Koroshiya 1 (Ichi the Killer) Takashi Miike (2001) Japão


Fartei-me de rir com este filme o que só demonstra o quanto eu devo ter um grave problema mental.
Por outro lado, não deve ser tão grave quanto o do realizador Takashi Miike pois quem cria uma coisa destas terá certamente um ou dois probleminhas por resolver…
Bem-vindos a [“Ichi the Killer“] provávelmente o filme mais inclassificável de todos que referi até agora neste blog.

É tão inclassificável que a minha própria classificação não tem lógica nenhuma.
Como podem ver atribuí-lhe “apenas” quatro tigelas de noodles apesar de eu continuar a achar que isto deverá ser uma verdadeira prima de…qualquer coisa e um dos melhores filmes de Takashi Miike. Isto para não dizer que será possivelmente um dos filmes mais violentamente doentios de todos os tempos mas também um dos mais nojentamente hilariantes que alguém já teve a lata de filmar.

[“Ichi the Killer“]  é daqueles que não conseguimos tirar os olhos do ecran porque além de estarmos horrorizados, não acreditamos no que estamos a ver e é tão extremo que se torna totalmente cartoonesco, pois o horror e o nojo chegam a tais extremos que a partir de certa altura só conseguimos desatar a rir.
Atinge uma fronteira de mau gosto tal que subitamente o filme ganha contornos de animação do Road-Runner-vs-BiBip.

Tinha comprado o dvd disto há anos em promoção na FNAC (edição Pt) e foi mais outro daqueles que estava na minha prateleira a ganhar pó á espera de oportunidade para ser visto; o que é o mesmo que dizer que estava á espera que eu estivesse com disposição para ver gente cortada aos bocados em ambiente extremo.
Apesar de eu nem sequer me impressionar particularmente com filmes gore, ser grande fã do “Evil Dead” e ter até achado bastante piada ao “Hostel” entre outros títulos do género, a fama de [“Ichi the Killer“] intimidava-me. Além disso, também é um filme sobre máfias e Yakuzas e portanto a temática também não me dizia grande coisa pois não acho grande piada a filmes de gangsters e portanto nunca me tinha apetecido ver o dvd até há um par de dias atrás.

Como tinha acabado de ver o fabuloso e ultra fofinho “Sky of Love”, achei que o contraste perfeito seria espreitar agora [“Ichi the Killer“] pois gosto de espreitar títulos diferentes, até para poder manter por aqui alguma variedade de recomendações, mas nada me preparava para isto.
Para começar, estava á espera de encontrar muito sangue…mas não desta maneira completamente indiscritível. Também estava á espera de me aborrecer de morte com outra história sobre Yakuzas, patrões do crime e guerras entre gangs e acabei por me fartar de rir com as suas aventuras.
Se bem que “aventuras” não será propriamente o termo correcto por aqui, mas de uma certa maneira designa perfeitamente o sentido de humor em que se movem todos estes personagens que têm tanto de repugnante como de fascinante e hilariante.

[“Ichi the Killer“] tem tanto sangue, tanta tripa, tanta viscera, tanta violência gratuita e acima de tudo tanta, mas tanta tortura inacreditável que rebenta a escala daquilo que seria o mau gosto e passa automáticamente para um universo cartoon. Ou melhor…[“Ichi the Killer“] é o melhor equivalente ao Happy Tree Friends que poderão alguma vez encontrar numa versão cinematográfica.

É doentio como o raio, tem cenas de tortura que fariam os censores americanos se agarrarem ás Biblias para excomungar Takashi Miike da face da terra se pudessem e este meus amigos, posso garantir-vos que não irá ter um remake americano, pois até qualquer “Saw” é um filme verdadeiramente ingénuo e infantil ao pé disto.
Embora “Hostel” tenha andado lá perto, (inclusivamente conta com o próprio Takashi Miike como actor na pele de um sádico), não deixou de ter aquele ambiente americano de Hollywood e como tal há sempre um distanciamento entre o espectador e o filme.
Desafio alguém a ver [“Ichi the Killer“] e a lembrar-se que apenas está a ver efeitos especiais ! Brrrr !

[“Ichi the Killer“] não só é sangrento e visceral como raio, mas acima de tudo é extraordináriamente politicamente incorrecto, especialmente no que toca a cenas relativas a maus tratos a mulheres. Tem duas cenas de espancamento e tortura de prostitutas que se calhar se vocês forem mulheres…é melhor não verem este filme, pois isto é mesmo muito doentio. Desde mamilos arrancados com ganchos a mamas cortadas com facas, violações, espancamentos sem sentido, tudo é usado neste filme para ainda chocar mais o espectador.
No entanto, se conseguirem aguentar, o final de tanta violência é sempre tão cartoon que de repente tudo parece deixar de ser tão horrorizante assim e como já disse, isto é mesmo o melhor equivalente ao Happy Tree Friendsque poderão encontrar pela frente.

[“Ichi the Killer“] consegue usar a violência e a tortura para definir os próprios personagens, mostrar o seu estado de espirito e delinear personalidades. Conta com inúmeros personagens mas todos eles muito bem definidos e com o seu momento para brilhar. Seja a torturar alguém ou a ser torturado, cortado aos bocados, violado, espancado, decapitado, sangrado até á morte ou até mesmo colocado dentro de um televisor e espetado com agulhas de crochet ?)…

Parece que isto é já a segunda adaptação de um Manga de culto para cinema e embora da primeira ninguém tenha ouvido falar particularmente, seria impossivel [“Ichi the Killer“] ter passado despercebido nesta nova aventura. Eu imagino os protestos que isto deve ter gerado e o horror e indignação que deve ter causado por esse mundo fora. Especialmente nos Estados Unidos deve ter sido lindo !
Este é o tipo de filme que o Borat devia ter levado para projectar no meio de uma assembleia evangélica americana algures lá no Montana ou algo assim. Eu pagava para ver.

