Kimssi pyoryugi (Castaway on the Moon) Hae-jun Lee (2009) Coreia do Sul


Quando iniciei este blog nem sequer pensei que durasse muito tempo quanto mais chegar aos cinquenta filmes orientais comentados.
Por isso para mim é agora verdadeiramente surpreendente poder anunciar que hoje irei apresentar-lhes o CENTÉSIMO FILME !
Cem filmes. O que na práctica quer dizer que já escrevi para cima de 100 textos, o que para um tipo que nunca alguma vez na vida teve por hábito escrever assiduamente no que quer que fosse é um verdadeiro feito pessoal.
Portanto sejam bem vindos a [“Castaway on the Moon“] a minha recomendação número 100 e não poderia ter encontrado melhor filme para comemorar esta data pois este titulo na minha opinião representa perfeitamente a razão deste blog existir.

A minha intenção com o “Cinema ao Sol Nascente” sempre foi a de tentar divulgar aquilo que fui vendo e mostrar que há no oriente uma excelente alternativa ao cinema americano para todos aqueles que como eu estão mais que fartos do que encontram nos clubes de video e nos produtos ultra-formuláticos que inundam as nossas salas saídos de Hollywood qual hamburguers do McDonald´s produzidos em série sempre com os ingredientes misturados da mesma forma.
O que me atraiu para o cinema oriental, além da caracterização humana em muitos personagens que até nem pediam mais do que ser de cartão, foi a originalidade de muitos das histórias produzidas naquelas bandas.
Há quem diga que não há grande diferença entre o cinema comercial americano e o oriental. Pois se calhar a nível de realização, montagem e efeitos se calhar não. Na verdade nem questiono isso pois para mim a grande originalidade está na forma como na minha opinião conta histórias diferentes ou, melhor ainda, consegue tornar diferentes histórias iguais a tantas outras apenas pela forma como nos faz importar com o destino dos personagens e humaniza situações que não costumamos encontrar humanizadas dessa forma num filme americano para além do cliché usado como pausa entre cenas de porrada e pelo visto há mais pessoal a pensar o mesmo o que demonstra o quanto as pessoas felizmente ainda gostam de tentar passar para lá daquilo que apenas lhes apresentam pela frente.

Numa altura em que tudo o que chega ás salas de cinema a Portugal vindo dos States está imediatamente rotulado á partida foi para mim muito surpreendente encontrar no oriente uma cinematografia também ultra comercial (em geral) mas onde isso não impediu o factor originalidade de ser aquilo que principalmente move as histórias e isto sem qualquer deterimento da própria comercialidade dos filmes junto das audiências.
O cinema oriental não tem medo de colocar o espectador a pensar receando perca de audiência e quero com isto dizer que pelo menos eu costumo sempre encontrar por lá algum pormenor especial que penso eu, costuma estar ausente nos argumentos americanos e com isto humaniza muitas situações que em outro lado seriam apenas ponte entre sequências de acção habituais ou algo assim.

Surpreendeu-me encontrar coisas completamente inclassificáveis e que mesmo assim funcionam. Filmes policiais que afinal são dramas mas depois no momento a seguir são comédias, filmes de terror que de repente são filmes de fantasia e terminam em drama, comédias que subitamente se tornam em filmes de kung-fu mas que depois acabam como drama, ficção-científica que afinal também consegue ser cinema para adolescentes sem tratar a audiência por crianças, filmes de fantasia que são contos de fada completamente infantís mas que subitamente entram por histórias de amor dramáticas de conteúdo poético e filosófico, histórias de amor com adolescentes e para adolescentes mas carregadas de alma e poesia, filmes de autor que não têm medo de incluir sequências comerciais e vice versa, etc, etc, etc.

Isto para quem como eu estava mais que habituado a ver apenas o policial, o drama, ou a comédia americana que nunca se afastava da fórmula já testada de lucro garantido, foi uma verdadeira lufada de ar fresco.
E mais uma vez , [“Castaway on the Moon“] será possivelmente o melhor exemplo deste estilo de cinema oriental que encontrei pela frente nos últimos tempos, pois consegue ser uma comédia, um drama, uma história de amor com alguma fantasia á mistura e navegar algures entre o cinema puramente comercial e (talvez) uma pitada de cinema-de-autor. Mas já lá vamos…

De cada vez que vejo mais um blockbuster Americano (ou um filme comercial de grande estúdio), fico a pensar que alguém num estúdio algures parece ter-se preocupado muito se as pessoas conseguem incluir imediatamente um filme numa categoria de modo a poder ser publicitado como tal.
Temos os filmes americanos policiais, os de terror, os de super-herois, os dramas, as comédias para gajas, as comédias para adolescentes, os filmes de terror para adolescentes, a “ficção-científica” para adolescentes mas não me recordo de nenhum titulo que pegasse em todos estes géneros e os tentasse subverter da maneira que o cinema oriental o consegue fazer sem fugir do estilo comercial.
Talvez uma excepção tenha sido o fabuloso filme de ficção-científica “Moon” (ficção-científica hard-core como há muito não se via nos cinemas) do realizador Duncan Jones , mas este raro exemplo foi conseguido através de uma produção independente e jamais teria chegado ás salas de Portugal se já não tivesse um selo de uma Major americana por detrás fruto dos prémios independentes que a obra conseguiu ganhar.

