Intervalo – “Lady Baby”


Ora portanto…
Vocês sabem que eu tinha que postar isto aqui…
Isto é para lá de génio.

O tipo é muito fixe.

E estas reações são clássicas.

Espero que tenham gostado deste intervalo. Provavelmente uma nova rubrica aqui deste blog sempre que encontre coisas divertidas para lhes dar a conhecer.

Khun krabii hiiroh (Sars Wars: Bangkok Zombie Crisis) Taweewat Wantha (2004) Tailândia)


Quando o trailer do filme é o próprio a dizer coisas como:
Warning ! Please have some toilet paper handy while watching this movie because you might shit yourself laughing !”  a gente percebe logo que [“Sars Wars“] só pode ser cinema do bom !

Além de ser  cinema do bom, será provavelmente a comédia com as piadas mais imbecis dos últimos anos, o que o torna também logo num filme hilariante e como tal o trailer até terá razão embora não estejamos própriamente a rir pela objectiva veia cómica dos argumentistas. Ou se calhar isto é uma obra prima do nonsense ao melhor nível dos MontyPython em versão Tailândia, não faço ideia…

[“Sars Wars“] é um trash-movie como há bastante tempo não me aparecia pela frente. Chunga, com piadas que nunca mais acabam mas todas sem nexo nenhum, baldes de sangue mas tudo muito cartoon, miúdas giras que passam o filme todo mais preocupadas em parecer sexys do que em representar, montes de tiros e gente cortada aos bocados de todas as formas e feitios, mortos vivos que nunca mais acabam, sequências em Anime pelo meio e … uma cobra gigante !! (?)…

Como descrever esta coisa ?
Tudo é mau em [“Sars Wars“], logo…tudo é bom.
Melhor, logo, tudo é genial !
A começar pela auto-paródia dos próprios criadores do projecto pois passam o filme todo a constatar como tudo aquilo é mau demais assumindo que tudo isto foi feito apenas para sacar guito aos espectadores.
E sendo assim, como não concordar com eles e achar também que este filme só pode ser bom porque é realmente mau ?!

[“Sars Wars“] mete coisas demais para poder contar aqui sem me baralhar todo. E todas elas falham redondamente tornando o filme num daqueles filmes-lixo absolutamente irresistiveis. Embora [“Sars Wars“] seja menos divertido do que aparenta ser no trailer.
Aliás, o trailer é excelente e dá uma ideia errada até do próprio ritmo da coisa.
O filme tem tanta referência metida pelo meio que acaba por ser algo completamente desconjuntado e com um ritmo muito estranho que anula em alguns momentos aquele efeito divertido que aparenta ter no trailer.

No entanto, não deixa de ter momentos absolutamente geniais de tão maus que são.
Desde os mortos-vivos que mais parecem figurantes rejeitados do Thriller de Michael Jackson, até ás heroínas sexy que fazem com que a saga Resident Evil pareça ser o Casablanca, tudo em [“Sars Wars“] se mistura numa combinação explosiva que os irá divertir ao longo da sua duração.

E já lhes disse que isto mete uma cobra gigante ?!
[“Sars Wars“] é assim uma espécie de mistura de Zombies do Romero com o Jaws do Spielberg mas com uma cobra gigante á mistura que parece um gráfico da Playstation One. Pelo meio ainda tem tempo de se parecer com o Resident Evil, piscar o olho ao Matrix e a todos os filmes de porrada do John Woo. Ah, e mete light-sabres também… e sexo badalhoco.
Além disso, como habitualmente no cinema Tailandês, os efeitos de CGI são absolutamente do piorio.
O que me leva ao feto/aborto-zombie…ou se calhar é melhor não…

Essencialmente não há muito mais para dizer sobre [“Sars Wars“], até porque é muito dificil encontrarmos palavras para dizer o que quer que seja sobre isto de uma forma coerente.
Deve haver qualquer coisa na água da Tailândia que faz com que practicamente 99% dos filmes saídos daquela terra sejam…indiscritíveis, no mínimo…
E este [“Sars Wars“] não é excepção porque só visto mesmo.

As piadas não têm graça, e por isso são hilariantes, as cenas de acção são do piorio mas resultam porque se espalham em tudo o que tentam fazer com pinta, tem gore e sangue aos montes mas é tudo tão cartoon que isto quase que se torna um filme para crianças do Road Runner em versão chunga, é um filme de terror, é uma comédia, é um filme de acção e falha redondamente em tudo o que se propõe. Sendo assim, acerta em cheio e o resultado não poderia ter sido melhor porque não poderia ter sido pior. Perceberam ? Pronto.

O mundo está todo virado do avesso. Uma nova variante do virus SARS tomou conta do mundo inteiro (ou quase) e só a Tailândia se safou (?!).
Apesar do mundo ter acabado (?) e essencialmente o pessoal ter todo morrido ou virado morto-vivo, parece que na Tailândia a vida decorre como normalmente (?!) até ao momento em que um homem de negócios que vem do estrangeiro infectado começa a contagiar toda a gente num prédio que rapidamente é isolado pelas autoridades.

Acontece que nesse prédio também estão  um bando de gangsters que não ficam a dever nada aos Irmãos Metralha e que acabaram de raptar a filha de um dos maiores mafiosos da Tailândia (inteligente esta malta) e exigem uma pipa de massa em troca da rapariga ou então…querem fazer-lhe …coisas…

Lógicamente só havia uma solução e essa foi a contratação do maior mestre estilo-Jedi (?!) da Tailândia para ir buscar a miúda que é tudo menos inocente e fofinha. Para complicar temos ainda uma cientista podre de sexy e um jovem aprendiz de heroi que tem um bom gosto extremo na forma como se veste e parte em missão de salvamento também.

Ah, e também há uma rave-party a decorrer no mesmo prédio.
Isto para nem falar na cobra.

