Koizora (Sky of Love) Natsuki Imai (2007) Japão


Dentro do género romântico japonês, [“Sky of Love“] é um dos melhores e mais bonitos filmes que me passaram pela frente desde há alguns anos a esta parte e não estava nada á espera de que logo este fosse um título tão atacado na net, principalmente em reviews saídas dos Estados Unidos.
Até porque não difere muito do que costumamos ver dentro deste género romântico e na verdade já vi coisas muito mais pirosamente sexualmente foleiras saídas de Hollywood e nunca ninguém disse nada.

É que…mas que raio…terá sido este é o único filme sobre sexo adolescente, violação e aborto  que esta gente viu na vida ?!
Como pode haver na net pessoas chocadas por [“Sky of Love“] falar sobre o tema da gravidez adolescente de uma perspectiva totalmente natural ?

Além, disso dizer que [“Sky of Love“] tem cenas de sexo só se for na imaginação de quem ataca o filme, pois não esperem miúdas nuas nesta história. Aliás, nem nas tais cenas chocantes se vê um cotovelo sequer.

[“Sky of Love“] também é atacado por certos reviewers americanos porque mostra uma breve cena com adolescentes a beberem, a fumarem e a participarem numa festa com muita devassidão onde curtem uns com os outros sem sequer serem namorados !! Como é possível andarem a dar ideias destas aos adolescentes que nunca pensaram nisto antes ?!
Agora por causa deste filme todas as crianças vão descobrir que existe tabaco e que as meninas têm partes diferentes dos meninos.
Eu estou chocado. Até porque os americanos nunca fizeram filmes parvos com Spring Breakers nem nada…

Estou chocado, porque não estava nada á espera de encontrar reacções destas perante um filme tão bonito quanto este.
E mais uma vez, eu sei…eu sei que já vimos esta história mil vezes em outros romances cinematográficos orientais, eu sei que tudo é fofinho de propósito neste filme para nos fazer chorar baba e ranho e eu sei que não há um pingo de originalidade em [“Sky of Love“] porque segue todos os clichés do género ao mínimo detalhe.
Mas será um título tão pouco original assim ? Ou haverá algo de muito mais interessante em [“Sky of Love“] que algumas pessoas parecem não ter tido olhos para ver porque estavam demasiado ocupadas em pregar moral em vez de se deixar levar pelo universo da história?

Para começar tem uma coisa extraordinária. Os personagens são muito bons e esta história supostamente banal está filmada de uma forma tão cativante que a meio do filme já nem nos lembramos que já vimos isto antes mil vezes no cinema teen japonês o que não deixa de ser um resultado notável. Acreditem-me, vocês vão chegar ao final deste filme e nem se lembram que já viram isto dezenas de vezes antes pois [“Sky of Love“] é totalmente eficaz na forma como conduz a nossa atenção para o coração emocional da história e nos faz esquecer tudo em redor enquanto o filme não acaba.
Aqui e antes que me esqueça uma nota para o elenco que é perfeito. O par romântico principal é fantástico pela sua naturalidade e totalmente carismático, com grande destaque para actriz principal que na minha opinião tem uma prestação extraordinária neste filme e parece que ninguém notou esse facto.

Percorre toda a história em vários registos dramáticos (representando várias idades) com uma naturalidade espantosa e se calhar é por isso que tanta gente ataca o filme também, sem notarem que ao atacarem os acontecimentos representados na história estão na verdade a valorizar o trabalho dos actores que quanto a mim estão absolutamente mágnificos nisto.
Neste aspecto, também uma nota á parte para o actor que já vimos antes como protagonista de “Cyborg She” e que tem aqui um personagem secundário bem mais contido que os fará ficar ainda a gostar mais desta história. Isto porque mais uma vez, até aquilo que supostamente seria um triangulo amoroso banal, também aqui também funciona com uma dinâmica dramática que os irá não só surpreender como provavelmente emocionar-vos e dar-lhes um tópico ou dois em que pensar. O que não está mal para um filme que á primeira vista parece tão previsivel assim.

