Journey to the West: Conquering the demons (Xi you xiang mo pian) Stephen Chow/Chi-kin Kwok (2013) China


Ora nem de propósito; ainda no post anterior falei de “The Monkey King 2” e eis que agora vou voltar a falar de mais uma adaptação da saga literária chinesa -Journey to the West.
Desta vez : [“Journey to the West: Conquering the demons”].

Journey to the west_01

Podem saber mais sobre este texto clássico da literatura chinesa se lerem as minhas reviews de “A Chinese Tall Story“; “Monkey King” ou “The Monkey King 2” por isso não irei repetir agora o que já mencionei anteriormente. [“Journey to the West: Conquering the demons”] é mais uma versão de -Journey to the West- e quase outro reboot da origem da história mais famosa. Imaginem que Hollywood faz uns dez filmes com a origem do Homem Aranha; [“Journey to the West: Conquering the demons”] é quase o equivalente a mais outro “reboot”. Desta vez em tom de comédia.

Journey to the west_19

Na verdade “reboot” não será própriamente o termo aqui, até porque este texto clássico presta-se às mais variadas interpretações visuais e portanto desta vez [“Journey to the West: Conquering the demons”] é apenas mais uma variação da história que esteve na origem da parte mais famosa. Uma espécie de prequela, digamos. Mais ou menos.
Tudo o que envolve a saga -Journey to the West- para o público ocidental pode ser um bocado confuso, isto porque é um texto intensamente chinês e carregado de simbolísmos que nenhum de nós fora da China pode chegar um dia a compreender ou sequer a reconhecer.

Journey to the west_21

Talvez seja logo esse o problema desta comédia. Tenho lido que este filme parecerá bem mais cómico para o público chinês do que para o resto do mundo, pois enquanto nós só nos podemos divertir com os visuais malucos e as cenas de acção cartoon, quem está por dentro de todas a referências culturais associadas à cultura chinesa e em especial a -Journey to the West- irá, dizem, conseguir usufruir muito mais de [“Journey to the West: Conquering the demons”].

Journey to the west_02

Há um pequeno número de realizadores orientais de que eu não gosto absolutamente nada. Já vi vários filmes de alguns e nem sequer me dei ao trabalho de comentar por aqui no blog porque simplesmente não tenho mais pachorra para o cinema de certos autores. Outros, como Tsuy Hark já tenho comentado por aqui alguns títulos embora esteja no topo da minha lista negra de realizadores a evitar (mas de quem acabo sempre por voltar a ver (e até comprar) qualquer coisa, por masoquismo talvez).
Restam ainda alguns realizadores que eu simplesmente ainda nem sei o que acho do cinema deles. No topo dessa lista está Stephen Chow.

Journey to the west_07

Stephen Chow para quem não sabe é um dos mais conceituados realizadores chineses; daqueles que inclusivamente são denominados de génios (tanto pela crítica local, como por arrasto pela crítica ocidental).
Consta que Chow será um génio da comédia; o equivalente ao Mel Brooks aqui por estas bandas em termos de reverência da crítica e não há nada que ele não filme que não seja imediatamente apelidado de comédia de génio. Um pouco como sempre aconteceu com Brooks por cá, que sinceramente é outro que eu não entendo de todo pois curiosamente sempre achei que o seu humor cinematográfico sofre exactamente do mesmo tipo de problemas que eu encontro no cinema de Chow.
Pessoalmente sempre achei os filmes dele chatos como o raio. O que não deixa de ser estranho.
É que o cinema de Stephen Chow até parece bem divertido. Todos os filmes são ultra-comerciais, não são mínimamente pretenciosos sequer, estão cheios de cenas de acção muito imaginativas e cada título raramente se repete em termos de história.
Então qual é o meu problema com o cinema dele ?!

Journey to the west_22

[“Journey to the West: Conquering the demons”] exemplifica muito bem tudo o que há de errado com os filmes de Chow, porque mais uma vez repete exactamente os mesmos problemas. Embora este filme seja para mim o mais divertido pois, estranhamente foi o único que não me apeteceu desligar a meio.
[“Journey to the West: Conquering the demons”] consegue ter momentos absolutamente brilhantes com gags hilariantes muito divertidos e ao mesmo tempo arrastar-se por demais em cenas de diálogo “humorístico” que parecem nunca mais acabar.
Resumidamente é este sempre o mesmo problema no cinema de Stephen Chow.
Há um desiquilibrio enorme entre os bons momentos e os maus momentos.

Journey to the west_09

O que é bom é para lá de excelente. O que não é bom, não só é desinteressante como o raio, não tem graça como parece durar para sempre até que apareça a próxima cena realmente divertida. O problema é que entre o que é excelente e o que não resulta de todo não há nada pelo meio. O que quanto a mim encalha todo o ritmo dos filmes de Stephen Chow; isto porque estamos divertidamente a acompanhar o desenvolvimento de uma história ou a acompanhar uma sequência de acção para depois o filme logo a seguir parar por completo e lá temos que levar novamente com mais uns intermináveis minutos de “diálogos humorísticos” entre -personagens-tipo- que no estilo Stephen Chow são sempre o mesmo personagem em jeito slapstick-comedy.

