora de uma longa metragem mas que na realidade foi um videoclip criado para o mercado Sul Coreano há um par de anos para ilustrar uma balada romântica ao melhor estilo do cinema orental.

Acontece que este videoclip continua a ser retirado sistemáticamente do ar no Youtube ao longo dos anos.
Volta e meia alguém o coloca de novo, mas não tarda muito até a contagem decrescente começar e este ser removido pelo youtube como já é habitual.
Incialmente consta que o motivo era o facto de ser considerado um video indecente que foi alvo de muitas reclamações (calculo que dos internautas americanos) que parece estarem sempre á espreita de quando este surge no site para o voltarem a “denunciar”…

Mas o que há de tão chocante neste video musical para certas pessoas ? Bem, é uma história de amor entre duas raparigas que horror dos horrores são menores e o video apresenta a história delas como sendo a coisa mais bonita, poética, natural e romântica do mundo. CHOQUE !!!!
Inicialmente parece que alguém se queixou ao Youtube que o video promovia a pedófilia e o amor indencente e por isso o video foi eliminado por ter conteúdo impróprio.
Depois esteve alguns meses sumido e reapareceu novamente para novamente voltar a ser eliminado por novas queixas e isto tem sido assim desde que ele surgiu sempre com queixas americanas.
Entretanto por causa disso, aquilo que já era um dos videos e uma das baladas mais populares no oriente (onde inclusivamente passa na MTV oriental), tornou-se também num video de culto no ocidente, especialmente para quem como eu adora cinema oriental e em particular o bom e original cinema romântico que se faz por aquelas bandas desde o inicio dos anos 90.

Agora surgiu de novo no youtube e desta vez, para desespero de muita gente certamente, agora vem legendado em inglés, por isso agora será contar as semanas até que ele seja retirado do site. A não ser que a malta que se queixa desista de uma vez de o tentar censurar, apenas porque conta uma história de amor adolescente entre duas miúdas, e bem bonita por sinal.
Pessoalmente eu prefiro versão não legendada pois as legendas atrapalham a poesia visual da história e penso que este videoclip deveria ser apreciado por cada um de nós imaginando o próprio argumento, mas de momento temos esta versão que não deixa de ser curiosa pois eu não fazia a minima ideia de qual seria a letra disto.
Curiosamente uma das jovens protagonistas desta visualmente poética história de amor com final triste e nostálgico, suicidou-se alguns meses depois deste video estar completo, precisamente por causa de uma depressão causada por um motivo amoroso segundo constou nas notícias na altura o que ainda torna este video numa história ainda mais emocional.

Acho este videoclip fantástico pela atmosfera, pela história e pelo ambiente totalmente cinemático que leva muita gente continuar a procura de um filme que não existe pois muitas pessoas continuam a pensar que isto partiu de um filme.
Como já sei que irá ser retirado do ar em breve, este post irá ser um daqueles que irão encontrar repetido ao longo do tempo, tanto por aqui como nos meus blogs pois não vou deixar de continuar a divulgá-lo pois na sua simplicidade continua a ser um dos meus “filmes” orientais favoritos por ser quase uma curta metragem cinemáticamente falando. 😉

E é fofinho também. Quase um Anime.

 

Repost: Baek Ji Young “I Won’t Love (백지영 – 사랑안해)” Videoclip


Este link é um repost neste blog, porque nos últimos meses recebi umas boas duas dezenas de emails de pessoal a perguntar-me sobre este videoclip pois parece que muita gente o procura no Youtube mas mesmo assim não o consegue encontrar.
O link encontra-se actualizado na minha área de videoclips há já algum tempo mas está um bocado perdido entre os outros.
Coloquei-o também já no meu Facebook mas decidi dar-lhe agora um maior destaque aqui para que toda a gente que me escreve a perguntar onde encontrá-lo, possam finalmente ter o link de referência (enquanto este ainda existe).
Cliquem na imagem e poderão espreitar o video directamente no Youtube, pois este (estranhamente) não permite integração exterior em blogs para “I Won´t Love”.

Poderá haver a possibilidade do link deixar de funcionar em breve, pois este video já esteve antes no youtube mas tem sido sucessivamente removido pois li algures que o site americano considera que este videoclip contém conteúdo impróprio para a moral e como tal o video costuma sumir e voltar a aparecer.
Por agora está neste link, mas sugiro que façam o download do FLV quanto antes, pois não me admirava que um destes dias sumisse de vez e é uma pena, pois é um mini-filme fascinante e uma história de amor ao melhor nível oriental que vale a pena ser visto por quem chega a este blog á procura de filmes do género e ainda nunca viu esta verdadeira curta-metragem romântica cheia de atmosfera.
Espreitem enquanto o Youtube não o remove outra vez por conter eventuais alusões badalhocas impróprias á moral e aos bons costumes por ilustrar uma história de amor entre duas adolescentes.