[“Castaway on the Moon“] é por isso o filme perfeito para comemorar a minha centéssima recomendação porque na verdade é um titulo inclassificável, pois posso apostar que se isto tivesse sido um titulo americano nunca teria sido distribuído nas salas sem antes ter sido alvo de dezenas de screen-previews com audiências-teste (possívelmente a pior invenção de sempre na história do cinema) e onde certamente no fim desse processo muito pouco teria restado da visão original dos argumentistas e realizador pois seriam certamente obrigados a remontar todo o trabalho de modo a que se encaixasse num estilo que a máquina de Hollywood podesse vender de forma directa a quem não espera mais do que o habitual. É que este filme oriental sul coreano é muita coisa ao mesmo tempo.

Se calhar aqui este blogzinho pessoal corre o risco de passar a ideia que eu odeio cinema americano, o que não deixa de ser hilariante pois pelo menos 1200 dos quase 2000 dvds que já constam da minha colecção pessoal serão certamente filmes gringos. E este não é um blog sobre cinema pipoca (pelo menos nos moldes em que eu classifico o que chega normalmente ás nossas salas saído de Hollywood), mas sim um espaço onde eu tento divulgar produtos que na minha opinião conseguem momentos cinematográficos que raramente encontro no cinema americano mesmo quando muitos são inclusivamente tão ou mais comerciais.
No entanto não posso evitar compararações pois pessoalmente não tenho dúvida nenhuma que o cinema (comercial) oriental para mim está bastantes furos acima do que se produz hoje em dia nos States onde tudo parece ser apenas mais do mesmo e produzido para a geração que cresceu com os videogames e aquele estilo particular de imagética actualmente muito adaptado ao cinema comercial onde tudo se passa a 300 frames por segundo para não aborrecer as audiências.

Por exemplo, nem queria crer quando “Avatar” ganhou agora um prémio para melhor filme dramático. Dramático ?!!   Eu, não me importei minímamente com qualquer dos personagens naquela história pois sabia-se perfeitamente o que lhes ia acontecer de antemão a todo o instante o que me anulou qualquer efeito supostamente “dramático” pois nem as cenas tristes e que pretendiam criar alguma emoção ou empatia as achei menos formuláticas.  Senti que lá estavam apenas porque tinham que estar para seguir a habitual estrutura.
James Cameron já escreveu um grande filme de FC dramático – “O Abismo” e é pena que não tenha continuado o estilo agora também neste novo projecto.
No entanto eu adorei “Avatar” e sou daqueles que lhe dá nota absolutamente máxima, pois na verdade achei-o não só um dos melhores filmes-pipoca desde há muitos anos como possívelmente o melhor filme-para-crianças que me lembro de ter visto desde talvez “Chronicles of Narnia” (juntamente com “O Feiticeiro de Oz“), pela forma “infantil” como gere espectacularmente um argumento concebido para a geração dos videojogos e que embora para lá de básico contém ainda espaço para passar uma mensagem ou duas.
Adorei “Avatar” mas não lhe chamaria propriamente um filme dramático.
Nem estou a ver este excelente blockbuster a ser considerado como tal dentro de uma cinematografia oriental e é aqui que eu acho que está a grande diferença entre o cinema oriental e o americano.

O que me fascina no cinema oriental é o inesperado e inesperado foi o que me surgiu pela frente mais uma vez.
Falemos de [“Castaway on the Moon“]. O Filme número 100 deste blog.
Comecei a vê-lo pensando que não passaria de mais uma comédia maluca ao estilo sul-coreano mas logo descobri que havia aqui algo muito especial.
Para começar a originalidade do conceito cativou-me logo desde o início e este é mais um daqueles titulos que aposto mais tarde ou mais cedo irá ter um remake americano pois a ideia base disto está mesmo a pedir um.
Senão vejamos…

Imaginem uma cidade com um rio e uma ponte que atravessa duas margens. No meio desse rio, existe uma ilha deserta sendo assim como uma espécie de mini-reserva natural (onde nunca ninguém vai) mas onde muita da poluição da cidade acaba inevitávelmente por encalhar.
Imaginem que um dia vocês se tentam matar jogando-se da ponte abaixo mas acabam por naufragar nessa ilha no meio do rio e não conseguem sair de lá pois não sabem nadar e as pessoas a quem tentam pedir ajuda quando elas passam de barco pensam que vocês estão apenas a acenar de contentamento.
Os meses passam, ninguém apareceu na ilha e a vossa única solução é tentarem habitá-la o melhor possível aproveitando tudo o que encalha na praia dos desperdicios humanos.