Journey to the west_08

Aliás muita da nossa iluminada crítica ocidental gosta de comparar Stephen Chow a Chaplin ou a Buster Keaton pela sua comédia física e nesse aspecto não penso que a comparação seja por aí além exagerada, pois este realizador é realmente muito bom e inovador no que toca à parte fisíca dos seus filmes. O problema está na quebra de ritmo e no fraco desenvolvimento da maioria dos personagens das suas histórias,. Os personagens estão normalmente nos seus filmes ou para serem estúpidos ou para serem estúpidos e levar porrada. E esta fórmula é sempre a mesma. Viram [“Journey to the West: Conquering the demons”], já viram todos os filmes de Chow, porque são todos iguais.

Journey to the west_05

Há anos atrás quando comecei a ver cinema oriental, atraído pelas críticas brutais que consideravam “Kung-Fu Hussle (Kung-Fu-Zão em Portugal)” uma comédia de génio, lá comprei o dvd sem ver o filme primeiro e foi o meu primeiro choque com o cinema de Stephen Chow. Tal como agora em [“Journey to the West: Conquering the demons”] e também nos seus outros filmes, também “Kung-Fu-Hussle” sofre mesmo problema; cenas de acção em total modo histérico num estilo cartoon da Warner Bros mas envolvendo personagens com que não nos importamos de todo, o que logo torna todas as cenas de acção um vazio absoluto e as faz ficar cada vez mais chatas; especialmente se como é habitual no cinema de Chow estas se alongam por demasiado tempo sempre a mostrar o mesmo; ou pior, o mesmo tipo de “piada” (que chega a repetir-se em todos os filmes por exemplo).

Journey to the west_24

[“Journey to the West: Conquering the demons”] é o primeiro filme em que Chow apenas está atrás da cameras. Normalmente ele realiza e interpreta sempre o personagem principal. Desta vez apenas realiza.
Apesar de ser mais um Stephen Chow, desta vez achei bastante piada ao conjunto geral e não fosse apenas ter voltado aos mesmos encalhes de sempre, este seria um título que eu recomendaria vivamente, até como filme de fantasia.

Journey to the west_26

O ambiente visual como sempre é excelente, os cenários são muito elaborados e desta vez há uma boa variedade de locais nesta aventura de fantasia.
A história tem também algumas cenas de acção fantásticamente divertidas, com destaque para a cena do combate contra o monstro marinho ao início que para mim deveria ter sido colocada no final da história pois é definitivamente a melhor parte do filme todo em termos de suspense e aventura; com muita comédia física plenamente conseguida à mistura.

Journey to the west_11

O monstro marinho do ínicio deve ser também o melhor demónio aquático de todos os tempos e toda a sequência é totalmente cativante.
Pena é que depois o filme entre pelo modo do costume e lá temos que levar com algum humor “histérico” ou então as cenas de desenvolvimento de personagens não resultam porque parecem pertencer a um outro tipo de filme.

Journey to the west_10

Depois de uma cena de acção novamente algo longa e repetitiva com muito “humor” forçado à mistura, [“Journey to the West: Conquering the demons”] mais ou menos pelo meio parece que finalmente vai se tornar num filme fantástico; (até eu me preparava para lhe dar uma grande nota); isto porque a meio da história ficamos a conhecer um novo grupo de herois absolutamente perfeito. É nesta parte que o filme acerta em cheio nos gags e há um par de piadas com sangue absolutamente clássicas.

Journey to the west_16

Aparecem novos personagens e cada um é melhor que o outro, com destaque para o caçador de demónios ultra-convencido que tem dos melhores diálogos da aventura quando entra em choque com as suas empregadas que o transportam por todo o lado por exemplo.
Depois, toda a aventura entra por uma espécie de registo steampunk quando a acção envolve a carruagem do bando de herois e ficamos com a sensação de que [“Journey to the West: Conquering the demons”] depois daquilo não pode falhar.
Mas falha.

Journey to the west_23

Falha porque mais uma vez, depois de nos dar momentos verdadeiramente cativantes, hilariantes e emocionantes, depois ignora tudo o que construiu na última meia hora de filme. Alguns personagens que conhecemos anteriormente  são simplesmente abandonados não servindo para nada ,(o do gag do sangue poderia ter sido genial); outros são apenas usados como bonecos ao estilo Power Rangers para a cena de acção final no combate contra o Monkey King.

Journey to the west_14

A última meia hora não só não tem graça, como não tem qualquer interesse. A parte com o Monkey King na montanha é um vazio interminável com cenas de “diálogo humorístico” que nunca mais acabam (e um número de dança) tudo filmado num pequeno set sem qualquer piada durante demasiado tempo. Prevísivel, arrastado e chato.
Depois a batalha contra o Monkey King também não tem piada pois já vimos aquilo antes e não há qualquer tensão. Para agravar ainda mais as coisas, esta versão do Monkey King ainda conseguiu ser mais irritante que a versão do filme “The Monkey King” de 2014 , o que é obra !!