——————————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO:

Para quem pensa que já viu tudo o que se poderia fazer dentro do cinema de terror com mortos vivos, se calhar irá surpreender-se com isto.
[“Sars Wars“] tem sido comparado ao Braindead ou ao Bad Taste do Peter Jackson e a coisa não está mal vista não senhor. A onda é a mesma, mas o resultado é pior, por isso é bom.
Quem gosta de filmes do Ed Wood, tem aqui mais uma vez saído da Tailândia como de costume, outro equivalente ao Plan 9 from Outer Space (históricamente considerado como o pior filme do mundo…algo injustamente), mas agora em versão gore, anime, comédia e violência extrema sem sentido nenhum mas onde tudo resulta num cozinhado muito divertido.
Só mesmo na Tailândia é que se conseguiria fazer uma coisa assim sem se tornar insuportável.
Ou se calhar até é.
Já não sei, estou totalmente baralhado, mas apetece-me rever o filme o que no fim de contas não pode ser mau de todo.
Trés tijelas de noodles na boa porque [“Sars Wars“] é bom por ser mau demais.

noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg

A favor: tem zombies, tem miudas giras, tem baldes de sangue, tem cobras gigantes, tem espadas de luz, tem abortos que voam, tem tiros, tem herois indescritíveis, tem gente cortada aos bocados, tem gangsters, tem piadas sem graça, tem CGIs absolutamente inclassificáveis, tem cenas de acção em total modo histérico, é tão bom quanto qualquer filme de Ed Wood agora em versão Tailândesa chunga e tem homens nus para as miudas apreciarem. É divertido porque nunca viram nada assim, quem odeia o Resident Evil vai adorar odiar este também. O próprio filme não se leva nunca a sério , sabe que é mau, assume isso plenamente e por isso merece logo ser visto por quem gosta de cinema-lixo.
Contra: o trailer é mais divertido que o filme porque se [“Sars Wars“] tivesse tido a mesma montagem que está no clip poderiamos estar na presença de uma obra prima do cinema lixo mas infelizmente fica um bocado aquém do que merecia e poderia ter sido.
Mas não se deixem enganar pela minha singela classificação, [“Sars Wars“]  merece ser visto por quem gosta do género e é totalmente obrigatório para quem coleciona filmes com mortos vivos porque nunca se viu nada assim.

—————————————————————————————————————

NOTAS ADICIONAIS:

Trailer
http://www.youtube.com/watch?v=i1qskrW0U34

Comprar
http://www.amazon.co.uk/Sars-Wars-Unlikely-Hero/dp/B004PYSPU4/ref=sr_1_3?ie=UTF8&qid=1304775881&sr=1-3

Download aqui

IMDB
http://www.imdb.com/title/tt1262945/combined

——————————————————————————————————————

Se gostou deste poderá gostar de:

Quê ?!!…

——————————————————————————————————————

Mah nakorn (Citizen Dog) Wisit Sasanatieng (2004) Tailândia


 

Não estava nada á espera que a surpresa cinematográfica deste ano de 2011, me viesse caír em cima vinda da Tailândia, mas foi o que aconteceu agora com este surpreendente e originalmente mágico [“Citizen Dog“].
E estranho como o raio também !

citizen-dog_43

Tinha este título na lista de filmes para ver há séculos mas até hoje nunca tinha tido muita curiosidade porque nunca pensei que um filme no mais puro estilo Photoshop, ainda por cima saído da Tailândia, pudesse ser algo tão extraordinário.
Adoro quando me aparecem estes filmes que me trocam as voltas e me surpreendem para além das expectativas.

Não tenho grande opinião do cinema Tailandês especialmente daquele que envolve muito trabalho com efeitos digitais, porque sinceramente practicamente tudo o que vi até hoje não me surpreendeu de todo pela positiva.
Depois de levar com coisas como “2022 Tsunami” e outros títulos Tailandeses que nem cheguei a referir ainda aqui por serem maus demais, a minha ideia sobre o cinema daquele país não é  própriamente a melhor pois sempre me pareceu demasiado esquizófrenico; com uma identidade demasiado marcada por múltiplas referências que na minha opinião raramente combinam de forma agradável ou eficaz numa linguagem visual que resulte.

Como eu sei que mais de metade das visitas a este blog, chegam até aqui á procura de sugestões para filmes românticos em estilo fofinho oriental, achei que estava na altura de recomendar mais outra coisa do género. O problema é que depois de já ter falado de prácticamente todas as minhas histórias de amor favoritas (até ao momento) por cá, queria voltar ao género com algo realmente que valesse mesmo a pena recomendar.

Como tal, em busca de novos estilos de histórias de amor resolvi insistir um pouco mais no cinema Tailandês e  voltar-me agora para o cinema romântico dessas paragens que ainda não explorei convenientemente por falta de boas referências.
E não podia ter começado melhor, pois [“Citizen Dog“] é absolutamente notável em todos os aspectos e um digno candidato de figurar no meu top de cinema fofinho futuramente.
Como descrever isto ?…

citizen-dog_41 citizen-dog_40

[“Citizen Dog“] tem acima de tudo uma característica que o torna extraordinário logo á partida. É um daqueles filmes em que não conseguimos de todo imaginar o que irá acontecer a seguir e muito menos fazemos a mais pequena ideia do que nos irá aparecer pela frente na próxima cena !! E como este não existem já muitos filmes.
Começa logo bem, com um genérico que já é considerado dos mais criativos dos últimos tempos e um daqueles que as pessoas gostam de rever vezes sem fim; quanto mais não seja porque a melodia é genialmente hipnótica. Oiçam-na uma vez e vão ficar com esta canção na cabeça o dia inteiro.
Vale a pena espreitarem como o filme começa:

