“KEEPER OF DARKNESS” (“Tor dei gui mou yan”) Nick Cheung (2015) China


Este será mais um post em paralelo com o meu blog sobre cinema esquecido porque é inevitável visto estarmos a falar de um filme que irá passar ao lado de practicamente toda a gente.
É também o título perfeito para começarmos em grande este ano de 2017 aqui no blog.
Enquanto meio mundo há algum tempo atrás andava horrorizado a discutir quão mau era, ou iria ser o novo filme “Ghostbusters” eu descobria um dos filmes sobrenaturais mais surpreendentes dos últimos tempos, [“KEEPER OF DARKNESS”].

keeper_of_darkness-05

E o que tem uma coisa a ver com a outra ? Bem…
Pessoalmente nunca hei de entender a fama de “Ghostbusters” e só encontro explicação para o sucesso por ter sido um dos filmes mais carregados de efeitos especiais a aparecer numa época em que os efeitos eram uma novidade nunca vista naqueles moldes e levavam muita gente ás salas só para verem raios e explosões animadas quanto baste pois os blockbusters modernos ainda estavam na sua infância e eram por isso uma novidade.
Nunca fui minimamente fascinado pelo franchise “Ghostbusters”, em 1984 não me disse grande coisa (mesmo tendo-o visto no cinema aos 14 anos) e para lá de achar o conceito muito original sempre detestei aqueles personagens.
O facto de hoje o filme tresandar ao pior dos anos 80 em termos de Hollywood ainda agravou mais o meu desprezo actual de todas as vezes que ao longo dos anos o tentei rever. Para mim “Ghostbusters” para mim sempre foi um franchising frustrante, pois sempre achei que haveria por ali algures uma boa história bem mais criativa para ser contada e há muito tempo que eu pensava que aquele conceito sobrenatural com fantasmas e caçadores de espíritos poderia ser algo divertido.
Por isso gostei agora tanto de [“KEEPER OF DARKNESS”]

keeper_of_darkness-62 keeper_of_darkness-27

[“KEEPER OF DARKNESS”] é o “Ghostbusters” sério ( e a sério ) que eu sempre achei que deveria ter sido feito.
Não porque [“KEEPER OF DARKNESS”] envolva um grupo de “super-heróis” quotidianos que cacem fantasmas mas porque esta aventura Chinesa também é toda construída à volta da ideia de que partilhamos o nosso quotidiano com almas penadas; apenas não as conseguimos ver.
Nós não, mas algumas pessoas sim.
E [“KEEPER OF DARKNESS”] gira precisamente à volta de uma dessas pessoas; um tipo com capacidades –mediúnicas– que volta e meia vê-se envolvido em confrontos e exorcismos com todo o tipo de ectoplasmas chatos como o caraças que insistem em possuir ou assombrar o cidadão comum.

keeper_of_darkness-36 keeper_of_darkness-64

Mas não pensem que o nosso herói aqui é uma espécie de versão masculina da personagem “Melinda Gordon” na série “Ghost Whisperers” empenhada em ajudar alminhas perdidas. Aqui o nosso exorcista de serviço – Fatt – tem conecções à máfia de rua de Hong-Kong, é amigo de um bando de vândalos mafiosos que percorrem as ruas “mafiando” ao mesmo tempo que tentam praticar algumas boas acções pelo caminho também; ( porque é bom para o Karma ) e vive com o fantasma de uma miúda que não quer partir “para o Outro-Lado” porque está apaixonada por ele e não quer ainda reencarnar.

keeper_of_darkness-11 keeper_of_darkness-08

Tudo isto quando pelo meio de um par de exorcismos que correm de forma irregular Fatt detecta que apareceu nas ruas um novo espírito sedento de vingança e que pretende eliminar um por um todos os exorcistas das redondezas até chegar à pessoa responsável pela sua morte anos atrás num incêndio.
Para ajudar à festa, temos ainda o ajudante de Fatt, uma espécie de mafioso de quinta categoria em estilo-fashion-mete-nojo-hilariante mas que quer desesperadamente conseguir tornar-se também num exorcista e uma jornalista, que ao tentar desmascarar Fatt como impostor acaba por descobrir um mundo com que nunca sonhou e pelo meio apaixonar-se sem esperar. 
Mas há mais !

keeper_of_darkness-04 keeper_of_darkness-40

Há mais, mas até já falei demais. Como sabem não gosto nada de contar as histórias dos filmes por aqui pois para mim um filme deverá ser visto sem saberem nada ou o mínimo sobre ele, mas desta vez precisava colocar a minha opinião dentro de um contexto concreto.
A verdade é que [“KEEPER OF DARKNESS”] tem mesmo um certo sabor a “Ghostbusters”, tanto nas cenas divertidas de exorcismo com os fantasmas, como na forma como usa a comédia com bom efeito até para fazer a narrativa avançar de um ponto a outro.

keeper_of_darkness-20 keeper_of_darkness-12

Mas se [“KEEPER OF DARKNESS”] tem uma coisa absolutamente fascinante é o facto de conseguir equilibrar um monte de géneros dentro de uma só história e fazer tudo combinar sabe-se lá como !
Este filme numa questão de segundos consegue passar de uma comédia de efeitos especiais a drama pesado, consegue passar de cinema de aventura a cinema de terror ( com um par de bons arrepios pelo meio ), passa por um estilo blockbuster misturado com o cinema-de-Crime quando navega por ambientes com marginais mafiosos e ainda tem tempo para nos dar uma das melhores histórias de amor saídas do cinema chinês dos últimos anos.