Viram “Castaway” de Robert Zemeckis com Tom Hanks a fazer de náufrago encalhado numa ilha deserta ?
[“Castaway on the Moon“] é o mesmo filme. O heroi desta história podia estar encalhado no meio do oceano (ou na lua) que a sensação de isolamento seria a mesma e é este um dos grandes trunfos da história que curiosamente apesar de se passar literalmente no meio de uma cidade gigantesca raramente nos mostra mais pessoas além dos protagonistas.
O heroi encalhado no meio do rio nesta “versão” oriental está tão só como se tivesse naufragado numa ilha deserta e depara-se exactamente com as mesmas situações mostradas no filme com Tom Hanks mas desta vez com uma pequena excepção…

Numa das margens do rio, vive uma rapariga que não sai do seu quarto há 3 anos. Toda a sua existência é passada online e o seu mundo real é apenas um quarto atulhado do lixo que foi acumulando durante a sua existência de eremita.
A sua vida é passada em jogos online, tem um negócio que gere através da web, encomenda comida pela net, comunica com os pais apenas por mensagens de SMS e tudo faz para se isolar do resto do mundo com o qual recusa contactar.
Um dia ao preparar-se para fotografar a lua com a sua câmera por acaso descobre que no meio do rio está um tipo que vive como um selvagem na ilha do rio que divide a cidade e a partir daí a vida da jovem começa a sofrer uma influência que ela nunca esperou vinda de um local fora do seu próprio mundo e causada por um jovem que ela pura e simplesmente não sabe como contactar ou sequer se apercebe de que ele precisa de ajuda.

Normalmente eu não costumo contar muito sobre um filme, mas achei que [“Castaway on the Moon“] merecia que eu lhes contasse este bocadinho, até para vocês perceberem que isto não é a típica comédia destrambelhada que aparenta ser na capa do dvd ou no cartaz do filme.
Aliás, [“Castaway on the Moon“] como cinema é inclusivamente algo ambiguo. É um filme comercial…ou pelo menos grande parte dele é, mas também contém um estilo intimísta que me apanhou de surpresa.
A própria fotografia etérea atira o filme para uma atmosfera algo inesperada logo quando como espectadores nos apercebemos que se calhar isto será um filme mais profundo do que aparentava ser. Isto aliado a um estilo visual muito baseado numa identidade gráfica particular coloca este filme num género á parte logo na primeira meia hora.

Enquanto espectadores ficamos um bocado sem saber mesmo qual o rumo que a história poderá tomar. Conseguimos adivinhar o que acontecerá em linhas gerais, mas podem ter a certeza que não vão esperar encontrar muitos dos pormenores que aparecem nesta história desde o seu início até á sua resolução.
Ah, a propósito…se calhar é melhor não verem [“Castaway on the Moon“] depois do jantar…

O filme começa como uma comédia negra, depois entra por um humor completamente escatológico portanto se alguma vez pensaram em ver um grande filme de merda se calhar vão gostar de alguns momentos mais hilariantes da primeira metade só pela repulsa que lhes irá causar e porque não conseguirão mesmo afastar os olhos do ecran pois a partir de certa alturaparece que tudo pode acontecer.
Garanto-vos que nunca viram um náufrago assim em “Castaway” sequer.
Além de alguma comédia mais radical [“Castaway on the Moon“] conta ainda com um par de gags hilariantes com destaque para o breve momento em que o protagonísta tenta fazer fogo como se vê fazer nos filmes. Mais não digo.

É dificil falar de [“Castaway on the Moon“] sem revelar muita coisa pois a vontade que me dá é contar-lhes já os melhores momentos de um filme que na verdade vai muito para além da simples e banal comédia de costumes.
Aliás se existe um filme que poderá ser sujeito a inúmeras análises sociológicas entre muitas outras interpretações e discussões sobre os temas que o percorrem é este. Claro que uma forma ligeira; não estou a dizer que isto seja o mesmo que interpretar um qualquer tratado.Mas  é bastante interessante na forma como joga com aquelas pequenas coisas a que estamos habituados e temos por certas na nossa vida.
Desde a importância da  junk-food na nossa felicidade imediata ao ponto de a tentarmos recriar para mitigar o nosso sofrimento psicológico quando ela nos falta, até ao próprio conceito de isolamento há por aqui muita coisa para originar muito motivo de conversa se virem isto com muitos amigos.