[“Ichi the Killer“] conta a típica história de rivalidades entre gangs de Yakuzas, só que vocês nunca viram vinganças como as que estão neste filme, isso garanto-vos. Essencialmente o chefe de um dos bandos desapareceu com uma pipa de massa e então o tipo mais sádico do gang começa a torturar tudo e todos na busca dessa pessoa ou de quem lhe terá limpado o sebo.

Entretanto, ficamos também a conhecer o Ichi, um tipo simpático, muito boa onda com um grave problema emocional e um sentido erótico algo perigoso que tem a mania de se masturbar enquanto vê prostitutas a serem espancadas ou violadas e tem por hobby cortar pessoas aos bocados com umas lâminas que tem acopladas nos sapatos. Muitas vezes sem querer…mesmo nas cenas de sexo oral…
Como podem ver isto é mesmo para rir, embora não seja propriamente uma comédia familiar. Ou se calhar até é.
Pensando bem…não há ninguém minimamente normal nesta história…

Portanto vejamos…por ordem…mulheres torturadas, masturbação, espancamento de prostitutas, gajos nús pendurados por ganchos a sangrarem no meio de uma sala, auto-mutilação de lingua em grande plano, sado-masoquismo e erotismo quanto baste, decapitações, pessoas cortadas ao meio literalmente de uma ponta a outra, pessoas cortadas ao meio de lado, pessoas cortadas ao meio de outras formas, decapitações, um gajo colocado dentro de uma TV e espetado com agulhas, sexo oral seguido de decapitação, sangue a jorrar da cabeça, sangue a jorrar da barriga, sangue a jorrar do pescoço, pernas decepadas, gajos esmagados, tripas a voar, rostos esfacelados e a escorrerem por paredes a sorrir, criancinhas abusadas, momentos de bullying infantil, violações de adolescentes, atrasados mentais, hipnotismo e um anti-heroi com um grande sorriso á joker.
Não, a sério, [“Ichi the Killer“] tem mesmo partes para rir … a sério. Voltem !!

E já agora…este meu texto é sobre a edição Portuga em DVD que descobri agora para variar está cortada e censurada pois foi baseada na edição internacional com os cortes da BBFC inglesa.
O que quer dizer que se o que eu vi foi uma versão censurada…agora é que tenho mesmo que ver a ver integral pois nem consigo imaginar o que poderá conter de ainda mais chocante !!!

——————————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO:

[“Ichi the Killer“] é uma obra prima de qualquer coisa. Se calhar não se nota pela minha classificação mas isto é mesmo um filme fantástico…apenas me faz alguma confusão atribuir-lhe outra nota qualquer porque ainda nem sei o que pensar sobre tudo isto. De momento só posso dizer que [“Ichi the Killer“] é mesmo muito bom, pois consegue através de cenas de violência extrema construir personagens crediveis dentro do próprio universo da história e isto é mais do que se pode dizer em alguns outros filmes mais ambiciosos.
Se o vosso sentido de humor for suficientemente dark para conseguirem perceber todo o nonsense por detrás disto, vão adorar pois é realmente brilhante e totalmente despropositado. Faz lembrar muitos dos momentos gore presentes nalguns sketches clássicos dos Monty Python mas executados técnicamente de uma forma realística.
Quatro tigelas de noodles por agora, mas certamente irei aumentar isto quando vir a versão completa. Em breve digo aqui mais qualquer coisa.

noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg

A favor: tudo. Acho que este filme não tem qualquer falha naquilo a que se propõe fazer, choca como o raio não só psicológicamente como visualmente, esquecemo-nos que estamos a ver efeitos especiais, tem um sentido de humor genial, parece um desenho animado do Happy Tree Friends“, a realização é excelente e percorre um sem número de estilos visuais ao longo da narrativa, consegue construir uma história interessante recorrendo apenas a cenas ultrajantes e chocantes, o Ichi é um tipo simpático.
Contra: é tão politicamente incorrecto que irá ofender mesmo muita gente que o levar a sério mas se calhar isto é uma virtude, não será propriamente o filme ideal para verem com a namorada…a não ser que sejam sado-masoquistas porque se assim for isto é intensamente romântico pois até cenas de sexo com violência consentida isto tem.

—————————————————————————————————————

NOTAS ADICIONAIS

Trailer
http://www.youtube.com/watch?v=coiVr5Pl4-s

Comprar
Não sei o que recomende, pois este filme tem tantas versões cortadas em dvd que não faço ideia de qual será a melhor opção. A portuguesa está cortada, mas podem explorar estas edições na Amazon Uk.

Donwload da versão integral não censurada com legendas em Inglés.

IMDB
http://www.imdb.com/title/tt0296042/

——————————————————————————————————————

Filmes semelhantes de que poderá gostar:

 

——————————————————————————————————————

Narok (Hell) Tanit Jitnukul; Sathit Praditsarn; Teekayu Thamnitayakul (2005) Tailândia


A genialidade do cinema Tailândes para produzir filmes absolutamente inacreditáveis não pára de me surpreender embora  nada me preparasse para me divertir tanto num filme chamado [“Hell”].

Ainda estou a tentar perceber se o filme foi feito assim de propósito ou se isto deverá ser mesmo para rir.
É que pelo trailer pelo menos fiquei com a ideia de que alguém levou esta história mesmo muito a sério e [“Hell”] supostamente deveria ser um filme de absoluto terror aterrorizantemente aterrorizante que visaria explorar o pecador que há em nós, mas…
Então porque raio é que isto é uma das melhores comédias dos últimos anos ?