Se gostaram da atmosfera, vão gostar do filme. Ah, e o final tem uma versão rock alternativa da canção inicial que ainda é melhor.
[“Citizen Dog“] Tem outra característica fantástica. Podem até ver o trailer que irão surpreender-se na mesma com o resultado do filme no seu todo e não vão deixar de gostar muito de o seguir por já conhecerem algo sobre ele.
Isto se entrarem no espírito da coisa, porque [“Citizen Dog“] não é propriamente um filme …digamos, normal…

citizen-dog_36

Faz imediatamente lembrar o genial “Amélie” de  Jean Pierre Jeunet, tanto pela sua estética como pela sua estrutura narrativa que remete imediatamente para uma “Amélie” oriental.
No entanto [“Citizen Dog“] não é de forma alguma uma imitação pois tem uma identidade muito própria; inclusivamente o seu estilo oriental ainda o torna mais fascinante e divertido.
No entanto, se não gostaram de “Amélie” muito provavelmente também não irão gostar nada deste pois insere-se na mesma  onda.

Há filmes que têm efeitos especiais a mais e por isso são desastrosos enquanto cinema, no entanto aquilo que muita gente chama cinema-photoshop nem sempre pode ser usado de forma depreciativa e [“Citizen Dog“] é um excelente exemplo de como um filme não seria o mesmo se tivesse tido medo de usar e abusar da sua estética extremamente gráfica para não ser conotado negativamente com um filme de puros efeitos especiais.
[“Citizen Dog“] usa mas não abusa dos efeitos especiais digitais e assume plenamente a sua estética artificial.
Aliás, não só assume o estilo photoshop na sua plenitude como o usa de forma perfeita para criar a sua identidade cinemática. Apesar do excesso de imagens digitais, estas estão lá para servir a história e nunca o contrário.
Este mundo não seria o mesmo se o digital não existisse e assim aquilo que poderia ter destruido o filme, torna-se num dos seus grandes pontos altos.

Nem que seja para continuarmos a ver imagens tão bonitas desejamos continuar a acompanhar o filme até ao fim.
Já  “The Promise” tinha entrado deliberadamente pela estética artificial para reproduzir o seu mundo saido de um livro de conto de fadas e [“Citizen Dog“] faz aqui exactamente o mesmo, embora se calhar ainda o faça melhor.
É no entanto um filme com um visual extramente kitsh onde as cores em modo histérico predominam e a piroseira gráfica generalizada pode ser demasiado para muitos espectadores, por isso é preciso entrar na onda deste universo para apreciarmos realmente todo o trabalho incrível que existe neste pequeno e surpreendente filme saído inesperadamente da Tailândia.

citizen-dog_35 citizen-dog_46

É que essencialmente estamos na presença de mais um conto de fadas, neste caso quase uma espécie de fábula urbana.
[“Citizen Dog“] é também um filme de Fantasia, mas não no estilo aventuras medievais a que estamos habituados, nem no estilo conto de fadas tradicional.
É sim uma espécie de conto de fadas moderno e visualmente tem momentos em que nos parece estarmos apenas a ler uma banda-desenhada com imagens em movimento.

 

Há de tudo neste filme. Herois apaixonados, princesas um bocadinho parvas, um motard-morto-vivo, um gajo que anda de autocarro para se esfregar nas gajas boas, um tipo que lambe tudo e muito mais que irão adorar descobrir.
E esperem só até ver a pequena Mam mais o seu ursinho de peluche !!
E mais não digo…para não ser acusado de pedófilo.

citizen-dog_30

[“Citizen Dog“] é um filme brilhante por muitos motivos, mas um dos mais fortes é o seu sentido de humor muito gráfico e original e onde nenhuma piada nos é atirada á cara, mas onde nos fartamos de rir quanto mais não seja pelo inesperado das situações e personagens.
Os gags são mais que muitos, e muitas vezes aparecem onde menos se espera. Podem ser uma frase, podem ser visuais e muitas das vezes estamos a rir mesmo quando o filme nem sequer nos parece tão cómico assim, o que não deixa de ser estranho.

citizen-dog_39

[“Citizen Dog“] é um filme muito estranho. Não se assume como uma comédia, mas tem momentos hilariantes, não será exactamente um filme romântico dentro dos moldes habituais mas tem por base uma história de amor, não é um filme de fantasia mas apresenta-nos um dos mais encantadores e originais universos paralelos urbanos do cinema recente, não é um drama mas ainda tem tempo para nos falar de um par de temas que darão bons motivos para conversas.

Visualmente é não só brilhante como tem momentos lindíssimos e com paisagens artificiais tão bonitas por todo o lado que é daquelas obras que vale a pena rever quanto mais não seja para poder captar melhor todos os detalhes presentes em cada enquadramento pois cada imagem desta história podia ser um quadro com vida própria.
Não é um filme musical, mas a música está sempre presente nas alturas certas e é quase uma personagem subliminar ao longo de toda a história.
[“Citizen Dog“] está cheio de pequenas melodias que quase não notamos mas que damos por nós com elas na cabeça depois do filme acabar. Não só a música do genérico não pára de tocar na nossa imaginação, como toda a banda sonora está cheio de pequenos interlúdios músicais que dão muita vida a este universo.

citizen-dog_33 citizen-dog_37

[“Citizen Dog“] conta a história de um rapaz do campo que vem viver para a cidade onde conhece uma rapariga pela qual se apaixona. Como ela não lhe liga nenhuma o rapaz vai arranjando profissões sucessivas de modo a se adaptar ás necessidades da miuda e conseguir estar sempre presente na sua vida.
Mas a conquista não será fácil, pois ela só se interessa por um misterioso livro de capa branca que um dia encontrou e com o qual está totalmente obcecada.

citizen-dog_52

Leva o livro branco para todo o lado e o seu maior sonho é conseguir um dia perceber aquilo que insiste em continuar a ler mesmo não conhecendo a lingua na qual o texto está escrito. E isto é apenas o inicio da história.
Pelo meio ainda temos o tipo muito fixe que apesar de estar morto continua a andar de mota porque curte ser taxista-motard,  a avó do heroi que reencarnou numa osga e o amigo do heroi que anda de autocarro para se esfregar nas gajas boas em hora de …ponta.

