Monk comes down the mountain (Dao shi xia shan) Chen Kaige (2015) China


De vez em quando aparecem-me filmes de que me esforço tanto por gostar que depois se torna absolutamente frustrante ter que reconhecer que são um verdadeiro desastre. E pior ainda, não se entende bem porquê.

monk02

Nem de propósito, ainda no post anterior tinha acabado de falar sobre um dos meus filmes de fantasia favoritos “The Promise” e recomendado a sua edição em Blu-Ray, quando minutos depois me caiu de pára-quedas este título, [“Monk comes down the mountain“], o mais recente filme  precisamente do mesmo realizador.

monk21

Após uns cinco minutos iniciais com uma cena de pancadaria muito divertida, após um genérico cheio de atmosfera (excelentes enquadramentos) e paisagens fantásticas e após uma primeira meia hora inicial onde parecia que [“Monk comes down the mountain“] tinha tudo para ser uma boa história de artes-marciais num estilo quase conto de fadas urbano, eis que de repente tudo descamba num dos títulos mais desperdiçados que me lembro de ter encontrado em muitos anos.
Desta vez até concordo em absoluto com os dois comentários postados no site do imdb.
[“Monk comes down the mountain“] é um falhanço absoluto e tinha tudo para vir a ser um triunfo.

monk19

Para começar visualmente tem momentos fabulosos. Não só em termos de paisagens, como na composição de muitos enquadramentos; excelente fotografia e uma cenografia verdadeiramente inspirada principalmente na primeira meia hora que nos transporta imediatamente para uma espécie de China encantada por volta de 1920 e nos garante a todos os nossos sentidos que [“Monk comes down the mountain“] vai ser um espectáculo.

monk10

Depois tira-nos o tapete debaixo do pés e levamos com uma hora e meia final que não se entende de todo, com muito pouco de positivo e muito pouco a ver com o filme que parecia ser no início.
A história desperdiça por completo um personagem principal excelente e cheio de carísma e parece quase inacreditável. O actor principal é a razão porque vale a pena continuar a acompanhar a coisa até ao fim. Dá mesmo vida ao personagem, tem muito carisma e todo os melhores momentos são dele.
[“Monk comes down the mountain“] poderia ser genial porque tem uma coisa que à partida parecia ser excelente. Verdade seja dita, este é mesmo um daqueles filmes em que não fazemos qualquer ideia do que irá acontecer a seguir.

monk16

Não porque a história seja confusa ou inesperada no seu rumo dentro de um contexto narrativo concreto, mas porque o argumento de [“Monk comes down the mountain“] parece não fazer ideia de qual o caminho que irá seguir na próxima cena sequer !
Em termos de dinâmica narrativa chega a ser bastante confuso, pois a história avança várias vezes no tempo e o espectador nem repara que passaram alguns meses ou anos desde a última cena. Só minutos depois percebemos onde estamos porque acontece algo que nos obriga a tentar localizar tudo o que vemos no que está a acontecer depois. E enquanto estamos a pensar nisso, damos por nós a não reparar no que está a suceder no momento.

monk14

[“Monk comes down the mountain“] básicamente é um filme sobre sexo, vassouras e kung-fu.
Na verdade pretende ser uma espécie de história filosófica muito profunda indo buscar conceitos espirituais a várias tradições da filosofia  chinesa, só que a forma como apresenta toda essa vertente é tão atabalhoada que a partir de certa altura parece que nos está constantemente a atirar com filosofia new age de cordel para tentar ser cinema profundo quando se calhar deveria estar a entreter-nos.

monk11

Em muitas alturas pareceu-me que o filme pretendia ser uma espécie de versão ligeira de “The Grandmaster” de Wong Kar Way, esse sim um filme que acerta em cheio na forma como liga a tradição filosófica oriental á própria cultura do Kung-Fu enquanto tradição espiritual. [“Monk comes down the mountain“] parece ser uma espécie de versão pimba de “The Grandmaster” em muitos momentos. Não só pelo paleio que aqui não resulta por parecer pseudo-filosofia impingida à força, mas também em muitos momentos das cenas de acção que se assemelham mais a recriações “divertidas” das cenas de luta de IP Man no filme de Wong Kar Way do que a qualquer tentativa de criar algo com uma identidade original.

monk15

[“Monk comes down the mountain“] começa por ser a história de um jovem monge que sempre viveu num mosteiro desde que foi abandonado à porta quando era bébé e que um dia … é convidado a sair, para se fazer à vida e ir conhecer o mundo exterior.
O início da história é muito cativante e tudo indica que o filme vai ser realmente bom.
O monge chega à grande cidade pela primeira vez e logo faz amizade com um velho cirurgião de medicina ocidental depois de uma divertida sequência de perseguição pela cidade. O seu novo amigo, também tinha um dia sido um monge mas escolheu abandonar a vida religiosa por causa de … sexo. O coitado não aguentava estar todo o dia no templo a ver passar tanta mulher gostosa e resolveu abandonar tudo para se casar com uma bela jovem.
Até aqui tudo bem.

monk08

A história prossegue;  o jovem monge vai trabalhar para casa do médico e logo descobre que a mulher deste tem um jovem amante, precisamente o irmão mais novo do senhor e que é uma espécie de besta quadrada que tenta fazer tudo para ficar com a fortuna do irmão mais velho.
É neste segmento que se sucedem as melhores cenas do filme. A narrativa é divertida, o ambiente é um espectáculo (os detalhes da cenografia e guarda roupa são impecáveis) e nada fazia prever que [“Monk comes down the mountain“] iria afundar-se dali a minutos no final desse segmento.

monk07

E quando digo segmento, quero mesmo dizer -segmento-. [“Monk comes down the mountain“] está incrivelmente fracturado e parece ser uma espécie de colagem de vários outros filmes que por qualquer motivo não ligam de todo uns com os outros.
Após o excelente início, (inclusivamente depois de uma cena com um visual cgi inspirado passada debaixo de água), de repente o filme muda de registro e perde todo o sentido visual épico, passando essencialmente a ser uma história de interiores onde tudo gira ao redor de uma antiga rivalidade entre facções de mestres de Kung-Fu e é aqui que o filme entra pelos territórios mais parvos e sem qualquer nexo. Saltos narrativos para cenas de guerra incluidos…espectaculares mas … porquê ?!

monk12

Não quero revelar muito, porque mesmo assim ainda acho que vale a pena espreitarem isto. Quanto mais não seja pela originalidade que resulta de toda esta mistura. Uma mistura que só não funciona, porque primeiro a história de kung-fu não se decide se quer ser cinema de acção ou impingir filosofia de pacotilha ao espectador através de diálogos inenarráveis;  debitados por personagens absolutamente vazios, ou antipáticos como o raio sem qualquer razão aparente.
Pior ainda é quando tenta entrar pela comédia de acção pois não tem graça (ver a cena da droga).

monk09

E por falar em acção, mais uma vez o trabalho acrobático de fios em [“Monk comes down the mountain“] é tão bom quanto já tinha sido em “The Promise“, o problema aqui é que todas as cenas de kung-fu ou são tão over-the-top e exageradamente histéricas que perdem toda a tensão, ou então são repetitivas como o raio e lá para o fim já não temos mais pachorra para ver tanta gente anónima a voar pelos ares pendurados por fios invisiveis.

