Hanamizuki (Hanamizuki ) Nobuhiro Doi (2010) Japão


Já tinha saudades de uma boa love story oriental e estava à espera de encontrar mais um filme que valesse a pena recomendar.
Ora pois bem, [“Hanamizuki”] é o motivo perfeito para voltar ao blog, por vários motivos até.

Hanamizuki review

Estranhamente apesar de “Be With You” ser para mim a melhor história de amor japonesa ,(a par com o fabuloso 5cm per second) e definitivamente um dos melhores filmes românticos que alguma vez me passaram pela frente, nunca me lembrei de procurar mais trabalhos do mesmo realizador. Talvez porque “Be With You” me tenha marcado tanto que se calhar me esqueci que aquela história não era real e que tinha na verdade também um realizador por detrás.

Hanamizuki-17

Deparei-me agora com [“Hanamizuki”] há poucos dias e para minha surpresa descubro no Imdb que é o mais recente filme de Nobuhiro Doi, precisamente o realizador de “Be With You”.
A procura por cinema romântico segundo as minhas estatísticas continua em alta por aqui mas há muito tempo que eu próprio não encontrava algo que valesse a pena recomendar pois o mercado romântico oriental está cheio de cinema do género mas raramente aparece algo que fuja à rotina ou tenha um toque especial.

Hanamizuki-10

Ainda [“Hanamizuki”] mal tinha começado e já tinha captado a minha atenção pois curiosamente havia qualquer coisa nesta história que me fazia mesmo lembrar a atmosfera de 5cm per second e portanto já não consegui parar de ver.
Mais uma vez quem conhece o cinema romântico oriental já sabe com o que pode contar, pois também este filme não foge muito à regra em termos de história; no entanto mais uma vez também estamos na presença de mais um filme que se torna especial não pela história formulática mas sim pela forma como o realizador a desenvolve.

Hanamizuki-11

[“Hanamizuki”] tem uma coisa de que não nos apercebemos de imediato mas que se torna evidente no decorrer do filme; tal como em 5cm per second também aqui temos uma história romântica que assenta apenas naquilo que é mais comum da vida de qualquer pessoa. [“Hanamizuki”] não usa ou abusa dos clichés melodramáticos que costumamos encontrar nos dramas orientais.

Hanamizuki-24

Curiosamente, tudo está montado em situações que poderiam bem acontecer e todo o suspanse romântico nunca deixa de ser construído numa base sólida de realidade. Desta vez ninguém vai morrer de cancro a meio do filme como acontece no popular cliché romântico do cinema oriental. [“Hanamizuki”] não precisa de artifícios desses para nos manter agarrados ao ecran e continuar interessados na vida de todas as pessoas que vivem esta história.

Hanamizuki-06

Tal como em “Be With You” a narrativa é calminha, os personagens levam o seu tempo a serem construídos e durante algum tempo parece que a história nem vai ser particularmente interessante.
Por outro lado, a partir de certa altura, por qualquer motivo não conseguimos deixar de seguir o que irá acontecer a seguir pois quando damos por nós estamos interessados mesmo na vida daqueles personagens.

Hanamizuki-23

Até o habitual triângulo amoroso aqui, está naturalmente inserido e não é atirado à cara do espectador apenas para aumentar o estilo telenovela. Faz lembrar um pouco o mesmo tipo de estrutura que apareceu também em “Koizora Sky of Love”; precisamente com a mesma actriz, onde também havia um triângulo amoroso perfeitamente natural e sólidamente construido.

Hanamizuki-20

A história é bem simples, um rapaz pescador apaixona-se por uma rapariga que vai estudar para a universidade longe de casa e todo o filme é sobre como será possível manter o amor vivo através da distancia que os separa. Mais um paralelismo com 5cm per second que não se fica por aí pois inclusivamente a cena das pétalas é semelhante, apenas agora não se trata de um Anime.
Nesta história não encontrarão as habituais piroseiras telenovelisticas com rivalidades entre familias, menina rica-menino pobre, traições foleiras e idiotices do género.

Hanamizuki-04

Com uma história destas não havia grande motivo para suspanse, mas a verdade é que o filme consegue criar um clima de incerteza até ao seu desenlace pois nunca temos bem a certeza se a história de amor terá um final feliz. Não por impedimentos melodramáticos mas pelo natural desenrolar das vidas perfeitamente comuns dos protagonistas e de toda a gente que os rodeia nesta historia.

Hanamizuki-21

Aliás, outro ponto positivo são os personagens secundários e as pequenas historias que ocorrem nas suas vidas. Alguns apenas com breve momentos de écran mas que no entanto são suficientes para que como espectadores fiquemos interessados na sua felicidade também, até pelo bom trabalho dos actores secundários.

Hanamizuki-12

Resumindo, como eu tenho por hábito não revelar nada sobre os filmes que recomendo pois ainda sou do tempo em que o prazer de ir ao cinema estava em não sabermos nada sobre o filme em cartaz, também não irei dizer muito mais sobre [“Hanamizuki”].

Hanamizuki-16

A principio nem ia dar uma grande nota a este titulo pois na verdade á primeira vista parecia não me ter marcado muito, mas a verdade é que o raio do filme não me sai da cabeça há vários dias e sendo assim se calhar é daqueles que ainda se irá tornar um titulo especial na minha colecção de cinema romântico.

Hanamizuki-18

Talvez a única coisa que lhe retire algum brilho está no facto de na minha opinião ter duração a mais. Algures pelo meio arrasta-se um pouco e se o filme tivesse 15 minutos a menos se calhar teria sido a montagem ideal para a história sem precisarem de esticar tanto algumas pequenas cenas.

Hanamizuki-09

De resto todo o filme contém algumas imagens fabulosas, boa fotografia e além disso é passado junto ao mar. Só por isso leva logo mais um ponto. Ainda por cima mete comboios e faróis e qualquer história romântica oriental que meta faróis para mim só pode ser boa.

—————————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO

Embora nem de perto se aproxime do impacto que “Be With You” do mesmo realizador causa, este [“Hanamizuki”] é uma excelente história de amor baseada essencialmente em pequenos pormenores da vida do dia a dia e por isso funciona muito bem e recomenda-se. Era para lhe dar três tigelas e meia de noodles mas leva quatro porque estranhamente este filme não me sai da cabeça há dias.

Hanamizuki-03

Se procuram bom cinema romântico oriental e já viram tudo o que tenho recomendado aqui neste blog, então juntem mais este à colecção pois é muito bom e recomenda-se.
Quatro tigelas de noodles na boa.

noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg

A favor: mais uma vez a humanização dos personagens neste tipo de histórias de amor aparentemente simples, excelentes actores e óptimo casting, consegue manter um bom suspense romântico até ao final, tem um par de momentos emocionais fantásticos, bons personagens secundários que nem precisam mais tempo de ecran para funcionarem plenamente, tem um certo sabor a 5cm per second e quem tiver gostado desse irá querer ver [“Hanamizuki”], tem imagens que ficam na memória e uma fotografia que dá vida aos ambientes geográficos onde decorre a história.

Contra: não tem o mesmo impacto emocional que “Be With You” do mesmo realizador nem a atmosfera inesquecivel de 5cm per second, se calhar não precisava de ter 128 minutos para contar a mesma história.

—————————————————————————————————————

NOTAS ADICIONAIS

Trailer
https://www.youtube.com/watch?v=Wy5tACEEopg

cover

Filme completo no Youtube
https://www.youtube.com/watch?v=ai1AtMFrKvU

IMDB
http://www.imdb.com/title/tt162928

——————————————————————————————————————

Outros títulos românticos totalmente recomendados:

 Be With You My Sassy Girl The Classic Il Mare

 capinha_love_in_space Fly me to Polaris capinha_in-the-mood-for-love capinha_midnight-sun

concerto_capinha_73x cyborg_she_capinha_73x capinha_my-girl-and-i

——————————————————————————————————————

Cinema_oriental_no_facebook

A moment to remember (Nae meorisokui jiwoogae ) John H. Lee (2004) Coreia do Sul


Update: Esta review foi actualizada a 1-6-2014 também com a classificação para a versão longa do filme, mais abaixo.