Estou muito baralhado. [“Hell”] é absolutamente hilariante e tem tanta coisa divertida que nem sei por onde pegar.
Para começar é um daqueles filmes maus como o raio e um titulo que encheria de orgulho o próprio Ed Wood se este tivesse nascido na Tailândia e fizesse filmes hoje em dia. Por outro lado, [“Hell”] acaba por nem ser tão mau quanto isso, porque até tem muitas coisas boas.

Tem um conjunto de personagens muito interessante e bem trabalhado que nos faz importar com o seu destino ao longo de toda a história. Além disso tem um ritmo narrativo excelente onde estão sempre a acontecer coisas e tudo o que acontece não só é diferente e criativo como interessante de seguir; o que não deixa de ser fascinante visto que pelo visto [“Hell”] teve trés realizadores por detrás da câmara para filmar 90 minutos de aventura e fantasia.
A verdade é que tudo resulta bastante bem e nem se nota que foi um trabalho tripartido por várias pessoas.

[“Hell”] começa bastante bem, com um prólogo de mais ou menos 15 minutos onde se conhecem as vidas normais dos protagonístas e onde nada remete para aquilo que depois o filme vai mostrar. Esse início está bastante bem trabalhado e em breves vinhetas percebemos logo que os personagens não só são bastante variados como as suas vidas e problemas cativam o espectador sem precisar de haver grandes diálogos ou momentos de exposição.

No entanto quando começam as sequências sobrenaturais é que as coisas aquecem (hehe) !
[“Hell”] conta a história de um grupo de pessoas que sofrem um acidente de automóvel e são levadas em coma para o hospital. Apesar de apenas um deles estar morto e ter ido parar ao inferno o problema é que a sua alma arrastou consigo os espiritos dos companheiros que se econtravam no limbo devido ao coma e toda a gente subitamente se vê transportada para o Inferno (esse mesmo) numa espécie de viagem de finalistas com muitas surpresas á mistura.

Quando estes chegam ao Inferno,  parece que de repente voltamos aos anos 80 e áqueles filmes que tentavam copiar Conan o Bárbaro de John Millius mas faziam-no sem orçamento nenhum filmando tudo numa pedreira local com montes de gente em tronco nu e machados de plástico. Como tal a primeira impressão que temos do Inferno enquanto espectadores é que o filme está lixado pois tudo vai ser do piorio dali para a frente.

Na verdade, é e não é.
Eu explico.
Tendo em conta a óbvia falta de orçamento de [“Hell”] não deixa de ser muito surpreendente constatarmos no ecran o esforço dos criadores deste filme para tentarem criar ambientes épicos larger than life sem terem dinheiro para o fazer correctamente.
Como tal, mal chegamos ao local onde as coisas começam a ficar quentes, constatamos que o Inferno é mesmo uma colecção de maus efeitos digitais no pior estilo Photoshop amador como já vem sendo tradição no moderno cinema Tailandês e onde parece que ninguém leu o manual de como se faz uma boa montagem digital.

Além disso, também não deixa de ser infernal termos que levar quase sempre com um incómodo filtro vermelho constante por cima de quase todas as sequências no exterior do Inferno. Sim, porque o Inferno também tem interiores.
Na verdade o Inferno parece ser um mundo de fantasia fascinante e onde se nota um grande esforço para tentar criar uma atmosfera infernal coerente a todo o instante por parte dos criadores do filme.
É como uma espécie de Terra Média (onde nem faltam uns gajos tipo Huruk-Hai), montada a Photoshop e filmada numa pedreira atrás do estúdio local, mas não há dúvida que a coisa até resulta bem melhor do que eu alguma vez esperaria quando me apareceram pela frente as primeiras sequências passadas no Inferno em [“Hell”].


Essencialmente ficamos a saber que o Inferno tem uma saída e que independentemente dos erros que tivermos cometido na Terra quando acabar a nossa pena lá , temos direito a uma nova reencarnação.
É assim como ir á tropa para os comandos, sofrermos como o raio na recruta mas depois seguir em frente depois de todas as torturas, o que não é um mau conceito, tendo em conta que na versão ocidental do local parece que a malta fica lá para sempre se for parar ao Inferno.
Neste não e como tal quando os herois descobrem esse pormenor todo o filme gira em volta da sua tentativa de voltar para casa, até porque quase todos foram lá parar por engano.

Tudo isto resulta bem em [“Hell”], a ideia está engraçada, nota-se o esforço para criar um mundo paralelo com identidade e a estrutura de filme de fantasia até quase resulta.
Então porque isto é tão hilariante assim ?
Bem para começar as cenas de terror são de cair a rir. [“Hell”] esforça-se tanto por ser um filme gore daqueles extremos ao nível nojento que á força de tanto exagero acaba transformado num desenho animado da Warner Bros com bocados de corpos a saltar por todos os lados.

As cenas de tortura em [“Hell”] são a melhor comédia involuntária dos últimos anos e são tão crueis e sangrentas que não conseguimos conter as gargalhadas, especialmente na sequência em que os herois exploram a área onde as almas pecadoras são retalhadas, sangradas, enforcadas, esquartejadas, queimadas vivas, violadas, etc, etc, etc.
Tudo hilariante!
A sério, este filme tem as cenas de terror mais cómicas dos últimos anos, precisamente porque parece levar tudo aquilo muito a sério e a ideia parece ter sido a de arrepiar o espectador tentando-o convencer a levar uma vida sem pecado, pois de outra maneira irá acabar neste sítio.
Aliás , toda a premisa em [“Hell”] é de que isto é uma história verdadeira. Acreditem se quiserem.