monk13

Tal como acontece naqueles filmes de super herois irritantes onde há tanto cgi nas cenas de luta que tudo acaba por se tornar absolutamente desinteressante, também em [“Monk comes down the mountain“] tanta gente pendurada por fios em lutas prácticamente idênticas a todo o instante  acaba por eliminar por completo todo o interesse que as cenas de acção deveriam manter.

monk04

Por outro lado a acção só se tornaria interessante se nos preocupassemos com os personagens e neste filme tirando o heroi que é excelente (e os personagens do primeiro segmento), de resto não há por aqui nenhuma pessoa com que nos importemos.
Até porque nenhum tem grande lógica. Uns aparecem para morrer apenas, outros não têm personalidade ou motivação para serem “filosóficos” a martelo, outros são simplesmente aborrecidos.

monk05

Os mafiosos são ridiculos, anónimos ou estereotipados para além de serem unidimensionais como o raio e “filosóficos” por demais; o mesmo vale para os supostos mestres do Kung-Fu que têm o carisma de uma pedra e a personalidade de um cepo ou então são antipáticos ao ponto de lhes querermos enfiar um murro nós próprios (o monge budista). Tudo isto afunda por demais um filme que merecia ter tido melhor sorte.

monk06

Isto porque tudo o que faz bem, acerta totalmente em cheio. O problema é que tudo o que faz mal é realmente insuportável e pior, torna o filme chato como o raio porque se torna absolutamente desinteressante. E então se viram “The Grandmaster” e gostaram do filme de Wong Kar Way não vão conseguir deixar de comparar os dois filmes por muito diferentes que estes sejam ou estúpida que seja a comparação.

——————————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO:

Ignorem o trailer. O filme parece muito divertido na apresentação mas não se deixem enganar, porque o tom  desta história é bem diferente e muito mais caótico.
O que raio se passou com [“Monk comes down the mountain“] ?!
Depois de “The Promise”, o mesmo realizador faz uma coisa destas por que razão ?
Este filme tinha tudo para ser um dos filmes de fantasia mais originais dentro de um registo de Kung-Fu e no entanto desperdiça todas as cenas, até mesmo as cenas de kung-fu !!
Infelizmente ao contrário de “The Promise” não me parece que vá rever este filme tão cedo na minha vida. Uma vez chega. E este não vou comprar em Blu-Ray de certeza.

monk03

Duas tigelas de noodles e meia. É interessante, vale a pena ser visto uma vez pelo que tem de positivo mas depois passem à frente.
Uma decepção.

noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2emeia.jpg

A favor: alguns momentos visuais são do melhor, a primeira meia hora é tudo o que o resto do filme deveria ter continuado a ser, o protagonista/actor principal é excelente e muito carismático, excelente fotografia, um par de lutas kung-fu em estilo voador bastante divertidas.
Contra: depois da primeira meia hora o filme muda de registo, há um excesso de fragmentação nesta história que não se entende, personagens totalmente desinteressantes ou antipáticos na sua maioria, excesso de lutas anónimas onde se pontapeia em estilo cartoon hordas de vilões que aparecem de todos os lados só porque sim, está cheio de filosofia de pacotilha do pior, não cria qualquer ligação emocional com o espectador a não ser que o aborrecimento de morte seja uma boa emoção.

——————————————————————————————————————

TRAILER

 

IMDB
http://www.imdb.com/title/tt3594826
——————————————————————————————————————

Filme semelhante de que poderá gostar:

capinha_grandmaster

——————————————————————————————————————
Cinema_oriental_no_facebook

Runway Cop (Cha hyung-sa) Terra Shin (2012) Coreia do Sul


Se calhar não devia, mas não resisto dar a [“Runway Cop“] a excelente classificação que lhe dou. Se calhar não vale nem metade mas na verdade tenho que admitir que este filme me divertiu à brava e não estava nada à espera disto.

2012 - Runway Cop (Main Poster).jpg

Esperava algo divertido mas ao mesmo tempo apenas mediano. Nunca pensei que [“Runway Cop“] fosse mau, mas também não esperava que fosse melhor do que a habitual comédia tresloucada produzida na Coreia do Sul naquela fórmula habitual em que todas as comédias acabam por parecer iguais.
No entanto, achei piada ao estilo chunga do trailer e neste caso a apresentação representa bem o tipo de filme que depois encontramos; o que é bom, pois desta vez o trailer não engana. Quem não gostar do trailer salte este filme. Quem gostar, o filme é isto mas mais chunga ainda.

runway-cop 24

Este tipo de comédia totalmente alucinada é realmente um estilo à parte e normalmente esgota o espectador ocidental ainda um filme não chegou ao meio da história pois sinceramente penso que nós por cá não estamos de todo culturalmente programados para aguentar tanta adrenalina excêntrica por segundo ou tanta piada por frame em tom histérico como acontece nestas produções daquela parte do mundo.
[“Runway Cop“] encaixa-se neste tipo de comédia típicamente Sul Coreana em modo ultra comercial, mas para minha surpresa, deixou-me realmente muito bem disposto do inicio ao fim.

runway-cop 15

Eu que tenho total desprezo pelo mundo da Alta Costura e da Moda em geral, não resisto a espreitar qualquer coisa que ataque esse meio que eu não suporto; mas até agora acho que nunca tinha visto um filme tão divertido passado nesse universo de excesso e futilidade.
Até o conhecido “Zoolander” de Ben Stiller me decepcionou em grande e nunca lhe achei grande piada pois sempre achei que se esforçava demais para ter graça (a sequela é do pior) e portanto para mim não resultou. Não há pior coisa numa comédia do que aquele estilo de realização que parece indicar ao espectador quando é para rir como se as piadas tivessem obrigatoriamente que ter graça. Vá, agora é para rir !

runway-cop 11

Para mim uma boa sátira ao mundo da moda teria de ser algo que passasse subjectivamente essa ideia e é isso que [“Runway Cop“] na minha opinião faz muito bem.
Não é abertamente uma sátira àquele mundo apesar de ser ambientada no meio, mas usa uma história supostamente policial para ao mesmo tempo apontar  aquilo que a Alta Costura tem de rídiculo sem no entanto ser um ataque gratuíto porque enche toda a trama com personagens cativantes e caristmáticos quanto baste, tanto no mundo “real” como no mundo das passerelles, sem esquecer um par de boas caricaturas histéricas ao extremo muito bem inseridas nos momentos de humor certos.

runway-cop 08

Eu diverti-me realmente muito com isto; por muitas vezes conseguiu arrancar-me algumas gargalhadas inesperadas e não me lembro da última vez que uma comédia conseguiu colocar uma sucessão de piadas que me tivessem mantido permanentemente em modo de boa disposição e interessado em ver o que iria acontecer a seguir em termos de gags humorísticos criativos.
Quanto a mim este filme tem alguns dos melhores momentos de humor dos últimos tempos pois acima de tudo é um filme muito boa onda.