keeper_of_darkness-16 keeper_of_darkness-13

Aliás, se [“KEEPER OF DARKNESS”] funciona tão bem a todos os níveis e em todos os géneros que inclui no seu argumento desde o início é porque no seu coração está uma história de amor absolutamente divertida em modo fofinho oriental com dois protagonistas únicos.
Boas histórias de amor saídas do oriente normalmente partem do Japão ou da Coreia do Sul que tornaram o género quase numa forma de arte mas a China nunca conseguiu criar grande empatia quando tenta entrar por uma atmosfera de romance no seu cinema. 
Embora já tenha havido algumas excepções quando procuramos por cinema Chinês normalmente esperamos mais encontrar bons épicos históricos ou cinema de acção.

keeper_of_darkness-30 keeper_of_darkness-32

Ora desta vez e tal como já aconteceu com “A TIME TO LOVE” ou “LOVE IN SPACE”, [“KEEPER OF DARKNESS”] acerta em cheio no coração emocional do filme. 
A história de amor entre Fatt e a fantasminha apaixonada que assombra o seu apartamento vai buscar o melhor do drama de “A time to Love” com a comédia contida mas romanticamente divertida de “Love in Space” e consegue momentos verdadeiramente atmosféricos que criam uma grande empatia com espectador e centralizam também todos os outros aspectos que compõem o filme.

keeper_of_darkness-14 keeper_of_darkness-53

A fantasma pode ser fofinha mas ainda nos prega um susto valente ou dois bem colocados e o seu registo varia também entre a comédia e o drama algo angustiante por vezes numa questão de segundos, o que demonstra claramente que o realizador de [“KEEPER OF DARKNESS”] sabe muito bem o que está a fazer conseguido transportar o espectador ao longo da história numa verdadeira montanha russa de emoções inesperadas nos momentos mais inesperados também.

keeper_of_darkness-26 keeper_of_darkness-10

[“KEEPER OF DARKNESS”] tem também um certo sabor ao cinema de Wong Kar Wai, o que só lhe fica bem neste caso. Não que a tentativa de homenagem a um certo estilo bem reconhecível seja por demais persistente mas nota-se aqui e ali a influencia do realizador de “In the Mood for Love” e isto sempre no melhor dos sentidos.
Quem gosta do cinema de Wong Kar Wai vai gostar deste filme por razões estéticas também. Aliás nem falta aqui Karina Lau, uma das actrizes recorrentes do cinema de Wai.
Se Wong Kar Wai um destes dias decidisse filmar algo bem mais comercial poderia inclusivamente criar a sequela para este filme pois o seu estilo iria enquadrar-se bastante bem.

keeper_of_darkness-02 keeper_of_darkness-54

Acima de tudo estamos na presença de mais um filme com cenas espectaculares e montes de efeitos digitais que não se esquece do principal.
Os personagens e a humanização dos mesmos.
Se falha em alguma coisa será apenas no vilão pois a sua história ( e motivações ) no final acabam por parecer que não se integram tão bem quanto todo o resto do filme até ao desenlace final da aventura…

keeper_of_darkness-22 keeper_of_darkness-17

Talvez por isso [“KEEPER OF DARKNESS”] seja um daqueles filmes com múltiplos finais, como se o realizador tivesse consciência de que parte de aventura nem sequer fosse o mais importante e resolvesse acabar a história do filme de uma forma mais humana.
A gente agradece.
 E o final “final” também é fixe.
Agora o que eu quero mesmo é uma sequela.

—————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO

Se procuram por cinema sobrenatural com almas penadas e um sabor a aventura urbana com um toque de terror, drama, comédia e uma excelente love story para rematar não vão mais longe.
 Ignorem as más reviews no IMDb pois como de costume foram postadas por americanos que se trocam todos quando não percebem de que género é um filme.
[“KEEPER OF DARKNESS”] é original, divertido, assustador, espectacular, dramático e tocante.
Tudo num único filme que resulta muito bem.

Cinco Tigelas de Noodles e um Gold Award


noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg gold-award.jpg

Se calhar nem merece o Gold Award pois tem um par de falhas que lhe retira alguns pontos na história central envolvendo o vilão sobrenatural, mas a verdade é que este foi um dos filmes Chineses que mais me divertiu nos últimos anos.

keeper_of_darkness-62 keeper_of_darkness-01

Comprei o Bluray na China ( região zero ) e acho que ainda gostei mais dele agora que o revi do que quando o vi pela primeira vez; pois da primeira vez a mistura de géneros pode deixar-nos um bocado aturdidos e impedir-nos de notarmos como [“KEEPER OF DARKNESS”] é realmente bom; por ser também algo único dentro do género.

A favor: a mistura entre géneros que funciona perfeitamente sabe-se lá como, o sentido de humor negro, a historia de amor, a química romantica dos protagonistas, as cenas assustadoras , a atmosfera sobrenatural, os personagens, a carga dramática , as cenas de acção, os efeitos especiais, mais uma vez a humanização dos personagens.

Contra: algum CGI podia ser melhor, a parte dramática ao redor do vilão parece algo deslocada do resto do filme e sente-se que está um bocadinho forçada para poder encaixar.

—————————————————————————————————

NOTAS ADICIONAIS

TRAILER
Nota:
o filme não é o blockbuster de acção que aparenta no trailer. É bem mais contido e intimista contrariamente ao espectáculo de efeitos que o trailer aparenta mostrar.

IMDb
http://www.imdb.com/title/tt5157030/

——————————————————————————————————————

Se gostou deste, poderá gostar de :

capinha_natural-city capinhas_2046 capinha_sigaw capinha_rigor-mortis

—————————————————————————————————

Valley of Flowers (Valley of Flowers) Pan Nalin (2006) India/Japão/França/Alemanha


De vez em qando aparecem filmes que desafiam qualquer classificação possível e este enigmático mas fascinante [“Valley of Flowers”] é o exemplo mais recente deste género.