[“Hell”] é um filme tão pregador e moralmente educativo que mais parece um produto encomendado por uma daquelas igrejas evangélicas para assustar os fieis, pois isto é a típica e hilariante visão do inferno que costumam impingir e não tenho a mínima dúvida de que para muita gente [“Hell”] mais do que um filme de terror, será mesmo um documentário ! 🙂


Não há muito mais para dizer sobre isto. É divertidissimo, tem tanto aspecto positivo quanto negativo e mesmo assim, muito do negativo acaba por se tornar positivo. Isto porque esta coisa de se conseguir fazer um mau filme, tão mau que se torna genial não é para toda a gente mas estes tipos conseguiram-no plenamente.

[“Hell”] é genial em todos os sentidos porque é mau demais para ser verdade e no entanto resulta num nível completamente diferente do pretendido originalmente, aposto. É um série B de fantasia curioso, é uma comédia involuntária e pretende ser um filme de terror e esforça-se tanto por isso que a coisa segue exactamente o rumo oposto.
E ainda bem, pois nunca viram nada assim.
Eu por mim, depois disto só me apetece ir pecar.

——————————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO:

Um verdadeiro filme de culto a pedir que seja descoberto.
Uma das melhores comédias involuntárias dos últimos tempos e mesmo assim consegue ser um filme de aventuras divertido com uma boa utilização do sobrenatural e algum drama bem inserido pelo meio.
É um produto muito estranho mas que resulta a vários níveis e vale mesmo a pena ser visto pelo menos uma vez, tanto por quem gosta de filmes de terror gore, como por quem quer ver um filme de fantasia com um conceito curioso.
Trés tigelas e meia de noodles, porque vale mesmo a pena e é bem mais divertido do que parece á primeira vista.

noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2emeia.jpg

A favor: bom grupo de personagens, conceito curioso e com detalhes bem desenvolvidos na história no que toca ao sobrenatural, tem baldes e baldes de sangue e pessoas a serem torturadas por todo o lado e por isso é hilariante porque nada resulta com o efeito de horror esperado, apesar do baixo orçamento a criação do mundo do Inferno está bem conseguida e variada quanto baste em termos de ambientes, tem um bom ritmo narrativo e está sempre a acontecer qualquer coisa divertida, tem tudo para se tornar num grande filme de culto pois é uma sangrenta e divertida aventura.
Contra: parece uma história moralista de propaganda cristã evangélica e poderá ser considerado um documentário serissímo por muito boa gente, parece um filme encomendado por um daqueles movimentos Pro-Vida hilariantes pois está cheio de contos morais e castigos infernais contra quem aborta, os efeitos especiais são do piorio, nota-se que não houve grande orçamento até para os cenários que apesar de variados são algo despidos de pormenores.

——————————————————————————————————————

NOTAS ADICIONAIS

Trailer
http://www.youtube.com/watch?v=GDde_REU-Bo

Comprar
http://www.play.com/DVD/DVD/4-/933740/Hell/Product.html

Download aqui com legendas PT/Br

IMDB
http://www.imdb.com/title/tt0467628

——————————————————————————————————————

Filmes semelhantes de que poderá gostar:

——————————————————————————————————————

Khun krabii hiiroh (Sars Wars: Bangkok Zombie Crisis) Taweewat Wantha (2004) Tailândia)


Quando o trailer do filme é o próprio a dizer coisas como:
Warning ! Please have some toilet paper handy while watching this movie because you might shit yourself laughing !”  a gente percebe logo que [“Sars Wars“] só pode ser cinema do bom !

Além de ser  cinema do bom, será provavelmente a comédia com as piadas mais imbecis dos últimos anos, o que o torna também logo num filme hilariante e como tal o trailer até terá razão embora não estejamos própriamente a rir pela objectiva veia cómica dos argumentistas. Ou se calhar isto é uma obra prima do nonsense ao melhor nível dos MontyPython em versão Tailândia, não faço ideia…

[“Sars Wars“] é um trash-movie como há bastante tempo não me aparecia pela frente. Chunga, com piadas que nunca mais acabam mas todas sem nexo nenhum, baldes de sangue mas tudo muito cartoon, miúdas giras que passam o filme todo mais preocupadas em parecer sexys do que em representar, montes de tiros e gente cortada aos bocados de todas as formas e feitios, mortos vivos que nunca mais acabam, sequências em Anime pelo meio e … uma cobra gigante !! (?)…

Como descrever esta coisa ?
Tudo é mau em [“Sars Wars“], logo…tudo é bom.
Melhor, logo, tudo é genial !
A começar pela auto-paródia dos próprios criadores do projecto pois passam o filme todo a constatar como tudo aquilo é mau demais assumindo que tudo isto foi feito apenas para sacar guito aos espectadores.
E sendo assim, como não concordar com eles e achar também que este filme só pode ser bom porque é realmente mau ?!

[“Sars Wars“] mete coisas demais para poder contar aqui sem me baralhar todo. E todas elas falham redondamente tornando o filme num daqueles filmes-lixo absolutamente irresistiveis. Embora [“Sars Wars“] seja menos divertido do que aparenta ser no trailer.
Aliás, o trailer é excelente e dá uma ideia errada até do próprio ritmo da coisa.
O filme tem tanta referência metida pelo meio que acaba por ser algo completamente desconjuntado e com um ritmo muito estranho que anula em alguns momentos aquele efeito divertido que aparenta ter no trailer.