Isto e tudo o mais que vocês nem imaginam até que o enigma do misterioso livro branco é resolvido e a coisa termina no inevitável happy-end.
Sim, porque [“Citizen Dog“] é um filme Tailandês, não é uma história Sul Coreana ou Japonesa por isso não esperem histórias de amor para chorar.
Este é um filme completamente boa onda, cujo o objectivo é fazer-nos felizes e como tal o resultado não poderia ser melhor.

  citizen-dog_32

Desde as músicas totalmente cheias de boas vibrações, ao tom colorido do universo, ao humor que nos atinge em cheio nas sequências mais inesperadas, até á história de amor completamente diferente daquilo a que estamos habituados no cinema romântico oriental, tudo em [“Citizen Dog“] está orquestrado para nos fazer sentir bem.
É um filme fantástico para aqueles momentos mais tristes pois conseguirá colocar-lhes um sorriso no rosto e muito provávelmente irá meter-lhes a música do genérico na cabeça durante dias.
E garanto-vos que depois do filme acabar vocês voltarão ao genérico só para curtir a boa onda.

Depois de ter visto tantos maus exemplos de cinema Tailandês nos últimos anos, foi uma verdadeira surpresa ter encontrado um filme assim tão refrescante.
Não só tem uma identidade muito própria como consegue agarrar do primeiro ao último minuto.
Se calhar nem funciona particularmente bem enquanto história romântica; não irão ficar com [“Citizen Dog“] na memória pela história de amor em particular mas garanto-vos que se irão lembrar deste filme por muito tempo pelo resto.
Na verdade a ter alguma falha, na minha opinião, está no facto de tendo por base uma história de amor nunca levou esse registo a um nível que se calhar deveria ter levado.

citizen-dog_45

Não é por nos importarmos particularmente com a história de amor dos protagonistas que [“Citizen Dog“] resulta e se calhar deveria ter sido esse mais o seu ponto central, pois o filme parece estar algo fragmentado em dois actos. O primeiro em que conhecemos todo o universo do heroi e ficamos a saber da sua paixão pela rapariga e o segundo acto mais centrado na obsessão desta pela ecologia o que acaba por deixar para segundo plano o sentimento do heroi em relação ao seu amor.

 citizen-dog_50

[“Citizen Dog“] apesar de ser uma comédia romântica, tem muito pouca emotividade no que toca á história de amor e por isso o final feliz não tem aquele impacto emocional que poderia ter tido.
Não tem, porque toda a história está carregada de uma boa onda tal, que nunca existe na verdade um núcleo dramático que nos fizesse duvidar por momentos do inevitável final feliz.
A faltar alguma coisa neste filme, falta-lhe algum suspanse romântico e o segmento final perde muita da emotividade que poderia ter tido na minha opinião.
De qualquer forma é um pequeno grande filme romântico com dezenas de outras coisas para ver e muito, muito bom humor com alguns gags particularmente inesperados e hilariantes até pela forma como são usados para fazer avançar a história.

citizen-dog_31

[“Citizen Dog“] está cheio de piadas mas todas colocadas cirurgicamente de forma a servirem para qualquer coisa no contexto geral.
Não parece, mas [“Citizen Dog“] é um daqueles filmes que pedem uma segunda e até uma terceira visão até que percebamos o quanto é bom e como está carregado de detalhes a que não prestamos atenção quando o vemos de forma desprevenida pela primeira vez.
De qualquer forma vocês voltarão a ele muitas vezes certamente, quanto mais não seja para curtirem o genérico. E se virem o genérico, têm de continuar a ver o resto, mesmo já sabendo o que acontece. E tudo acontece neste filme.
[“Citizen Dog“] é totalmente hipnótico. Único, divertido e visualmente brilhante.
Uma pequena grande surpresa saida da Tailandia á espera de ser descoberto hoje mesmo.

——————————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO:

Absolutamente  obrigatório para quem gosta de bom cinema romântico com muita  imaginação visual.
Não estará propriamente na linha de um  ”The Classic“, “Be With You“, “My Sassy Girl”, “Fly me to Polaris“ ou “Il Mare“ mas é uma proposta totalmente diferente com um estilo de conto de fadas urbano que resulta plenamente e os irá divertir se gostaram por exemplo de “Amélie” de Jean Pierre Jeunet.

citizen-dog_51 citizen-dog_49

Cinco tijelas de noodles e um Golden Award como selo de qualidade, sem qualquer hesitação por tudo e mais alguma coisa, apesar de eu ter ficado algo desapontado pela ausência de um conteúdo mais dramático na história de amor central.
No entanto finalmente aparece algo saído do cinema Tailandês que se destaca pela positiva e só por isso merece a nota máxima, até porque o filme é mesmo bom.

noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg gold-award.jpg

Se gostarem deste e ainda não viram um dos filmes anteriores do mesmo realizador, o fabuloso “TEARS OF THE BLACK TIGER” nem sei do que estão à espera, pois é ainda melhor.

A favor: o estilo conto de fadas urbano, o visual do filme é fabuloso, cores incriveis e cada imagem é um quadro, tem um sentido de humor genial e contém momentos hilariantes, os personagens são inesqueciveis, nunca conseguimos adivinhar o que vai aparecer a seguir, arrisca ser politicamente incorrecto, a música é perfeitamente hipnótica, a abertura do filme é genial com uma sequência musical muito divertida, excelente exemplo de como se pode fazer cinema em total estilo photoshop sem perder qualidades cinemáticas, é um filme que se revê com prazer e onde se descobre sempre uma coisa nova a nova visão, excelente filme familiar também, finalmente um filme Tailandês em condições !!