É um daqueles filmes que não se podem encaixar em lado nenhum. Não é suficientemente comercial para poder correr o comum circuito de filmes pipoca, até porque este é um daqueles que fará com que 99% desse público abandone  a sala bem antes de chegar a meio, mas também não é suficientemente artístico para agradar ao mais acérrimo intelectual fundamentalista frequentador de festivais obscuros, porque afinal, [“Valley of Flowers”] se calhar tem acção e aventura a mais e apesar do seu ritmo lento não filma planos fixos de pedras a crescerem durante meia hora.

[“Valley of Flowers”] é também um filme Indiano, embora não esperem encontrar nele cantigas pimba e danças coloridas de dez em dez minutos pois neste filme Indiano ninguém canta ou dança. Talvez com excepção de uma atmosférica sequência lá para o final ao som de uma banda sonora e uma canção específica mas de que não posso aqui falar porque lhes estragaria o prazer da descoberta do argumento.

Por outro lado, se o dito Cinema de Autor produzisse filmes de aventura e fantasia em massa, [“Valley of Flowers”] poderia servir bem como template para algo dentro desse estilo pois é a coisa mais próxima de um Indiana Jones (ou de um Western) que eu pelo menos vi num filme com estas características.
Se por exemplo, “Ashes of Time” de Hong-Kar-Wai, é o equivalente Wuxia dentro do cinema-de-autor chinês, se calhar [“Valley of Flowers”] bem que poderia ser classificado o equivalente a um blockbuster de aventura ocidental dentro do cinema-de-autor Indiano. Não sei, estou baralhado.

Só lhes digo uma coisa. Se procuram um título diferente dentro do cinema feito no oriente e gostam de filmes de aventura com grandes espaços abertos e uma temática de fantasia baseada em muitos preceitos do budismo não vão mais longe, porque [“Valley of Flowers”] é mesmo muito bom no aproveitamento desses tópicos para criar uma história que por vezes poderá parecer demasiado longa, chata até, mas nunca deixa de ser totalmente hipnotizante. Especialmente quando o filme chega ao seu surpreendente capítulo final que quase que se pode considerar o twist da história se vocês não souberem nada sobre este filme.

O que me leva a uma nota muito importante:
AFASTEM-SE DE PROCURAR SABER MAIS QUALQUER COISA SOBRE [“Valley of Flowers”] NA NET.
Se nunca ouviram falar disto e pelo que já escrevi acham que lhes poderá interessar, nem pensem em ler mais qualquer coisa além do meu texto sobre este filme antes de o verem.
Se não conhecem nada sobre [“Valley of Flowers”] afastem-se não só das reviews da Net como principalmente das fotografias que estão espalhadas por todo o lado pois irão destruir-lhes por completo o prazer de serem surpreendidos pelo rumo do segmento final na história. Fiquem-se pelas fotos que eu seleccionei para colocar aqui sem grandes spoilers.
E já agora, nem pensem em consultar o IMDB sobre isto.
Vão por mim.
Vejam [“Valley of Flowers”] completamente ás escuras e sem saberem nada sobre ele e vão dar-lhe muito mais valor do que lhe dariam se já conhecessem a reviravolta e a temática completa da história.

Como tal, eu até poderia agora comparar isto com dois outros títulos ocidentais bem semelhantes  (um ultra comercial muito famoso e outro dentro do cinema independente americano),  mas não o irei fazer porque isso seria dar-lhes referências a mais e vocês percebiam logo o que iam ver pela frente.
[“Valley of Flowers”] é para ser apreciado sem saberem nada dele.
Continuem assim. 😉

Portanto, o que posso eu dizer sobre isto sem estragar-lhes o filme…
Coisas boas…a história passa-se nos Himalaias no ano de 1836, tem montes de atmosfera e gira á volta de um grupo de bandoleiros composto por exilados de várias terras e que sobrevive assaltando caravanas que percorrem a Rota da Seda por aqueles lados.
Um dia, num desses assaltos encontram uma misteriosa mulher que apaixonada pelo líder do bando tudo faz para se juntar a eles com a promessa de lhes indicar potenciais alvos para assaltos onde poderão enriquecer rápidamente.

Acontece que essa mulher além de estranhamente não possuir um umbigo, parece possuir capacidades sobrenaturais que coloca ao serviço do bando, embora os coloque também em risco pois no seu encalce sem conhecermos bem as razões para tal encontra-se um misterioso homem conhecido como Yeti (esse mesmo) que parece conhece-la e estar muito interessado em capturar não só o bando de assaltantes como principalmente a misteriosa mulher.
E não lhes digo mais nada para não estragar o prazer da descoberta.

[“Valley of Flowers”] visualmente é absolutamente grandioso embora de uma forma estranhamente contida e intimista. Imaginem-no assim como uma espécie de “Where the Wind Dwels” com muitas cenas de acção e aventura pelo meio mas filmado nas mesmas paisagens naturais absolutamente incriveis entre montanhas e vales majestosos e um céu aberto ao azul infinito.
No entanto, atenção, [“Valley of Flowers”] tem muita sequência de aventura, mas o seu ambiente é tão enigmático que não esperem cenas muito emocionantes ao estilo de aventura ocidental a que estão habituados.
Há muita acção mas toda ela é um bocado…parada e o suspanse é gerido de uma forma diferente. Se é que isto faz sentido.

[“Valley of Flowers”] é um filme sobre conceitos espirituais pois assenta muito na filosofia budista e em muitos conceitos a ela associada. Essencialmente estamos na presença de uma história sobre Karma e portanto isto saído de um realizador Indiano com um elenco multi-cultural onde nem sequer faltam japoneses, já podem imaginar que  não irão propriamente ver um filme de aventuras comercial comum.