[“Castaway on the Moon“] é uma comédia que no fundo não é para rir, é um drama que nos faz pensar em vez de chorar, é uma grande história de amor sem o ser mas onde os protagonístas nunca se desencontram apesar de viverem isolados. E é também um filme que não pode ser verdadeiramente incluído num género específico pois cada segmento da sua narrativa poderia ele próprio ser uma curta metragem de um género diferente. Apenas todos estes “segmentos isolados” estão muito bem enquadrados uns nos outros e o resultado não poderia ter sido melhor.

Não achei [“Castaway on the Moon“] um filme muito comercial se pensarmos nele pelo estilo de narrativas a que estamos habituados a ver chegar ás nossas salas. Poderá ser no entanto um bom exemplo de um certo tipo de cinema pipoca oriental que contém precisamente aquele tipo de características que na minha opinião raramente se encontram nos filmes pipoca a que estamos habituados a consumir. É um filme algo lento, com uma carga intímista invulgar que alterna entre momentos de comédia e suspanse de ambiente gráfico estranho e atmosfera algo perturbante mas que ao mesmo tempo tem momentos de comédia geniais, para não dizer algo repugnantes também tudo muito bem equilibrado com uma sensação de romance latente que nos agarra até ao final.
Nem tudo é explicado ao espectador, o que é mais outra diferença do cinema oriental em relação ao que normalmente estamos habituados a ver.

Como filme em si, por mim é um produto fantástico porque consegue ligar de forma única muitos retalhos de diferentes estilos.
Não há muito mais a dizer nem vou tentar entrar por grandes análises cinéfilas para justificar melhor a minha nota alta, pois isso é o que menos me interessa no Cinema.
Pessoalmente estou-me borrifando para a inovação de um Fritz Lang, para a mestria de um John Ford ou para a genialidade Stanley Kubrik. Fizeram excelentes filmes, tenho dvds deles todos, passa á frente.
Sempre tentei neste blog escrever o que penso da forma mais simples e directa como se estivesse a recomendar um filme aos meus amigos pois não sou crítico de cinema nem quero ser e passo-me dos carretos com aquelas reviews muito conceituadas e onde ás vezes se analisa tudo menos o interesse que o filme poderá ter para o espectador comum e em vez disso muitos Iluminados passam parágrafos a dissertar sobre as implicações psicológicas ou pior, Artísticas de um gajo ter usado um plano A em vez de um plano B como se estes soubessem o que o realizador queria mesmo dizer com aquilo.
É este tipo assunção de intenções que sempre tentei evitar com este blog e como tal recomendo-vos [“Castaway on the Moon“] porque tenho a certeza de que muitos de vós irão gostar, acho que está muito bem filmado, tem excelentes personagens extravagantes e é mais um produto de cinema oriental único que certamente irão ver em versão americana (bem mais ligeira) não tarda nada.

Obrigado a todos pelas visitas pois é por vossa causa que este blog de filmes  chegou ao filme número 100.
Espero que gostem deste também e pode ser que ainda nos encontremos no 200 daqui a mais dois anos.

——————————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO :

Tem um dos conceitos mais originais que me lembro de ver nos últimos tempos e é um filme que se acompanha com muito interesse que depois se vai gradualmente transformando em suspanse culminando numa história de amor muito original.
Não há muito mais para dizer além do que já escrevi para trás.
Cinco tigelas de noodles e em Golden Award apesar de não ser um daqueles que nos apeteça rever constantemente mas ficará certamente na vossa memória pois nunca viram uma história assim.

noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg gold-award.jpg

A favor: é uma espécie de “anti-Lagoa Azul” com um gajo maluco e uma chavala ainda mais alucinada, tem um par de gags hilariantes, o conceito base é único e muito imaginativo na forma como todo o argumento é desenvolvido, alterna entre o estilo intimista de um filme de autor e o melhor do cinema comercial embora seja um filme algo estranho, tem cenas de merda muito nojentas, bom suspanse no final, é uma história de amor que nunca se assume como tal, é um drama mas não da forma como pensam que vai ser, é uma comédia mas não como esperam.
Contra: não agarra á primeira pois achei-o divertido mas só depois da primeira hora é que realmente o comecei a ver como algo mesmo especial.

——————————————————————————————————————

NOTAS ADICIONAIS:

Trailer
http://www.youtube.com/watch?v=BnF7cZcwPHM

COMPRAR
Recomendo a compra aqui desta edição neste site. Boa loja, muitos titulos e serviço profissional.