runway-cop 04

[“Runway Cop“] é um filme em duas metades. Na primeira parte acompanhamos as desventuras do policia mais porco, mal cheiroso e javardo que alguma vez deve ter aparecido no cinema e na segunda metade da história vemos o que acontece quando este é obrigado a transformar-se à força num Top Model masculino para se infiltrar num esquema de tráfico de droga que supostamente se passará nos bastidores de uma passagem de moda. Inevitávelmente a estilista envolvida é uma antiga colega de escola do bófia imundo e por isso já estão a ver onde a parte romântica irá funcionar. E funciona.

runway-cop 17

Por causa desta estrutura [“Runway Cop“] será ao mesmo tempo dois filmes num só. O primeiro acto para mim é o mais hilariante, pois toda a caracterização do heroi mais porco do mundo é plenamente divertida pelo ritmo non-stop com gags que utilizam a sua javardice profissional de forma criativa e às vezes inesperada para nos fazer rir sem nunca se tornar verdadeiramente repetitivo. Há um par de sequências absolutamente hilariantes que aposto lhes ficarão na memória; a cena do interrogatório “desumano” e a parte em que o heroi “segue” o carro do vilão guiando na verdade à frente deste sem querer.

runway-cop 06

A primeira metade usa as piadas para introduzir personagens e portanto tudo está muito bem integrado na narrativa. Ou seja, [“Runway Cop“] não é aquele tipo de comédia que pàra para nos fazer rir com gags e depois logo mete uma história pelo meio porque tem que ser ; (contráriamente ao que acontece em “Zoolander”); aqui os gags são usados para fazer sempre avançar a história e tudo resulta de forma muito organica e que surpreendentemente não parece de todo forçada apesar de acontecerem cenas totalmente alucinadas a todo o instante.

runway-cop 09

E nota-se que os actores estão a divertir-se por completo com este argumento. Os personagens secundários são hilariantes ou cativantes, a história é divertida e tudo em [“Runway Cop“] funciona porque tudo é simples.
Há ainda uma boa história romântica secundária particularmente inesperada e que curiosamente ainda dota este filme de uma certa humanidade que se calhar nem precisaria de ter para resultar; por outro lado, isto é cinema oriental e mais uma vez demonstra muito bem como se criam personagens de que se fica a gostar sem às vezes nos apercebermos.

runway-cop 20

[“Runway Cop“] não tem pretenções a ser mais do que uma boa comédia e quanto a mim resulta plenamente na sua simplicidade. Está cheio de lugares-comuns, personagens tipo, mas sabe cozinhar tudo de uma forma que resulta muito bem. Até algum defeito, porventura estará no facto de que a primeira metade enquanto o heroi é um porco imundo é bem mais divertida do que a segunda, quando o filme entra mais pela comédia de acção, mas nem por isso deixa de ser um produto simpático e com alguns momentos realmente hilariantes com gags muito bem pensados e criativos.

——————————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO:

Se calhar não merece, pois em termos de cinema propriamente dito não há por aqui nada que seja realmente único ou brilhante, mas a verdade é que é uma comédia eficaz e se calhar isso é quanto basta para que um filme simples seja bem melhor do que aparenta à primeira vista; isto porque fazer comédia com fôlego e alguma criatividade não é para todos e quanto a mim tudo neste caso resulta plenamente para nos dar um par de horas divertidas com personagens cativantes e divertidos quanto baste metidos em situações por vezes hilariantes e onde tudo se passa num ritmo endiabrado que muitas vezes nos deixa completamente cansados só de olhar para tanta correria.

runway-cop 16

Cinco tigelas de noodles porque é um daqueles filmes simpáticos que é um antidoto perfeito para quando temos um dia complicado e só queremos descontraír um pouco sem pensar muito.

noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg

A favor: o actor principal é fantastico nas partes em que faz de porco imundo chunga, os personagens secundários são excelentes e muito carismáticos (com destaque para o capitão do heroi), é uma história que não tem medo de ser politicamente incorrecta até na abordagem romântica em relação a certos personagens, contem alguns gags muito criativos e por vezes hilariantes, é uma boa comédia de acção e bem melhor estruturada do que o típico filme do género que habitualmente encontramos aos montes no cinema de humor sul coreano.
Contra: o facto de ter duas metades em registro diferente fragmenta um bocado o ritmo narrativo e perde algum fôlego no meio, até mesmo em termos de humor… mas não é grave.

——————————————————————————————————————

NOTAS ADICIONAIS

TRAILER

IMDB
http://www.imdb.com/title/tt2182095

——————————————————————————————————————

Comédias “semelhantes”:

My Sassy Girl capinha_iron_ladies capinha_sex-is-zero

——————————————————————————————————————

Cinema_oriental_no_facebook

Zhongkui: Snow Girl and the Dark Crystal (Zhong Kui fu mo: Xue yao mo ling) Peter Pau / Tianyu Zhao (2015) China


Quem diria que por detrás deste festival de maus efeitos digitais estava um filme de fantasia tão interessante…

Snow Girl01

[“Zhongkui: Snow Girl and the Dark Crystal”] é o tipo de cinema de fantasia que é imediatamente atacado por todos os lados pelo público ocidental apenas porque os seus efeitos CGI não prestam. Está portanto visto que para muita gente actualmente, mau CGI = mau filme porque provavelmente para muito público, o Cinema não deve ter mais nada para além disso.

Snow Girl02

Este filme geralmente é atacado na net em muitas opiniões ocidentais apenas por causa dos seus efeitos especiais mediocres, como se os efeitos especiais tivessem alguma coisa a ver com a qualidade do cinema enquanto arte.
Se vocês também são daquelas pessoas que acham que um os efeitos especiais definem o que é um bom filme, então é melhor passarem à frente e ignorarem [“Zhongkui: Snow Girl and the Dark Crystal”]. Porque sim, os efeitos neste filme são do pior. Às vezes as animações estão mesmo ao nível de um mau jogo para a Playstation One , o que  é tecnicamente trágico.

Snow Girl27

Por outro lado, se pensarmos nisto enquanto filme no sentido mais tradicional e esquecendo por momentos os efeitos; será realmente tão mau assim ? Será que a realização é má ? A montagem não presta ? Será que a fotografia é amadora ? Será que não tem actores de jeito o que a história é banal ?
Bem, na verdade não.
Tirando os efeitos especiais, [“Zhongkui: Snow Girl and the Dark Crystal”] foi uma boa surpresa e um filme que se torna verdadeiramente agradável e cativante a cada minuto que passa.

Snow Girl17

Percebi logo que não ia ser verdadeiramente insuportável como por exemplo foi “Warriors of the Zu Mountain (versão2)“, mas esperava que fosse uma espécie de fantasia em tom algo pimba (-brega- para o pessoal no Brasil) ao estilo de um “A Chinese Tall Story“; (outro filme onde os atrozes efeitos CGI são reis) mas que acaba por ser um filme simpático se o virmos por um contexto WTF. 😉

Snow Girl19

Quanto muito esperava que [“Zhongkui: Snow Girl and the Dark Crystal”] fosse divertido nos primeiros minutos mas depois se tornasse apenas em mais uma extravaganza de porrada digital e animações de computador como aconteceu ainda em “The Monkey King” por exemplo que deu um tiro no pé ao tornar-se tão repetitivo e histérico em termos de porradaria digital.
Resumindo, apesar da má onda inicial em termos técnicos, a verdade é que [“Zhongkui: Snow Girl and the Dark Crystal”] parecia ter ali algo mais.