No entanto, não deixa de ter momentos absolutamente geniais de tão maus que são.
Desde os mortos-vivos que mais parecem figurantes rejeitados do Thriller de Michael Jackson, até ás heroínas sexy que fazem com que a saga Resident Evil pareça ser o Casablanca, tudo em [“Sars Wars“] se mistura numa combinação explosiva que os irá divertir ao longo da sua duração.

E já lhes disse que isto mete uma cobra gigante ?!
[“Sars Wars“] é assim uma espécie de mistura de Zombies do Romero com o Jaws do Spielberg mas com uma cobra gigante á mistura que parece um gráfico da Playstation One. Pelo meio ainda tem tempo de se parecer com o Resident Evil, piscar o olho ao Matrix e a todos os filmes de porrada do John Woo. Ah, e mete light-sabres também… e sexo badalhoco.
Além disso, como habitualmente no cinema Tailandês, os efeitos de CGI são absolutamente do piorio.
O que me leva ao feto/aborto-zombie…ou se calhar é melhor não…

Essencialmente não há muito mais para dizer sobre [“Sars Wars“], até porque é muito dificil encontrarmos palavras para dizer o que quer que seja sobre isto de uma forma coerente.
Deve haver qualquer coisa na água da Tailândia que faz com que practicamente 99% dos filmes saídos daquela terra sejam…indiscritíveis, no mínimo…
E este [“Sars Wars“] não é excepção porque só visto mesmo.

As piadas não têm graça, e por isso são hilariantes, as cenas de acção são do piorio mas resultam porque se espalham em tudo o que tentam fazer com pinta, tem gore e sangue aos montes mas é tudo tão cartoon que isto quase que se torna um filme para crianças do Road Runner em versão chunga, é um filme de terror, é uma comédia, é um filme de acção e falha redondamente em tudo o que se propõe. Sendo assim, acerta em cheio e o resultado não poderia ter sido melhor porque não poderia ter sido pior. Perceberam ? Pronto.

O mundo está todo virado do avesso. Uma nova variante do virus SARS tomou conta do mundo inteiro (ou quase) e só a Tailândia se safou (?!).
Apesar do mundo ter acabado (?) e essencialmente o pessoal ter todo morrido ou virado morto-vivo, parece que na Tailândia a vida decorre como normalmente (?!) até ao momento em que um homem de negócios que vem do estrangeiro infectado começa a contagiar toda a gente num prédio que rapidamente é isolado pelas autoridades.

Acontece que nesse prédio também estão  um bando de gangsters que não ficam a dever nada aos Irmãos Metralha e que acabaram de raptar a filha de um dos maiores mafiosos da Tailândia (inteligente esta malta) e exigem uma pipa de massa em troca da rapariga ou então…querem fazer-lhe …coisas…

Lógicamente só havia uma solução e essa foi a contratação do maior mestre estilo-Jedi (?!) da Tailândia para ir buscar a miúda que é tudo menos inocente e fofinha. Para complicar temos ainda uma cientista podre de sexy e um jovem aprendiz de heroi que tem um bom gosto extremo na forma como se veste e parte em missão de salvamento também.

Ah, e também há uma rave-party a decorrer no mesmo prédio.
Isto para nem falar na cobra.

——————————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO:

Para quem pensa que já viu tudo o que se poderia fazer dentro do cinema de terror com mortos vivos, se calhar irá surpreender-se com isto.
[“Sars Wars“] tem sido comparado ao Braindead ou ao Bad Taste do Peter Jackson e a coisa não está mal vista não senhor. A onda é a mesma, mas o resultado é pior, por isso é bom.
Quem gosta de filmes do Ed Wood, tem aqui mais uma vez saído da Tailândia como de costume, outro equivalente ao Plan 9 from Outer Space (históricamente considerado como o pior filme do mundo…algo injustamente), mas agora em versão gore, anime, comédia e violência extrema sem sentido nenhum mas onde tudo resulta num cozinhado muito divertido.
Só mesmo na Tailândia é que se conseguiria fazer uma coisa assim sem se tornar insuportável.
Ou se calhar até é.
Já não sei, estou totalmente baralhado, mas apetece-me rever o filme o que no fim de contas não pode ser mau de todo.
Trés tijelas de noodles na boa porque [“Sars Wars“] é bom por ser mau demais.

noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg

A favor: tem zombies, tem miudas giras, tem baldes de sangue, tem cobras gigantes, tem espadas de luz, tem abortos que voam, tem tiros, tem herois indescritíveis, tem gente cortada aos bocados, tem gangsters, tem piadas sem graça, tem CGIs absolutamente inclassificáveis, tem cenas de acção em total modo histérico, é tão bom quanto qualquer filme de Ed Wood agora em versão Tailândesa chunga e tem homens nus para as miudas apreciarem. É divertido porque nunca viram nada assim, quem odeia o Resident Evil vai adorar odiar este também. O próprio filme não se leva nunca a sério , sabe que é mau, assume isso plenamente e por isso merece logo ser visto por quem gosta de cinema-lixo.
Contra: o trailer é mais divertido que o filme porque se [“Sars Wars“] tivesse tido a mesma montagem que está no clip poderiamos estar na presença de uma obra prima do cinema lixo mas infelizmente fica um bocado aquém do que merecia e poderia ter sido.
Mas não se deixem enganar pela minha singela classificação, [“Sars Wars“]  merece ser visto por quem gosta do género e é totalmente obrigatório para quem coleciona filmes com mortos vivos porque nunca se viu nada assim.