Uma das grandes forças deste filme em relação a todas as outras histórias de amor que estamos habituados a ver saídas do oriente, está no facto de que [“Sky of Love“] entra por um registro assumidamente mais dramático do que é costume e quando muita gente pensava que ia ver outra história romântica muito ligeira de repente leva com um título que antes de ser uma lovestory é acima de tudo um drama no sentido mais sério, também muito fruto dos próprios temas que aborda e da forma como os apresenta como fazendo parte da vida.

Como alguém refere numa outra review algures na net, atacarem [“Sky of Love“] ou qualquer outro drama romântico japonês com o argumento que é mais do mesmo e que já vimos esta formula ou esta história mil vezes antes é o mesmo que dizer que também não vale a pena vermos mais filmes de terror porque todos seguem a mesma fórmula. E quem diz filmes de terror, diz filmes de acção e por aí fora.
Portanto não é por ser outra história romântica japonesa que [“Sky of Love“] poderá ser desconsiderado. Quando muito seria por ser outra história romântica japonesa mas sem grande interesse ou falta de personalidade e isso garanto-vos que este filme não é, pois identidade, personalidade e muita alma não lhe falta e como tal na minha opinião vocês podem partir para isto com toda a confiança pois é realmente do melhor que anda por aí dentro do género.

Se calhar é um filme que confundiu muita gente porque ao início parece uma coisa e depois apanha o público de surpresa quando percebemos que tem uma temática mais profunda do que parecia a um primeiro olhar.
É que se vocês detestam aqueles ambientes fofinhos de meter vómito ao melhor estilo romance japonês para teenagers, até se vão passar com a atmosfera dos primeiros vinte minutos de [“Sky of Love“]. Isto porque tudo é tão cute em modo histérico que mais parece que estamos a ver um daqueles Animes para miúdas onde tudo é ultra feminino e cheio de estética fofinha quanto baste.

O que não falta em [“Sky of Love“] são colegiais japonesas em fatinho típico tão popular e ainda por cima tudo complementado com uma estética visual absolutamente luminosa que cria verdadeiras sequências onde quase nos parece que estamos a ver um desenho animado totalmente colorido ao melhor estilo japonês.
E é aqui que está o grande contraste do filme, pois quando de repente nos apercebemos que se calhar nem tudo é tão luminoso assim na vida dos personagens já é tarde e ficamos fascinados com o permanente contraste entre o drama das suas vidas e a incrível luminosidade absolutamente poética do ambiente em que a sua história decorre.
Um bom exemplo disto é a cena da violação que termina com uma imagem fabulosa num campo de flores.

Outra coisa curiosa sobre este filme é que parece que [“Sky of Love“] foi baseado numa história real que ocorreu no japão no início deste século (pelo visto o cinema deles conta histórias tão simples que podem ter eco na vida real e vice-versa); e que se tornou famosa porque esta foi publicada na forma de diário pela web num (popular?!) formato conhecido por aquelas bandas como – romances para telémovel (quê?!!) – e que pelo visto muita gente lê por todo o lado.
Parece que o pessoal no Japão em vez de ler livros, lê novelas nos ecrans de telémovel e como tal esta teve um sucesso tal quando foi disponibilizado para download que acabou sendo editado num livro a sério que vendeu como o raio, foi editado em Manga e portanto daí até ser um filme … a coisa nem poderia ter sido de outra forma.
E ainda bem.

Portanto, eu adorei [“Sky of Love“].
Há muito tempo que não encontrava uma love-story com tantas qualidades. Apesar de não ter um pingo de originalidade a nível de formato, tem pormenores fantásticos, muitos momentos dramáticos que resultam plenamente e está carregado de imagens inesquecíveis absolutamente poéticas que criam um contraste por vezes brutal com o que acontece na história.

Pode ser previsível, mas usa essa previsibilidade para tratar de uma forma natural todos os temas, tem interpretações fantásticas e mesmo assim consegue ter um suspanse extraordinário no que toca á forma como poderá acabar pois percebemos o que irá acontecer mas há sempre uma dúvida no ar por causa da introdução do terceiro elemento na história de amor o que lhe dá um toque humano diferente que nos faz colocar dúvidas a propósito do desfecho.
Um pormenor que não só resulta como dá imensa personalidade ao filme.