[“A Moment to remember”], intitula-se originalmente – “Uma borracha na minha cabeça” – e é um filme sobre Alzheimer. Sobre o que acontece quando as nossas memórias pura e simplesmente são apagadas e sobre o que resta daquilo que fomos; colocando a questão – “será que ainda somos nós” ?…O que é que nos define ?…
Se investigarem este título na net, irão notar que será provavelmente a história de amor Sul Coreana que mais tocou o público ocidental; o que o torna talvez no mais popular filme romântico de que ninguém ouviu falar. Isto claro quando comparado com o cinema que consumimos nesta nossa parte do mundo. Ia haver um remake americano em estilo telefilme, mas consta que ficou no limbo, por isso deixem-no estar que assim é que está bem.

amomentoremember01

Até eu que sou um fã total de cinema romântico oriental, fiquei bastante surpreendido com a adoração da qual este filme é alvo em praticamente todo o lado. Isto porque apesar de ser uma história excelente, nunca pensei que tivesse algo de extraordinário que o pudesse colocar ao lado de outros títulos que adoro com por exemplo “The Classic” (com a mesma actriz), ou “Be With You” (para mim o melhor filme romântico de sempre no cinema oriental).

amomentoremember26

[“A Moment to remember”] parece ter tocado muito toda a gente que o viu e pelo que me tenho apercebido as pessoas ficam bastante emocionadas com o choque que apanham ao verem a forma como o filme retrata um doente de Alzheimer. Estou em crer que quem não passa por uma situação semelhante não faz mesmo ideia da realidade ao redor da doença e portanto acredito que muita gente ao ver esta história não estava nada preparada para os seus pormenores…perturbantes. Até porque o filme, por debaixo da sua capa de história de amor comercial não hesita em colocar muitas questões pertinentes sobre o tema e uma das suas mais valias está precisamente na forma como aborda a doença sem pudor ou sem tentar ir mais para além daquilo que a doença já traz de dramático.

amomentoremember31

Curiosamente eu comprei este Dvd há uns dez anos, pouco tempo depois do filme ter saído, só o tinha visto na altura e tem permanecido na minha prateleira de coisas a rever este tempo todo. Isto porque inicialmente eu não tinha ficado particularmente impressionado com ele quando o vi pela primeira vez. Lembro-me de ter gostado mas de não me ter atingido com a mesma força de coisas como “The Classic”, “Be With You”, “Il Mare” ou “My Sassy Girl” por exemplo. No entanto nunca me saiu da memória, há anos que ando para o rever e falar sobre ele aqui neste blog, mas precisava distanciar-me do seu tema a nível pessoal, para poder voltar a pegar neste filme.

amomentoremember06

E isto porque na verdade, se calhar a principal razão porque o filme não me tocou particularmente da primeira vez que o vi, foi porque eu estaria com todas a minhas defesas sobre o tema do Alzheimer activadas no máximo e portanto estaria naturalmente predisposto a que uma história assim não me atingisse de forma tão forte quanto atingiu muito do público que ainda hoje considera [“A Moment to remember”] possívelmente o melhor filme romântico Sul Coreano.
E não podia atingir-me da forma que me atingiu agora quando o revi ontem, porque na altura a história de [“A Moment to remember”] retratava essencialmente a minha própria história e mostrava essencialmente o meu dia-a-dia nessa altura. Como tal eu próprio estaria anestesiado perante tudo aquilo que o filme mostra e pelo visto chocou e tocou os outros espectadores que evidentemente não estariam inteirados do que se passa á volta do mundo da doença de Alzheimer, não só a nível do doente mas principalmente da perspectiva do prestador de cuidados.

amomentoremember18

Acreditem-me nada na história de [“A Moment to remember”] se encontra exagerado. Nada se encontra “trabalhado” de forma a servir de truque cinematográfico para fazer as plateias chorar. Se [“A Moment to remember”] é considerado demasiado melodramático por algumas pessoas e é acusado de ser demasiado xaroposo, açucarado ou demasiado “inventado”, então é porque essas pessoas nunca viveram uma situação como a que é mostrada no filme na sua vida real.
Eu vivi.
Posso garantir-lhes que [“A Moment to remember”] se tem algum defeito é porque suaviza demasiado muitas das situações.
Se [“A Moment to remember”] tivesse entrado pormenorizadamente por alguns momentos que mostra na história, este teria sido um filme de terror insuportável para muita gente e deixaria de ser uma história romântica que o público conseguisse aguentar emocionalmente.

amomentoremember21

Se o que podemos ver nesta história de amor Sul Coreana, é melodramático demais para ser real, é porque felizmente 99% do mundo não tem que viver a situação retratada no filme no seu dia-a-dia.
Acreditem-me. A realidade é muito mais melodramática do que poderão encontrar nesta produção sul coreana.
Eu sei, porque eu a vivi com os meus pais e tal como acontece com o personagem de [“A Moment to remember”] eu nunca poderia de forma nenhuma ter escolhido desistir. Portanto, meus amigos esqueçam a ideia que a história de amor deste filme está demasiado exagerada ou açucarada. Quando muito estará até algo contida visto a produção óbviamente ter preocupações comerciais.

amomentoremember27

Outra das coisas que lhe apontam é a velocidade da degeneração mental da personagem principal, pois no filme tudo parece acontecer demasiado rápido, mas aí penso que é apenas um problema de montagem e do próprio “pacing” narrativo da história. Se calhar teria sido mais claro se tivesse havido uma melhor identificação visual da passagem do tempo.
Aliás, essa passagem do tempo sente-se na resolução das duas pequenas mini-histórias paralelas do filme que de um momento para o outro aparecem resolvidas sem darmos por isso.
Descobri há tempo que [“A Moment to remember”] tem duas versões; a versão distribuída fora da Coreia do Sul e a versão -longa- original que passou nos cinemas da região, que segundo me recordo de ter lido terá uns vinte minutos de cenas a mais.

amomentoremember29

O dvd que eu tenho tem quase duas horas mas tudo se foca essencialmente nos personagens principais. De acordo como que li, parece que a versão longa do filme desenvolve muito mais em detalhe toda a parte da história a propósito da mãe do protagonista e também explica muito do que acontece em relação ao seu velho tutor. Tanto a mãe, como o personagem do tutor aparecem quase do nada a meio do filme e tudo parece ramificar-se na direcção dessas pequenas histórias. No entanto deixa-se de conhecer quaisquer detalhes do seu desenvolvimento e subitamente no final do filme esses dois personagens reaparecem de uma forma totalmente diferente e com os conflitos resolvidos sem que nós tivéssemos visto alguma coisa sobre isso.
Segundo o que li há um par de anos atrás, as cenas que foram retiradas para fazer a versão curta focavam precisamente esse aspecto e sinceramente não sei porque raio fizeram uma versão curta, pois os personagens secundários mesmo assim aparentam ser muito fortes e seria interessante podermos ver como todo o seu arco dramático em relação ao protagonista masculino desta história tinha sido resolvido.

amomentoremember22

Talvez por isso, a versão curta crie uma excessiva ilusão de velocidade na parte que retrata o desenvolvimento da doença de Alzheimer na jovem protagonista. O meu conselho quando virem o filme é que não pensem muito no assunto e assumam todo o processo degenerativo da sua condição como natural, até porque por experiência própria posso garantir-lhes que num caso como é retratado no filme, uma pessoa pode realmente mudar em pouco mais de um ano e portanto esqueçam aqueles comentários que dizem que tudo está demasiado dramatizado para se tornar melodramático. Não está.

amomentoremember09

Esquecendo agora o tema do Alzheimer por momentos, como filme romântico [“A Moment to remember”] é realmente um triunfo.
O facto de ser um produto comercial não lhe retira de todo o mérito, porque acima de tudo ao contrário daquilo que costuma passar por cinema romântico made-in-hollywood, mais uma vez temos aqui uma história de amor oriental com personagens realmente vivos e com muita alma.
Cedo nos esquecemos que estamos a ver um filme, pois toda a gente nesta história poderiam ser pessoas reais e isto é uma das coisas que [“A Moment to remember”] faz muito bem.

amomentoremember08

Inclusivamente, até em relação aos personagens secundários. A química entre os protagonístas e por exemplo o pai da jovem rapariga é excelente e nem por um momento nos lembramos que estamos a ver um trabalho de representação.
E por falar em representação, o trabalho dos dois actores que representam o casal do filme é absolutamente notável. [“A Moment to remember”] pode inclusivamente ser o exemplo perfeito daquilo que os Sul Coreanos melhor sabem fazer no que toca à criação de histórias de amor, por uma simples razão; ninguém melhor que eles sabem como criar personagens verdadeiramente humanos onde mal notamos que existe um trabalho de representação por de detrás. Este filme é mais uma verdadeira aula de como se consegue criar uma história com empatia no género romântico, inclusivamente sem precisar de fugir aos clichés do género. Está tudo na forma como se humaniza as relações e nesse aspecto o cinema da Coreia do Sul sabe muito bem o que faz.

amomentoremember14

A primeira metade de [“A Moment to remember”] é extraordinária na forma como nos cativa para a relação daquelas duas pessoas e é um verdadeiro manual de como se criam personagens românticos aparentemente sem esforço algum. Tudo na história inicialmente nos agarra. A forma como o casal se conhece e todas as sequências e peripécias em que se envolvem até ficarem juntos são retratadas de uma forma fantástica, cheia de momentos de humor perfeitamente naturais e é impossível não ficarmos totalmente cativados pela vida daquelas duas pessoas.

amomentoremember05

O realizador é brilhante na forma como usa o humor e o balança com pequenos vislumbres daquilo que irá ser uma tragédia. E faz isto tão bem, que mesmo já tendo visto o filme mais do que uma vez, dei por mim a desejar que nada de errado acontecesse com os protagonistas precisamente pela forma divertida e ligeira com que a relação deles está filmada logo ao inicio.
Depois a meio do filme o realizador tira-nos o tapete dos pés e (principalmente) o espectador que não sabe nada sobre a doença de Alzheimer apanha um choque de meia noite com o resto do desenvolvimento da história. Talvez por isso esta seja tão inesquecível para tanta gente.