—————————————————————————————————————

NOTAS ADICIONAIS:

Trailer
http://www.youtube.com/watch?v=i1qskrW0U34

Comprar
http://www.amazon.co.uk/Sars-Wars-Unlikely-Hero/dp/B004PYSPU4/ref=sr_1_3?ie=UTF8&qid=1304775881&sr=1-3

Download aqui

IMDB
http://www.imdb.com/title/tt1262945/combined

——————————————————————————————————————

Se gostou deste poderá gostar de:

Quê ?!!…

——————————————————————————————————————

Taegukgi hwinalrimyeo (The Brotherhood of War/Irmãos de Guerra) Je-gyu Kang (2004) Coreia do Sul


Lamento o atraso na colocação de novas reviews, mas tenho andado muito ocupado a publicitar o meu trabalho de banda-desenhada (podem descarregar os PDFs GRÁTIS no meu website) e por isso apesar de ter visto inúmero cinema oriental nas ultimas semanas tem sido complicado arranjar tempo para escrever. Mas vamos a isto…

taegukgi04

Como eu tenho a mania de que não gosto particularmente de filmes de guerra, mantive este dvd na prateleira (literalmente) desde o último Natal pois apesar de o ter comprado na amazon.uk junto com mais um par de filmes orientais em promoção nunca tive muita vontade de o ver.
Agora que já o vi trés vezes em menos de cinco semanas, se calhar gostei mesmo muito mais disto do que alguma vez pensei que iria admitir.

taegukgi14

Antes de mais, se calhar é melhor dizer logo que este filme tem uma boa edição em dvd portuguesa e de certeza que ainda o encontram á venda nos cestos de promoções dos hipermercados e wortens, pois há alguns meses pelo menos aqui pelo Algarve eram aos quilos a menos de €5 na altura. E eu burro, nem assim comprei o filme, pois como já disse, parece que tenho a mania de que não gosto de filmes de guerra e não me apeteceu comprar o dvd.
Não sejam burros como eu e se encontrarem a edição portuga disto á venda sugiro que se joguem a ela pois ao contrário da edição inglesa que eu tenho, a portuguesa até trás extras e tudo. O que é de estranhar pois normalmente as edições portuguesas de cinema oriental são do piorio.

taegukgi13

Rezam as crónicas que este filme foi criado pela mesma equipa técnica que produziu o impressionante “Assembly” e deixem-me dizer-vos que se nota !
Aliás, eu que fiquei absolutamente surpreendido com a escala épica das cenas de guerra desse filme posterior, devo dizer que se calhar ainda prefiro as sequências de batalha neste [“The Brotherhood of War“] pois têm uma atmosfera diferente, bem mais dramática, sangrenta e estão cheias de momentos politicamente incorrectos que  não são habituais num filme de guerra made-in-hollywood.

taegukgi20

Enquanto em “Assembly” a guerra era representada de uma forma épica com centenas de soldados aos tiros em [“The Brotherhood of War“] a violência é mostrada quase isoladamente num estilo caso a caso, criando um suspanse e uma angústia permanente no espectador pela quantidade de sequências com muito sangue, lutas corpo a corpo, tripas e baionetas quanto baste. Neste aspecto, o filme cumpre totalmente enquanto cinema de guerra e vão poder ver nele muita coisa que nunca viram mostrada desta forma.

taegukgi19

Isto não quer dizer que não tenha também os seus momentos épicos com imagens fabulosas. [“The Brotherhood of War“] está cheio de sequências com milhares de soldados em cenas de guerra grandiosas que irão agradar até ao mais devoto fã do Soldado Ryan.
Todo o filme tem um sentido épico único, até mesmo nas cenas em que não existe guerra no ecrã, isto porque cheira a super-produção por todo o lado e em cada frame que vemos temos sempre uma orquestração de personagens e ambientes em grande escala que não desapontará quem gosta de histórias maiores do que a vida.

taegukgi18

Mas a grande mais valia de [“The Brotherhood of War“], está no facto de apesar de ser um filme oriental visualmente esplendoroso, nunca se esquece dos seus personagens.
Como sabem, quanto a mim um dos grandes trunfos do cinema oriental face ás modernas produções americanas está no facto dos orientais conseguirem sempre dotar de humanidade até o mais simples personagem e também aqui não é excepção, pois as sequências podem ser espectaculares mas muito dessa espectacularidade vem do facto de haver um grande suspanse perante o destino dos personagens, isto porque o espectador fica realmente a gostar daquelas pessoas.

taegukgi17

Outro grande ponto positivo é que em [“The Brotherhood of War“], não existem maus nem bons.
Aliás, duvido que este filme alguma vez pudesse ter sido produzido na América onde as audiências-teste ditam os resultados do que se vê no ecran.
Se [“The Brotherhood of War“] tivesse sido alvo de um desses testes, aposto convosco que mais de metade das audiências americanas a meio do filme já nem haveriam de perceber quem era o heroi.
E pior ainda, haveria de haver pessoas que ficariam muito baralhadas pois nesta história nada é o que parece e muitos dos twists de argumento em [“The Brotherhood of War“] seriam suficientes para fazer com que muita gente não gostasse do filme porque os herois “são maus”. Resumindo nesta história não há herois de guerra á americana e logo irão perceber o que quero dizer quando acompanharem esta história fabulosa.

taegukgi21

Estamos perante um grande filme de guerra, com guerra, mas também sobre a guerra e sobre o que esta pode fazer a pessoas simples quando são confrontadas com uma realidade da qual não podem escapar.
Custa-me estar aqui a escrever sem lhes revelar logo grande parte da história, por isso se calhar é melhor estar calado e não dizer muito mais. Apenas lhes posso garantir que [“The Brotherhood of War“] é tudo menos uma narrativa com uma estrutura previsível e é esse o seu grande trunfo.
Até mesmo quando parece que vai tomar o partido da Coreia do Sul e vilanizar a Coreia do Norte, o argumento volta a surpreender com um par de twists que os vão deixar agarrados á cadeira e a questionar tudo e mais alguma coisa a partir desse momento até ao final.