Quanto a mim tem apenas uma única falha. Talvez tenha uma meia hora a mais na minha opinião. Isto porque começa muito bem, mas depois perde-se um bocado mais ou menos a meio do filme pois durante algum tempo repetem-se não só o mesmo estilo de cenas de aventura como principalmente repetem-se as mesmas ideias e o filme poderia ter evitado isso.
Além disso á força de tentar ser um filme intensamente romântico, este insiste em repetir as mesmas sequências de amor vezes sem conta e que em vez de tornar a história de amor mais poderosa, acaba por a tornar monótona.
Por isso não se espantem se começarem por gostar, mas depois lá pelo meio [“Valley of Flowers”] lhes começar a parecer gritantemente desinteressante e até algo secante. Não desistam porque vale a pena acompanhar o que ainda falta.

[“Valley of Flowers”] tem 15o minutos e se calhar seria um filme de aventura e fantasia ao melhor estilo cinema-de-autor bem mais empolgante se tivesse tido apenas duas horas.
Por outro lado, segundo algumas pessoas parece que existe uma versão curta que foi lançada no ocidente mas o filme não resulta tão bem pois foi-lhe retirada muita da carga filosófica quando deveriam ter encurtado apenas algumas sequências repetitivas.
Sendo assim, se espreitarem este filme, certifiquem-se que vão ver a versão de 150 minutos apesar de tudo.

Eu gostei mesmo muito disto, embora me tenha arrastado para conseguir passar da tal parte do meio quando tudo pareceu começar a repetir-se. No entanto [“Valley of Flowers”] está tão carregado de imagens extraordinárias a todo o instante e a sua atmosfera é tão misteriosa e hipnótica que não conseguia mesmo tirar os olhos do ecran só para saber o que iria acontecer a seguir, isto porque em muitos momentos a história do filme parece que não vai a lado nenhum o que nos deixa ainda mais intrigados para descobrir como será o seu final.

E o final é excelente.
Perde aquela carga de aventura e entra num tom desencantado, bastante filosófico e talvez ainda mais próximo do que é costume em cinema ainda menos comercial, mas resulta. E resulta bem, pois [“Valley of Flowers”] subitamente segue por um rumo totalmente inesperado para quem não conhece nada sobre este projecto e daí, volto a insistir AFASTEM-SE DE PROCURAR SABER O QUE QUER QUE SEJA sobre esta obra antes de verem o filme se nunca ouviram falar dele ou da sua temática central.

Algumas reviews, mencionam o facto da história colocar questões a mais e ter respostas a menos, no entanto, eu acho que isso só parece acontecer se tentarmos acompanhar este filme como se estivessemos a ver uma aventura comercial ocidental comum. Isto poderá fazer com que o espectador depois esteja sempre há espera que num determinado momento apareça no ecran um personagem a explicar tudo o que aconteceu e a detalhar qual a origem de tudo e mais alguma coisa.

[“Valley of Flowers”] contém todas as explicações para o que é enigmático na história; agora, não esperem que alguém lhes vá explicar de bandeja todos os seus mistérios, porque a solução está lá mesmo na frente dos olhos durante o filme todo e muito em particular na sua parte final, inclusivamente nos silenciosos derradeiros segundos.

Apenas não há nenhum personagem que diga coisas como – “isto foi assim porque ….” – ou ” afinal a mulher misteriosa era”.
Esqueçam a fórmula ocidental de explicar os filmes e prestem atenção.
Se calhar também convém informarem-se um bocadinho sobre a própria filosofia Budista e sobre alguma mitologia dos Hymalaias antes se puderem, pois se tiverem as referências necessárias vão não só perceber bem tudo o que há de misterioso no argumento quando este alcança o fim da história como se calhar ainda gostarão mais do filme por não ser paternalista.
Embora, por outro lado…alguém deve andar a vender droga da boa por aqueles sítios pois [“Valley of Flowers”] só pode mesmo ter sido escrito debaixo de uma grande moca ! Ou talvez não.

Estou para aqui tentado em falar-lhes sobre o fascinante segmento final deste filme que subitamente atira a história para um registo realmente inesperado mas não o posso fazer por isso se calhar é melhor passar á classificação final para isto antes que eu diga coisas demais.

——————————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO:

É um excelente cruzamento entre o cinema de aventuras, (ou de viagem) onde as paisagens naturais majestosas são uma personagem por direito e um estilo de cinema intimista e filosófico que irá agradar a quem procura algo menos comercial.
Tem uma história deveras enimática embora nem sempre resulte enquanto filme pois 150 minutos talvez seja demais embora o segmento final seja fascinante pelo inesperado e tom filosófico.
Sendo assim, quantro tigelas de noodles pois é realmente muito bom e acima de tudo interessante quando se vê uma primeira vez e se calhar ainda é um daqueles que lhes apetecerá rever de novo um dia destes, até porque é um antídoto perfeito para um cinema de aventuras mais comercial produzido no ocidente.

noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg

A favor: as paisagens naturais são do outro mundo, visualmente o filme está fantástico, o ambiente é mágnifico em todos os sentidos,  tem uma história enigmática que alterna com alguns segmentos de aventura interessantes, as partes sobrenaturais são muito curiosas e hipnóticas, o segmento final parece pertencer a um filme diferente mas resulta mesmo bem pois dá muita frescura a uma história que até aí parecia que não ia a lado nenhum, as explicações para os mistérios e origem dos personagens estão lá mas não esperem que algum deles lhes venha explicar o que se passou na história numa daquelas cenas paternalistas, contém uma canção excelente algures pelo fim.
Contra: ainda não sei se como história de amor isto resulta ou não pois não há grande química entre os protagonistas, esforça-se demasiado por ser um filme romântico e nota-se esse esforço a todo o instante o que lhe retira muita da naturalidade, não é cinema de aventuras ultra comercial e portanto irá desagradar a quem não suporta aquele toqeue de cinema mais intimista, pelo meio arrasta-se demasiado e a história parece não ir a lado nenhum durante minutos a fio, se não tiverem pelo menos algumas boas referências sobre budismo, filosofia e mitologia oriental não irão conseguir perceber a explicação dos mistérios da história pois ninguém lhes vai explicar nada e todas as soluções muito provavelmente irão passar-lhes ao lado por falta de referências para serem notadas, nota-se que foram buscar modelos para actores principais pois o heroi passa o tempo todo em pose constante para a câmara e há por ali alguma falta de naturalidade nas suas presenças físicas embora isso se note menos na actriz principal.