Sendo assim, pela parte que me toca achei [“Sky of Love“] uma das melhores histórias de amor deste género desde talvez, “The Classic“. É melodramático ? É sim, mas resulta e bem.
É também uma história que também não teria o mesmo impacto se os telemoveis nunca tivessem sido inventados, pois faz desse objecto do quotidiano um pormenor essencial não só para a carga dramática do filme como principalmente para a cena da despedida final que os fará ter nós na garganta pela sua eficácia enquanto ideia genial para um momento romântico e surpreendentemente cheio de suspanse dentro do contexto do  filme.

——————————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO:

Outra das melhores histórias românticas orientais que existem para ser apreciadas e mais outra prova de que filmes com adolescentes, sobre adolescentes não têm que ser produtos vazios e descaracterizados, mesmo quando seguem todas as regras de um género que já foram repetidas mil vezes noutros títulos semelhantes.
Uma obra com uma grande simplicidade narrativa mas com uma realização fantásticamente discreta, num filme cheio de imagens lindíssimas e uma fotografia luminosa perfeita que contrasta com o tom cru e triste de muita da temática da história.
Cinco tigelas de noodles e um Golden Award como selo de qualidade porque este é outro daqueles filmes que rebenta a escala embora não pareça de todo ser um filme tão bom quanto na realidade é.

noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg gold-award.jpg

A favor: mais uma vez toda a humanização dos personagens (inclusivamente dos vilões da história num pormenor final que surpreende pela inclusão inesperada num dos melhores momentos do desenlace), o trabalho da actriz principal é fantástico e se calhar não se nota a uma primeira visão pela naturalidade como tudo acontece no ecran, idem para os protagonistas masculinos que compõem o triangulo amoroso, é formulático e chega pois nem precisava de ser original para ser fantástico, mais do que uma love story é um bom drama sobre adolescentes que não trata o público por imbecil, a fotografia é incrível com imagens absolutamente inesquecíveis pelo filme inteiro, surpreendentemente consegue ter suspanse o que não deixa de ser notável pois já vimos isto tudo antes, tem uma história que não evita falar de sexo, bullying, violação ou aborto entre muitos outros pequenos temas surpreendentemente bem inseridos, o segmento final é totalmente emocional no melhor dos sentidos e mesmo que não queiram se tiverem um batimento cardíaco vão gastar quilos de lenços de papel e fronhas de almofada (bom filme para ver ca namorada…;), é quase um remake de “My Girl & I” mas onde desta vez está mesmo tudo no lugar certo e nada falha.
Contra: já vimos esta história antes várias vezes mas sinceramente…who cares !

——————————————————————————————————————

NOTAS ADICIONAIS

Trailer
http://www.youtube.com/watch?v=0_KWYW5qu9o

Comprar
Este dvd está esgotado em tudo quanto é sitio, por isso se o encontrarem algures digam-me alguma coisa.
O sitio mais provavel onde poderá aparecer primeiro será por aqui…
http://www.yesasia.com/us/koizora-aka-sky-of-love-dvd-english-subtitled-hong-kong-version/1020251637-0-0-0-en/info.html

Download com legendas em Inglés,aqui  ou aqui.

Download com legendas em PT/Br aqui.

IMDB
http://www.imdb.com/title/tt1194664/combined

LER O MANGA

——————————————————————————————————————

Outros títulos românticos semelhantes recomendados:

The Classic concerto_capinha_73x

——————————————————————————————————————


The Classic ( The Classic ) Kwak Jae-yong ( 2003 ) Coreia do Sul


Na minha opinião, se “My Sassy Girl” é a melhor comédia romântica adolescente que alguma vez existiu, então [“The Classic“] é definitivamente o seu equivalente dentro do drama romântico adolescente também.
E antes que perguntem…pois, este também vai ter em breve um remake americano…
Por isso façam-me o favor de ver este filme o quanto antes.

Na sua simplicidade, [“The Classic“] é um dos mais poéticos e bonitos filmes orientais do género que poderão encontrar e por isso desde já recomendo a sua compra imediata a quem gosta de cinema romântico oriental pois tem aqui um filme que quererá incluir na sua videoteca, junto a “Il Mare“, “Be With You” e obviamente “My Sassy Girl” se nos ficarmos apenas pelo cinema mais comercial, claro.