Journey to the west_04

Salva-se o final da história que entra pela parte clássica onde Buda ordena ao Rei Macaco que siga o monge na sua demanda em busca dos manuscritos sagrados do Budismo e que liga [“Journey to the West: Conquering the demons”] a todas as outras adaptações deste texto.
[“Journey to the West: Conquering the demons”] é claramente um filme de temática Budista como não podia deixar de ser. Se calhar não se nota á primeira vista, mas é quase um filme de propaganda para essa filosofia como são muitas das aventuras saidas do -Journey to the West- pois afinal estamos a falar de um texto clássico de cariz filosófico e muito religioso.

Journey to the west_15

Se isto fosse um filme ocidental seria algo muito assente na Bíblia, um pouco à semelhança do que os filmes de Narnia são no que toca a referências cristãs por demais ao longo de todas as histórias. Os filmes -Journey to the West- são o seu equivalente dentro da fantasia oriental.
Deste vez acompanhamos o desgraçado monge despenteado que aspira a encontrar a –Iluminação- para entrar em comunhão com Buda mas acha que o seu caminho é através da caça aos demónios. Apesar de não ter grande talento para caçador de demónios acaba por encontrar pelo caminho mais colegas do ramo a quem se junta e de demónio em demónio irá chegar até Buda conhecendo o amor pelo caminho quando encontra  a divertida caçadora de demónios que em estilo maria-rapaz também não tem muito jeito para ser feminina.

Journey to the west_03

E porque isto já vai longo, como filme de fantasia em tom humorístico vale a pena ser visto. Tem muitos problemas de estrutura narrativa como de costume no cinema deste realizador, mas também tem muita coisa boa. Portanto se procuram uma aventura de fantasia ligeira com alguns gags geniais pelo meio e o melhor monstro marinho de sempre este título é um filme a ver concerteza.

——————————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO:

Na verdade [“Journey to the West: Conquering the demons”] não é um mau filme. Se não sofresse dos mesmos problemas que todos os filmes de Stephen Chow sofrem poderia ter sido tão bom quanto “Monkey King 2” e seria a alternativa humorística perfeita a uma versão série de -Journey to the West-; o problema é que continua a sofrer dos tiques do costume no cinema deste realizador.

Journey to the west_17

Se conseguirem passar para lá desses pormenores, este é um filme de fantasia que vale a pena ver. As partes divertidas são excelentes e só é pena o filme não manter sempre o mesmo tom.
Três tigelas e meia de noodles. Muito bom, mas é uma espécie de grande comédia falhada que fica a meio termo de todo o potencial que tinha.

noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2emeia.jpg

A favor: boas cenas de acção em estilo cartoon, o melhor monstro do lago de todos os tempos, o início é muito divertido, contém alguns gags hilariantes, tem um par de personagens muito bons, bom design e bons efeitos especiais de uma forma geral.
Contra: ou tem momentos muito divertidos ou tem monentos muito aborrecidos, desperdiça por completo quase todos os personagens, tem cenas demasiado longas, tem momentos “musicais” ridículos, a parte com o Monkey King na montanha é uma seca sem graça nenhuma, a última meia hora é um desperdício pois nem tem piada nem tem interesse ou qualquer suspanse.

——————————————————————————————————————

TRAILER

IMDB
http://www.imdb.com/title/tt2017561

——————————————————————————————————————

Se gostou deste irá gostar de:

A Chinese Tall Story capinha_Themonkeyking capinha_the monkey king 2

——————————————————————————————————————

Cinema_oriental_no_facebook

 

Monk comes down the mountain (Dao shi xia shan) Chen Kaige (2015) China


De vez em quando aparecem-me filmes de que me esforço tanto por gostar que depois se torna absolutamente frustrante ter que reconhecer que são um verdadeiro desastre. E pior ainda, não se entende bem porquê.

monk02

Nem de propósito, ainda no post anterior tinha acabado de falar sobre um dos meus filmes de fantasia favoritos “The Promise” e recomendado a sua edição em Blu-Ray, quando minutos depois me caiu de pára-quedas este título, [“Monk comes down the mountain“], o mais recente filme  precisamente do mesmo realizador.

monk21

Após uns cinco minutos iniciais com uma cena de pancadaria muito divertida, após um genérico cheio de atmosfera (excelentes enquadramentos) e paisagens fantásticas e após uma primeira meia hora inicial onde parecia que [“Monk comes down the mountain“] tinha tudo para ser uma boa história de artes-marciais num estilo quase conto de fadas urbano, eis que de repente tudo descamba num dos títulos mais desperdiçados que me lembro de ter encontrado em muitos anos.
Desta vez até concordo em absoluto com os dois comentários postados no site do imdb.
[“Monk comes down the mountain“] é um falhanço absoluto e tinha tudo para vir a ser um triunfo.

monk19

Para começar visualmente tem momentos fabulosos. Não só em termos de paisagens, como na composição de muitos enquadramentos; excelente fotografia e uma cenografia verdadeiramente inspirada principalmente na primeira meia hora que nos transporta imediatamente para uma espécie de China encantada por volta de 1920 e nos garante a todos os nossos sentidos que [“Monk comes down the mountain“] vai ser um espectáculo.