Contra: quem não gosta do estilo gráfico excessivamente artificial não vai gostar disto, a história de amor não tem nenhum suspanse romântico ou um coração dramático tão forte quanto eu gostaria de ter visto  e como tal o final feliz perde alguma força.

——————————————————————————————————————

NOTAS ADICIONAIS:

Trailer 1

Trailer 2

Créditos finais

 

——————————————————————————————————————

Comprar
Eu bem que queria ter isto mas parece ser impossível de se encontrar actualmente.
Se souberem onde está á venda digam qualquer coisa.

Supreendentemente este é um dos raros filmes orientais que ainda se encontram na net, com legendas em Português.
Podem fazer o Download aqui !

IMDB
http://www.imdb.com/title/tt0444778/combined

——————————————————————————————————————

Filmes estéticamente semelhantes de que poderá gostar:

The Promise capinha_tears-o-the-black-tiger

——————————————————————————————————————

Bao hu lu de mi mi (Secret of the magic gourd) John Chu, Frankie Chung (2007) China


Ao contrário do que é habitual nos estúdios de Hollywood, desta vez os americanos não compraram os direitos de um filme oriental para o refazer á moda ocidental.
A Disney teve a boa ideia de investir num produto totalmente made-in-china e produziu este divertidíssimo filme para crianças que combina o melhor do cinema comercial (cheio de boas intenções) com uma identidade oriental genuína.
Sendo assim [“Secret of the Magic Gourd“] já fica na história como a primeira grande produção de um estúdio americano capitalista na indústria cinematográfica de um regime comunista e não deixa de ser curioso isto ter acontecido com um produto essencialmente infantil.

magicgourd08

Infantil, mas não estúpido. Ao contrário das habituais produções Disney em imagem real para crianças e adolescentes esta história não conta com putos imbecis ou pré-adolescentes clones da Britney Spears com romances de cordel e banda-sonora para vender mp3 aos fãs dos Morangos com Açucar ou a pitas que querem ser “famosas” como as “Just Girls“.
Por isso meus amigos, estejam descansados que [“Secret of the Magic Gourd“] não é de forma nenhuma a parte 20 do “Highschool Musical” e mesmo contendo um personagem principal que não passa de um cartoon animado consegue ser um filme menos infantil do que practicamente tudo o que tem passado  por cinema para crianças saído dos EUA nos últimos tempos.

magicgourd10

[“Secret of the Magic Gourd“] é um pequeno grande filme que não tem problemas em assumir-se por completo como cinema infanto-juvenil e consegue-o fazer sem precisar de recorrer a argumentos debiloides com crianças de cartão. Aliás, uns dos grandes trunfos desta produção são precisamente os personagens infantis.
Há muito tempo que não via um casting com tantas crianças resultar tão bem. Não sei se será do argumento, ou da direcção de actores mas os putos deste filme têm uma presença extraordinária pela sua simplicidade e naturalidade. Dez minutos depois do filme começar esqueçemo-nos por completo que estamos a ver um grupo de pequenos actores pois parece que aquelas crianças pertencem realmente áquela realidade retratada pelo argumento.

magicgourd121

Outra coisa excelente nesta produção da Disney é a própria realização do filme. Apesar de toda a atmosfera infantil da história, esta obra consegue ter um par de momentos absolutamente mágicos. Nomeadamente os primeiros 25 minutos do filme e os últimos 10 são excelentes e tudo no ecran resulta a vários níveis. Podem ter a certeza que conseguirá maravilhar o espectador que se deixe levar por aquele espírito de voltar a ser criança que é plenamente traduzido em mágnificas imagens durante toda a duração deste cativante filme oriental.

magicgourd03

Visualmente [“Secret of the Magic Gourd“] é um verdadeiro catálogo visual de como se deve criar um filme infantil com qualidade.
Como se os efeitos especiais digitais não fossem já absolutamente fantásticos em todos os aspectos técnicos (produção 100% chinesa), este filme conta com uma sucessão de enquadramentos absolutamente mágicos. Não só a cor do filme tem um tratamento fabuloso, como toda a montagem está feita com base numa enorme colecção de imagens em movimento extremamente bem planeadas e que transformam o filme num verdadeiro livro ilustrado como se fosse formado por uma enorme quantidade de pinturas animadas.

magicgourd04

Nota de destaque para a enorme sensação de espaço aberto que o filme transmite. Não só contém uma grande quantidade de paisagens fantásticas como tudo parece ter sido filmado com uma lente de grande angular o que visualmente se traduz numa enorme profundidade de detalhes onde cada imagem tem inúmeras coisas a acontecer numa espécie de bailado natural coreografado ao pormenor e onde até o mais pequeno pormenor importa para a composição de cada imagem; coisa de que só nos damos conta quando paramos para reparar na beleza de algumas das imagens deste filme. Até os cenários interiores parecem espaçosos e estão carregados de coisas para o espectador explorar. Resumindo, quem admira visuais muito bem cuidados, pode nem gostar deste filme, mas vai gostar dos verdadeiros “quadros” em movimento que nos entram pela casa dentro a cada novo enquadramento.

magicgourd05

[“Secret of the Magic Gourd“] conta a história de uma criança muito imaginativa que não se consegue integrar muito bem junto dos amigos devido á sua necessidade de ser constantemente criativo e que um dia depois de alguns desaires junto da escola e dos colegas encontra numa floresta de bamboo uma abóbora mágica.
Sim, eu sei…deixem o cérebro á porta e entrem na onda.
Tal como o tradicional génio da lâmpada também a abóbora lhe concede a concretização de todos os seus desejos o que inevitávelmente irá criar um caos absoluto e o nosso jovem heroi irá aprender que se calhar nem sempre é bom recebermos tudo aquilo que gostariamos de ter.