E se o video sumir novamente, digam-me qualquer coisa.

Katakuri-ke no kôfuku (The Happiness of the Katakuris) Takashi Miike (2001) Japão


Cantem todos !
– ” The hills are alive, with the Sound of…screaming !?”  🙂

Se calhar não se nota, mas [“The Happiness of the Katakuris“] é uma comédia e a frase acima é o seu slogan publicitário oficial.
A sério.
Agora depende muito do vosso sentido de humor, porque garanto-vos, este filme não é para toda a gente. E não é por causa do sangue ou do excesso de cenas gore nojentas, mas sim porque é um filme musical.
Confusos ?
Ainda não viram nada.
É que a haver um filme completamente inclassificavel será certamente este, senão vejamos…
É mau como o raio, mas é por isso que é uma verdadeira obra prima do cinema oriental, porque o objectivo era mesmo que fosse mau e neste aspecto [“The Happiness of the Katakuris“], não podia ser melhor.

Só um realizador com talento e muito seguro do seu trabalho conseguiria criar de propósito um mau filme. E já que falamos de cinema oriental, se calhar não haveria ninguém mais credenciado do que o veterano Takashi Miike para fazer uma … coisa destas.
Não que ele seja já um velho cineasta oriental venerado ao estilo Kurosawa, mas porque na verdade deve ser o realizador que mais rapidamente trabalha no mundo e sempre com resultados que, ou são excelentes ou muitíssimo bons, pois por mais que se tente procurar é dificil encontrarmos um mau filme de Miike no mercado.
Quando muito descobre-se algo mediano, o que não é o caso desta vez.
E se juntarmos o facto dele em pouco mais de dez anos de carreira ter já feito mais de 60 filmes (leram bem), ainda custa mais a acreditar que ele consiga surpreender a cada novo projecto e seja um dos realizadores mais originais que poderão encontrar a trabalhar actualmente.
Acho que na carreira Miike só deve faltar um porno.
Embora [“The Happiness of the Katakuris“] não ande muito longe disso…
Não porque tenha sexo explícito ou sequer nudez, mas porque é um filme tão piroso, mas tão piroso que se torna quase pornográfico se interpretarmos o conceito por uma definição de excesso.
Mas de que trata então esta…hem…obra ?…
Acreditam se eu lhes disser que isto é um remake Japonês do “Música no Coração” ?…

Não será própriamente um remake da história do filme de Robert Wize, porque [“The Happiness of the Katakuris“], é uma nova versão de um dos clássicos do cinema Sul-Coreano intitulado originalmente  – “The Quiet Family”.
Mas é um herdeiro absoluto do espírito feliz de “Música no Coração” e a um nível emocional é o seu remake a 100%, apesar de contar com uma quantidade considerável de cadáveres á mistura.
É que vocês nem imaginam como este filme é feliz.

Se conseguirem entrar no espírito,  “The Happiness of the Katakuris“] é um verdadeiro antídoto para a depressão e uma das obras mais originalmente bem dispostas que poderão encontrar.
Começa de forma estranha. Tão estranha que a início nem sabemos bem se estamos a gostar do filme ou não, mas depois culmina numa parte emocional tão feliz, mas tão feliz que se torna contagiante e damos por nós a entrar no espírito e com vontade de começar a cantar canções fofinhas pirosas em japonês e a flutuar de alegria acima do sofá da sala.
O que não deixa de ser estranho, porque a parte final é sobre o suícidio. 🙂

Não, não estou a gozar.
Mas afinal o que há de tão estranho nesta obra ?
Bem, é pirosa. Mas pirosa mesmo, com um kitsch tão exagerado que faz os Enapá 2000, parecerem ingénuos.
The Happiness of the Katakuris“], é piroso de propósito e não pensem que isto é fácil de ser feito. Mal pensado, tudo teria resultado num falhanço absoluto pois se não conseguisse transportar o espectador para aquele universo sem o contestar Takashi Miike teria se espalhado ao comprido e o filme seria apenas mau a um nível que nem conseguiriamos suportar.
Mas passa-se exactamente o contrário e tudo no ecrã nos impede que tiremos os olhos da televisão pois, primeiro nem acreditamos (ou compreendemos verdadeiramente) o que estamos a ver, depois temos mesmo que saber o que vai acontecer a seguir, quanto mais não seja para podermos contar ás pessoas o que vimos.
É essa a grande magia do filme. Apesar de nos apetecer deitar fora o dvd nos primeiros minutos, depois agarra-nos, conquistando-nos com a sua felicidade transbordante.
Isto enquanto mete assassinatos, catástrofes naturais, telediscos de música propositadamente má, estética pimba do mais pimba que possam imaginar e personagens do outro mundo.
E já lhes falei nos mortos vivos ?… 🙂