taegukgi03

Já agora uma nota muito positiva para a parte romântica da história.
Nunca paro de me surpreender como o cinema oriental consegue criar histórias de amor grandiosas recorrendo na sua maioria das vezes a pormenores minimalistas que quase nem se notam ou parecem ser particularmente importantes.
Em [“The Brotherhood of War“] a parte dedicada ao romance dos protagonistas nem deve ocupar ao todo dez minutos de ecran num filme que tem mais de duas horas e meia, no entanto se gostam habitualmente de cinema oriental romantico, sugiro que espreitem também este filme, mesmo até que nem gostem de cinema de guerra pois não se irão arrepender.
Há mais humanidade em 10 minutos de sequências emocionais envolvendo o pequeno romance dos personagens nesta história do que em muitas supostas histórias de amor saídas do mercado americano ultimamente e portanto posso garantir-vos que se procuram um bom filme de guerra com uma pitada (tão pequena que nem se nota) de romance quanto baste [“The Brotherhood of War“] é o vosso filme. Preparem os lenços de papel.

taegukgi16

Não posso deixar de falar também na fantástica banda-sonora deste filme asiático feito na coreia do sul. Na verdade não há muito para dizer, apenas que a música é perfeita para enquadrar todo o ambiente e faz um trabalho excelente na criação de emotividade em muitas sequências. Como tal se gostam de grandes partituras orquestrais épicas com um sabor melodioso intermédio vão adorar também a música que ilustra esta história.

——————————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO:

Uma verdadeira surpresa e um dos melhores filmes com guerra que alguma vez vi. Provavelmente um dos melhores filmes de guerra de todos os tempos dentro do cinema comercial. Como blockbuster poderá ser uma obra prima do cinema oriental pela sua qualidade de entretenimento que não fica nada atrás do que melhor se produz na América.
Joga perfeitamente com um sentido épico de espectáculo que nos diverte, horroriza e ao mesmo tempo nos emociona ao longo das suas duas horas e meia que passam num instante sem darmos por isso.
Cinco tigelas de noodles e um Golden Award porque este é um daqueles filmes que merece ser revisto.

noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg gold-award.jpg

A favor: é assim que se faz um filme de guerra, mais uma vez o humanismo da caracterização dos personagens, o excelente trabalho de todos os actores com destaque para os protagonistas inclusivamente o actor mais velho, as constantes reviravoltas da história, a total variedade das sequências de acção que nunca se repetem ao longo de todo o filme, os fabulosos efeitos especiais a todos os níveis, ultra-violento e cheio de sangue e balas quanto baste, completamente politicamente incorrecto nos dias que correm no que toca á caracterização de “maus” e “bons”, contém uma minuscula mas inesquécivel história de amor que culmina num dos pontos altos de maior suspanse em todo o filme e os fará roer as almofadas, a banda sonora é excelente, fotografia idem, tem um ritmo narrativo perfeito que nunca se perde num emaranhado de sequências de guerra e onde há sempre espaço para os personagens respirarem, há já algum tempo que não via um filme Sul Coreano com uma cena de despedida numa estação de comboios e já estava a sentir falta disto. Ninguém filma cenas de despedida com comboios como os Sul Coreanos !
Contra: não escapa aquele estilo épico comercial a que inclusivamente estamos habituados no cinema americano no entanto neste caso isto nem sequer é algo particularmente negativo…apenas não me lembro de mais nada verdadeiramente detestável para referir. O estilo “fofinho” habitual nas histórias de amor orientais pode enervar quem não pode com isso apesar desta até ser apenas uma breve sequência.

——————————————————————————————————————

TRAILER

http://www.youtube.com/watch?v=DCnyJZafn-w&feature=related


taegukgi15

Comprar
A edição de 1 disco que eu comprei foi esta. Aproveitem porque está a menos de 4 libras. 😉
Brotherhood [DVD] [2004]

Sem extras mas com uma qualidade fantástica a nível de som e imagem.

IMDB
http://www.imdb.com/title/tt0386064/

——————————————————————————————————————

Se gostou deste poderá gostar de:

assebly73x100

——————————————————————————————————————

Kansen (Infection – Infecção) Masayuki Ochiai (2004) Japão


Parece que estou a escrever reviews de cinema oriental aos pares mas o facto de ir agora recomendar outro filme de terror é apenas pura coincidência simplesmente porque me lembrei que ainda não tinha falado deste filme e [“Infecção“] é um daqueles filmes asiáticos que têm um lugar curioso na minha colecção.

kansen11

Não é propriamente um grande filme, não é definitivamente o melhor filme de terror do mundo nem sequer será o mais assustador, mas é uma pequena obra que tenho sempre vontade de rever quando me apetece ver “cinema-pipoca” ao estilo oriental dentro do género.
Além disso mete Hospitais e seringas portanto só poderia ser um filme totalmente recomendável para todos aqueles que tal como eu têm pavor de médicos e odeiam cheiro a consultório.

kansen12

Sendo assim, se não gostam de ambientes hospitalares, não têm qualquer vocação para medicina e muito menos conseguem compreender como raio é que alguém vai para médico, têm aqui em [“Infecção“] um filme simpático para passarem uns 90 minutos muito divertidos no mais arrepiante dos sentidos.