magicgourd02

Outra nota positiva; a moral do filme é directa mas não é pirosa. Apesar de simples o argumento contorna sempre muito bem tudo aquilo que poderia ter tornado o filme numa história infantil intragável para quem não pode mais com aqueles filmes para crianças americanos cheios de patriotísmo e moral cristã de pacotilha.
Podem estar descansados neste caso. Simples, directo e sem perder tempo com redundâncias morais.
Além disso tudo gira á volta do personagem da Abóbora (?) Mágica e o personagem tem carísma suficiente até para nos fazer esquecer as inevitáveis fraquezas deste tipo de argumentos que visam pregar algum tipo de comportamento.

magicgourd13

E por falar em Abóbora…
Aquilo é uma abóbora ou uma cabaça ? Será uma cabaça uma velha abóbora ? … Estou baralhado.
De qualquer forma, seja o que aquilo for, eu quero uma !
Este personagem consegue ter momentos absolutamente divertidos. Primeiro apesar de óbviamente ser um personagem digital num instante nos esqueçemos desse facto e segundos depois de ter surgido no ecran já nem nos lembramos que o boneco não tem existência física. Quanto a mim é um dos mais geniais personagens cartoon dos últimos anos e apesar de não ter própriamente grande originalidade no seu conceito e na sua personalidade, é um boneco com mais vida que muitos personagens humanos de alguns filmes de cartão que se encontra por aí.

magicgourd06

A abóbora mágica, é uma espécie de Obi-Wan-Kenobi dos vegetais mas com a desvantagem de ser um bocado trapalhão. Não por ser um idiota, mas porque desconhece demasiado sobre as relações humanas e como tal raramente acerta em algo que a criança lhe pede, o que dá logo um resultado muito divertido.
Trivial mas tudo muito bem executado e cheio de personalidade.
E isto aliado ás excelentes interpretações do elenco de crianças dá imediatamente credibilidade a este mundo de sonho feito na China que na minha opinião conseguiu fazer aquilo que a Disney não tinha há muito; um filme infantil de imagem real com uma verdadeira alma.
Mesmo apesar de ser mais um exemplo daquele tipo de cinema digital estilo photoshop.

Hong Kong Disney China

Quanto a mim a única grande desvantagem deste filme está no facto de ser o que é, um produto realmente infantíl e completamente destinado a ser apreciado por crianças.
Tem suficientementes elementos excelentes para ser apreciado por adultos, mas não deixa de ser um produto ultra-previsível e por causa disso, apesar de ter uma primeira parte completamente excelente e um final emocional bem trabalhado, muito do meio do filme pode tornar-se um bocado desinteressante.
Isto porque o conteúdo central do argumento não traz nada de novo, mostra-nos sempre mais do mesmo e não há nada na história que nos possa surpreender ou manter-nos interessados durante muito tempo além do excelente trabalho dos actores infantis e da abóbora ser completamente carismática.

magicgourd11

Felizmente que o filme tem pouco mais de 80 minutos ( e mesmo assim por causa do desinteressante desenvolvimento a meio da história, este parece ser muito maior). No entanto devido á sua curta duração, nunca se arrasta por muito tempo e como tal consegue ser um produto comercial infantil que não aborrecerá de morte até o adulto mais resistente a este tipo de produções.

Ps: vejam os créditos finais até ao fim.

——————————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO:

Um dos melhores filmes infantís (de “imagem real”) produzidos pela Disney em muitos anos.
Trés tigelas e meia de noodles, pois é realmente muito bom e merece estar junto de qualquer colecção de cinema oriental.
Não lhe dou melhor classificação só porque apesar de tudo é um filme para o público infantil e portanto a nível de argumento não tem própriamente nada que nos supreenda ou nos agarre particularmente.
Não será algo que andarei sempre a rever embora seja um produto técnicamente muito bom mesmo .
Mas aquela abóbora mágica é genial e o filme tem um ambiente mágnifico.
Trés tigelas e meia de noodles porque vale mesmo a pena.

noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2emeia.jpg

A favor: a sequência espacial de abertura, o elenco infantil é excelente com destaque para o protagonista, o argumento trata as crianças como pessoas com personalidade, a abóbora é um persongem cheio de personalidade e muito divertido, o filme tem um excelente equílibrio entre animação e comédia infantil, não aborrecerá de morte os adultos, tem uma história com moral sem ser moralista, apesar de ser um produto Disney tem uma identidade Chinesa pois o filme é totalmente made-in-china, os efeitos especiais são excelentes, a primeira e a última parte do filme são excelentes, em muitos momentos tem um ambiente verdadeiramente mágico, excelente realização com uma óptima fotografia e inúmeras imagens fascinantes, 85 minutos é a duração perfeita. Já lhes disse que a abóbora é genial ?
Contra: é um filme destinado ao público infantil e como tal não tem própriamente um argumento que cative os mais crescidos, a parte central da história arrasta-se pois não tem grandes surpresas na sua estrutura apesar dos efeitos especiais serem excelentes e a abóbora continuar a divertir sempre que aparece no ecran.