Isto apesar de [“The Classic“] ser uma obra relativamente formulática e não conter aquela originalidade refrescante que “My Sassy Girl” apresentou quando apareceu há alguns anos atrás.
No entanto a maneira como [“The Classic“] está executado é comparável a uma lindíssima sinfonia de manipulação de emoções coordenada por um maestro que sabe perfeitamente que cordelinhos puxar para criar uma experiência cinematográfica inesquecível para toda a gente que se identifique com os personagens desta poética história de amor oriental Sul Coreana.
Tal como já tinha acontecido em “My Sassy Girl“, pois o tom poético é semelhante nos dois filmes.

É que o realizador é exactamente o mesmo e como tal, ambas as obras têm vários pontos de contacto e podem ser vistas quase como duas faces de uma mesma moeda.
Inclusivamente musicalmente. Têm por base a mesma banda sonora e ambos contêm uma versão única e extraordinária do clássico Canon de Pachelbel que cria uma atmosfera romântica absolutamente mágica nos filmes que apesar de serem diferentes em estrutura, estão no entanto ligados pelo mesmo tom emocional e portanto quem gostou de  “My Sassy Girl“,  irá também certamente apaixonar-se por [“The Classic“].

O filme passa-se em duas épocas distintas e conta duas histórias de amor paralelas.
Uma tem lugar nos anos 60 e a outra algures na actualidade.
Uma rapariga encontra numa caixa, todas as cartas de amor que a mãe guardou desde a adolescência contendo toda a história do romance dos seus pais.
Décadas atrás, um rapaz no liceu, com jeito para prosa, acede fazer um favor a um colega que nem conhece bem e aceita escrever por ele algumas cartas para a noiva.
Isto porque o noivo em questão não é suficientemente inteligente para conseguir fazê-lo por si próprio e como tal precisa de ajuda para comunicar por carta com a jovem noiva que os seus austeros pais lhe arranjaram á força de modo a unirem duas famílias por interesses políticos e económicos.

Obviamente que o rapaz que escreve as cartas em nome do noivo, ao ver a fotografia da rapariga, imediatamente se apaixona por ela e as coisas complicam-se quando os dois acabam por se conhecer pessoalmente e também ela se apaixona pelo autor das cartas embora não saiba que foi ele que as redigiu.
Como seria de esperar, o amor de ambos é depois posto á prova num conflito de interesses e entrelaçado numa sucessão de acontecimentos que acompanham toda a história até dar naturalmente origem á rapariga que nos dias de hoje lê as cartas que a mãe guardou.

E tal como a mãe amou um rapaz que parecia nunca conseguir vir a ter, também actualmente a sua filha, está apaixonada por um rapaz do seu liceu que julga inalcançável por ele ser não só um dos mais populares da escola como também ainda por cima a sua melhor amiga está interessada nele e não perde uma oportunidade para impedir que a rapariga se aproxime do jovem.

E para quem nesta altura já estiver a pensar que [“The Classic“]. não passará de mais uma banal, sopeira e telenovelística história cheia de lugares comuns, se calhar é melhor ver o filme antes de o criticar negativamente, pois só assim irá perceber como esta história não é aquilo que parece pois neste caso, os clichés são uma mais valia que só contribuem para o desenrolar emotivo da história. Nada está neste argumento por acaso e por isso preparem-se para um par de surpresas muito bem colocadas precisamente baseadas em pormenores que ninguém notou espalhados discretamente ao longo da história mas que de repente nos caiem em cima ao melhor estilo do cinema romântico coreano.

Além disso, [“The Classic“], tem o grande mérito, de ser um filme com adolescentes (e até para o público adolescente), que não é de forma nenhuma o produto banal a que muita gente está habituada devido aos péssimos exemplos que conhecem habitualmente do cinema pseudo-romântico adolescente americano.
[“The Classic“], tem alma, tem poesia, tem drama mas acima de tudo tem pessoas reais com que todos nos podemos identificar e neste aspecto não só os personagens são excelentes apesar da sua simplicidade, como o trabalho dos actores é absolutamente mágnifico. Com destaque para a actriz principal que neste filme se desdobra precisamente em dois papeis completamente diferentes, pois a mesma pessoa faz de mãe enquanto jovem nos anos 60 e de filha que actualmente lê as cartas encontradas no sotão.