Snow Girl30

E felizmente não me enganei, embora quando o filme acabou duas horas depois eu estivesse realmente surpreendido com o resultado final. Os efeitos digitais não melhoram (até pioram), mas este filme surpreendeu em tudo o resto.
Para quem não gosta de cinema de fantasia, esqueçam, vão ver outra coisa. Para quem gosta de cinema de fantasia mas apenas a vê como sendo aquele molde Dungeons & Dragons inspirado pelo trabalho de Tolkien, então também não é o filme para vocês.

Snow Girl11

Agora…quem gosta de cinema de fantasia e percebe a lógica e o contexto do género dentro do estilo chinês e da cultura do conto de fadas na china; ou seja, do conto popular chinês, então [“Zhongkui: Snow Girl and the Dark Crystal”] é um filme a não deixar de ver até ao fim, mesmo que o início lhes pareça algo desinteressante ou pouco original.

Snow Girl20

Esta é a história de três reinos: o reino dos céus onde moram os deuses, o plano terrestre onde vivem os humanos e por fim, o inferno onde habitam os demónios.
É a história de um jovem caçador de demónios (treinado por um dos Deuses) que um dia se apaixona por uma bonita “princesa” que na verdade é ela própria um demónio que habita no inferno.

Snow Girl06

Enquanto o plano terrestre considera o reino dos céus como o lado bom da origem da sua existência e o reino do inferno como o lado mau que é preciso evitar a todo o custo a verdade é um pouco diferente.

Snow Girl14

[“Zhongkui: Snow Girl and the Dark Crystal”] é na sua essência uma história sobre o Yin Yang e portanto muito espectador ocidental (nomeadamente evangélicos fundamentalistas) irá ficar chocado quando nesta história o Inferno não é retratado como sendo um lugar de sofrimento (ou um sítio mau) mas sim apenas como um reino diferente do reino dos céus, cujo o único pecado é se calhar não ter tido um bom decorador.

Snow Girl25

As diferenças entre esses dois planos espírituais, são apenas artificialmente e culturalmente assinaladas pelos humanos no plano terrestre que essencialmente funciona como sendo a dimensão onde se joga o equílibrio entre as forças divinas; equílibrio esse que é fundamental para a harmonia do próprio universo.
Ou seja, [“Zhongkui: Snow Girl and the Dark Crystal”] é uma história onde os demónios só aparentam ser maus porque o lado do reino dos céus para a população terrrestre está conotado como sendo o -BEM-; por isso, como diz um dos personagens a certa altura, se o Reino dos Céus representa o Bem, o que sobra então para o Reino do Inferno ser ?!…

Snow Girl05

Portanto toda a história é sobre o permanente equílibrio entre o Yin e o Yang e sobre os acontecimentos que um dia colocam em causa a própria existencia do universo quando a luta pelo poder é comum a todos os planos independentemente da conotação cultural ou religiosa atribuída pelos humanos a cada um deles.

Snow Girl31

Portanto meus amigos, já perceberam que [“Zhongkui: Snow Girl and the Dark Crystal”] é filosóficamente mais complexo do que parece à primeira vista. E sabe muito bem como desenvolver essa complexidade no desenrolar da história. Até o final é particularmente diferente do que esperariamos ver se isto fosse uma produção de Hollywood.

Snow Girl21

Curiosamente o início do filme não indica que este se irá tornar em algo mais do que apenas um filme de porradaria fantasiosa com maus efeitos CGI em modo histérico. Os primeiros vinte minutos ou coisa asssim, como já disse não são particularmente interessantes, mas deixem-se ficar e serão recompensados com vários pormenores que irão ficando cada vez mais interessantes.
E por favor, esqueçam os efeitos especiais, eu sei que não valem um corno. Get over it !

Snow Girl10

[“Zhongkui: Snow Girl and the Dark Crystal”] pelo meio de tudo isto, consegue uma coisa que por exemplo o excelente e algo semelhante em tom “The Promise” não conseguiu; ou seja, [“Zhongkui: Snow Girl and the Dark Crystal”] contém realmente uma história romântica com carísma. O heroi pode parecer um bocado estúpido e grunho, mas a química com a “princesa” da história é tudo aquilo que faltava à parte emocional em “The Promise” e que ficou muito aquém nesse filme.
Aqui a partir de certo momento começamos a gostar de acompanhar a história de amor, pois ela acaba por centralizar todos os acontecimentos dramáticos de uma forma que nem parece particularmente forçada e resulta bem.

Snow Girl07

A realização também é muito boa. Tivesse este filme tido bons efeitos digitais e já ninguém do público das pipocas falaria tão mal dele.
A razão porque os efeitos são tão maus é porque eles foram criados por mais de oito companhias diferentes espalhadas pelo mundo, inclusivamente até pela Weta Digital que criou os efeitos para o Lord of The Rings/(Gollum)/The Hobbit; por exemplo.
Como não podia deixar de ser, visualmente os melhores efeitos são precisamente aqueles que têm a ver com o ambiente e com as paisagens mais naturais da história pois o trabalho digital da Weta é sempre de qualidade.

Snow Girl23

Pena é que as animações de criaturas não tenham ficado também na mesma companhia, porque na verdade o trabalho das empresas chinesas no que toca à animação dos monstros e até do heroi quando transformado em demónio, é absolutamente inacreditávelmente MAU !
Por outro lado, isso é compensado com uma excelente montagem, pois durante as sequências de acção por exemplo, o editor faz o melhor possível para esconder todas as fraquezas técnicas da coisa e em muitos momentos, principalmente lá para o final do filme até nos consegue fazer esquecer que estamos a ver animações do pior e dotar a aventura de bastante adrenalina e muita dinâmica, até em termos dramáticos surpreendentemente.

Snow Girl36

[“Zhongkui: Snow Girl and the Dark Crystal”] no que toca a efeitos e paisagens digitais, varia entre o extraordinário e o inacreditávelmente mau ! Alguns cenários são absolutamente incriveis, (os prácticos e reais, são excelentes) mas outros são do pior. As cenas no inferno não conseguem esconder que tudo é filmado em estúdio contra fundo verde pois todos esses cenários estão realmente mesmo mal integrados nas extensões digitais dos mesmos e nota-se à distância.

Snow Girl18

Por outro lado o filme é incrivelmente rico em detalhes. O design de produção é fabuloso, os cenários estão inundados de texturas, pormenores e detalhes fascinantes e a própria cinematografia contribui para a qualidade visual em termos gerais, fazendo milagres para se integrar com o mau Cgi constante.