kansen02

Basicamente, a história não interessa para nada, fiquem apenas a saber que algures num hospital anda á solta uma espécie de infecção absolutamente nojenta que transforma o pessoal do corpo clínico em mortos-vivos e os faz ter uma boa apetência por se espetarem com seringas por dá cá aquela palha.
Se gostam de cenas com baba nojenta a pingar por cima de inocentes vítimas, cadáveres em decomposição de aspecto vomitável e sequências de assombração clássica  também não vão mais longe pois este filme é para vocês.

kansen05

Volto a dizer, [“Infecção“] não é propriamente um grande filme de terror. Poderão notar que não lhe dou uma grande classificação, mas não deixem que o meu aparente fraco entusiasmo na sua atribuição os afaste deste bom produto sobrenatural. Até porque este está editado em Portugal e tudo e poderão encontrá-lo certamente algures num daqueles cestos de promoções num centro comercial perto de vós.

kansen08b

[“Infecção“] não é brilhante, mas tudo o que faz, faz bem. Nota-se que é mesmo um produto de baixo orçamento dentro do cinema de terror oriental mas é notório que houve um grande esforço por parte dos seus criadores para tirar partido de tudo o que pudessem usar para nos impressionar e assustar.

kansen13

Uma das melhores coisas que este filme tem é precisamente o facto de não só nos conseguir impressionar com cenas nojentas e arrepiantes (seringas, seringas), mas também contém uma atmosfera clássica de filme de fantasmas e em certos momentos acerta em cheio na forma como trabalha a atmosfera sobrenatural sem precisar de efeitos especiais ou de nos mostrar mais cenas repugnantes.

kansen15

Inclusivamente, as cenas que nos causam mais calafrios não serão aquelas cheias de gore repugnante (uma pessoa habitua-se) mas sim as sequências mais tradicionais em que o filme entra pelo género de cinema-de-casa-asssombrada e nos arrepia com um par de cenas bem colocadas no argumento que funcionam perfeitamente para nos provocar aquele efeito de frio na espinha que normalmente não existe neste tipo de cinema de terror essencialmente gore.

kansen10

Este é um daqueles raros filmes que é simplesmente bom.
Não será muito bom, mas também é muito melhor do que um produto que fosse apenas interessante.
[“Infecção“] é um bom filme de terror. Nem mais nem menos e recomenda-se para toda a gente que gosta deste género de filmes. Especialmente se gostar do estilo sobrenatural do cinema asiático.

kansen07

A realização é boa, o argumento tem suficientes reviravoltas para nos manter interessados ao longo de quase 90 minutos de puro divertimento para quem gosta de coisas deste género.
Se falha em alguma coisa, será provavelmente nunca conseguir ir mais longe com o material que tenta apresentar.
Ou seja, por muito nojento que o filme tente ser nota-se alguma repetição no tipo de sequências que mostra e isso certamente será devido ao seu baixo orçamento, depois por causa do gore também fica a meio caminho como filme de fantasmas mas nunca será propriamente um filme de zombies.
Poderá ser visto como uma espécie de Evil Dead com uma pitada de Silent Hill ao estilo oriental passado num hospital embora nunca seja tão violento como o filme de Sam Raimi.
——————————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO:

Um daqueles raros filmes que é simplesmente bom e divertido. Nem mais nem menos.
Se gostarem de cinema de terror vão divertir-se com [“Infecção“]. Se gostam de cenas nojentas ou de histórias com fantasmas mais clássicos tem neste filme uma pequena colecção de bons momentos dos dois géneros de cinema sobrenatural.

kansen04

Apesar de ser cinema de terror japonês, não se cola ao habitual estilo de Ringu ou Ju-On e tenta dar-nos um bocadinho de tudo sendo talvez essa a sua única grande fraqueza pois fica a meio caminho entre todos os géneros que tenta apresentar no ecran em menos de noventa minutos.
Trés tigelas de noodles na boa e não deixem que esta aparente crítica mediana os afaste desta pequena obra que essencialmente pretende divertir, especialemente se gostarem do género na sua vertente oriental.
Muito fixe o filminho. Está de boa saúde e recomenda-se.

noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg

A favor: tenta aproveitar ao máximo o baixo orçamento e o elenco limitado de que dispõe, tem seringas, tem cenas nojentas divertidas, tem seringas, além das cenas repugnantes tem um par de momentos com fantasmas mais clássicos que funcionam perfeitamente, tem seringas, tenta ter um argumento com algum dinamismo e criatividade, tem seringas, não se cola a um género específico, não brilha mas cumpre perfeitamente o seu propósito e diverte-nos tanto quanto nos consegue arrepiar. Já lhes disse que o filme tem cenas com seringas ?
Contra: apesar de atmosférico fica a meio caminho entre vários géneros, repete-se um bocadinho nas cenas nojentas, o argumento tenta ser muito dinâmico e variado mas acaba por se embrulhar um bocado na reviravolta final.

—————————————————————————————————————

NOTAS ADICIONAIS:

TRAILER
http://www.youtube.com/watch?v=eGWuqC-t9xQ

kansen01

COMPRAR
Se tiverem sorte, aqui em Portugal poderão encontrá-lo no cesto de promoções de um qualquer hipermercado a menos de 10€.
Caso queiram comprar a edição chinesa encontram-na como habitualmente na Play-Asia a um preço decente também.
http://www.play-asia.com/paOS-13-71-7m-49-en-15-infection-70-24go.html

E está a um preço estupidamente baixo na Amazon através do mercado dos Sellers.

IMDB

http://www.imdb.com/title/tt0418778/

——————————————————————————————————————

Se gostam deste poderão gostar de:

Dark Water

——————————————————————————————————————