amomentoremember15

Pelo meio da parte trágica [“A Moment to remember”] consegue sempre inserir algum humor e nisso é um trabalho de mestre pois há partes do filme que balançam incrivelmente entre a comédia sul-coreana típicamente alucinada com o drama mais intenso. Quem teve a ideia de colocar o médico especialista de Alzheimer com aquele visual de cientista maluco em estilo Einstein colocou no filme um toque de génio, pois as cenas em que o personagem entra são ao mesmo tempo divertidas, tristes, trágicas, ligeiras e dramáticas. E ás vezes nem precisa aparecer muito tempo no écran para resultar em pleno.
Outro pormenor interessante é a forma como usa a música para criar ambiente e em particular música latina ao melhor estilo canção-cubana (?) em sequências que remetem bastante para o tipo de universo que encontramos em “In the Mood for Love” de Wong Kar Wai. Muito bom e diferente.

amomentoremember13

[“A Moment to remember”] pode já ter alguns anos, mas continua realmente a ser uma das grandes histórias de amor Sul Coreanas. É o tipo de filme que inevitávelmente será sempre acusado de ser delicodoce e excessivamente comercial por ter sido cozinhado de modo a fazer com que as plateias chorem baba e ranho, mas eu sinceramente não entendo porque isso será motivo para se atacar o resultado, ou já agora este tipo de cinema em que os sul coreanos são mestres absolutos.
Se no cinema de terror ninguém se queixa quando todos os clichés estão bem usados e resultam em filmes assustadores, porque razão se deverá atacar o cinema romântico por ser melodramático se isso resultar em algo que toque realmente a alma das pessoas ?….
É que ao menos o melodrama no cinema oriental prácticamente resulta sempre em personagens realmente humanos. Tomara o cinema americano poder dizer o mesmo.
O filme é comercial ? É pois.
Melodramático ? Claro ! E neste caso com todo o direito pois a realidade que retrata é até bem mais melodramática do que eles apresentaram no écran.
E resulta ?
Se resulta !!!

amomentoremember11

O final desta história é absolutamente demolidor pela forma subjectiva com que termina. Mesmo que o resto do filme não os impressione por aí além, se estiverem atentos aos pormenores e chegarem ao seu desenlace final sem gastarem umas boas fronhas de travesseiros, então é porque vocês não têm um batimento cardíaco e já estão mortos.
[“A Moment to remember”] é um título perfeito para justificar os segundos finais e de certa forma justifica plenamente este título permanecer na memória de tanta gente como uma das melhores histórias de amor saídas do cinema da Coreia do Sul nos últimos anos.

—————————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO – para a VERSÃO CURTA (1hora e 57 minutos)

É realmente bem melhor do que eu me lembrava de ter sido quando o vi pela primeira vez há quase dez anos.
Se chegaram a esta blog procurando por cinema romântico oriental, então não perdem nada em começar por este título. Não será o meu favorito mas é uma das melhores histórias de amor que saíram da Coreia do Sul com toda a certeza, e até certo ponto, apesar de formulário é bem original pela forma séria como retrata a doença de Alzheimer.
Cinco tigelas de noodles forque é realmente excelente, especialmente nos minutos finais.
Não leva um Golden Award porque guardo a nota máxima para quando conseguir ver a versão integral um destes dias.

noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg

A favor: a forma realística e sem preocupações politicamente correctas como retrata a doença de Alzheimer, a forma como a própria doença está usada para se contar uma história de amor formulática mas nem por isso menos cativante, o trabalho extraordinário dos actores, a química entre todos os personagens principais ou secundários, a primeira metade do filme e a forma como nos faz apaixonar por aquelas pessoas, a segunda metade do filme e a forma como destrói aquelas pessoas, a subtileza do humor nos momentos mais inesperados, a inesperada banda sonora com músicas latinas cria uma atmosfera romântica curiosa, os minutos finais da história e a imagem com que termina.

Contra: o constante – product placement – à Coca-Cola é um bocado evidente e até algo irritante por ser tão “forçado(?)“, aparentemente existem duas versões disto e a mais curta que é a que temos acesso tem alguns problemas de ritmo narrativo pois há cenas que aparecem e desaparecem sem grande explicação, na versão curta as histórias da mãe do protagonista e da sua relação com o seu mentor estão demasiado aceleradas, na versão curta a passagem do tempo não é bem demonstrada e cria a ilusão de que a doença da protagonista se desenvolve em pouco tempo, ainda há pessoas que pensam que a forma como a doença de Alzheimer está representada neste filme é exagerada…

NOTA: Estou a tentar encontrar o “directors cut” com a versão longa e conto conseguir ver o filme em breve. Assim que o vir podem contar com comentários adicionais sobre o mesmo aqui neste texto.

—————————————————————————————————————
—————————————UPDATE 1-6-2014———————————
—————————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO – VERSÃO LONGA (2h e 25 minutos)

Acabei de ver finalmente a versão integral deste filme e como eu já esperava, a versão longa leva sem qualquer problema a classificação máxima.

amomentoremember10

Além de tudo o que já referi na review a propósito da versão curta, esta versão integral resolve alguns dos buracos narrativos que agora deixam de existir.
Não só encaixam as cenas que estavam a menos envolvendo a mãe do protagonista como inclusivamente a passagem do tempo já se sente mais presente e real pois o filme inclui até bastantes pequenos pormenores sobre o que se passa no ambiente doméstico em redor quando alguém tem de prestar cuidados a um doente de Alzheimer.
Isto é mais uma vez dificil de explicar, mas além das cenas mais longas e que óbviamente tinham sido retiradas da versão curta; a meia hora de filme a mais inclui dezenas de breves momentos que ás vezes nem duram dois segundos no écran mas onde se visualizam muitos pormenores que só quem está neste momento a passar por uma situação semelhante ou tal como eu, passou por uma situação semelhante irá reconhecer e que no contexto do filme acabam por si só fazer toda a difrença, (por exemplo o maior destaque dado ás anotações por toda a casa (com que eu me identifico bastante)), entre muitos outros pormenores que dão realmente uma profundidade diferente à história.
Se a versão curta já era uma boa representação do que é a doença de Alzheimer, as dezenas de pequenos pormenores às vezes em meros segundos de écran na versão longa, fazem com que este filme practicamente não tenha falhas na forma como aborda a doença de Alzheimer ao contrário do que alguns críticos têm apontado. Mais uma vez volto a dizer. Se [“A Moment to remember”] é melodramático, não é por ter tiques de telenovela pirosa, mas sim porque a doença de Alzheimer É melodramática. E bem mais do que o próprio filme apresenta até. Confiem em mim.

amomentoremember17

Meia hora faz uma grande diferença em termos de filme. Não o modifica própriamente e não perdem nada em ver apenas a versão curta mas não há dúvida que a versão longa é muito mais densa e bem mais cuidada. Inclusivamente o próprio “moment to remember” do filme ganha uma nova vida na versão grande, isto porque na versão pequena ficava-se com a ideia de que o momento especial do fim seria realmente toda a experiência da rapariga a partir do momento *spoiler* em que regressa à loja onde tudo começou. Na versão longa o ênfase está realmente naquilo que é o verdadeiro coração do filme no que toca à história de amor – a palavra “amo-te” – que não é colocada no centro do momento fulcral na versão curta por faltarem pequenos segundos de diálogo entre o pai da rapariga e o marido desta que já estão presentes na totalidade na versão longa. Como tal, o “moment to remember” na versão integral tem ainda um impacto maior por se tornar ainda mais simples e evidente. *fim do spoiler*.

amomentoremember07

Portanto qual a versão a ver ? Qualquer uma delas, mas a versão longa é realmente mais profunda. Não só nos pormenores sobre o Alzheimer mas também na forma como solidifica a relação de todos os personagens ao longo do filme, inclusivamente dos secundários.
Por outro lado se vocês não estiverem muito por dentro do que é lidar com o Alzheimer se calhar não irão notar uma diferença substancial entre a meia hora a menos da versão curta e a meia hora  mais da versão longa.

Cinco tigelas de noodles e um Golden Award para a versão longa porque é realmente uma grande história de amor tendo por base uma situação real muito bem retratada ao longo de todo o filme.

noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg gold-award.jpg

A favor: As cenas adicionais trazem nova vida a esta história e aprofundam bastante tudo o que parecia faltar na versão curta. O foco do momento final torna-se mais simples e ainda mais poderoso e inesquecível.

Contra: O personagem do mentor do protagonista continua um bocado á deriva apesar de tudo pois grande parte das novas cenas mais longas serviram essencialmente para aprofundar a relação entre o protagonista e a mãe.

 

————————————————————————————————————

NOTAS ADICIONAIS

Trailer
O trailer contém spoilers mas sinceramente penso que não há qualquer problema pois não tem nada que vocês não estejam à espera e portanto não vai retirar o prazer e o impacto do filme.
https://www.youtube.com/watch?v=uo9WSLv-lzs&feature=kp

Videoclip
O mesmo vale para o videoclip. Com spoilers mas não vai estragar o filme, de todo.
https://www.youtube.com/watch?v=BP4cnZeubyg

amomentoremember03

Comprar
A versão curta que eu tenho em dvd já está esgotada. Encontrei uma edição do director´s cut aqui…também esgotada, mas poderá aparecer de novo a qualquer momento. Estejam atentos.
http://www.yesasia.com/us/a-moment-to-remember-blu-ray-directors-cut-first-press-limited-edition/1024648818-0-0-0-en/info.html

Bluray na amazon.uk
http://www.amazon.co.uk/gp/offer-listing/B009P1VEPA/ref=dp_olp_0?ie=UTF8&condition=all

IMDB
http://www.imdb.com/title/tt0428870

——————————————————————————————————————

Outros títulos românticos totalmente recomendados:

My Sassy Girl capinha_love_in_space capinha_in-the-mood-for-love capinha_midnight-sun

Be With You Il Mare The Classic Fly me to Polaris

concerto_capinha_73x cyborg_she_capinha_73x capinha_my-girl-and-i

——————————————————————————————————————

Cinema_oriental_no_facebook

 

5 Centimeters Per Second (Byôsoku 5 senchimêtoru) Makoto Shinkai (2007) Japão


Quem conhece o trabalho de Makoto Shinkai compreenderá quando digo que todos os seus filmes se passam em universos verdadeiramente únicos pela sua simplicidade e poesia visual com que as suas histórias são contadas.
[“5cm per second”] é não só um exemplo perfeito, como para mim é o seu melhor filme e uma das melhores histórias de amor que já vi no cinema.
E só tem 57 minutos !