Snow Girl32

Em relação aos personagens, este argumento balança um bocado. Há uns muito interessantes, o par romântico e alguns demónios têm carisma, mas depois há personagens secundários que parecem não servir para nada a não ser para compor o cenário e as sua cenas parecem sempre estar a mais ; (por exemplo a irmã e o “cunhado” do heroi). Se calhar por isso [“Zhongkui: Snow Girl and the Dark Crystal”] também poderá ter um bocadinho de duração a mais, apesar da boa montagem estar sempre presente para tentar limar estas arestas e manter um ritmo coerente em toda a narrativa ao longo das duas horas de filme.

Snow Girl37

Como cinema de acção, fantasia e aventura, é realmente divertido. Quem gosta de cinema de super-herois ou em estilo Dragon Ball onde “super-herois” lutam contra “super-vilões” em combates épicos por cenários muito variados; e conseguir abster-se dos maus efeitos, irá divertir-se com este filme certamente.

Snow Girl08

Se gostaram de “The Promise” ou de “The Restless“, curtiram os estilos excêntricos de “A Chinese Tall Story” ou até de “The Sorcerer and the White Snke” este [“Zhongkui: Snow Girl and the Dark Crystal”] está algures entre os dois embora com mais carisma romântico.
Se virem o filme em 3D vale a pena, pois alguns efeitos tridimensionais fazem-nos entrar mesmo dentro das paisagens (neve e cinza a cairem para fora do nosso televisor, por exemplo).

——————————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO:

[“Zhongkui: Snow Girl and the Dark Crystal”] supreendentemente é mais do que apenas a típica aventura de porrada CGI. A questão filosófica sobre a natureza do céu/inferno é muito bem usada para potenciar a parte romântica da história e questionar todo o dilema moral sobre o que é ser bom ou mau afinal, num contexto mais cósmico da nossa existência. E não é todos os dias que uma aventura com maus efeitos especiais ainda consegue a nossa atenção pelas questões que levanta e pelos personagens a que consegue dar vida apesar dos problemas técnicos que contém.

Snow Girl04

Gostei e surpreendeu-me.
Não é o melhor filme de fantasia do mundo, não é um grande drama e muito menos é cinema romântico indispensável, mas tudo o que faz (exceptuando os efeitos) faz bem e acima de tudo diverte quem gosta de um bom conto de fadas chinês nos moldes mais clássicos.
Quatro tigelas e meia de noodles porque saiu melhor do que parecia ser no inicio.

noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg 

A favor: visualmente em termos de design tem momentos fantásticos, excelentes interiores, muitas paisagens são espectaculares e cheias de ambiente, a parte romântica da história resulta, mesmo com maus efeitos especiais algumas cenas de acção são excelentes e muito dinâmicas, a realização é boa e supera as coisas menos boas, boa montagem também, banda sonora épica agradável, o final é diferente e algo subjectivo, se virem a versão 3D vão gostar dos flocos de neve por exemplo.
Contra: os personagens podiam ser mais cativantes no geral, alguns não servem mesmo para grande coisa a não ser fazer parte do cenário, alguns dos cenários não resultam tão bem quanto outros, as animações CGI das criaturas e personagens são absolutamente uma desgraça técnicamente falando e parecem coisas dos primórdios do 3D Studio por volta de 1995 ou saidas de um jogo da Playstation One, algum exagero num par de combates CGI entre super-herois e super vilões.

——————————————————————————————————————

NOTAS ADICIONAIS

TRAILER

IMDB
http://www.imdb.com/title/tt3585004

Comprar Blu-Ray (atenção- região 3/A apenas)
http://www.play-asia.com/zhong-kui-snow-girl-and-the-dark-crystal-3d2d/13/709pxr

——————————————————————————————————————

Se gostou deste vai gostar de:

The Promise capinha_restless A Chinese Tall Story capinha_Themonkeyking capinha_sorcerer_and_white_snake

capinha_vikingdom capinha_dragon nest

——————————————————————————————————————

Cinema_oriental_no_facebook

 

A girl at my door (Dohee-ya) July Jung (2014) Coreia do Sul


FILME NÚMERO 200
Uma jovem comandante da polícia com um passado atribulado, é destacada para capitanear uma esquadra localizada numa remota região da Coreia do Sul onde os costumes ainda não acompanharam as leis modernas e onde qualquer estranho nunca é bem recebido pelos locais.
Ao chegar depara-se com uma miuda de 14 anos que pela vila piscatória é diáriamente abusada, espancada e torturada não apenas pelo padrasto como também pela avó perante o olhar impávido da população local que prefere ignorar o óbvio a reconhecer que um dos seus será capaz de tais actos.
Uma noite esta miuda bate à porta da jovem comandante da polícia pedindo-lhe ajuda.
E é tudo o que vocês precisam saber sobre [“A girl at my door”].

A_Girl_at_My_Door_poster

[“A girl at my door”] inesperadamente foi um dos melhores dramas deste género que vi em muito, muito tempo e como tal, o filme que eu tinha planeado recomendar agora em comemoração da review número 200 aqui neste blog, acabou de ficar para depois. Sim, já escrevi sobre 200 filmes no “Cinema ao Sol Nascente”.
[“A girl at my door”] é o filme número 200 de que falo aqui neste blog e é a recomendação certa para comemorar duas centenas de reviews.

a girl at my door06

É um daqueles filmes que nos agarra por completo e ao início não percebemos bem porquê, até porque visualmente ou em termos de narrativa nem parece ter muito de original para lá do que estamos acostumados a ver neste tipo de histórias sobre criancinhas espancadas pela família.
Acontece que [“A girl at my door”] tem um trunfo na manga. Não é bem um twist, mas trata-se do rumo que o argumento segue a partir de um determinado momento.
Quando percebemos o que vai acontecer isso ainda cria mais tensão na história pois agora somos nós que estamos á frente dos personagens.
A partir de uma certa cena, o espectador dá-se conta que este filme ou irá ter uma história espectacular até ao fim ou irá afundar-se por completo se não a souber aproveitar.
Tem uma história espectacular até ao fim.

a girl at my door05

E mais uma vez é impossível para mim agora comentar este título da forma que gostaria pois para o poder fazer teria que revelar-lhes precisamente aquilo que os irá apanhar em choque frontal quando virem [“A girl at my door”].
E não, não é um filme de terror com um twist surpreendente. O twist aqui está no tom que a história segue e quando damos por nós já não conseguimos mais sair de frente do ecran; até porque nunca temos bem a certeza de como os personagens irão acabar. E os personagens são o grande trunfo deste filme, muito para lá da história propriamente dita.

a girl at my door14

[“A girl at my door”] conta com interpretações fantásticas e incrívelmente intensas que nos deixa constantemente com os nervos à flor da pele e com vontade de roer o sofá de uma ponta a outra a todo o instante.
O trio de protagonistas é do melhor; ganhou com todo o mérito o direito à ovação em pé com que foi aclamado no festival de Cannes e merece por completo todos os prémios de representação arrecadados entretanto por onde o filme tem passado.

a girl at my door09

Isto para além dos prémios que o filme ganhou tanto pela realização como pelo argumento.
Tudo merecido.
Mais uma vez o pequeno cinema independente dá cartas na qualidade e [“A girl at my door”] é um dos melhores exemplos de que se calhar cinema que nos prende do inicio ao fim  nem precisa de grandes orçamentos para nada quando tem uma equipa criativa por detrás de uma boa história.