Eu vi a minha cópia aqui com legendas em inglés mas parece que já podem encontrar o filme aqui Asian Space com legendas em Pt Br


IMDB
http://www.imdb.com/title/tt1499666/

——————————————————————————————————————

Filme semelhante de que certamente irá gostar:

* Não me lembro de nada parecido com isto*

——————————————————————————————————————

Jisatsu sâkuru (Suicide Club ou Suicide Circle) Shion Sono (2001) Japão


Interesso-me sempre por espreitar primeiras obras de novos realizadores. Especialmente dentro do cinema oriental claro está.
Então quando estamos na presença de uma primeira incursão no género de terror da autoria de um gajo que até á data apenas tinha realizado filmes porno-gay asiáticos, é caso mesmo para não perder um segundo de [“Suicide Club“] pois a coisa promete.
Sim, porno-gay. 🙂

suicide18

Passar da pornografia para o chamado cinema normal nunca é tarefa fácil, mas há que convir que este tipo tem qualquer coisa de interessante e de certa forma até conseguiu ser bem sucedido apesar deste filme ser absolutamente estranho. Ou será … estúpido ?…
Se procurarem pela net, encontrarão inclusivamente no Imdb, bastantes pessoas convencidas de que perceberam o filme. Não se deixem iludir por esses comentários pois essa gente deve andar a dar na coca.
Mas não deixa de ser curioso, parecer haver tanta gente a querer interpretar [“Suicide Club“] ás vezes com conotações absolutamente hilariantes á força de tentarem parecer inteligentes em demasia.

suicide22

Esqueçam. Este filme japonês não tem lógica e se calhar nem é para ter.
Podem arranjar as explicações que quiserem para o final, esmiuçar todas as implicações sociais, filosóficas e intelectualoides que não vale a pena. Este argumento não tem ponta por onde se lhe pegue. O que é estranho pois no que toca a uma narrativa coerente ao longo de toda a sua duração até transporta o espectador por pelo menos cinco histórias diferentes de uma forma bastante interessante pois não há dúvida que este realizador sabe criar tensão e ambiente.

suicide17

Ao contrário da história noutro filme que deixa muita gente confusa, o fabuloso “A Tale of  Two Sisters“, aqui em [“Suicide Club“] não há mesmo ponta por onde se lhe pegue por uma simples razão. As histórias paralelas que apresenta permanecem practicamente sempre isoladas. Podiam ser de filmes orientais independentes sem qualquer ligação ao suposto mistério central que não se notava nada.

suicide01

Por muito que não pareça em “A Tale of  Two Sisters” há mesmo uma história e na realidade é tão simples que parece bem mais complexa do que é,  mas que é fácilmente desmontada quando ordenamos as peças do puzzle pela cronologia temporal correcta e percebemos quais as relações entre os personagens (onde nem falta uma pista excelente no próprio poster do filme).

suicide16

Nada disso se passa em [“Suicide Club“]. No fundo resume-se a uma mistura de cinco boas histórias isoladas que poderiam qualquer uma delas dar excelentes filmes de terror mas que nunca são aproveitadas na sua plenitude pois o elemento condutor que supostamente as liga é tão obscuro e críptico que faz com que a história nem tenha uma resolução final satisfatória como merecia.
O problema de [“Suicide Club“] é que é nem sequer disfarça, mas sente-se plenamente que é um daqueles filmes a querer armar a inteligente.

suicide21

A sua atitude cinéfila ao estilo do eu sou tão confuso que só pessoas muito espertas é que me poderão interpretar e chegar realmente á minha essência profunda acaba por se tornar profundamente irritante quando chegamos ao final e nada do que é estruturado ao longo da narrativa tem realmente uma resolução objectiva.

suicide14

Esse sentimento quanto a mim está presente ao longo de todo o filme e acho que é definitivamente o seu grande ponto negativo.
É um daqueles trabalhos de cinema oriental que na verdade não precisava de estar a mostrar a sua inteligência a todo o instante e no entanto o constante toque artístico a meter pinta de cinema-de-autor á força acaba por se tornar na sua fraqueza.

suicide00

Tirando isto, no entanto na verdade não se pode dizer que [“Suicide Club“] seja um mau filme de terror porque não é.
Tirando os enervantes tiques a cinema-artístico, quando entra por momentos de tensão e verdadeiro mau gosto no que toca a banhos de sangue é um excelente espectáculo para quem gosta de muita hemoglobina no ecran e pensa que já viu tudo em matéria de conceitos horrorosos para nos encherem os ecrans com sangue.