5-cm-per-second_01

[“5cm per second”] desta vez não tem a ver com FC mas demonstra plenamente como sem precisar de ser passado em ambientes alienígenas um filme consegue transportar-nos para um universo muito particular.
Não era para voltar a escrever sobre este título, até porque já falei dele no meu blog sobre cinema oriental mas hoje a minha esposa ofereceu-me um edição espanhola em BLURAY (audio Japonês/legendas Castelhano) e não podia deixar de divulgar [“5cm per second”] aqui também, especialmente continua a ser um daqueles filmes extraordinários que continua a passar despercebidos em Portugal.
Sendo assim…

5cm_per_second_22 5cm_per_second_15

Para mim, Makoto Shinkai é actualmente o melhor realizador de cinema do mundo , sendo considerado também por muita gente como um dos maiores cineastas de animação de todos os tempos, já apelidado de – novo Myiazaki – com todo o mérito.
Para mim actualmente supera até Myiazaki.
Para muitos o facto de Makoto Shinkai não trabalhar “com imagem real”, mas sim com animação poderá parecer algo menor. Ainda por cima não é americano e portanto tudo indica que apesar da popularidade dos seus trabalhos no oriente, Makoto Shinkai no ocidente irá continuar a ser (apenas) um realizador de culto que a nível mainstream muito poucos conhecem no ocidente. E claro será também ignorado por outros tantos, especialmente aquele público que ainda acha que a animação é para crianças.
Por tudo isto é também um candidato perfeito para ser divulgado neste blog, até porque alguns dos seus trabalhos assentam em universos de ficção-científica e há que divulgar o trabalho de Makoto Shinkai pois este demonstra por completo que o Anime também pode ser cinema adulto e nem todos os desenhos animados saídos do Japão têm que se parecer com o Dragon Ball ao contrário do que muita gente ainda pensa.

 5-centimeters-per-second-02

Quem no entanto gostar de cinema de animação e já tiver empatia com o cinema romântico absolutamente original que se produz no oriente, depois de ver os primeiros 25 minutos de [“5cm per second”] provavelmente irá ficar sem palavras com a simplicidade e beleza da primeira história.
A tal ponto que aposto, até lhe custará ver o segundo conto que vem a seguir nesta grande – pequena metragem – que só dura 57 minutos, mas que vale cada instante da sua duração, pois está carregado de ilustrações lindíssimas que por vezes não têm mais que um décimo de segundo no ecran.

5cm_per_second_10 5-cm-per-second_10

[“5cm per second”] poderia ter acabado perfeitamente aos 25 minutos e seria genial na mesma. Isto porque a primeira história é absolutamente arrebatadora em todos os sentido e tudo poderia ter ficado por ali.
No entanto porque tem quase uma hora, está dividido em três pequenos segmentos que na verdade contam a história de um relacionamento ao longo do tempo e que garanto-vos, se procuram por cinema romântico com verdadeira alma bem longe dos enlatados americanos em estilo telenovela, têm aqui nesta  história de amor Japonesa algo que não irão esquecer tão cedo. Só o impacto do segundo final, vale todo o filme.

5-cm-per-second_18 5-cm-per-second_30

Sendo uma grande história de amor com uma simplicidade incrível consegue fazer aquilo que todas as histórias de amor deveriam ser obrigadas a fazer. Consegue fazer-nos apaixonar pelos personagens uma e outra vez, não importa que conheçamos o filme de trás para a frente porque mesmo depois de o vermos dezenas de vezes há sempre um pormenor novo a descobrir.
Isto devido á qualidade de detalhes que Makoto Shinkai colocou em cada frame, usando ilustrações incrivelmente pormenorizadas, até quando muitas vezes aparecem apenas uma fracção de segundo no filme.
Eu próprio agora ao procurar imagens para ilustrar este texto deparei-me com dezenas de coisas que nunca tinha sequer notado nas paisagens incríveis que dão alma a esta história de amor.

5-cm-per-second_04 5-cm-per-second_08

Outra coisa absolutamente fascinante em [“5cm per second”]  está em conseguir continuar a ter suspanse mesmo quando já o vimos vezes e vezes sem conta.
Talvez porque consegue criar uma empatia tão grande com o espectador que ficamos a gostar mesmo daquelas pessoas e de cada vez que revemos o filme damos por nós a torcer novamente pelo destino daquele casal sem nos apercebermos disso.

5-cm-per-second_19 5cm_per_second_18

[“5cm per second”] é de uma aparente simplicidade incrível em termos de história.
A maior parte do pessoal quando ouve a expressão – “história de amor”- torce-se todo pois imagina logo aquelas xaropadas em estilo telenovela que normalmente inundam as nossas televisões e praticamente tudo aquilo que passa por cinema romântico em Hollywood.
Quem pensa que o cinema romântico oriental tem alguma comparação, então [“5cm per second”]  é um bom filme para lhes mostrar o que é uma história de amor bem filmada, com muita alma e onde aqueles bonecos pintados em computador têm mais vida e existência “real” que todos os adolescentes de cartão que vimos ao longo dos anos naqueles supostos dramas românticos cozinhados em piloto automático na américa.

5cm_per_second_09 5cm_per_second_23

[“5cm per second”] é mais outra prova saída do cinema oriental de que se podem criar histórias de amor incríveis com personagens adolescentes sem criar qualquer barreira de empatia com o espectador mais velho.
Garanto-vos que se tiverem 80 anos e virem esta história irão emocionar-se tanto como se tivessem 18; precisamente porque não é estereotipada e é uma daquelas raras histórias de amor cinematográficas que acerta em cheio naquilo que há de universal no primeiro amor.
Portanto, não esperem encontrar aqui qualquer drama de pacotilha usual.

5-cm-per-second_03 5-cm-per-second_13

Não há encontros e desencontros da forma que vocês pensam que irá haver, não há traições, não há rivalidades, não há separações e reconciliações e não esperem de todo que aqui o herói tenha aquele amigo cómico que é normalmente o palhaço das histórias ou que a heroína tenha aquela amiga fofoqueira e todas aquelas tretas que já vimos mil vezes. Esqueçam os estereótipos.
[“5cm per second”] é uma história sobre a velocidade a que precisamos de viver as nossas vidas, de que forma essa velocidade faz com que um dia possamos voltar a ter a chance de encontrar algo bom que perdemos e de como o primeiro amor pode conduzir os nossos passos mesmo quando já não está presente.

5-cm-per-second_21

O titulo refere-se precisamente á velocidade a que caiem as pétalas desde que são libertadas de uma árvore até que atingem o chão com todas as reviravoltas possíveis que podem ocorrer até chegarem ao seu destino.
Tudo em [“5cm per second”]  tem a ver com velocidade, mas não da forma que imaginam. A “velocidade” a que cruzamos uma porta, a velocidade em que pensamos na outra pessoa, a velocidade em que caminhamos sem destino. Será que duas pessoas afastadas pela distância caminham em sincronia sem o saberem até que os seus passos criam as coincidências da vida que poderão permitir um reencontro ?
Será que se eu me tivesse voltado um segundo mais cedo na fila de um banco teria voltado a encontrar alguém que mudaria a minha vida ? Será que se eu tivesse levado menos um segundo a cruzar uma porta isso teria feito com que tivesse visto alguém que pertenceu ao meu passado ?

5cm_per_second_24 5cm_per_second_30

É esta a ideia por detrás da história dos dois personagens. Uma história que está fragmentada em três pequenas partes que duram menos de uma hora mas que vocês não irão esquecer tão cedo. Em particular se procuram por um daqueles títulos românticos indispensáveis.
E desenganem-se aqueles que pensam que isto é um filme para crianças.
Como habitualmente o cinema de Makoto Shinkai está na antítese total do Naruto e do Dragon Ball, por isso se ainda têm esse preconceito para com o cinema de animação japonês [“5cm per second”]  é um bom titulo para os fazer apanhar o queixo do chão em menos de uma hora.

5cm_per_second_20 5-cm-per-second_17

Não esperem um Anime com sequências de acção a duzentos frame por segundo. Aliás não esperem um Anime de acção.
Isto é essencialmente um drama, apenas está filmado em desenho animado.
Embora não seja um drama comum, pois como já disse não há aqui qualquer cliché a que vocês estejam habituados.
Quem já conhece o cinema de Makoto Shinkai, sabe o que esperar. Tudo tem a ver com ambiente, luz, sombra, atmosfera e poesia visual tendo por base trabalhos de ilustração incríveis.