—————————————————————————————————————

NOTAS ADICIONAIS

Trailer
NÃO VEJAM O TRAILER ANTES DE VEREM O FILME
especialmente se não sabem nada sobre esta obra, pois uma das melhores surpresas do rumo da história está no trailer.

Comprar
http://www.dvdasian.com/_e/India/product/25343/Valley_of_Flowers_Region_3_PAL_DVD_.htm

Download aqui.
AVISO: Não espreitem as fotos senão perdem a surpresa da história. E já agora, vejam se conseguem carregar no torrent sem ler a descrição do filme também porque revela como será a inesperada parte final.

IMDB
E nem pensem em carregar aqui antes de verem o filme.

——————————————————————————————————————

Filmes semelhantes de que poderá gostar:

*Não tenho nada parecido com isto no blog*

——————————————————————————————————————


Gui si (Silk) Chao-Bin Su (2006) Japão


De vez em quando surgem uns filmes que tentam ir para além de um único género e procuram apresentar propostas com alguma originalidade mas a coisa nem sempre resulta particularmente bem.
Este [“Silk“] é no entanto um bom exemplo desse tipo de filmes que quase conseguem criar algo realmente especial.

Já muito se tentou fazer cruzando vários géneros de cinema e neste caso estamos perante uma história híbrida bastante curiosa que tenta apresentar um conceito novo algures entre a ficção-científica e o típico filme de terror oriental.
[“Silk“] é uma boa tentativa, parte de uma ideia que eu ainda não tinha visto em cinema e quase que posso apostar que um destes dias vamos ainda ver um qualquer remake americano disto. Pelo menos, no que toca ao conceito base da história, [“Silk“] está mesmo a pedir que Hollywood vá lá buscar inspiração.

A ideia aqui tem a ver com um grupo de cientístas que conseguiram capturar o fantasma de uma criança e o têm prisioneiro no quarto de um discreto apartamento assombrado por esta alma penada.
O apartamento está transformado num laboratório secreto e a ideia será não só tentar descobrir o que é afinal um fantasma, mas também quem é a alma da criança e porque razão ainda se econtra entre este mundo e o próximo sem ter partido quando morreu.

Acontece, que este ectoplasma emite um residuo que poderá revolucionar toda a ciência á volta do estudo da anti-gravidade e como tal, temos também um cientísta meio louco que não olha a meios para chegar á sua descoberta, mesmo que para isso se aproveite do sofrimento do fantasma infantil.
Adicionando a tudo isto, um polícia que se vê envolvido no mistério no seguimento de uma investigação de homícidio obtemos um estranho cruzamento entre vários géneros de histórias.

[“Silk“] começa como filme de terror, continua como thriller policial, passa ficção-científica high-tech com um toque de máfia e intriga política pelo meio, entra pelo filme sobrenatural, segue para o drama clínico (a mãe do polícia está a morrer no hospital), tem um cheirinho de cinema de acção e termina com um toque de cinema romântico oriental (o polícia tem uma namorada fofinha) misturado com uma resolução positiva do mistério da origem da criança fantasma num tom de feel-good-movie num final a condizer tudo isto.

E isto resulta ?
Bem…resulta. Agora podia ter resultado melhor.
Na verdade não há nada de errado com [“Silk“], a história é intrigante, o filme tem uma montagem porreira que consegue ir alternando os vários tipos de ideias num único novelo coerente e tem realmente qualquer coisa de originalmente apelativo.
O seu único problema é que no meio de tanta ideia e referência bem executada, acaba por não deslumbrar em nenhuma delas nem dar nada ao espectador que o entusiasme particularmente ao longo de todo o desenrolar do filme.

As cenas de terror são atmosféricas, chegam a causar um par de boas surpresas e arrepios na espinha quanto baste mas por causa de tanta fragmentação de estilos ao longo da história o ambiente nunca se mantém de forma a nos inquietar constantemente. Os conceitos de ficção-científica são muito interessantes mesmo, as ideias á volta da teoria da anti-gravidade são muito interessantes e os efeitos digitais á volta do conceito do cubo high-tech dão uma atmosfera curiosa á história que nos mantém o interesse também á volta desta parte mais sci-fi. O problema é que mais uma vez sente-se que havia aqui algo que poderia ter sido bem mais interessante e não foi.

No que toca á parte policial, ou ás sequências em estilo de thriller de acção a coisa também segue pelo mesmo estilo.
[“Silk“] contém um par de boas cenas de suspanse e acção mas depois acabamos por sentir falta de mais, porque o filme não tem tempo para se focar demasiado tempo em cada um dos seus estilos e como tal dispersa-se um bocadinho por todos os géneros.

O que prejudica naturalmente também o lado mais emotivo da história. A carga dramática em tom pesado hospitalar no que toca á história do policia e da sua mãe moribunda por vezes parece excessiva e desnecessária e a história de amor parece-nos um bocado á deriva sem muito para contribuir para o conceito principal de [“Silk“].
Embora, a parte romântica  mesmo sendo breve consiga interessar-nos e até dar alguma frescura á história, isto porque o personagem do polícia consegue cativar-nos ao longo da narrativa e por isso damos por nós a torcer para que a sua história tenha um final feliz.