monk10

Depois tira-nos o tapete debaixo do pés e levamos com uma hora e meia final que não se entende de todo, com muito pouco de positivo e muito pouco a ver com o filme que parecia ser no início.
A história desperdiça por completo um personagem principal excelente e cheio de carísma e parece quase inacreditável. O actor principal é a razão porque vale a pena continuar a acompanhar a coisa até ao fim. Dá mesmo vida ao personagem, tem muito carisma e todo os melhores momentos são dele.
[“Monk comes down the mountain“] poderia ser genial porque tem uma coisa que à partida parecia ser excelente. Verdade seja dita, este é mesmo um daqueles filmes em que não fazemos qualquer ideia do que irá acontecer a seguir.

monk16

Não porque a história seja confusa ou inesperada no seu rumo dentro de um contexto narrativo concreto, mas porque o argumento de [“Monk comes down the mountain“] parece não fazer ideia de qual o caminho que irá seguir na próxima cena sequer !
Em termos de dinâmica narrativa chega a ser bastante confuso, pois a história avança várias vezes no tempo e o espectador nem repara que passaram alguns meses ou anos desde a última cena. Só minutos depois percebemos onde estamos porque acontece algo que nos obriga a tentar localizar tudo o que vemos no que está a acontecer depois. E enquanto estamos a pensar nisso, damos por nós a não reparar no que está a suceder no momento.

monk14

[“Monk comes down the mountain“] básicamente é um filme sobre sexo, vassouras e kung-fu.
Na verdade pretende ser uma espécie de história filosófica muito profunda indo buscar conceitos espirituais a várias tradições da filosofia  chinesa, só que a forma como apresenta toda essa vertente é tão atabalhoada que a partir de certa altura parece que nos está constantemente a atirar com filosofia new age de cordel para tentar ser cinema profundo quando se calhar deveria estar a entreter-nos.

monk11

Em muitas alturas pareceu-me que o filme pretendia ser uma espécie de versão ligeira de “The Grandmaster” de Wong Kar Way, esse sim um filme que acerta em cheio na forma como liga a tradição filosófica oriental á própria cultura do Kung-Fu enquanto tradição espiritual. [“Monk comes down the mountain“] parece ser uma espécie de versão pimba de “The Grandmaster” em muitos momentos. Não só pelo paleio que aqui não resulta por parecer pseudo-filosofia impingida à força, mas também em muitos momentos das cenas de acção que se assemelham mais a recriações “divertidas” das cenas de luta de IP Man no filme de Wong Kar Way do que a qualquer tentativa de criar algo com uma identidade original.

monk15

[“Monk comes down the mountain“] começa por ser a história de um jovem monge que sempre viveu num mosteiro desde que foi abandonado à porta quando era bébé e que um dia … é convidado a sair, para se fazer à vida e ir conhecer o mundo exterior.
O início da história é muito cativante e tudo indica que o filme vai ser realmente bom.
O monge chega à grande cidade pela primeira vez e logo faz amizade com um velho cirurgião de medicina ocidental depois de uma divertida sequência de perseguição pela cidade. O seu novo amigo, também tinha um dia sido um monge mas escolheu abandonar a vida religiosa por causa de … sexo. O coitado não aguentava estar todo o dia no templo a ver passar tanta mulher gostosa e resolveu abandonar tudo para se casar com uma bela jovem.
Até aqui tudo bem.

monk08

A história prossegue;  o jovem monge vai trabalhar para casa do médico e logo descobre que a mulher deste tem um jovem amante, precisamente o irmão mais novo do senhor e que é uma espécie de besta quadrada que tenta fazer tudo para ficar com a fortuna do irmão mais velho.
É neste segmento que se sucedem as melhores cenas do filme. A narrativa é divertida, o ambiente é um espectáculo (os detalhes da cenografia e guarda roupa são impecáveis) e nada fazia prever que [“Monk comes down the mountain“] iria afundar-se dali a minutos no final desse segmento.

monk07

E quando digo segmento, quero mesmo dizer -segmento-. [“Monk comes down the mountain“] está incrivelmente fracturado e parece ser uma espécie de colagem de vários outros filmes que por qualquer motivo não ligam de todo uns com os outros.
Após o excelente início, (inclusivamente depois de uma cena com um visual cgi inspirado passada debaixo de água), de repente o filme muda de registro e perde todo o sentido visual épico, passando essencialmente a ser uma história de interiores onde tudo gira ao redor de uma antiga rivalidade entre facções de mestres de Kung-Fu e é aqui que o filme entra pelos territórios mais parvos e sem qualquer nexo. Saltos narrativos para cenas de guerra incluidos…espectaculares mas … porquê ?!

monk12

Não quero revelar muito, porque mesmo assim ainda acho que vale a pena espreitarem isto. Quanto mais não seja pela originalidade que resulta de toda esta mistura. Uma mistura que só não funciona, porque primeiro a história de kung-fu não se decide se quer ser cinema de acção ou impingir filosofia de pacotilha ao espectador através de diálogos inenarráveis;  debitados por personagens absolutamente vazios, ou antipáticos como o raio sem qualquer razão aparente.
Pior ainda é quando tenta entrar pela comédia de acção pois não tem graça (ver a cena da droga).