5-cm-per-second_29 5-cm-per-second_27

Também aqui, podemos contar com uma narrativa que é feita essencialmente de paisagens e fundos absolutamente notáveis e totalmente poéticos, onde por vezes nem animação existe.
Como habitualmente a narrativa avança essencialmente por pequenos pormenores e toda a montagem do filme está assente em desenhos magníficos que por vezes nem focam a acção própriamente dita mas sim o que se passa ao seu redor.
São os detalhes e não as acções que definem a atmosfera de [“5cm per second”] sendo  isso que torna o filme tão especial e o cinema de Makoto Shinkai tão único.

5cm_per_second_21 5-cm-per-second_16

Por essa razão podemos imediatamente empatizar com o que o personagem sente sem sequer precisar de olhar para ele.
Muitas vezes em vez de nos mostrar um boneco a chorar, Makoto Shinkai anima chuva a cair, o vento simboliza a solidão e a saudade, etc.
Mas fiquem descansados que o cinema de Shinkai não é nenhuma seca intelectualoide ao estilo daquela desgraça pretensiosa chamada “Visage” que comentei há um par de anos no meu blog sobre cinema oriental.
Makoto Shinkai sem qualquer pretensão, poética e artisticamente limpa o chão em 57 minutos com todas a pretensas obras de arte e ” instalações artísticas” que há por aí disfarçadas de cinema com cinco vezes mais tempo de duração; portanto o melhor conselho que posso dar é que espreitem este filme.

5-centimeters-per-second-03

Habitualmente é dificil encontrar boas imagens de alguns títulos para ilustrar os meus textos, mas no caso de [“5cm per second”] acontece precisamente o contrário. Eu podia estar perfeitamente calado e só encher este post com imagens.
Espreitem algumas delas (praticamente todas não estão mais que um par de segundos no écran). Vão perceber o nível da qualidade de ilustração que há também aqui neste titulo e porque já é uma imagem de marca do realizador.

5cm_per_second_06 5cm_per_second_16

O que vocês não sabem é que também este filme foi produzido praticamente de forma caseira, o que para mim é outra das grandes razões porque eu considero Shinkai o melhor realizador do mundo actualmente.
Mais uma vez outro filme dele foi produzido em casa e desta vez com uma equipa de 13 pessoas.
Sim leram bem. 13 pessoas !! Três centralmente a desenhar ( Makoto e uma rapariga nos cenários juntamente com um outro amigo nos bonecos ); e o resto a funcionar como uma linha de montagem criativa num processo de colaboração imediata o mais caseiro possível.
Olhem para a qualidade visual de [“5cm per second”]  e depois pensem em 13 pessoas fechadas no apartamento do realizador durante um ano e meio a trabalhar nisto da forma mais amadora que se calhar vocês nunca julgaram ser possível naquilo que será animação profissional altamente conceituada.

5cm_per_second_02 5-cm-per-second_05

O trabalho mais repetitivo de colorir os trames de animação foi distribuído pelos restantes 1o amigos e colaboradores que Shinkai voltou a contratar como habitualmente e que se separam de novo a cada projecto terminado indo cada um á sua vidinha.
Actualmente de cada vez que vejo aquelas promoções sobre os filmes de animação americanos onde se atiram números para impressionar o espectador eu já me farto de rir. Se Makoto Shinkai com 13 amigos consegue um resultado destes, com tanta alma e poesia pela minha parte ouvir dizer que um filme de animação americano em total regime de blockbuster levou três anos para ser feito, precisou de equipas com mais de 600 pessoas como habitualmente acontece em Hollywood e por isso temos todos que o ir adorar, já não fico particularmente impressionado.

5cm_per_second_29 5-cm-per-second_09

Se gostarem de [“5cm per second”] recomendo vivamente a entrevista com o realizador que vem no dvd de edição UK ou no Bluray de edição Espanhola, pois lá ele explica em detalhe como costuma produzir o seu cinema e vão poder ver inúmeras fotografias da equipa de amigos a trabalhar fechados em casa dele durante mais de um ano.
Muito curioso, fascinante e divertido.
A única parte do filme que foi produzida profissionalmente foi mesmo a gravação das vozes e claro a banda sonora que foram gravados em estúdio.
Quem não conhece o percurso de Makoto Shinkai recomendo vivamente que espreitem as minhas outras reviews sobre trabalhos dele, pois se calhar irão surpreender-se com a sua origem totalmente autodidacta que detalho numa das minhas outras reviews.
Não deixem de ler os meus textos sobre “Voices of a distant star” ; “The place promised in our early days” e “Journey to Agartha”.
Shinkai tem já outro filme mais recente “Garden of words” de que falarei em breve e que é absolutamente fascinante também.

5-cm-per-second_07 5-cm-per-second_31

[“5cm per second”] conta a história de dois adolescentes que se apaixonam quando o ano lectivo está a terminar e um deles vai viver para milhares de Km de distância. É um filme sobre a saudade e de que forma um amor está presente mesmo quando a distância eliminou a comunicação e separou duas vidas para sempre. Isto só para começar, pois essencialmente é um título não só romântico mas até filosófico, o que lhe dá uma identidade ainda mais marcada, mas nunca pretenciosa.

5-cm-per-second_26 5cm_per_second_33

A primeira história parece ser simples mas garanto-vos que tem um suspanse de cortar á faca. Vocês vão roer até a almofada torcendo para que os dois personagens se reencontrem e toda a viagem de comboio tem sequências de dar cabo dos nervos.
Também aqui Makoto Shinkai é um mestre em criar suspanse sem nunca utilizar sequer uma cena de acção, uma sequência de perigo ou qualquer outro recurso a que estamos habituados a ver ser usado para criar tensão num argumento mais ao estilo americano.
A primeira história mostra como o menino, resolve um dia meter-se num comboio e viajar até á pequena terra para onde a menina foi viver de modo a conseguirem voltar a encontrar-se por uns momentos na estação.
E garanto-vos que nunca viram nada assim.

 5-cm-per-second_23 5cm_per_second_34

Tudo neste segmento é de uma beleza incrível, tanto na forma como os ambientes estão reproduzidos, como essencialmente na maneira como o tempo e principalmente a velocidade é usada para colocar o espectador em total estado de ansiedade.
Quem costuma acompanhar o cinema romântico oriental, já deve ter notado que ninguém melhor que os japoneses e os sul-coreanos usam as estações de comboio (e muita chuva) para contar histórias de amor impossíveis.
E aqui mais uma vez também Makoto Shinkai demonstra como a poesia deve ser algo entranhado no ADN oriental, pois voltamos a contar com ambientes perfeitamente normais e quotidianos mas mostrados da forma mais poética possível. Tudo através de jogos de luz, sombras e cor refletindo o que se passa no coração dos personagens e transportando o espectador constantemente para dentro daquele universo.

5cm_per_second_26 5-cm-per-second_32

Se vocês espreitarem o IMDB hão de notar que desta vez o consenso é geral. Depois da história de amor que aparece nos primeiros 25 minutos praticamente toda a gente é de opinião que seria impossível Shinkai ter superado o início do filme nos minutos que faltavam para contar o resto da história e realmente se [“5cm per second”] tem alguma “falha” é apenas essa. Se calhar só deveria ter tido um episódio.

5cm_per_second_27 5-cm-per-second_34

Por outro lado, a gente não se chateia nada em continuar a acompanhar o destino destes personagens. Infelizmente a história do meio, não é particularmente tocante, mas também depois do que se passou na primeira, como poderia ?…
A segunda história é sobre o menino da primeira parte, agora alguns anos mais velho e sobre uma outra rapariga da sua turma que está totalmente apaixonada por ele e tudo gira novamente á volta do tempo e da velocidade.
Neste caso á volta do conceito de – momento certo. Qual a altura, qual o segundo, qual o momento preciso em que uma declaração de amor poderá mudar a vida de uma pessoa ?…
Não quero contar demais para não estragar. Penso que poderão não ficar particularmente emocionados com esta história, embora os personagens continuem excelentes e a nova personagem feminina é fantástica. Não desmoralizem porque o filme continuará a ser bastante bonito.
Apenas a segunda história não é a primeira.
O que não é nenhum crime.

5cm_per_second_14 5-cm-per-second_25

A terceira parte, tem apenas uns  dez minutos de duração e mostra o que aconteceu ao menino e á menina uns doze anos depois quando ambos já são jovens adultos.
Embora pequenino este segmento fecha em beleza a história pois conta com um videoclip que em jeito de montagem final narra brilhantemente tudo o que se passou e consegue de forma fantástica resumir por completo todas as emoções do filme.
Pode parecer deslocado á primeira vista mas é brilhante na forma como de repente consegue fazer ver ao espectador que se calhar a segunda parte do filme até foi bastante mais emocional do que pensávamos e este nunca seria o mesmo se esta não existisse.

5-cm-per-second_11 5-cm-per-second_15

A cena final é absolutamente arrebatadora e atinge o espectador com um verdadeiro murro no estômago que acabou por ser a sequência mais comentada de todo o filme, pois a sua simplicidade é incrível e demonstra claramente como se usa o poder da montagem para criar emoção.
“5cm per second”] é uma daquelas histórias de amor fantásticas que parece ter-se tornado inesquecível à conta de dois segundos de animação final mas é verdade.
Não procurem saber nada de adicional sobre este filme antes de o verem, mas depois visitem o IMDb e irão reparar na quantidade de pessoas que mencionam os segundos finais como sendo a cena mais inesquecível de toda a história.