a girl at my door17

O elenco é perfeito para isto e nem nos lembramos que são actores. A miudinha é notável na forma como é ao mesmo tempo frágil e perturbante reagindo ao trauma da constante violência sem sentido na sua vida torturada; o padrasto vai dar-lhes cabo dos nervos (e este actor até então só tinha sido o heroi de comédias românticas ligeiras, o que não deixa de ser surpreendente); mas o grande destaque vai para a actriz Bae Doona (que provavelmente reconhecerão como Doona Bae no ocidente) e que já tinha aparecido naquele que é um dos meus filmes favoritos e para mim um dos melhores filmes (e história) de FC de todos os tempos – “Cloud Atlas” (dos irmão Washowski criadores de Matrix) – onde a actriz brilhou e fez vários personagens inesperados; tendo aparecido depois também mais recentemente no mediano –“Jupiter Ascending”– do mesmo par de realizadores ocidentais.
Curiosamente Bae Doona participou de graça em [“A girl at my door”] o que causou inclusivamente grande burburinho lá pela Coreia do Sul na altura da estreia.

a girl at my door15

[“A girl at my door”] é também o filme de estreia da realizadora Sul Coreana, July Jung
e se este é o primeiro, mal posso esperar pelo segundo, pois o argumento agora também é dela e como estreia isto não podia ter corrido melhor.
A realização é fantásticamente invisível; a tal ponto que no início o filme nos parece simples demais e sem grandes qualidades por aí além. Toda a história é filmada de uma forma algo claustrofóbica por vezes, previligiando os espaços fechados e o vazio dos ambientes. Talvez para fazer com que o espectador também se sinta encurralado com os personagens. O que ao início parece uma fraqueza, na verdade vem depois a revelar-se precisamente o oposto.

a girl at my door18

A verdade é que este é um daqueles filmes que não se nota que a câmera está lá.
Ao espreitarmos o making of com tanta gente atrás da câmera o tempo todo nas filmagens ainda nos deixa mais fascinados pelo ambiente solitário e angustiante que é captado à frente da lente, quando os bastidores do filme são absolutamente simpáticos.
Apesar de [“A girl at my door”] ser um filme essencialmente de actores, isto não quer dizer que de vez em quando também não se abra em escala para mostrar brevemente a atmosfera do bonito local onde a história é filmada. [“A girl at my door”] passa-se numa pequena vila piscatória com imensas ilhas no horizonte e todo o ambiente edílico ainda dá mais força dramática aos acontecimentos que o argumento retrata.

a girl at my door20

Outro pormenor curioso é a maneira como a música é usada. Vão esquecer que lá está alguma coisa na banda sonora. Ela está lá, mas está nos pontos certos e portanto não esperem a típica banda sonora constante a que estamos habituados a ver nas produções americanas. Aqui a música complementa as emoções, não nos diz como nos devemos sentir. Ponto positivo que pouca gente irá notar mas que é também uma das mais valias desta pequena produção independente Sul Coreana, já multi-premiada.

a girl at my door17

Se procuram um drama intenso, com uma história verdadeiramente bem pensada e que os fará ficar constantemente na incerteza de como se irá desenrolar, trocando-lhes as voltas um par de vezes (não pelas surpresas mas pelo rumo da história), então é este.
No entanto [“A girl at my door”] não é para todos os espíritos, como a única crítica negativa que está no imdb bem exemplifica. Haverá gente que de certeza irá odiar o filme só pela temática; portanto eu gostava de lhes dar um melhor aviso, mas não posso senão estrago-lhes o filme.

a girl at my door12

Pessoas de moralidade sensível, abstenham-se. Se não suportam ver histórias de violência cruel contra crianças se calhar eu passava à frente e ia ver o filme com gatos que recomendei no post anterior em vez deste.
[“A girl at my door”] não será um filme de terror mas poderá assustar mais que todos os filmes de terror feitos em Hollywood com teenagers nos últimos anos. Ah e não esperem remake americano deste pois jamais passaria num cinema dos states.

a girl at my door07

Também não é um drama nos moldes do fabuloso “Hope” que recomendei há dias. Enquanto esse é uma espécie de –“feel good movie”– [“A girl at my door”] insiste em ser um  verdadeiro –“feel like shit”, mas no melhor dos sentidos. Mais uma vez tenho que estar calado para não lhes estragar a história toda.
Se pretendem ver o filme, lembrem-se, afastem-se de tudo o que existe sobre ele na internet e vejam-no como eu vi. Sem saberem o que vão ver.
Podem ver o trailer à vontade pois está muito bem montado e define bem a ideia da história. Também podem ver o mini-making-of no final deste texto, pois é muito interessante e não contém qualquer spoiler.

a girl at my door16

[“A girl at my door”] no entanto não é perfeito. Quanto a mim concordo com algumas reviews e também acho que falha mesmo um bocado na explicação da motivação para que o padrasto da miuda seja um animal tão grande para com a criança.
O argumento insere algumas razões mas sabem a pouco e parecem algo forçadas contrariando toda a imaginação do resto do argumento, pois na verdade não explicam a razão para tanta violência sobre a rapariga.
Por outro lado o filme mesmo assim já tem duas horas e muito provávelmente uma história paralela desenvolvida iria quebrar o ritmo dos acontecimentos dramáticos centrais por isso não é grave.

a girl at my door19

Até porque o fica a menos na história pessoal da familia da miuda, sobra na intensidade cruel e completamente grunha da personalidade do seu padrasto; (não esquecer também a -avó-) e o actor dá muito bem conta do recado “preenchendo” algumas lacunas com a intensidade da sua prestação incrivelmente natural, assustadora e ao mesmo tempo totalmente credível e carismática.

——————————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO:

Os dramas Sul Coreanos começam a surpreender-me (pela forma como trabalham velhos temas com uma estrutura muito actual e criativa) mas deste não estava nada à espera, especialmente quando os primeiros minutos pareceram tão simples e tudo indicava um drama curioso mas mediano. Enganei-me.

a girl at my door10

Portanto [“A girl at my door”] leva sem sombra de dúvida também a classificação mais alta neste blog pois a história é do melhor para quem gosta de vibrar com temas intensos que agitam consciências.
Não irão rever isto muitas vezes, mas enquanto dura é de nos deixar em estado de trepidação até ao último minuto.
Cinco tigelas de noodles e um Golden Award porque só os actores valem o filme.

noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg gold-award.jpg

A favor: as actrizes e o actor principal são excelentes, alguns secundários idem, a história começa de forma simples mas depois desenvolve-se de uma forma que nos agarra até ao minuto final, o local onde filmaram isto é muito bonito, a realização é excelente e nem damos por ela, o filme tem duas horas e nem damos por o tempo passar.
Contra: falta desenvolvimento na motivação da crueldade contra a rapariga por parte do padrasto pois a explicação presente não parece suficiente para que o tipo e o resto da família sejam umas bestas, contém um par de histórias muito terciárias que não encaixam também muito bem pela mesma razão de saberem a pouco em termos de pormenores para a motivação dos personagens ou acontecimentos (ver, o emigrante indiano por exemplo).