monk09

E por falar em acção, mais uma vez o trabalho acrobático de fios em [“Monk comes down the mountain“] é tão bom quanto já tinha sido em “The Promise“, o problema aqui é que todas as cenas de kung-fu ou são tão over-the-top e exageradamente histéricas que perdem toda a tensão, ou então são repetitivas como o raio e lá para o fim já não temos mais pachorra para ver tanta gente anónima a voar pelos ares pendurados por fios invisiveis.

monk13

Tal como acontece naqueles filmes de super herois irritantes onde há tanto cgi nas cenas de luta que tudo acaba por se tornar absolutamente desinteressante, também em [“Monk comes down the mountain“] tanta gente pendurada por fios em lutas prácticamente idênticas a todo o instante  acaba por eliminar por completo todo o interesse que as cenas de acção deveriam manter.

monk04

Por outro lado a acção só se tornaria interessante se nos preocupassemos com os personagens e neste filme tirando o heroi que é excelente (e os personagens do primeiro segmento), de resto não há por aqui nenhuma pessoa com que nos importemos.
Até porque nenhum tem grande lógica. Uns aparecem para morrer apenas, outros não têm personalidade ou motivação para serem “filosóficos” a martelo, outros são simplesmente aborrecidos.

monk05

Os mafiosos são ridiculos, anónimos ou estereotipados para além de serem unidimensionais como o raio e “filosóficos” por demais; o mesmo vale para os supostos mestres do Kung-Fu que têm o carisma de uma pedra e a personalidade de um cepo ou então são antipáticos ao ponto de lhes querermos enfiar um murro nós próprios (o monge budista). Tudo isto afunda por demais um filme que merecia ter tido melhor sorte.

monk06

Isto porque tudo o que faz bem, acerta totalmente em cheio. O problema é que tudo o que faz mal é realmente insuportável e pior, torna o filme chato como o raio porque se torna absolutamente desinteressante. E então se viram “The Grandmaster” e gostaram do filme de Wong Kar Way não vão conseguir deixar de comparar os dois filmes por muito diferentes que estes sejam ou estúpida que seja a comparação.

——————————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO:

Ignorem o trailer. O filme parece muito divertido na apresentação mas não se deixem enganar, porque o tom  desta história é bem diferente e muito mais caótico.
O que raio se passou com [“Monk comes down the mountain“] ?!
Depois de “The Promise”, o mesmo realizador faz uma coisa destas por que razão ?
Este filme tinha tudo para ser um dos filmes de fantasia mais originais dentro de um registo de Kung-Fu e no entanto desperdiça todas as cenas, até mesmo as cenas de kung-fu !!
Infelizmente ao contrário de “The Promise” não me parece que vá rever este filme tão cedo na minha vida. Uma vez chega. E este não vou comprar em Blu-Ray de certeza.

monk03

Duas tigelas de noodles e meia. É interessante, vale a pena ser visto uma vez pelo que tem de positivo mas depois passem à frente.
Uma decepção.

noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2emeia.jpg

A favor: alguns momentos visuais são do melhor, a primeira meia hora é tudo o que o resto do filme deveria ter continuado a ser, o protagonista/actor principal é excelente e muito carismático, excelente fotografia, um par de lutas kung-fu em estilo voador bastante divertidas.
Contra: depois da primeira meia hora o filme muda de registo, há um excesso de fragmentação nesta história que não se entende, personagens totalmente desinteressantes ou antipáticos na sua maioria, excesso de lutas anónimas onde se pontapeia em estilo cartoon hordas de vilões que aparecem de todos os lados só porque sim, está cheio de filosofia de pacotilha do pior, não cria qualquer ligação emocional com o espectador a não ser que o aborrecimento de morte seja uma boa emoção.

——————————————————————————————————————

TRAILER

 

IMDB
http://www.imdb.com/title/tt3594826
——————————————————————————————————————

Filme semelhante de que poderá gostar:

capinha_grandmaster

——————————————————————————————————————
Cinema_oriental_no_facebook

The Promise – Edições BluRay – Qual comprar ?


Faço aqui mais um breve intervalo nas reviews para lhes falar sobre a edição Blu-Ray de [“The Promise”], um dos meus filmes de fantasia favoritos e que recomendo vivamente a quem gosta do estilo conto de fadas chinês.

The Promise (2005)
Ultimamente tenho recebido questões sobre este título pois muita gente parece algo confusa com o que se passa. E com razão.
Até quem procura por este filme na pirataria acaba por se dar mal e não sacar o verdadeiro título mesmo em torrents que o partilham. Por um  simples motivo.

[“The Promise”] é o típico exemplo de mais um título oriental que foi distribuído nos estados unidos mas numa versão completamente mutilada.
E se foi distribuído nos estados unidos, naturalmente é esta a edição lançada na europa.