5cm_per_second_03 5-cm-per-second_33

[“5cm per second”] termina com um sabor nostálgico que vai deixar muita gente a pensar, outros a chorar, outros emocionados pela beleza de todo o conjunto, mas nunca indiferentes e isto é o melhor que se pode dizer de uma história de amor sobre adolescentes que á partida nas mãos erradas tinha tudo para ter descambado na piroseira borbulhenta do costume mas nas mãos de Makoto Shinkai na minha opinião transformou-se numa das mais bonitas e filosóficas histórias de amor que já vi no cinema oriental (e não só).

—————————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO

Bem, depois de tudo o que eu escrevi, não há muito mais para dizer. Se gostam de cinema romântico oriental, este é de comprar. Se não gostam, muito provavelmente passarão a gostar. A não ser que estejam a fingir que não se fartaram de chorar com isto.

Cinco Tigelas de noodles e um Gold Award a rebentar a escala por todos os lados.

 

noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg gold-award.jpg

 
Acima de tudo porque é outra daquelas histórias de amor orientais absolutamente fascinantes, muito humanas e totalmente poéticas a um nível que nunca pensamos encontrar num filme de animação.
Absolutamente notável em todos os sentidos.

5-centimeters-per-second-01

 A favor: a primeira história é uma obra prima, está cheio de suspanse sem precisar de disparar um tiro sequer, tem três personagens extraórdinariamente humanos, os desenhos são do outro mundo, um dos melhores filmes românticos de sempre, consegue um final que recupera o mesmo nível de emoção da primeira parte, adoro a banda sonora toda composta á volta da melodia da canção final. E depois há o segundo final da história que ficou na memória de toda a gente…
Essencialmente uma obra-prima do Cinema.
Em termos românticos, no cinema ocidental, comparado a isto só mesmo Cinema Paradiso.

Contra: Depois da carga emocional da primeira história o que vem a seguir nem se compara (embora o videoclip final seja fabuloso).

—————————————————————————————————————

NOTAS ADICIONAIS

Trailer

COMPRAR DVD

MANG3081 Inlay
https://www.amazon.co.uk/gp/product/B0037B2WP0/ref=as_li_tl?ie=UTF8&camp=1634&creative=6738&creativeASIN=B0037B2WP0&linkCode=as2&tag=cinaosolnas00-21

 

COMPRAR BLURAY edição ESPANHOLA ( audio Japonês / legendas Castelhano)
bluray

https://www.amazon.es/Cent%C3%ADmetros-Por-Segundo-Blu-ray/dp/B00GIMV0TY/ref=sr_1_2?ie=UTF8&qid=1479487364&sr=8-2&keywords=5cm+por+segundo

Clip
Contém *Spoilers*
Por outro lado, se não viram o filme, também não irão notar. Estão por vossa conta. 😉

Com legendas
https://www.youtube.com/watch?v=egCHrY_gHGg

O filme também está disponível numa copia legendada no youtube mas não vejam o filme num simples ecran de computador.

5cm_per_second_17

E por falar em música.
https://www.youtube.com/watch?v=lilLEaKJfic
https://www.youtube.com/watch?v=O5hiqmjtJbg
https://www.youtube.com/watch?v=MIDj-Gtnelk

5cm_per_second_17 5-cm-per-second_36

IMDB
http://www.imdb.com/title/tt0983213

5cm_per_second_36

Está aqui uma pequena review em video, que vale a pena espreitarem se ainda não estiverem convencidos por tudo o que eu já escrevi.

BANDA DESENHADA
Quem gostar do filme e quiser reviver a magia de uma forma diferente, esta história foi editada no formato Manga com uma versão bem mais longa e pormenorizada, contendo inclusivamente um final mais extenso onde se percebe em detalhe o que aconteceu a cada personagem depois do fim do filme.
manga

LEIAM A MINHA REVIEW EM DETALHE AQUI:

RECOMENDO VIVAMENTE pois é uma verdadeira novela gráfica com QUASE 500 PÁGINAS que valem cada momento.

5-centimeters-per-second-2509879 5-centimeters-per-second-2199747

COMPREM-NA AQUI EM ESPANHOL
https://www.amazon.es/Cm-Por-Segundo-Makoto-Shinkai/dp/8416476454/ref=sr_1_1?ie=UTF8&qid=1479487364&sr=8-1&keywords=5cm+por+segundo

COMPREM-NA AQUI EM INGLÉS
https://www.amazon.co.uk/gp/product/1932234969/ref=as_li_tl?ie=UTF8&camp=1634&creative=6738&creativeASIN=1932234969&linkCode=as2&tag=cinaosolnas00-21

 

——————————————————————————————————————

Se gostou deste vai gostar certamente de:

capinha_voices-of-a-distant-star capinha-the_place_prmised_in_early days capinha_agartha capinha_the-girl-who-leapt-through-time_anime

——————————————————————————————————————

 

 

…ing (…ing) Eon-hie Lee (2003) Coreia do Sul


Quando espreitei o IMDB a propósito deste filme esta manhã, a última coisa de que estava á espera era a de encontrar tão elevadas classificações por parte dos utilizadores, pois sinceramente estou quase convencido de que esta gente só pode ter visto um filme diferente do que eu vi ontem porque de outra forma não compreendo de todo a razão de tanto fascínio com este banal filme romântico.

[“…ing”] foi uma das histórias de amor sul-coreanas mais medianas que alguma vez me passaram pela frente e na minha opinião é o exemplo típico de que o facto de um filme romântico ser realmente cativante ou não, nem sempre precisa de passar por um argumento original.
É que [“…ing”] tem tudo no sítio, e tal como noutros títulos românticos não há aqui nada que já não tenhamos visto dezenas de vezes neste formato de histórias de amor; no entanto, mesmo com todos os ingredientes conhecidos, filmado da maneira mais tradicional possivel dentro deste género e contando com excelentes actores, este filme não me conseguiu cativar minimamente.

[“…ing”] não me provocou a mínima emoção e achei isto realmente muito estranho. Especialmente agora quando leio no IMDB que tanta gente se fartou de chorar com esta história ainda me estou a perguntar o que raio foi que eu não vi ?!!
É certo que o género está por demais batido, mas não é por uma história de amor seguir a mesma fórmula que um filme será menos interessante ou emocional. Mas então porque é que [“…ing”] me pareceu tão banal ?…

A partir de certa altura, fiquei mesmo com sensação de que isto seria uma daquelas produções ultra-comerciais totalmente encomendada pelos estúdios apenas para cumprir calendário e poder ter uma história romântica fofinha no seu catálogo de estreias de verão. Nem por um momento senti aqui aquele toque de que estaria a ver um projecto mais personalizado, pois uma coisa é certa, [“…ing”] está a milhas da identidade pessoal de um “My Sassy Girl“, de um “Il Mare“, ou até mesmo de um “Cyborg She” e como tal nunca me conseguiu cativar ao longo da sua duração pois sempre me pareceu que lhe faltava qualquer coisa.

Conta com um elenco excelente, personagens-tipo simpáticos e com um par de momentos cativantes, mas na minha opinião  nunca alcança qualquer tom emocional que tanta gente parece ter encontrado neste título.
[“…ing”] tem falta de qualquer coisa. A história é a típica tragédia adolescente sobre uma rapariga que está a morrer com uma doença rara qualquer que inclusivamente lhe deformou a mão mas que continua a tentar viver a sua vida o melhor que pode, sempre ajudada pela sua mãe que na verdade é a sua melhor amiga.
Um dia, um jovem alguns anos mais velho muda-se para a apartamento de baixo e tudo o que vocês imaginam que vai acontecer acontece.
Inclusivamente, o que seria de uma história de amor sul-coreana sem um twist ? [“…ing”] conta com uma pequena reviravolta algo inconsequente que mais parece ter lá ser metida a martelo porque a fórmula pedia que houvesse uma cena assim e portanto mesmo que lá não estivesse não haveria grande diferença.

Visualmente contém um par de imagens bonitas, mas também não surpreende ou cativa particularmente, talvez porque segue demasiado a própria cartilha de instruções para se criar cenas do estilo e como tal também aqui [“…ing”] não deslumbra.
É um filme estranho. Tem tudo no lugar certo, mas a fórmula desta vez não resulta e não se percebe bem porquê. Pelo menos eu não percebo.
Embora muita gente no Imdb pareça ter chorado baba e ranho com esta história fiquei com a ideia de que [“…ing”] só resultará bastante bem com aquele público que chega agora ao género oriental de histórias de amor em tom fofinho de meter vómito. Sinceramente não acredito que alguém que já tenha visto pelo menos metade das melhores obras que tenho recomendado aqui neste blog dentro deste género, consiga ficar tão impressionado com [“…ing”].