——————————————————————————————————————

NOTAS ADICIONAIS

TRAILER

 

MAKING OF

IMDB
http://www.imdb.com/title/tt3661798

E agora passemos ao filme 201 , a ver quando chegamos por aqui aos 300.
Este blogo começou em 2008 e levou 8 anos para atingir 200 filmes, embora na verdade tenha estado parado mais de um ano por vários motivos.
Portanto vamos seguir em frente pois bons títulos para recomendar parecem não faltar ultimamente.

——————————————————————————————————————

Se gostou da intensidade deste , poderá gostar de:

capinha_failan capinha_bedevilled

——————————————————————————————————————

Cinema_oriental_no_facebook

 

Rent a Cat (Rentaneko) Naoko Ogigami (2012) Japão


Este [“Rent a Cat”] é mais um daqueles sérios candidatos a “-WTF Movie-” do ano, designação que por si só merece ser um sub-género único dentro do cinema oriental.

Retaneko 19

Ou seja, estamos mais uma vez na presença de um daqueles filmes inclassificáveis. Daqueles que só apetece gritar WTF !!!
Na verdade um “-WTF Movie-“ não quer necessáriamente dizer que seja um mau filme.
Por um lado pode ser verdadeiramente atroz como por exemplo, “Visage(provavelmente o pior e mais pretencioso filme (oriental) que alguma vez vi e o único que levou -zero- tigelas de noodles neste blog) que recomendo vivamente que não tentem sequer ver.
Por outro, pode ser uma surpresa agradável como por exemplo “Kamome Diner“, que apesar de ser um verdadeiro título -indie- também com vários momentos -WTF, é no entanto um filme muito simpático, cheio de personalidade, que se vê agradavelmente e fica na memória como algo muito diferente mas com substância. A mesma coisa não se pode dizer de “Visage”...

Retaneko 21

Se refiro agora “Kamome Diner“, é porque [“Rent a Cat”] é mais um pequeno filme independente da mesma realizadora, contando inclusivamente com a mesma actriz principal como protagonista, que segundo sei já se tornou uma espécie de musa do cinema independente, pois conta com uma beleza estranha e diferente da que estamos habituados a ver na tradicional história romântica e segundo esses moldes tem-se encaixado bastante bem no outro cinema mais indie, estando a ganhar excelente reputação.

Retaneko 06

E sim, [“Rent a Cat”] é outro -WTF Movie- sim senhor, porque eu passei o filme todo a tentar perceber o que estava a ver e a murmurar para mim – wtf ?!
Não que a história seja particularmente dificil de se entender, mas o objectivo do que estava a ver…na verdade deixou-me baralhado por completo.

Retaneko 08

Baralhado e aborrecido de morte. Eu não costumo ser daqueles tipos alérgicos a cinema de autor mas há titulos que me custa muito conseguir ver do princípio ao fim e este surpreendentemente foi mais um desses. Curiosamente “Kamome Diner” não foi tão dificil de ver quanto [“Rent a Cat”], pois este agora foi um daqueles raros filmes que eu tive que ver em duas vezes, pois da primeira não consegui passar do meio. Mais por estar irritado do que por aborrecimento. Chegou a uma altura que eu disse, chega desta “#$%& !!!

Retaneko 11

Agora, aviso já que esta review vai parecer totalmente esquizofrénica e muito do que eu disser se calhar não irá fazer sentido, mas não se preocupem pois será o exemplo perfeito daquilo que [“Rent a Cat”] é enquanto um daqueles filmes que apanha as pessoas desprevenidas e lhes dá a volta ao cérebro.
O cinema oriental, parece desde há muito ter inventado um novo género, vulgarmente denominado nas reviews por –“dramady”. Ou seja, tanto o Japão como a Coreia do Sul parecem ser prolíferos em produzir um estranho tipo de filme que não se encaixa em género nenhum e anda ali entre a comédia (mas não tem graça) e o drama (mas também não é dramático).

Retaneko 18

[“Rent a Cat”] é precisamente um “dramady” absolutamente exemplar. Aliás, enquanto “dramady” é capaz de ser possivelmente um dos melhores saídos do cinema indie japonês nos últimos anos.
Então porque o achei tão difícil de ver ? É simples, o filme irritou-me como o raio !
Aquela personagem principal é de arrancar os cabelos e atirar coisas ao televisor a todo o instante. Porta-se de forma absolutamente incompreensível o tempo todo e ainda por cima tem o hábito de andar a gritar “rentaneko” (alugue um gato) pela cidade com um megafone durante o filme todo de forma absolutamente enervante.

Retaneko 20

[“Rent a Cat”] conta a história de uma rapariga de trinta e poucos anos que vive sózinha com dezenas de gatos em luto permanente pela sua avó que morreu há anos e que percorre as margens do rio da cidade com um carrinho cheio de bichanos que tenta alugar às pessoas que passam. Naturalmente é considerada por toda a gente como a louca da cidade mas ela parece nem notar, pois o seu objectivo é nobre.

Retaneko 03

Ela pretende alugar um gato a cada pessoa que estiver solitária, pois segundo ela a companhia de um gato é o melhor remédio para a solidão e portanto percorre as ruas tentando mitigar o sofrimento das pessoas com que se cruza, alugando-lhes gatos de companhia.
Vive sózinha, è absolutamente incapaz de se relacionar com as pessoas em redor, mas tem o sonho de um dia se casar e ir passar a lua de mel no Havai e todo o filme gira à volta desta dinâmica sem no entanto se passar nada na história por aí além ou que leve a qualquer resolução final.
Isto é suposto ser a parte dramática.

Retaneko 13

A parte “cómica” vem pelo personagem da sua vizinha bisbilhoteira (por qualquer razão um actor em dragg vestido de mulher) e que está sempre a atirar-lhe bocas em como a miuda é uma falhada, feia, banal, etc. Essa é suposto ser a parte para rir, o que me deixa um bocado estupefacto, pois não só a caracterização do personagem é também particularmente irritante como o seu papel se repete constantemente ao longo da história desaparecendo logo a seguir.

Retaneko 24

Aliás a repetição é ao mesmo tempo aquilo que torna o filme dificil de se seguir e aquilo que em última análise lhe dá uma identidade muito particular.
Neste campo, destaque para a longa sequência de um sonho, onde a protagonista sonha que vai a uma agência de rent-a-cat para alugar um gato, onde ocorre um longo e pausado diálogo com a empregada que lá trabalha e que nunca viu entrar um cliente na loja antes. Essa sequência é depois repetida ao pormenor minutos depois quando já no mundo real a protagonista descobre que a loja existe mesmo mas em vez se ser uma rent-a-cat é na verdade uma rent-a-car; embora depois toda a sequência que se segue aconteça tal como no ocorreu no sonho, mas onde os diálogos que envolviam gatos, agora são sobre o aluguer de carros. Confusos ? Eu também.

Retaneko 05

Na verdade é óbvio que [“Rent a Cat”] pretende ser uma história sobre a solidão nas grandes cidades. Todos os personagens que a rapariga encontra refletem precisamente isso. Desde a velhota que mora sózinha porque o filho já adulto saiu de casa há muito, até ao homem de negócios que vive num apartamento vazio porque o trabalho o obriga a ficar longe da familia passando pela rapariga que trabalha na rent-a-car e nunca viu entrar um cliente na loja, é óbvio que o filme pretende reflectir sobre a solidão de uma forma ligeira e divertida (?).