—————————————————————————————————————

NOTAS ADICIONAIS

Trailer
http://www.youtube.com/watch?v=fcEjDKUS5Ck&feature=related

magicgourd01

Comprar
No momento em que escrevo isto, o filme está a menos de 4 libras na Amazon Uk como parte da campanha de preços baixos deles neste Verão de 2010, por isso meus amigos é aproveitar. 😉

Filme na Web com legendas em Pt (Brasil) – Obrigado pela dica Takeshi, excelente blog.
http://asianspace.blogspot.com/search?updated-max=2008-10-07T13%3A51%3A00-03%3A00&max-results=7

——————————————————————————————————————

Se gostou deste,  poderá gostar de:

——————————————————————————————————————

Saekjeuk shigong (Sex is Zero) Je-gyun Yun (2002) Coreia do Sul


Eu sei que existem inúmeras reviews deste filme espalhadas pela net que referem a história do mesmo.
Não se iludam, essas pessoas devem andar na droga.
Desafio qualquer pessoa a ver os primeiros 45 minutos de [“Sex is Zero“] e a tentar descrever-me o seu argumento.
Este filme é o caos absoluto ! Depois de ver [“Sex is Zero“] o mundo dividir-se-há entre aqueles que vão imediatamente comprar um bilhete de avião para a Coreia do Sul e os que riscarão aquele país de qualquer potencial rota turística para os próximos anos porque aqueles gajos estão tão á frente que se calhar pode ser perigoso para a saúde mental de um ocidental desprevenido.

Como descrever isto…
Eu que desde os anos 70 já devo ter visto todas as comédias porcas, desde o mais chunga filme cómico italiano, passando pelos israelitas “Gelado de Limão (elevado ao infinito)”, pelos franceses “Turma dos Repetentes”, pelos americanos “Animal House“, “Porkys 1, 2, 3″ mais toda a colecção de “American Pies” com subsequentes clones, pensava então que já tinha visto tudo e que já nada me espantava no que toca a comédias sexuais com adolescentes.
Até que vi o sul-coreano [“Sex is Zero“] este fim de semana.

Estou a tentar encontrar palavras para não tentar exagerar, mas quando eu pensava que já tinha visto tudo no que toca a gags sexuais, quando eu pensava que já não se poderia esticar mais a coisa sem roçar o XXX, [“Sex is Zero“] entra a matar com algumas das sequências mais criativas e inimagináveis que se poderia esperar num filme deste estilo.
Lembram-se da polémica e do debate moral que o primeiro “American Pie” suscitou na américa quando saiu ?  A cena em que o personagem do Jason Biggs, bem…moca uma torta em cima da mesa da cozinha suscitou na altura intermináveis debates sobre como a cena era chocante para as mentes dos teenagers, etc, etc, etc e como aquilo era uma coisa muito á frente na comédia etc, etc, etc.
Amadores.

Estes americanos são uns amadores, pois comparado com o que aparece em [“Sex is Zero“] todos os sketches do American Pie poderiam ser patrocinados pela Disney.
Se os americanos andaram todos chocados pelo Jason Biggs fornicar uma torta, o que dizer do hilariante ingrediente secreto para sandes destinadas a provocar efeitos afrodisíacos nas meninas orientais deste filme ?! E mais não digo.
[“Sex is Zero“] é um filme particularmente dificil de comentar aqui porque para o fazer de forma correcta eu teria de revelar porque razão a maior parte dos gags são hilariantes e isso estragaria logo metade do prazer em descobrirem este filme.

Posso dizer-vos no entanto que metade do fascínio desta comédia, não está propriamente no humor que apresenta mas mais naquele factor: – ” Eu não acredito que estes gajos estão a mostrar isto !!”.
Vejam [“Sex is Zero“] e passarão metade do tempo a exclamar coisas do género: – “Estes gajos têm mesmo lata !!”
Esta é uma comédia muito estranha que se torna hilariante, mais por aquilo que a gente nunca imagina que vai acontecer a seguir do que própriamente pelos gags. É dificil de explicar.

Não é própriamente a inovação das piadas sexuais que tornam o filme especial, mas sim a forma como elas são usadas e aparecem nos sítios mais inesperados tudo num ritmo verdadeiramente alucinante que nem dá tempo ao espectador respirar, ou muitas das vezes fechar a boca de espanto depois de mais outra exclamação do estilo: -“Eles não mostraram mesmo isto que eu vi pois não ?!”
Básicamente, uma coisa é certa, os jovens actores deste filme têm uma lata do caraças pela descontracção como abordam todas as situações mais inacreditáveis e humilhantes dos seus personagens.

Outra coisa que torna o filme diferente é o facto deste filme ter meninas nuas.
Muitas meninas nuas, semi-nuas, mamas, rabos, cenas de sexo quanto baste, etc.
Quem procurar por uma comédia com miudas orientais sem roupa  tem aqui não só um bom exemplo, como também um relativamente raro pois nudez feminina no cinema comercial oriental não é algo que se veja muito no cinema daquelas paragens, muito menos estando associada a um contexto tão sexualmente “explícito” como acontece neste [“Sex is Zero“] a todo o instante.
Esqueçam a imagem fofinha da miuda oriental, estas tipas são fofinhas mas têm mais hormonas aos saltos que o elenco masculino do filme todo reunido o que dá logo também uma outra vertente a esta comédia. [“Sex is Zero“] não é apenas mais um daqueles filmes com tipos atrás de gajas. Aqui elas também andam á caça de homens e sabem muito bem o que querem, para desgraça de muitos personagens que se metem nas piores situações por causa das miudas ao longo do filme todo.

E por falar em situações maradas, não recomendo que vejam este filme depois do jantar pois se são daquelas pessoas com estômago fraco fica aqui o aviso que [“Sex is Zero“] tem por base um humor primário do mais escatológico possível que envolve desde cenas com vomitado, a ratos ou a …bem… não digo. Boa sorte.
Fica só o aviso de que este filme é bem mais do que a comédia americana de suposta tendência politicamente incorrecta.
[“Sex is Zero“] nem se preocupa em fingir pois se querem gags politicamente incorrectos não procurem mais longe. E o engraçado nisto tudo é que resulta.
Tudo o que é de extremos neste filme parece extremamente natural. Tudo está dentro do contexto completamente anárquico e como tal contagia o espectador.
Muitos vão adorar o humor primário, muitos vão detestar mas não vão conseguir tirar os olhos do ecran porque precisam mesmo de ver o que poderá acontecer a seguir.