suicide03

É que se gostam de sangue, não vão ficar decepcionados. [“Suicide Club“] tem momentos verdadeiramente arrepiantes, se calhar não pelo que mostra mas mais porque sabe criar uma tensão no espectador que depois aproveita muito bem na hora de nos despejar o sangue em cima.
[“Suicide Club“] além disso tem uma atmosfera doentia que só lhe fica bem. Está carregado de cenas de suícido colectivo genialmente tensas e ainda por cima tem uma certa carga de pedófilia subliminar que só o torna ainda mais enervante e enigmático daquela forma que só os japoneses conseguem fazer ou o cinema asiático consegue proporcionar.

suicide23

E também não custa muito a acreditar que o realizador tenha vindo da pornografia homossexual, o que só adensa ainda mais a atmosfera deste produto verdadeiramente único dentro do cinema de terror.
Por outro lado….se isto é um filme “normal” , eu nem consigo imaginar que fantasmas ou taras sexuais verdadeiramente pervesas poderão estar na filmografia pornográfica do tipo que filmou [“Suicide Club“]. Eu por mim dispenso qualquer filme porno deste senhor, seja gay ou étero. Prefiro nem imaginar.

suicide11

Sendo assim, o que dizer de [“Suicide Club“] ?
Eu recomendo. Se gostam de filmes de terror orientais este é um daqueles que deve ser visto pelo menos uma vez.
E se gostam de filmes em que adolescentes fofinhas saltam em grupo  para linhas de metro ficando desfeitas em milhares de bocadinhos sangrentos, então este filme é para vocês meus amigos.

——————————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO:

Adolescentes fofinhas aos bocados, dedos cortados, cabeças decepadas, suicidios ao molhe, pedófilia subliminar e homossexualidade artística tudo condimentado com alguns baldes de sangue e muita pretenção a filme de arte.
O que poderia ser melhor ?

suicide15

Bom, o filme poderia ser menos pretencioso.
Por causa disso só leva duas tigelas e meia. É um filme de terror muito interessante  e recomendo-o mesmo a quem gosta do género pois tem tudo para agradar. No entanto poderia ter sido melhor se a sua história levasse a lado algum sem ser necessária uma interpretação quase filosófica ou sociológica da parte do espectador.

noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2emeia.jpg

A favor: tem um par de boas histórias pelo meio, o mistério é interessante, as cenas de suicídio são fantásticas e arrepiantes, excelentes momentos doentios cheios de tensão, muita gente aos bocados e baldes de sangue quanto baste.
Contra: arma-se demasiado em filme artístico e leva-se demasiado a sério, as histórias são demasiado independentes e nunca ligam como deveriam de ter ligado para nos apresentar o final que este filme oriental merecia ter tido, tem pretenção a mais e por isso não é tão divertido quanto deveria ter sido pois arrasta-se por momentos a tentar parecer uma obra mais inteligente do que precisava de ter sido.

——————————————————————————————————————

NOTAS ADICIONAIS

Trailer
http://www.youtube.com/watch?v=1Dx3_fwEbM4

suicide25_capa

Comprar
http://www.play-asia.com/paOS-13-71-aa-49-en-15-suicide+club-70-361k.html
Atenção que existe há venda uma versão censurada.

Caso queiram vê-lo antes de o comprar podem ir buscá-lo aqui ao AsianSpace.

Review adicional, para tentarem compreender o filme depois de o verem.
Tenta uma corajosa interpretação possível da coisa.
http://www.bocadoinferno.com/romepeige/artigos/suicide.html

IMDB
http://www.imdb.com/title/tt0312843/

——————————————————————————————————————

Filmes semelhantes de que poderá gostar:

A Tale of Two Sisters Dark Water hanselgretel100x73 kairo73x100

——————————————————————————————————————

Lian zhi feng jing (The Floating Landscape) Miu-suet Lai (2003) China


[“The Floating Landscape“] é um filme oriental tão estranho quanto especial.
Estranho porque ao contrário do que o videoclip dá a entender não é de forma nenhuma a típica história de amor ultra-fofinha ao estilo oriental mas sim uma obra que se situa algures entre um filme de autor intímista e a love-story comercial embora nunca se defina por completo.  Isto contribui para que seja um produto cinematográfico com um certo charme que só lhe fica bem quando comparado com todas as outras histórias de amor que inundam o mercado pois estamos na presença de um filme asiático diferente.

Especial também, porque essa diferença mais uma vez mostra que actualmente ninguém produz melhores histórias de amor do que o oriente pois conseguem acima de tudo humanizar os personagens e torná-los pessoas reais sem precisar de entrar em diálogos excessivamente dramáticos e telenovelísticos. Mais uma vez estamos na presença de uma história de amor em que a palavra “amar” practicamente nem aparece no argumento e tudo é nos mostrado pela imagem.