Retaneko 01

A protagonista é a principal metáfora para tudo o que a rodeia, pois ela aluga gatos a pessoas sózinhas quando ela própria vive rodeada de gatos mas nunca consegue encontrar o conforto que ela julga poder dar a quem leva um dos seus gatos para casa.
O problema em [“Rent a Cat”] é que parece que se passa num universo onde só existem pessoas excêntricas e por demais irritantes. Se a intenção foi produzir uma qualquer metáfora visual sobre a alienação da sociedade em geral e coisa e tal, tudo bem, mas… será que não havia maneira de meterem um personagem neste filme que não fosse absolutamente enervante a níveis estratosféricos de ridiculo ?!

Retaneko 15

É que a protagonista parece ter consciência de que a sua excentricidade é aquilo que lhe impede de encontrar companhia mas depois em nenhum momento faz qualquer coisa para tentar mudar de vida e ter mais chances de encontrar alguém que lhe mitigue a solidão.
Ainda por cima nem os gatos são particularmente fofinhos (ou têm qualquer destaque) , o que é a pior coisa que poderia acontecer num filme que supostamente é sobre a empatia que podemos criar com um gato.
E eu adoro gatos.

Retaneko 23

Em termos de dinâmica, não acontece nada no filme durante duas horas. A história passa episódicamente por vários personagens solitários que alugam um gato, passa pela própria excentricidade da protagonista e quando finalmente até parece que vai conseguir criar alguma empatia com o espectador apresentando algo mais normal como uma possível perspectiva de um relacionamento amoroso entre a protagonista e um velho colega de escola, também esse personagem é tão enervante (e grunho) que percebemos logo que não irá servir para nada na história.

Retaneko 02

O que não quer dizer que isto não traga originalidade ao filme. Tal como em “Kamome Diner” da mesma realizadora, também aqui é dificil classificar este filme. Por um lado é irritante como o raio, mesmo concordando que é um estudo sobre a solidão e tem o seu quê de original. Por outro lado, não é um daqueles filmes de autor pretenciosos. Muito pelo contrário, o que só lhe fica bem. Tem até um certo charme que não nos deixa esquecê-lo facilmente.

Retaneko 17

Visualmente é muito bonito e incrivelmente detalhado; em particular no que toca aos cenários típicamente japoneses, como o do interior da casa da rapariga, as roupas que enverga e principalmente as cores. Em termos de paleta de cor [“Rent a Cat”] é um espectáculo  se calhar não se nota logo porque estamos a tentar perceber o que raio estamos a ver.
Excelente fotografia, bons actores sem sombra de dúvida e a realização é definitivamente um estilo adquirido que já é uma marca desta realizadora, goste-se ou não do trabalho dela. É um filme eficaz dentro do género e muito bem feito.

Retaneko 12

Não é o tom lento que me chateia no filme, mas em última análise os personagens e a sua (falta de) motivação; os diálogos excêntricos e por vezes histéricos durante toda a história quanto a mim separa-nos daquele universo, pois é tão estranho e sem lógica quando comparado com a nossa realidade do dia a dia que quanto a mim é muito dificil criarmos uma verdadeira empatia com o que vemos. Por outro lado, reconheço qual a intenção por detrás desta abordagem, mas sinceramente isso não faz com que o filme seja menos irritante de se ver.
Ao mesmo tempo, é o facto de ser tão irritante, (e deprimente em alguns momentos) que lhe dá uma aura muito especial. Estou baralhado. Gostei e achei o filme insuportável ao mesmo tempo.

Retaneko 07

Pode parecer estranho, mas até eu não tenho dúvidas que este vai ser um daqueles títulos que irei começar a gostar bastante dele gradualmente e se calhar daqui a um par de anos refaço a classificação que lhe vou dar agora e dou-lhe mais uns pontos.
É que o raio do filme custou-me mesmo a ver até ao fim, mas o facto é que este não me sai da cabeça há vários dias e deixou-me uma quantidade enorme de imagens (e ambientes) bem marcados no pensamento. Por isso se calhar até gostei mais dele do que admito, para além da profunda irritação que a personagem principal e todos os “malucos” desta história me causaram.

Retaneko 16

[“Rent a Cat”] estranhamente, ou talvez não está a tornar-se aos poucos um filme de culto junto de muitas pessoas e curiosamente até está bem cotado no imdb o que não é muito comum com cinema de autor nestes moldes. No entanto a ideia principal de [“Rent a Cat”] parece ter tocado o coração de muita gente que se calhar se identificou com a imagem muito forte que este filme transmite sobre a solidão nas grandes cidades; ao ponto de estarem a começar a surgir pessoas que abriram de verdade um negócio de -alugar gatos- precisamente inspirados pela heroina deste filme. Podem ler sobre um destes exemplos da vida real inspirados por [“Rent a Cat”] se clicarem aqui. E não é único.

Retaneko

Actualmente podem espreitar [“Rent a Cat”] facilmente no youtube na sua versão integral. Inclusivamente conta com um excelente cópia a 720p, legendada em inglés e portanto só por isto já vale a pena irem ver este filme para me dizerem o que acham e de que forma os atingiu também.

——————————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO:

Tal como em “Kamome Diner” da mesma realizadora, se estiverem á procura de um drama, esqueçam. Se estiverem á procura de uma comédia esqueçam.

Retaneko 10

É mais uma vez uma história original com o seu mérito próprio e que pelo que tenho visto pelas reviews espalhadas pela net irá atingir as pessoas de várias maneiras. Pessoalmente achei-o insuportávelmente irritante mas ao mesmo tempo extremamente cativante e um daqueles títulos que ficam no pensamento. Por isso se calhar é bom.
Três tigelas de noodles para já, mas se calhar no futuro irá ganhar mais.

noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg

A favor: o conceito e a ideia geral da história, a atmosfera visual, a actriz principal, o design, a fotografia.
Contra: não vai a lado nenhum para além de ser um estudo sobre a solidão, as motivações dos personagens são por demais excêntricas, a protagonista é totalmente enervante, alguns diálogos são insuportáveis e irritantes como o raio, pode ser incrivelmente chato porque não nos identificamos com os personagens mesmo quando nos indentificamos com o seu vazio, os gatos não têm qualquer carísma o que é o pior que podia acontecer num filme supostamente sobre gatos também…

——————————————————————————————————————

NOTAS ADICIONAIS

TRAILER

IMDB
http://www.imdb.com/title/tt2246953

FILME COMPLETO
No Youtube – Legendado em Inglés.

 

Rent a cat (de verdade)
http://www.themoscowtimes.com/business/article/rent-a-cat-service-comes-to-kiev/487892.html

——————————————————————————————————————

Filmes de autor “semelhantes”

capinha_all-about-lily-chou-chou capinha_godbye_dragon_inn capinha_kamome_diner

——————————————————————————————————————

Cinema_oriental_no_facebook