Quem nunca viu uma história de amor oriental e começar por este filme, muito provávelmente irá ficar totalmente fascinado com este romance, pois na verdade é um verdadeiro catálogo de tudo o que é bom no cinema asiático dentro deste género.
Contém suficientes diferenças entre o cinema americano supostamente romântico e o melhor do género oriental e por isso muito provávelmente será um filme surpreendente para que chega agora a este estilo de cinema e estaria convencido de que uma história de amor oriental seria igual ao que se produz de mais plástico em Hollywood.
Talvez tenha sido este o segredo do seu sucesso junto de muita gente, pois provávelmente funcionará bastante bem mesmo em termos emocionais se nunca viram uma história de amor comercial sul-coreana antes.

A protagonista é fantástica, a química entre ela e a actriz que faz de sua mãe é perfeita, tem um par de actores secundários muito engraçados, mas depois há qualquer coisa errada quando se trata da parte romântica, pois pelo menos a mim não me pareceu haver qualquer química entre o casal desta trágica história de amor e para mim essa foi a grande falha de [“…ing”].
Também senti que o argumento é algo paternalista e parece que a todo o instante o realizador e o argumentista nos estão a guiar pela mão indicando quando é a altura de rir, quando devemos chorar, etc. É certo que isto é uma característica comum a este género, mas neste filme senti que a presença do realizador se nota por demais, tentando tornar mais dramática uma história que na verdade nem tem alma suficiente para poder ser mais do que apenas uma tragédia adolescente pré-fabricada.

Não é um mau filme, é uma história de amor interessante com um par de momentos divertidos, mas se chegaram agora a este género há muito melhor por onde deverão começar e poderão muito bem deixar [“…ing”] para quando não tiverem mais nada para ver.
Muita gente fala também maravilhas da banda sonora, mas sinceramente nem me lembro dela para poder deixar aqui qualquer comentário relevante.

——————————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO:

É um filme simpático, uma história de amor interessante mas pouco mais, parecendo uma espécie de equivalente do “Mulan” mas em versão história de amor sul coreana.
Não tem na verdade nada de realmente mau, mas também não tem nada de particularmente cativante e muito menos achei que será tão emocional quanto muita gente achou tendo em conta os comentários do IMDB.
Duas tigelas e meia de noodles por ser uma história de amor interessante e pouco mais pois foi uma dos romances mais banais e sem chama que já me passaram pela frente desde que cheguei a isto do cinema romântico oriental.

noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2emeia.jpg

A favor: não tem nada de verdadeiramente negativo.
Contra: falta-lhe qualquer coisa pois parece ter tudo no lugar certo mas não me provocou qualquer reacção emocional o que é bastante estranho pois não estava nada á espera disto numa história de amor sul-coreana, esforça-se demais por ser fofinho e muito trágico, talvez se note demasiado o esforço do realizador para manipular as emoções do espectador e isso tem exactamente o efeito contrário, o twist é interessante mas totalmente redundante, falta quimica romântica entre os protagonistas apaixonados.

PS: Para quem chega agora a este género romântico oriental, em vez de começar por este filme, recomendo vivamente que espreitem antes os títulos que recomendo no meu TOP DE CINEMA ROMÂNTICO ORIENTAL, por isso sigam o link. 😉

——————————————————————————————————————

NOTAS ADICIONAIS

Trailer
http://www.youtube.com/watch?v=SSN1dAqJJPw

Comprar
http://www.dvdasian.com/_e/Korea/product/18132/_Ing_Special_Edition_Region_3_2_DVD_Set_.htm

Download aqui com legendas em Inglés

IMDB

http://www.imdb.com/title/tt0381838

——————————————————————————————————————

Outros títulos românticos (bem mais) recomendados:

Be With You My Sassy Girl Il Mare The Classic Fly me to Polaris

Love Phobia concerto_capinha_73x cyborg_she_capinha_73x

ditto_capinha_73x midnightsun_capinha my_girl_and_i_minicapinha

——————————————————————————————————————

Quing Ren Jie (A Time to Love) Jianqi Huo (2005) China


Se há coisa que eu já não posso ver mais pela frente são versões do Romeu & Julieta de Shakespeare, onde a conhecida história é por demais repetida até á exaustão em todos os detalhes e mais alguns.
Não consigo perceber para quê tantos autores continuarem a insistir naquela narrativa a esta altura quando já milhares de vezes foi  transformada em tudo e mais alguma coisa, desde filmes do Franco Zefirelli até pornos da Ginger Lynn.

Como tal, quando eu comprei há muitos anos atrás o dvd de [“A Time to Love“] sem saber nada sobre o filme e depois descobri que se tratava da bilionéssima história inspirada por “Romeu & Julieta”, a minha vontade foi a de devolver isto á Play Asia ou trocá-lo por um filme romântico qualquer com o Steven Seagal aos tiros.
Toma lá para não comprares filmes pelo aspecto gráfico da (excelente) capa !
Por isso quando vi esta história pela primeira vez (já que tinha que ser) nem sequer lhe prestei grande atenção.
Ainda por cima eu estava á procura de algo mais no estilo sul-coreano e [“A Time to Love“] tinha uma atmosfera marcadamente chinesa, algo a que eu não estava ainda habituado, pois são estilos muito diferentes dentro do cinema romântico.

Apesar de não me ter causado uma impressão por aí além na altura, surpreendentemente ficou-me na memória e esteve na minha lista de filmes a rever com outros olhos por muito tempo, até ontem.
Ficou-me na memória, não só pela abordagem á história clássica ter-me surpreendido como principalmente algumas das suas bonitas imagens acabaram ficando gravadas na minha imaginação até hoje, pois já na altura o visual do filme me surpreendeu.
Toda a paleta cromática de [“A Time to Love“]  é composta por tons ferrugem contrastando com verde das árvores e tons de sombra intensa o que lhe dá logo desde o início uma estética que nos agarra todos os sentidos pelo seu estilo quase steampunk pois mal o filme começa somos logo transportados para um úniverso único e bastante poético.

E surpresa das surpresas, agora que revi o filme ainda estou para saber o que raio é que foi que não me cativou na altura em que o vi pela primeira vez !
[“A Time to Love“] é um filme absolutamente lindíssimo em muitos aspectos mas se calhar é capaz de não se notar mesmo a uma primeira visão. Especialmente se entrarem com preconceitos anti-Romeu & Julieta como eu entrei nisto anos atrás quando vi o dvd.

Portanto, para começar eu já não me lembrava nada do filme e agora foi como se o tivesse visto pela primeira vez e não podia ter ficado, não só mais surpreendido como também mais satisfeito com o que (re)vi ontem.
Se calhar [“A Time to Love“] poderá ter uma altura certa para ser visto e muito provavelmente funcionará muito melhor com o público adulto do que com pessoas mais novas talvez, com menos experiência de vida ou algo assim. Isto porque pode ser uma história de amor com adolescentes, mas tudo é narrado num tom dramático mais adulto e até teatral, pois este filme tem uma assinatura tão característica que julgo se poderá incluir algures entre o cinema comercial e o dito cinema de autor pela sua abordagem algo intímista.

[“A Time to Love“] como filme é realmente um espectáculo (nem acredito que estou a dizer isto); primeiro, porque consegue pegar não só no tema mas também em alguma da estrutura de Romeu & Julieta e no entanto, milagre dos milagres apresenta-o com uma abordagem realmente refrescante. Conseguindo inclusivamente uma coisa que eu julgava impossível de ser feita…nomeadamente [“A Time to Love“] tem um suspanse romântico de cortar á faca pois até quase literalmente ao último segundo o espectador fica completamente na espectativa de como irá terminar desta vez esta história de amor com o seu final por demais conhecido.
Conseguirão desta vez os dois amantes ficar juntos ?
Apenas lhes posso dizer que o final de [“A Time to Love“] é extraordináriamente simples mas muito poderoso em termos de emoção e não lhes digo mais nada, pois o trabalho da actriz protagonista no último enquadramento visual desta história vai deixar-vos totalmente cativados e emocionados de uma forma que ainda não tinha visto num filme oriental.
Adorei o final deste filme.

E já que falo na actriz principal, nunca pensei que esta rapariga fosse tão incrivel. Estava habituado a vê-la em produções bem mais comerciais essencialmente em papeis de muita acção (“Warriors of Heaven & Earth”  –  “So Close“) e nem sequer pensava que ela seria capaz de carregar ás costas metade de um filme como [“A Time to Love“], onde bem mais que apenas uma história de amor ao estilo habitual oriental, é acima de tudo um drama bem mais complexo que se centra apenas numa história de amor impossível, (quase uma tragédia na verdade, sempre a piscar o olho a Shakespeare).

Tanto ela, como o seu co-protagonista masculino brilham neste drama.
Irão encontrar em [“A Time to Love“] um dos pares românticos com mais carísma que apareceu até hoje dentro deste estilo de histórias de amor orientais. A química entre os dois actores é total e enquanto espectadores a partir de certa altura esquecemo-nos por completo que estamos a ver um filme pois deixamo-nos levar por aqueles dois personagens até ao desenlace final desta história. Uma história que surpreendentemente de forma tão cativante consegue dar-nos um Romeu & Julieta com suspanse suficiente para nos fazer roer as almofadas até ao último segundo (sem parecer que está a fazer qualquer coisa de importante sequer), o que já é por si só uma boa característica para algo que seria á partida totalmente previsível.
Usa inclusivamente o próprio livro com a peça de Romeu & Julieta original para nos garantir que [“A Time to Love“]  é Romeu & Julieta por mais do que uma vez. O que é bom para confundir o espectador.