Tal como aconteceu anos atrás com outro dos meus filmes favoritos de todos os tempos, o fabuloso “The Big Blue/Le Grand Bleu” de Luc Besson, que para ser distribuído na américa (e pela américa) foi obrigado por contrato a ser reduzido, remontado, teve um final ligeiramente alterado (para um final “feliz”) e ainda por cima toda a banda sonora original de Eric Serra foi substituida por música New Age de um tal guru americano chamado Conti;  (senão nunca seria divulgado pela poderosa máquina do marketing de hollywood) ; e tal como ia acontecendo novamente com “Snowpiercer” também recentemente não fosse o realizador ter colocado um travão à brincadeira e recusado as exigências do estúdio americano antes do estrago ser feito pois Hollywood queria distribuir o filme nas salas, mas teria de ser numa versão menor, com inúmeros cortes e mudanças radicais na estrutura original;  também [“The Promise”] tem duas versões muito distintas no mercado dependendo do lado do mundo em que vocês habitem.

Existe este [“The Promise”] que está distribuído no ocidente (em região A e região B (USA e Europa)) e que é a versão mais comentada (e arrassada) no IMDB pela maioria dos utilizadores fora da Ásia com alguma razão.

the promise - br-ocidentalEsqueçam essa !  Não comprem o blu-ray com a capa acima.
Felizmente temos depois a (verdadeira) versão original; integral, bem maior que os míseros 90 minutos da versão “americanizada” mas que muita gente nunca viu pois só esteve disponível no mercado oriental de dvd (numa edição excelente cheia de extras (há muito esgotada)); mas que nunca chegou ao mainstream ocidental (muito menos ao mercado português) ; (apesar de ter sido essa a versão apresentada em festivais de cinema e também a versão que foi candidata a Óscar de melhor filme estrangeiro no ano em que estreou, facto que curiosamente passou completamente despercebido a toda a gente).

The-Promise-2005-Movie-Poster-Two

Pois bem, agora que o Blu-Ray anda por aí, deixem-me dizer-vos que se nunca viram este filme, o Blu-Ray é definitivamente a versão a ver.
Não é a melhor edição do mundo mas quando comparada com a edição dvd que já existia (tanto para a versão americana como para a versão original), a mais recente edição de Hong Kong é de uma evolução impressionante, especialmente a nível de imagem.
Estranhamente ainda conta com algum grão, mas a verdade é que num filme que depende tanto de imagens magnificas com paisagens de fantasia absolutamente de tirar o fôlego, ver [“The Promise”] de uma qualquer outra maneira que não seja numa cópia em Blu-Ray (e no maior ecran possível, já agora) para mim não faz qualquer sentido. Muito menos é um filme para se ver num pequeno ecran de computador.

the-promise

Este é um daqueles títulos para o qual o formato do Blu-Ray foi inventado sem qualquer sombra de dúvida. Apesar de, repito, não ter a edição perfeita que poderia ter tido nem por isso deixa de ser verdadeiramente estonteante, especialmente quando a história se abre àquelas cenas mais épicas e encantadas ao melhor estilo conto de fadas chinês que curiosamente até o trailer americanizado capta muito bem em termos de atmosfera que poderão depois encontrar no filme. Se gostarem do trailer americanizado (que para mim até é o melhor trailer), vão certamente gostarem do filme.
Se ainda não têm a certeza, leiam a minha review para [“The Promise”].

p.txt

Portanto, se tiverem um leitor de Blu-Ray, tiverem 15€ + 2€ de portes (caso vivam em Portugal) e gostarem de cinema de fantasia nestes moldes, então a única edição que vocês querem comprar (e precisam mesmo comprar) é a edição à venda na China.
Ainda por cima a edição Blu-Ray chinesa é de REGIÃO ZERO/LIVRE (apesar de não dizer no site) e por isso podem comprá-la mesmo vivendo em qualquer parte do mundo (legendas em inglés com boa legendagem).
É aproveitar enquanto não esgota tal como aconteceu ao dvd de edição especial que quem não comprou, já não compra.
Não comprem mais nada a não ser a edição com esta capa !
Esta é a única edição em Blu-Ray do filme original na sua versão integral.
Ao contrário da edição especial que havia antigamente em dvd (carregada de extras fantásticos) nenhuma das edições Blu-Ray traz qualquer extra e é pena , pois o filme merecia mas não deixem que isso os impeça de adquirir este título, especialmente se gostam de cinema de Fantasia, (com uma banda-sonora fabulosa, já agora).

the promise - br-oriental

Eu sei que esta capa da edição chinesa acima é muito pobrezinha e até foleira; especialmente porque não mostra de todo o conteúdo visual extraordinário que está dentro desta história, mas não se deixem enganar por uma capa bonita. Quem vê caras não vê corações.
A capa da edição ocidental (e americana) é muito melhor e bem mais espectacular, mas esconde no interior do disco uma versão reduzida do filme que vocês não querem de todo ver, por mais do que um motivo até.

A versão remontada para americano ver, não só contêm quase menos meia hora de filme, como ainda por cima muda algumas cenas de lugar e pior ainda; o espectador ocidental tem de comer com uma nova introdução (feita especialmente a pensar no público americano) onde logo (!) nos créditos iniciais explica muito bem explicadinho, onde fica o reino dos bons, onde fica o reino dos maus, quem são os personagens, o que são, o que farão dentro do contexto da história, etc, etc, etc.
Tudo muito bem explicadinho de forma detalhada e onde não faltam inclusivamente uns desenhos feitos á pressa que mostram logo o aspecto de personagens que aparecem ao longo da história e que deveriam pelo menos manter um efeito de mistério, pois o seu visual detém também um impacto dramático na versão original.
Não na versão (americana) ocidental.
Nessa versão explica-se logo tudo muito bem explicadinho não fosse depois o público das pipocas não conseguir distinguir os maus dos bons mais tarde, porque este filme é realmente muito complicado, pois até temos de prestar atenção à história e tudo.