Uma das coisas que quanto a mim estraga um bocado o conjunto e dá uma ideia mais fraca de [“Silk“] enquanto filme, é o personagem do cientísta vilão, pois a sua caracterização é algo absurda e desprovida de motivação coerente o que contrasta um bocado com todo o cuidado que foi colocado para que a história resulte bem como um todo.
Este personagem parece ter saído de um mau Anime televisivo. Além de ter um look todo estiloso e passar todo o filme em pose constante para a câmera, todas as suas motivações parecem mais saídas de um desenho animado infanto-juvenil do que propriamente de um personagem coerente com toda a tentativa de seriedade que percorre [“Silk“] e isto é talvez o pior contraste de todo o filme.

Se [“Silk“] tivesse tido um vilão menos estéreotipado e mais até dentro daquele tipo de história séria de sci-fi que pretende contar, se calhar teria resultado melhor em termos de suspanse. Isto porque qualquer ambiente credível da história é logo imediatamente quebrado quando muita da atenção do espectador vai para as poses estilosas do vilão quando este está em cena em vez de nos focarmos na narrativa como seria de esperar se este personagem estivesse melhor integrado no estilo sério do argumento.

De qualquer forma, [“Silk“] é um filme a ver sem reservas.

——————————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO:

Quem procura uma mistura entre terror oriental e ficção-científica high-tech tem aqui uma proposta muito interessante.
É um bom filme de vários géneros e consegue manter tudo ligado sem parecer particularmente forçado, embora não nos deslumbre em nenhum deles e é pena.
De qualquer forma, trés tigelas de noodles porque é um bom thriller. Nem mais, nem menos. Espreitem porque vale a pena, quanto mais não seja porque tenta ser original e de certa forma até o consegue.
Podem apostar que um dia destes aparece por aí o remake americano pois [“Silk“] está mesmo a pedi-las…

noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg

A favor: as partes sobrenaturais conseguem provocar um arrepio ou dois, mete um fantasma criancinha e portanto o factor creepy é garantido, a ideia do fantasma capturado é muito boa, o conceito de ficção-científica é interessante, as poucas sequências em tom de thriller policial de acção complementam bem toda a história, o mistério á volta da criança alma penada é previsível mas mesmo assim mantém-nos interessados no seu desenvolvimento, a mini-parte romântica não deslumbra mas resulta bem e dá personalidade ao resto da história porque contrasta bem com o tom dramático de tudo o resto, o filme tem ideias a mais que poderiam ter dado filmes individuais de vários géneros diferentes mas consegue equilibrar tudo sem parecer forçado e portanto é uma boa tentativa de se criar algo diferente.
Contra: por ter ideias a mais não consegue dedicar demasiado tempo a cada uma delas e por isso apesar de [“Silk“] resultar de forma competente e agradável de seguir nunca nos deslumbra nem ficará particularmente na memória, é um daqueles filmes que se vê uma ou duas vezes e depois metemos na prateleira até um dia, o vilão em estilo Anime piroso interfere demasiado no tom sério da história e além disso é um personagem completamente de cartão o que fragmenta ainda mais um produto que não precisava de mais distrações para competir com a atenção do espectador, o mistério á volta da morte da criança é por demais previsivel e já vimos isto antes mil vezes.

——————————————————————————————————————

NOTAS ADICIONAIS

Trailer
http://www.youtube.com/watch?v=wZZYeUrCbkY

Comprar
http://www.play-asia.com/paOS-13-71-7m-49-en-70-1t7t.html

Download aqui

IMDB
http://www.imdb.com/title/tt0486480/combined
——————————————————————————————————————

Filmes semelhantes de que poderá gostar:

——————————————————————————————————————

Bu neng shuo de. mi mi (Secret) Jay Chou (2007) China


Se espreitarem mais abaixo a minha classificação, vão notar que não atribuo uma nota por aí além a este filme chinês, no entanto não deixem que a minha opinião os afaste dele. Não é um daqueles filmes orientais inesquecíveis mas é uma história sólida que irá agradar bastante, principalmente a quem gostar de piano, de música ou composição musical.

Secret01

Então porque não lhe dou uma nota mais alta ?
É complicado explicar isto sem lhes estragar o que o filme tem de melhor e que é precisamente a “surpresa” final. Especialmente porque para o poder fazer bem eu teria de comparar o filme com outras obras; o que lhes daria imediatamente a pista para esse desenlace e portanto é melhor eu estar calado.

Secret23

É mais habitual encontrarmos este tipo de cinema oriental relacionado com os produtos da Coreia do Sul, ou até mesmo do Japão, do que na cinematografia Chinesa,(neste caso de Taiwan). Os Sul Coreanos especialmente na minha opinião são mestres a ilustrar este estilo de histórias que dependem muito de uma carga românticamente assombrada e como tal talvez a principal grande fraqueza de [“Secret“] está no facto de não ser um filme Sul Coreano, pois  falta-lhe aqui aquela sensibilidade que normalmente humaniza bastante este tipo de histórias.

Secret22

Senti que este filme asiático era uma espécie de “peixe fora de água”, ou seja senti muito forçada a colagem ao estilo Sul Coreano ao mesmo tempo que parecia não querer abandonar a sua identidade Chinesa, o que o tornou num produto algo ambiguo e o que ficou a perder foi precisamente a parte emocional pois nunca transmite ao espectador aquele sentimento que nos devia prender ao ecran com esta história de amor, previsível mas nem por isso menos interessante.