Se calhar é melhor não dizer mais nada.
Aliás, eu que não gosto de revelar o argumentos dos filmes, sobre este então, é que não vou dizer practicamente nada, pois o prazer aqui está precisamente em não imaginarem o que lhes irá cair em cima a seguir.
Fiquem apenas a saber que “The Happiness of the Katakuris“], narra as sangrentas desventuras de uma familia tradicional japonesa que por acaso teve o azar de ter comprado um velho hotel no meio de uma montanha onde quase não passam turistas. E quando passam, os que se hospedam nos seus quartos acabam mortos no dia seguinte, o que dá origem ás mais inimagináveis e engraçadas situações.
Mas se o filme é extremamente feliz no seu tom, isto deve-se não só ás inacreditáveis canções pimba e números músicais que o percorrem, mas principalmente aos personagens.
O filme tem um casting absolutamente perfeito com personagens-tipo geniais e muito bem interpretados. Desde o avô até á criancinha da família todos têm o seu momento no filme e ajudam mesmo a criar aquela ilusão de família unida que é a alma e o coração do filme.

E por falar em personagens, há um que se destaca e já se tornou uma figura de culto.
Não pertence aos membros da familia, mas garanto-vos que não se vão esquecer do “Richard” tão cedo.
Podem espreitar a sua canção na secção de videoclips deste site se quiserem ter um pequeno vislumbre da sua personalidade e do que o personagem faz no contexto da história porque o seu segmento é um bom exemplo do que poderão encontrar se arriscarem a ver este filme.
Só para terem uma ideia, “Richard” é a versão oriental do Richard Gere em “Oficial e Cavalheiro”, mas com tendências extremamente narcísistas e um bocadinho psicópatas.
Vão adorar.

Portanto é assim, gostam de histórias com pessoas cortadas aos bocados e música pimba japonesa ?
Gostam do “Evil Dead” e sempre imaginaram que daria um bom musical ?
Acham que o suícidio pode servir de inspiração para canções ao sabor de “Música no Coração” ?
E vulcões ? Gostam de filmes com vulcôes ?

Então não podem perder esta obra, pois mesmo que a fiquem a odiar, podem ter a certeza de que se irão lembrar dela por muito, muito tempo. E ter as suas musiquinhas na cabeça também. 😉

——————————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO:

Um dos filmes mais originais que poderão encontrar. Ideal para quem reclama constantemente que o cinema de hoje em dia é todo igual.
Agora cuidado, pois pode induzir a níveis de vómito inimagináveis. Aproximem-se com cuidado então.
Mesmo assim, não posso deixar de dar cinco tigelas de noodles e um Golden Award como selo de qualidade.
Embora cuidado com a minha classificação, pois se não entrarem neste filme preparados, se calhar para muitos de vocês ele nem valerá sequer meia tigela.
Não é o meu caso, pois além de eu ser admirador da capacidade inventiva do realizador a alegria contagiante do final deste filme merece em absoltuto a nota máxima.
Mas é preciso estar com espírito para ver isto, pois apesar de muito ligeiro e comercial, não é de forma alguma um filme fácil de assimilar (especialmente para o publico ocidental).
É que para uma comédia, nem sequer é propriamente um filme hilariante, mas tem os seus momentos de humor muito bem conseguidos.
O que não impede que seja verdadeiramente uma obra-prima do cinema feliz…se é que este género existe…

noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg gold-award.jpg

A favor: a originalidade, a extrema alegria contagiante que aumenta de nível á medida que o filme se aproxima dos momentos finais, os personagens, as musicas pimba, a realização certamente sobre o efeito de ganza em excesso, o humor negro, o “Richard”.
Contra: as animações em plasticina stop-motion apesar de excelentes irritam-me profundamente, a mistura de géneros de filme é tanta e tão confusa que o filme tem umas variações de ritmo narrativo algo estranhas.

——————————————————————————————————————

NOTAS ADICIONAIS

Recomendo vivamente que vejam o Trailer pois transmite perfeitamente o ambiente que irão encontrar durante o filme todo.
http://www.youtube.com/watch?v=nIXyiJqMLJI&feature=related

Se quiserem comprar o dvd, sugiro a edição UK, pois é fantástica.

Excelentes (e pirosos) menús animados, excelente qualidade de imagem numa transferência anamórfica muito boa e um som perfeito não só em 5.1 como em DTS. Além disso contém óptimos extras, inclusivamente uma boa entrevista com o realizador que merece ser vista, quanto mais não seja para apreciarem a pinta gangster-hiphop-japonês do homem. Scary…

IMDB
http://www.imdb.com/title/tt0304262/

——————————————————————————————————————

Filmes “semelhantes” de que poderá gostar:

Attack the gas station

——————————————————————————————————————