A propósito, já agora fica aqui o aviso… [“The Promise”] foi também editado em Portugal em dvd há alguns anos pelas edições do Fantasporto que são simplesmente o exemplo de como não se edita cinema em video !! A edição dvd Portuga, não só tem uma qualidade de imagem absolutamente inacreditávelmente má, como ainda por cima está num estranho formato semelhante ao 4:3 (que só pode ser invenção portuguesa) cortando toda as paisagens do lado da imagem e destruindo por completo os enquadramentos do filme.
Estas e muitas mais outras desgraças estão descritas neste meu artigo mais antigo sobre as piores edições de filmes orientais alguma vez lançadas em Portugal; inexplicávelmente pelo festival do Fantasporto que deveria ser o primeiro a exigir qualidade e no entanto tem um historial de lançamentos abaixo de cão aqui em Portugal que não tem explicação.

Resumindo, se gostam de cinema de fantasia, gostam do estilo conto de fadas chinês e nunca viram [“The Promise”] não sabem o que perdem.
Se nunca o viram antes, vejam-no em Blu-Ray no maior televisor que encontrarem.

thePromise_princess2_800

Mas certifiquem-se que compraram e estão a ver o Blu-Ray de edição chinesa e não compraram por engano a aparentemente mais bonita mas verdadeiramente asquerosa edição ocidental desta filme americanizada à força pelos distribuidores de Hollywood.

The Grandmasters(s) (Yi dai zong shi) Wong Kar Wai (2013) China


Quem não conhece o trabalho de Wong Kar Wai enquanto realizador e parte para [“The Grandmaster(s)”] convencido pelo trailer americano de que isto vai ser um filme de Kung-Fu ou uma aventura do Ip Man no reino da porrada de criar bicho cedo descobre que foi enganado pela forma como o filme lhe foi vendido e talvez isso explique o apedrejamento que esta incrível obra prima visual está a sofrer em praticamente todos os forúns públicos pela internet fora aqui no ocidente. Ou melhor, mais pelo lado americano como não podia deixar de ser.

grandmaster01

Felizmente não por toda a gente, mas é certo que o público do cinema de acção genérico (leia-se -á americana-) parece estar a descarregar bem a sua raiva por lhe terem vendido um filme que é bem mais do que a típica aventura de artes marciais a que estamos habituados no ocidente.
E desta vez até lhes dou razão.
Não há dúvida que [“The Grandmaster(s)”] não é de todo o filme de porrada que aparenta nos trailers. Em particular nos trailers remontados nos estados unidos. Há um então com aquela voz gringa estilosa do costume que é de cair a rir ou de chorar consoante a perspectiva.

grandmaster13

Os distribuidores americanos parece que pensaram que a melhor maneira de vender [“The Grandmaster(s)”] no ocidente seria enganar o público e tentar levar o máximo de gente ás salas convencidos que iam ver um filme de aventuras ou cinema de artes marciais como os americanos pensam que os filmes de artes marciais devem ser.
Resultado, o público tem toda a razão em sentir-se enganado e se calhar eu também protestava.

grandmaster16

Na minha opinião, no entanto estão a escolher o alvo errado. Se calhar em vez de apedrejarem o filme, deveriam mas era apedrejar a distribuidora gringa que resolveu ocidentalizar o trailer de forma a meter o maior número de pessoas nas salas pensando que iam ver um blockbuster.
Isto porque está a acontecer uma coisa interessante que não deixa de ser sintomática da forma como Hollywood formatou e estereotipou –o gosto– dos frequentadores de salas de centro comercial nestas últimas décadas.
Quem ataca o filme por ser uma seca, ter história a mais e porrada de menos, não são sequer a maioria dos apreciadores do puro cinema de artes marciais oriental pois muito desse mesmo público tenta inclusivamente defender [“The Grandmaster(s)”] perante os ataques de muitos “cinéfilos” ocidentais a espumarem desapontamento pelos blogs, youtube e afins.

grandmaster20

Quem ataca o filme são essencialmente aqueles espectadores que tanto foram ver isto por ter karaté pelo meio como iriam ver outro blockbuster qualquer saído dos enlatados que Hollywood lhes mandasse ver nesse fim de semana. Aliás, praticamente toda a gente ataca o filme porque ele no trailer ocidental parecia um blockbuster épico de cacetada e pontapés nas trombas e no fim saiu um épico sim senhor, mas um drama épico. Ainda por cima um drama com uma estrutura narrativa totalmente fragmentada que não transporta o espectador pela mão da cena A à cena B mas pede-lhe que esteja atento e construa por si próprio a narrativa; o que deixou logo muita gente desconcertada porque veio ver porrada e depois ainda teve que pensar…e pior, o filme não tem maus nem bons, nem nada !!! Onde está o vilão ?!!!