Secret15

O facto do final ser ultra previsível também lhe retira alguns pontos, pois a partir de certa altura percebe-se logo que tipo de história estamos a ver. E o pior é que quando isso acontece ainda os personagens não nos agarraram por completo, muito por culpa da própria indefinição do estilo do próprio filme e pena pois faz com que a narrativa se arraste um bocado pelo meio, especialmente quando para o espectador já se torna óbvia qual o rumo da história e para os personagens tudo ainda permanece um enigma.

Secret03

No entanto, isto não quer dizer que o filme seja mau. Apenas não provoca surpresas suficientes para agarrar a quem já viu outros filmes do estilo no cinema Sul Coreano ou Japonês e como tal não tem força para competir com a concorrência que já ficou para trás com muitos melhores resultados, tanto no que toca a twists como na parte romântica da história.
Embora não me admire nada que muita gente tenha gostado, (ou possa vir a gostar muito) de [“Secret“] se se der o caso deste ser o primeiro filme do género que viram ou irão ver, por isso todo o meu pouco entusiasmo pode ser contextualizado de uma forma relativa.

Secret14

Realmente pelo trailer, o filme parece bem melhor do que na verdade eu achei que fosse.
Se tivesse que escolher eu daria melhor nota ao trailer do que ao filme, até porque o estilo de montagem cativante que nos aparece na apresentação não é de forma nenhuma o mesmo que está presente em [“Secret“] e se calhar teria sido melhor que fosse e este se tivesse assumido como um filme mais comercial do que (não) tenta ser.
O toque cinema-de-autor aqui retira-lhe algum do brilho que deveria ter tido mas se calhar é compreensível.

Secret10

Compreensivel, porque esta é a primeira obra do realizador (pianista profissional muito famoso por aquelas bandas), que além de ser o produtor do filme, criador da história, actor principal é ainda o compositor da musica e como tal se calhar era inevitável que este tentasse criar um produto bem mais pessoal e não quisesse apenas fazer mais um filme comercial igual a tantos outros.

Secret18

Se calhar esse toque pessoal desta vez foi precisamente aquilo que impede [“Secret“] de aproveitar todo o seu potencial, pois se vermos bem as coisas não é a falta de originalidade do conceito ou da própria história aquilo que impede o filme de ser mais cativante, mas sim algo na sua atmosfera melancólica que nunca conseguimos bem identificar e torna os personagens sempre em algo distante do espectador quando deveriam cativar-nos por completo como normalmente acontece no cinema Sul Coreano.

Secret12

Mas se vocês gostarem mesmo muito de piano não vão mais longe, este é o filme para vocês. Tudo gira á volta de uma melodia muito especial e o filme está cheio de momentos em que os actores demonstram as suas qualidades também (e principalmente) como pianístas fantásticos (digo eu que não percebo nada daquilo).
É precisamente nessas cenas que o filme tem os seus melhores momentos e o espectador mais ganha empatia com os personagens. A maneira como realizador usa a música para enquadrar o mistério da história é muito entusiasmante e só é pena ele não ter consigo o mesmo resultado nas cenas em que o filme não envolve um piano.

Secret06

Como já disse, não há nada de verdadeiramente mau em [“Secret“] apesar do mistério ser tudo menos misterioso e a sua estrutura nem ser particularmente criativa.
Aliás, achei-a até um pouco forçada, como se a partir de certa altura fosse preciso resolver as coisas e como tal as explicações surgem quase de repente , mais porque estava na altura de concluir o filme e passar á sequência com o “twist” final do que por ser a conclusão orgânica mais natural para a narrativa.
Foi aqui que mais senti a tentativa falhada de se colar ao estilo Sul Coreano e isso desiludiu-me um pouco, embora a sequência final seja muito boa mesmo.

Secret20

A maneira como visualmente o mistério e os seus efeitos nos é revelado, através de uma caótica sequências de efeitos especiais que ganham vida ao som da banda sonora no final do filme é uma das melhores partes de toda a narrativa e só é pena que o que ficou para trás não tenha alcançado a mesma eficácia.
Apesar da previsibilidade, o fim do filme tem um bom ritmo e prova que este realizador sabe contar histórias e como tal aguardo com interesse um novo trabalho seu.

Secret16

[“Secret“] tem bons personagens embora nem sempre particularmente cativantes. Quanto a mim, a parte romântica só funciona mesmo na sequência final. O que é pena, mas a verdade é que ao longo de todo filme senti sempre uma distância enorme entre mim e aquelas pessoas no ecran. E isso quanto a mim é o que faz a diferença entre uma boa história de amor e apenas mais um filme romântico de contornos sobrenaturais.
Neste caso é apenas uma boa história de contornos sobrenaturais com alguns minutos a mais. Se calhar cortavam-se quinze minutos e seria um filme muito mais cativante.

Secret24

Curiosamente, os personagens mais cativantes de todo o filme são o pai do protagonísta e um par de colegas de liceu que embora sejam personagens  sem grande dimensão, são no entanto os que dão mais vida á narrativa quando aparecem no ecran e acabam por ter os papeis mais importantes no desenrolar do mistério ao mesmo tempo que contribuem para momentos divertidos numa narrativa por vezes é demasiado melancólica e sombria sem haver necessidade para isso.