Mas este filme na minha opinião também é especial porque é um daqueles que nos puxa para ele muito depois de o termos visto. No meu caso, da primeira vez que o vi não gostei particularmente, pois estava á espera de encontrar no filme o mesmo ambiente do videoclip e fui surpreendido com uma obra bem mais intimista e mais de acordo com o trailer oficial que ainda não tinha visto na altura.
No entanto, mesmo não tendo gostado particularmente de [“The Floating Landscape“] a verdade é que este filme insistia em não me sair da cabeça, (um pouco como aconteceu com “Madeleine“). E isto mais uma vez essencialmente devido á sua atmosfera, algo que é agora um bocado dificil de explicar a quem ainda não viu o filme.

 

Aparentemente [“The Floating Landscape“] é uma obra asiática muito simples. A história é intrigante mas nem por isso particularmente misteriosa, isto porque o espectador percebe logo muito antes dos personagens o significado do enigma que os confunde e este facto retira logo todo o suspense que o desenlaçe poderia ter, o que me desiludiu quando vi o filme pela primeira vez.
No entanto, a uma segunda visão já conhecendo bem a estrutura da narrativa a verdade é que [“The Floating Landscape“] revela-se numa obra especial e com muitos bons motivos para agradar a quem procura uma história de amor diferente do habitual cinema oriental do género.
Diferente no ambiente, pois além de contar com dois personagens cativantes e tão simples que parecem pessoas reais ainda se passa numa das cidades mais atmosféricas que me lembro de ver no cinema.

O filme passa-se algures numa das muitas cidades industriais costeiras da China e ao contrário do que possam pensar esta não tem nada de extraordinário. Não é um local ao estilo de Paris ou Roma, não tem nenhuma característica que a torne parte de qualquer roteiro turístico mundial obrigatório, mas tem uma coisa absolutamente fascinante e que a transforma no cenário perfeito para ser palco da história deste filme.
A melhor maneira de descrever o seu ambiente será dizer-vos que em certos momentos parece um local perdido onde o tempo corre mais devagar e em certos momentos parece uma cidade saída de um desenho animado de Hiyao Miyazaki.
Além do par romântico, a cidade é a terceira personagem do filme e apesar da localização geográfica nem ter qualquer relevância para a história neste caso a luz com que esta é sempre fotografada cria uma atmosfera realmente bonita que contrasta um pouco com a frieza e a melancolia  presente no próprio desenrolar da narrativa.

É que uma das características estranhas deste filme está precisamente no seu equílibrio entre dois tons narrativos extremamente distintos. Se por um lado [“The Floating Landscape“] tem um lado poético e bonito na forma como usa as cores da cidade para ilustrar a relação dos dois protagonistas, por outro tem também momentos intimístas extremamente frios e algo perturbantes que parecem até deslocados do resto do filme. Se numas alturas assume claramente um estilo de cinema de autor noutros momentos parece querer colar-se ao registro oriental mais comercial. Isto cria um ambiente algo incerto, pois enquanto espectadores nunca sabemos se a seguir vamos ter uma cena ligeira ou então mais uma sequência com outra daquelas cargas de tristeza contemplativa que nos fazem querer cortar os pulsos.
E por falar nisso…
Já agora chamo a atenção para a inesperada e muito gráficamente explícita cena de tentativa de suicidio envolvendo um pulso, uma lâmina de barbear, veias e muito sangue que aparece nos momentos iniciais do filme e que poderá ser um bocado incomodativa para muita gente.
Dentro do contexto da história entende-se a razão da cena estar lá, mas a verdade é que é algo realmente inesperado quando o videoclip nos remetia para um filme muito mais ligeiro do que na realidade [“The Floating Landscape“] é em alguns momentos.

Esta estranha alternância entre um ambiente comercial descontraído e uma atmosfera negra intímista  muito triste e deprimente é uma das coisas que mais nos confunde nesta obra e ao mesmo tempo se calhar é aquilo que também torna [“The Floating Landscape“] num filme que não se esquece, especialmente se gostarmos de histórias de amor originais e bem contadas.
Um factor muito importante que contribui imenso para a atmosfera é tmbém a banda sonora.
Mais uma vez, se esperam encontrar algo no estilo da música que aparece no videoclip esqueçam, pois essa canção nem entra na história. Em vez de uma banda sonora ligeira, todo o filme é pontuado por uma atmosfera sonora bastante minímalIsta (quase de música erudita) e que reflete muito bem principalmente o clima de intensa tristeza que percorre muitas partes da história.
Embora ao mesmo tempo também consiga ilustrar os momentos alegres mas de uma forma igualmente intímista, por isso já sabem, [“The Floating Landscape“] é tão diferente que até a própria música não é aquilo que se esperaria mas mais uma vez isto contribui para tornar o filme numa história de amor especial que merece ser vista pelo menos uma vez.