Só pelo trabalho da jovem actriz, vale a pena verem o filme, pois ao longo da duração da história nem nos lembramos que está uma única pessoa a fazer os dois papeis tal é a diferença de composição de personalidade em cada uma das encarnações. E nem sequer são identidades demasiado vincadas ou exageradas. Pura e simplesmente são duas pessoas diferentes e quando nos lembramos disto [“The Classic“] torna-se ainda um melhor filme do que parece a um primeiro e descuidado olhar.

Mas lá por [“The Classic“]  ser um filme de amor adolescente, com adolescentes e para adolescentes, não pensem os mais velhinhos que vão ficar imunes a ele, ou sequer minimamente aborrecidos. Garanto-vos que isto não é o habitual filme banal ao estilo americano por isso é melhor sentarem-se confortávelmente no sofá  para se surpreenderem e principalmente emocionar-se,  pois esta história de amor é universal e tocará muita gente de todas as idades das mais diferentes formas. Até porque este é um daqueles filmes que já converteu mais do que um ao cinema oriental e certamente irá convencer muitos mais.

——————————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO:

Uma das melhores histórias românticas orientais que poderão alguma vez ver em filme e a prova de que filmes com adolescentes, sobre adolescentes não têm que ser produtos vazios.
Uma obra prima da simplicidade narrativa com visuais lindíssimos e uma fotografia perfeita.
Um filme indispensável em qualquer colecção de cinema oriental, especialmente para quem gosta de cinema romântico coreano ou apenas de boas histórias de amor com muita alma.
Cinco tigelas de noodles e um Golden Award como selo de qualidade porque este é outro daqueles filmes que rebenta a escala, apesar de conter algumas falhas menores.

noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg gold-award.jpg

A favor: o argumento e a maneira como faz passar despercebidos os pormenores que importam até ser altura de os revelar, a humanidade dos personagens apesar de simples, a realização é excelente, os actores, o trabalho fabuloso da actriz principal que se desdobra em dois papeis completamente diferentes, a fotografia lindíssima com imagens que são autênticas pinturas em movimento, a banda sonora simplesmente não poderia ser melhor, ninguém filma cenas á chuva e em estações de comboios melhor que os coreanos, um dos twists do argumento é genial na forma como nos é revelado, o final do filme é muito bonito mesmo.
Contra: não é tão original quanto o filme anterior do mesmo realizador, a narrativa pode parecer demasiado simples, algum humor escatológico desnecessário na minha opinião pois detesto piadas do estilo, a história de amor contemporanea quando comparada com a outra passada nos anos 60 não tem de forma alguma a mesma poesia ou impacto e por causa disto o filme nunca chega a ser tão perfeito quando merecia. Mas não deixem que este pormenor os afaste desta mágnifica história.

——————————————————————————————————————

NOTAS ADICIONAIS

Trailers
http://www.youtube.com/watch?v=EOZWxGbQlzY
http://www.youtube.com/watch?v=dZsxRZk1qiU&feature=related
http://www.youtube.com/watch?v=Dl6ncGPnVZI&feature=related

COMPRAR
Recomendo vivamente esta edição. Apesar dos extras não estarem legendados, os making of são excelentes e os dois discos valem mesmo a pena.
http://www.play-asia.com/paOS-13-71-7l-77-4-49-en-15-the+classic-70-2×4.html
Excelente qualidade de imagem anamórfica sem falhas e com cores absolutamente vibrantes, além de ter um óptimo som 5.1 normal e um absolutamente fantástico som DTS.
Filme legendado em inglés.

Também podem encontrar esta edição com capa em inglés na Amazon americana. Se gostam de filmes românticos orientais, este é de juntar imediatamente á colecção mesmo antes de o verem pois irão querer comprá-lo na mesma se o virem antes. Vão por mim.

IMDB
http://www.imdb.com/title/tt0348568/

——————————————————————————————————————

Filmes semelhantes de que certamente irão gostar:

My Sassy Girl Be With You Il Mare Love Phobia Fly me to Polaris

——————————————————————————————————————