—————————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO:
Apesar de tudo é uma boa história de contornos romântico-sobrenaturais.
Não há muito mais a dizer para além daquilo que já referi no texto acima e sendo assim só posso dizer que é um bom filme oriental  e recomenda-se.
Não sugiro que o vão logo ver a correr e muito menos sugiro que comprem o dvd sem ver primeiro, mas como eu sei que muitos de vocês chegam até este blog á procura de sugestão para filmes românticos orientais, estejam á vontade para espreitar este também porque preenche bem o tempo até aparecer por aí mais um daqueles realmente inesqueciveis.
[“Secret“] é apenas bom.
Nem mais nem menos, trés tigelas de noodles.

noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg

A favor: as cenas com os pianos são excelentes e cativantes, a envolvência da música e a sua importância na narrativa, o estilo alucinado de alguns personagens, a sequência final em que o “mistério” é revelado, bons efeitos especiais, é mais uma história romântica de contornos sobrenaturais.
Contra: já viram esta história antes várias vezes e o filme não tem suficientes atractivos adicionais que nos façam não nos importarmos com esse facto, o mistério é completamente óbvio para quem já viu um par de filmes Sul Coreanos conhecidos, o par romântico não cria grande empatia com o espectador, o filme tem um tom demasiado assombrado e melancólico quando deveria ter sido mais romântico e se calhar até mais comercial que não lhe fazia mal nenhum, nota-se que é um produto inspirado no cinema Sul Coreano e que se esforça para ser uma obra no mesmo estilo mas falta-lhe alguma emotividade e nunca consegue criar uma empatia com espectador, nunca nos importamos muito com o destino dos personagens pois já sabemos qual será bem antes das coisas acontecerem, só ganha alguma emoção no final e o resto do filme perde-se um pouco.

—————————————————————————————————————
NOTAS ADICIONAIS

TRAILER
http://www.youtube.com/watch?v=85wDDjaPFd0

Secret05

Comprar
http://www.play-asia.com/paOS-13-71-7l-49-en-70-2xpv.html

Download
http://asianspace.blogspot.com/2009/10/secret-2007.html

IMDB
http://www.imdb.com/title/tt1037850/

——————————————————————————————————————

Outros títulos românticos recomendados:

Be With You My Sassy Girl Il Mare The Classic Fly me to Polaris

Love Phobia concerto_capinha_73x cyborg_she_capinha_73x

ditto_capinha_73x midnightsun_capinha my_girl_and_i_minicapinha

——————————————————————————————————————

Be With You – O Livro


Para quem leu a minha review de [“Be With You“] e gostou tanto do filme quanto eu, se calhar vai gostar também muito da seguinte recomendação.
Eu sei que isto é suposto ser um blog sobre cinema oriental mas não posso deixar de falar agora do romance original que deu origem á adaptação cinematográfica porque na sua simplicidade é um daqueles pequenos grandes livros que não merecem ficar esquecidos, muito especialmente por quem viu e gostou mesmo do filme.

bewithyoubookNão tenho por hábito ler muitas novelas românticas, mas de vez em quando aparecem-me pela frente obras que se tornam dificeis de esquecer.
Aconteceu-me com os fabulosos “O Amor em Tempos de Cólera” e “Memórias das Minhas Putas Tristes” de Gabriel Garcia Marquez e voltou agora a acontecer com este pequeno romance original japonês.
[“Be With You“] em livro, não será própriamente uma obra maior da literatura ao contrário do que Garcia Marquez produziu, mas nem por isso deixa de ser a nível emocional uma fabulosa história de amor daquelas que não se esquece. Até mesmo para quem já conhece a surpresa final que fecha com chave de ouro a sua adaptação ao cinema.
E já agora, ao contrário da adaptação ao cinema de “O Amor em Tempos de Cólera”, esta adaptação de [“Be With You“] reproduz por completo toda a emoção da história original. É certo que as obras não se comparam em termos de complexidade mas nem por isso [“Be With You“] se poderá considerar uma história de amor menor por ser apenas um pequeno livro comercial que pretende apenas emocionar o leitor.

Quanto a mim não tenho problemas em dizer que [“Be With You“] foi uma das melhores histórias românticas que li em muito tempo e é certamente um daqueles livros que voltarei a reler bastantes vezes, porque acima de tudo e tal como acontece no filme está carregado de humanismo e personagens inesquecíveis além de ser um daqueles livros que se lê de seguida quase de um só fôlego. Até mesmo já conhecendo a história do filme e sabendo o que nos espera na reviravolta final.

bewithyoubook2Aliás, na verdade ao contrário do que costuma ser habitual nestas coisas, se calhar não recomendo que leiam o livro antes de verem o filme.
É certo que o filme lhes irá estragar a surpresa da história original, mas penso que isso não prejudica de modo nenhum a leitura do romance, até porque este tem ainda algumas diferenças que vocês vão gostar muito de descobrir. Inclusivamente contém um pequeno twist relacionado com a sexualidade do casal que foi pura e simplesmente suprimido na adaptação para cinema e que de certeza ainda vão achar mais fascinante se lerem o livro depois de verem o filme e de seguida voltarem novamente ao filme á procura de algo a que se calhar nunca prestaram atenção.
Não quero falar muito mais do livro porque este contém diferenças suficientes para entreter ainda até quem já viu o filme e por isso sugiro que o descubram por vocês mesmo.
O que foi mudado para o filme foi muito bem alterado mesmo e por isso redescobrir esta história mesmo depois de terem visto a adaptação cinematográfica ainda lhes irá certamente agradar muito. Posso garantir-vos que se gostaram do filme vão sair deste livro sem conseguir decidir qual é o melhor meio para ilustrar esta história pois este é um daqueles raros casos que se complementam perfeitamente.

Este é inclusivamente um livro excelente para quem ainda tem medo de arriscar a ler em inglés, pois é de uma escrita muito simples e directa e portanto perfeito para quem sempre teve curiosidade em tentar ler algo mas nunca quis arriscar a ler um livro que não fosse em português.
Claro que podem esquecer uma tradução Portuguesa pois [“Be With You“] só existe ainda em Japonês e em Inglés.
Podem encontrar o livro á venda na Amazon Uk onde eu comprei o meu exemplar: Be with You

E podem encontrar o filme neste site se ainda estiver disponível quando estiverem a ler estas linhas.

——————————————————————————————————————