E como se o filme não fosse já suficientemente estranho, se calhar é melhor dizer também que este mete um par de sequências em desenho animado, mas sobre isto não vou dizer muito mais, até porque vocês precisam ter algo para apreciar de fresquinho e os momentos animados presentes em [“The Floating Landscape“] apesar de breves contribuem também para aquele estranho equilibrio entre cinema de autor, cinema comercial e para a originalidade do filme.

Basicamente  [“The Floating Landscape“] conta a história de uma rapariga que depois do namorado ter morrido de uma rara doença genética mesmo assim não consegue deixar de o amar. Após uma tentativa de suicídio como forma de se sentir mais perto do jovem que faleceu ela resolve viajar até á cidade natal do namorado com o objectivo de conseguir encontrar o local real que este representou um dia num desenho e que significava muito na sua vida.
Ao chegar lá encontra um jovem carteiro que a guia pela cidade e a tenta ajudar a encontrar esse local presente na ilustração mas sempre sem grande sucesso, (embora para o espectador seja mais que óbvio). Durante esse processo vocês, já estão a ver o resultado e claro que o jovem carteiro se apaixona pela rapariga que entretanto não consegue largar a obsessão de encontrar a paisagem desenhada pelo namorado e com isso nem repara no amor e na possibilidade de um novo futuro feliz que o jovem carteiro lhe poderia proporcionar.

——————————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO:

Apesar da minha classificação relativamente baixa quando comparada com a de outras histórias de amor que já apresentei neste blog não se deixem desmoralizar. Na verdade se calhar [“The Floating Landscape“] até é capaz de merecer mais mas a verdade é que a estranha indefenição entre estilos de cinema lhe retira muito da força que merecia ter tido.
No entanto continua a ser uma boa história de amor e que merece ser vista ou até fazer parte de qualquer colecção de quem gosta de cinema romântico oriental e não receie encontrar um filme algo frio em certos momentos.
Até porque a atmosfera (quando não é fria e deprimente como o %&#”) é quase mágica e a química entre os dois protagonistas é excelente. Tivesse o estilo de filme sido mais bem definido e [“The Floating Landscape“] poderia até ser um daqueles filmes obrigatórios. Assim fico-me apenas pelo muito recomendável. Mas recomendável mesmo, pois é uma excelente alternativa a todos os outros filmes do género romântico oriental que tenho recomendado até agora.
Trés tigelas e meia de noodles, porque mesmo assim é muito bom (de uma forma estranha).

noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2emeia.jpg

A favor: a química entre os actores, os personagens muito humanos e reais, a maneira como a cidade está filmada, tem uma atmosfera muito poética apesar de algo melancólica até nas partes mais bonitas, as breves ilustrações da sequência animada, por entre o ambiente triste contém um par de sequências românticas bonitas sem precisar de recorrer a diálogos de telenovela para mostrar emoção, apesar de estranho e por vezes muito deprimente é um filme que nos fica na memória pelos seus pequenos aspectos muito positivos.
Contra: a realização não deslumbra e esforça-se demasiado para ser um daqueles filmes de autor inteligentes, a banda sonora é muito boa mas pode ser bastante triste e não tem nada a ver com a balada comercial do videoclip, a carga emocional negativa que percorre todo o filme quase que anula o ambiente romântico que a história supostamente pretende ter, não sabe se quer ser um filme de autor ou uma love-story comercial, não é uma obra que estejamos sempre a querer voltar a ver ao contrário de filmes como “Be With You“, “The Classic” ou “Il Mare“ e pode decepcionar quem espera algo mais essencialmente comercial.

—————————————————————————————————————

NOTAS ADICIONAIS

Trailer
http://www.youtube.com/watch?v=lzU1DNLRNxI

Videoclip
http://www.youtube.com/watch?v=6pnWBQ6jnqM&feature=related

Comprar
A edição que tenho é esta. Contém um pequeno making of muito interessante mesmo apesar dos extras não estarem legendados em inglés. Apenas o filme está legendado, mas tem uma boa cópia e é uma boa compra para quem quiser comprar mais uma boa história de amor oriental.
http://www.play-asia.com/paOS-13-71-7l-49-en-15-the+floating+landscape-70-3g1.html

Podem também encontrá-la á venda na Amazon.com a um bom preço.

IMDB
http://www.imdb.com/title/tt0377923/

——————————————————————————————————————

Outros títulos românticos recomendados:

Be With You My Sassy Girl Love Phobia

Il Mare The Classic Fly me to Polaris

——————————————————————————————————————