Pessoalmente, detesto humor deste estilo. Talvez porque quando era puto vi tantas comédias parvas de adolescentes que já não posso mais com piadas supostamente sexuais carregadas de hormonas imbecis.
No entanto tenho que confessar que abro uma grande excepção para [“Sex is Zero“].
Dentro do avacalhamento total este filme é capaz de ser bem uma obra prima do género.
E pode ser que um dia eu consiga até achar que isto tem uma história digna de ser resumida. Mas uma coisa de cada vez.

Mas este filme tem muito mais do que apenas gags nojentos. Aliás, tirando as piadas com cenas repulsivas consegue na verdade ir muito mais além do que muita comédia do género, tanto na maneira como usa o humor mas principalmente como inesperadamente usa o drama.
A última coisa que o espectador esperaria despois de passar pelo menos os primeiros 60 minutos de filme a ver cenas absolutamente avacalhantes em todos os sentidos seria de se deparar com um interlúdio sério e dramático na parte final do filme.
Súbitamente os dois personagens principais ganham vida.
Deixam de parecer os bonecos de cartão de comédia sexual adolescente estereotipada e inesperadamente tornam-se seres humanos reais levando imediatamente o espectador a interessar-se realmente pelo seu destino numa questão de segundos.

Aqui, nota alta para o realizador e para o argumento que souberam como ninguém, passar sem que nós nos dessemos conta de uma comédia desmiolada para um pequeno drama com alma sem sair do contexto caótico do filme.
Aliás, [“Sex is Zero“] tem uma cena que ainda não tinha visto em nenhum filme e ainda estou a tentar perceber como resulta tão bem mesmo tratando-se de algo no argumento que á primeira vista seria impossível de ligar de forma que pudesse funcionar. A verdade é que funciona não só bem, como acaba por ser dos momentos mais hilariantes do filme sem recorrer a piadas porcas.
É uma cena hilariante ao mesmo tempo que é muito triste e tudo resulta plenamente graças ao trabalho dos actores e naturalmente ao talento do realizador que tem aqui talvez a melhor cena do trabalho.
Isto poderá ser um pequeno *spoiler* mas preciso de explicar isto melhor. Trata-se da cena em que a protagonista recorre a uma clinica para fazer um aborto e arrasta o amigo com ela para se fazer passar por pai do seu filho. Acontece que o rapaz encheu o cabelo de compota de morango porque não tinha gel e durante toda a cena (realmente) triste e dramática em que se discute o aborto da rapariga o cabelo do rapaz está constantemente cheio de moscas o que cria um daqueles momento únicos em que já não sabemos se estamos a chorar por causa do drama ou por causa da comédia e quanto a mim é a cena do filme. */fim do spoiler*

Pela net, muita gente achou que o filme não precisava de uma parte dramática, pois até aí tinha sido apenas uma comédia desmiolada a abrir e quem apenas gosta desse tipo de filme não gostou que de repente os personagens enfrentassem um drama real.
Na minha opinião a parte dramática é precisamente aquilo que eleva esta comédia acima de muitas outras coisas ao estilo “American Pie”  sem cérebro, pois no meio de tanto caos , subitamente damos por nós realmente interessados naquela pequena história de amor.
Se há aqui um problema é se calhar o facto de que este bocado dramático deveria ter sido inserido mas era no “100 Days With Mr Arrogant” pois se esse filme tivesse tido um segmento dramático tão bom teria sido uma excelente comédia romântica, até porque os dois filmes são com a mesma actriz (em registros completamente diferentes).
Assim mesmo estando no [“Sex is Zero“] isso não chega para classificar o presente filme de comédia romântica porque na verdade é demasiado alucinada para isso, mesmo tendo um bom coração emocional apesar de tudo.

——————————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO:

Apesar de me ter divertido muito com o filme, penso no entanto que não lhe posso dar mais que trés tigelas de noodles. Isto porque não é o tipo de filme que voltarei a rever muitas vezes e também porque já estou um bocado cansado de comédias sexuais adolescentes.
No entanto, não deixem esta minha classificação relativamente suave impedir que vejam  [“Sex is Zero“] pois é realmente uma comédia escatológica muitos furos acima de qualquer “American Pie”  e pelo meio ainda tem uma pequena história de amor com alma.
Se gostarem muito de comédias sexuais adolescentes podem acrescentar duas tigelas de noodles á minha classificação pois na verdade se vermos este filme apenas por esse prisma é realmente um produto cinco estrelas que lhes irá agradar certamente. E surpreender também.

noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg

A favor: o caos absoluto do … “argumento” ? Muitos gags nojentos que resultam plenamente dentro do contexto do filme, a parte dramática tem alma e coração pois emociona-nos ao mesmo tempo que nos faz rir no meio da tristeza, tem meninas orientais nuas o que não se vê todos os dias num filme saído da Coreia do Sul, as piadas sexuais são literalmente um gozo, personagens masculinos e femininos em pé de igualdade sexualmente falando.
Contra: pode ter piadas um bocado nojentas para muita gente, algures nas partes finais o filme sofre uma quebra na montagem durante as sequências de ginástica e arrasta-se um bocado por minutos sem razão aparente, a realização não deslumbra e limita-se a seguir todas as fórmulas da comédia sexual adolescente que já vimos mil vezes…embora neste caso, isto tem muito que se lhe diga.

—————————————————————————————————————

NOTAS ADICIONAIS:

Trailer
http://www.youtube.com/watch?v=pXQ9YycK_MY

Comprar
Podem comprar esta óptima edição DVD na Amazon americana.

Imdb
http://www.imdb.com/title/tt0341555/

——————————————————————————————————————

Comédias semelhantes:

——————————————————————————————————————