Não pensem no entanto, que [“A Time to Love“] é um filme romântico oriental ao estilo que estão habituados, se virem por exemplo produtos sul-coreanos ou japoneses.
Uma das características da maior parte dos dramas românticos chineses está no facto deste país preocupar-se mais com uma história de amor enquanto objecto dramático dentro daquele aspecto teatral mais sério e menos com a ligeireza do estilo narrativo. Por isso, [“A Time to Love“] é um filme sem pressas. Embora tenha um ritmo narrativo sempre constante, muitas vezes conta a sua história não por palavras mas por ambientes, imagens atmosferas e silêncios. Um pouco talvez como “Il Mare” o fez e com um tom melancólico semelhante, embora um pouco mais triste neste caso devido á carga trágica da própria base da história.

E por falar em silêncios, [“A Time to Love“] tem dois momentos absolutamente fantásticos na minha opinião que jogam precisamente com o silêncio para criar uma intensidade de emoções espectacular e que nos faz entrar em total empatia com o casal de apaixonados desta história.
É certo que o filme vai aos poucos trabalhando a carga emotiva sem o espectador notar, tanto na criação de ambientes como também pelo que não mostra e como tal quando surge um dos momentos mais bonitos a meio do filme, nem sequer precisa colocar os actores com qualquer diálogo para a cena romântica resultar com uma força incrível.

Falo particularmente de uma breve e pequenina cena a meio do filme, em que o rapaz e a rapariga estão de ambos os lados de uma vedação de arame e onde sem palavras o realizador consegue transmitir uma carga romântica não só totalmente natural como acima de tudo cria um momento emocional fantástico apenas recorrendo ao toque das mãos, a silêncios e a olhares breves para nos transmitir tudo o que os personagens sentem.

A segunda cena semelhante tem a ver com os segundos finais da história, mas de que não posso aqui falar porque lhes estragaria o suspanse todo e vocês ficariam a saber se [“A Time to Love“] acaba como a peça que lhe deu inspiração ou não. Apenas lhes garanto que se chegarem até aos momentos finais desta história totalmente cativados pelo destino dos personagens até se vão passar com o trabalho da actriz nos momentos finais onde apenas com um olhar concluiu tudo o que havia para concluir e proporciona ao espectador um momento final daqueles que os fará não esquecer este filme tão cedo se gostarem tanto dele quanto eu gostei desta segunda vez que o vi.
Não esperem é explicações de bandeja ao estilo, – “o que aconteceu foi…” – porque isto não é um filme desses.

[“A Time to Love“] é uma daquelas raras histórias de amor em cinema que resultam plenamente do trabalho não só dos actores principais mas também das interpretações de um elenco poderoso em termos dramáticos. Não sei se este pessoal será tudo actores de teatro mas todos os personagens nesta história são fascinantes e irão tocar-lhes emocionalmente em muitos aspectos surpreendentes.
Juntem a isto uma realização fantástica e têm todos os ingredientes para gostarem também muito deste filme se procuram por outra boa história de amor e já espreitaram tudo o que tenho recomendado neste blog.

Em termos visuais, [“A Time to Love“] é um dos filmes mais poéticos que me passaram pela frente em muito tempo dentro deste género estético.
Para começar a fotografia é incrível e vão encontrar aqui imagens absolutamente notáveis pois este é mais um daqueles filmes em que vão querer fazer pausa a todo o instante só para apreciar as pinturas de luz e sombra que ele contém practicamente em todo e qualquer frame.
Não só os ambientes são depois também fascinantes como está carregado de texturas e pormenores por todo o lado, tornando-o num filme totalmente obrigatório também para quem gosta muito de rever um filme muitas vezes só para curtir os pormenores. Pode ser uma sombra, pode ser uma textura, uma luz, uma cor, ou uma paisagem, mas garanto-vos que mesmo que nem gostem muito do género, visualmente vão achar este filme uma pequena joia perdida que importa descobrir em termos visuais quanto antes.

Não faço ideia se a arquitectura presente em [“A Time to Love“] existe mesmo ou se isto serão cenários criados para o filme. De qualquer forma, esta obra conta com espaços arquitectónicos fascinantemente poéticos que vão adorar contemplar ao longo da história. Desde, fábricas abandonadas, a prédios em decadência, passando por ruas e becos fabris, tudo aquilo que poderia parecer um ambiente deprimente é transformado num mundo quase mágico, parecendo por momentos saído de um verdadeiro conto de fadas ou de um filme de Fantasia.
[“A Time to Love“] quanto mais não seja, é um filme para contemplar, por muitos e bons motivos. Vão por mim, é fantástico visualmente.

Recomendo este filme a toda a gente que já espreitou tudo o que tenho apresentado no blog dentro do estilo romântico, ou então como contraponto a histórias de amor mais comerciais.
Não é que [“A Time to Love“] não seja comercial, mas o seu estilo muito chinês, intensamente dramático e bastante introspectivo em alguns momentos poderá talvez tornar-se algo chato ou arrastado para o pessoal que não gosta de coisas mais pausadas.

[“A Time to Love“] é um filme que demora o seu tempo e muitas vezes conta a sua história mais por olhares e silêncios do que por palavras e isto poderá afastar algum público.
O facto de ser uma história muito triste mesmo apesar de todo o ambiente poético, poderá afastar quem procurar um daqueles filmes totalmente –feel good– pois este usa a própria tristeza e melancolia para criar grandes incertezas no espectador sobre o desenlace da história. Nesse aspecto não poderia resultar melhor, mas ao mesmo tempo é um filme com uma carga algo deprimente por breves momentos a fazer lembrar o muito poético mas algo triste “The Floating Landscape” ; curiosamente outra produção chinesa.

Posto isto, se quiserem ver um filme muito bonito e diferente do habitual neste género tão estereotipado, se calhar [“A Time to Love“] é um título  a terem em conta. E se não gostarem á primeira, dêem-lhe segunda oportunidade, pois ainda acabam a gostar tanto dele quanto eu gosto agora.

——————————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO:

Estava tentado a atribuir a [“A Time to Love“] apenas cinco tigelas de noodles por ser realmente excelente.
Mas a verdade é que agora que o revi, este filme não me sai da cabeça e apetece-me vê-lo novamente em vez de ir espreitar outra coisa nova qualquer, por isso se calhar será justo dar-lhe a minha classificação máxima deste blog, pois de outra forma estaria a enganar-me a mim próprio se não lhe desse também um Golden Award.
Quanto mais não seja pelo trabalho dos actores, pela fotografia do filme e por ter conseguido criar suspanse na história de Romeu & Julieta, o que é obra !
Cinco tigelas de noodles e um Golden Award por muitos e variados motivos.

noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg gold-award.jpg

A favor: o trabalho dos actores, o par protagonista tem uma química no ecrã fantástica e um desempenho totalmente cativante, esquecemo-nos que estamos a ver um filme o que não poderia ser melhor elogio, consegue o feito notável de recriar a velha história de Romeu & Julieta numa china moderna desencantada mas muito poética e fá-lo com total suspanse romântico até ao último olhar da protagonísta, a fotografia é fabulosa, os cenários são lindissimos e em muitos momentos parece que tudo se passa num qualquer mundo de fantasia encantada, mais do que uma história de amor comercial normal  é um drama intenso e duro por vezes, a cena da vedação de arame mesmo durando menos de um minuto é memorável, idem para o desempenho da actriz nos segundos finais da história onde só com o olhar nos transmite toda uma vida, muita poesia visual, o tom intimista e o excelente trabalho do realizador que alterna os momentos mais intimistas com os mais tragicos ou românticos de uma forma totalmente orgânica e bastante natural, nem vão notar a banda sonora mas esta vai entrar-lhes pela alma nos melhores momentos.
Contra: é mais um drama generalizado do que uma história de amor especificamente por isso não esperem o estilo fofinho oriental dos filmes japoneses porque este é chinés mesmo, pode parecer menos comercial do que na realidade é e algum público poderá não ficar particularmente cativado, Romeo & Julieta again…and again…and again…

——————————————————————————————————————

NOTAS ADICIONAIS

Trailer
http://www.youtube.com/watch?v=3NaS55XOylw

Videoclip 1
Embora curiosamente a música não faça parte do filme, pois foi criada para a promoção. Aposto que foi para dar um ambiente mais comercial á obra pois esta é na verdade bastante intimista e não tão comercial como aparenta aqui.
http://www.youtube.com/watch?v=y3TNcyS-IWw&feature=related

Videoclip 2
Este com uma das músicas que entra no filme e com a particularidade de ser um videoclip com dezenas de cenas cortadas que não aparecem no próprio filme, o que só demonstra que devem ter filmado pilhas de coisas que ficaram de fora e só é pena muitas destas cenas não estarem como deleted scenes no dvd porque parecem cheias de atmosfera também.
http://www.youtube.com/watch?v=krChsULuIbM&feature=related

Comprar
http://www.fivestarlaser.com/movies/13766.html

Download aqui com legendas em Inglés.

IMDB

http://www.imdb.com/title/tt0450099/

——————————————————————————————————————

Outros títulos semelhantes de que poderá gostar:

concerto_capinha_73x 

Be With You My Sassy Girl Il Mare The Classic Love Phobia

 Fly me to Polaris cyborg_she_capinha_73x

——————————————————————————————————————