grandmaster26

O que eu acho absolutamente fascinante é [“The Grandmaster(s)”] estar a ser tão atacado por ter paleio a mais e porrada a menos quando cenas de acção é coisa que não falta neste filme.
É que [“The Grandmaster(s)”] tem porrada de criar bicho sim senhor; apenas não está colocada dentro de uma história linear à americana e esse facto desorienta logo 90% dos espectadores americanos e americanizados que de repente ficam tão baralhados ao (não) tentarem perceber o que se passa na história que nem notam que o que não falta neste filme são sequências de acção !
E nem são tão pequenas assim. A história conta com inúmeros duelos muito variados espalhados por todo o lado e portanto esta ideia de que o filme é uma grande seca porque não tem acção –bem feita- só demonstra o quão formatadas pelo pior de Hollywood estão as audiências ocidentalizadas.

grandmaster10

Por entre as duas horas e meia de drama não linear, [“The Grandmaster(s)”] conta com muitos e largos minutos de fabulosas cenas de artes marciais.
Talvez, o problema aqui seja porque o filme em muitos momentos até usa essas cenas de porrada para contar uma história e é isto a que o público ocidental não está habituado.
Esta coisa de se usar artes marciais como veículo narrativo do que se passa no argumento deixa muita gente baralhada sem saber a que deve prestar atenção.
Isto porque no ocidente estamos habituados a que as cenas de acção sejam quase o intervalo das histórias. Ou seja no cinema de Hollywood, as cenas de acção são qualquer coisa que serve para “descansar” da história, são aquilo que se passa no meio de qualquer coisa e normalmente não tem mais porpósito do que tentar impressionar as plateias com o efeito especial da moda.

The Grandmaster Zhang Ziyi

Acontece que em [“The Grandmaster(s)”] isso não é bem assim. Se calhar não se irão aperceber a um primeiro visionamento porque o filme apanha-nos realmente de surpresa, (até mesmo a quem está habituado ao cinema de Kar Wai), mas uma das coisas mais fascinantes neste filme sobre artes marciais é a forma como usa as próprias artes marciais para falar delas.
As artes marciais aqui não estão no écran apenas para impressionar as plateias comedoras de milho ocidentais mas são a alma do próprio filme. Aliás são quase como poesia visual.
A forma como a luz é usada por vezes provoca mais adrenalina do que a própria sequência de acção ao mesmo tempo que a torna totamente única e visualmente poética pois inclusivamente as artes marciais afectam a própria vida dos personagens a muitos mais níveis do que apenas terem levado uns tabefes e ficarem com vontade de se vingarem.
Uma das grandes mais valias deste filme está na forma como apresenta as artes marciais como sendo um modo de vida, uma herança cultural de um povo e não apenas um conjunto de socos e pontapés que o “heroi” aprende num daqueles “mosteiros de Shaolin” estereotipados por Hollywood como costumamos ver no cliché mais piroso.

grandmaster21

[“The Grandmaster(s)”] é um filme sobre artes marciais.
Não é um filme de artes marciais.
Até eu fiquei desorientado ao inicio, pois a primeira meia hora de filme parecia-me muito hermética e pensei seriamente que não iria atribuir uma classificação tão boa a isto quanto acabei por achar que merece.
Eu que detesto filmes sobre Máfia, gangsters; todo aquele ambiente sobre “Famílias”, rivalidades entre Clãs e universos semelhantes, durante a primeira meia hora estava a começar a ficar farto da atmosfera pois fazia-me lembrar “O Padrinho” de Coppola a todo o instante e pensei que isto não iria muito longe.

grandmaster38

[“The Grandmaster(s)”] ao início constrói um universo muito semelhante á volta da honra, da rivalidade entre chefes de clãs e tudo aquilo que remete imediatamente para a atmosfera do filme de máfia tal como Coppola o recriou nos seus clássicos e isso começou a afectar seriamente a minha atenção e predesposição para continuar a ver o filme, pois eu realmente detesto coisas sobre famílias do crime e pensei sinceramente que esta obra não ia passar de mais uma sobre honra e vingança entre clãs rivais, em versão Hong Kong e estereotipada atá ao limíte. Coisa que felizmente logo percebi a tempo que não seria de todo.

grandmaster22

Ao contrário do que é habitual no cinema de Kar Wai, desta vez a atmosfera do filme constroí-se pelos rostos, pelas pessoas, pelos retratos e não pela envolvência do cenário o que torna logo o filme bastante fechado em termos visuais. Se isso me apanhou de surpresa, imagino a cara do público que foi ver isto ao cinema pensando que era mais um título de aventuras ou um novo episódio da série –Ip Man– que lida essencialmente com cenas de kung-fu.
Essencialmente [“The Grandmaster(s)”] é um filme de interiores, um estudo visual sobre rostos humanos,  sobre fotografias paradas no tempo mas também uma história sobre sentimentos…o que para quem esperava ver uma aventura apenas com pontapés nas trombas imagino como se deve ter tornado frustrante.

grandmaster30

Eu confesso que levei pelo menos 45 minutos a recuperar do choque. E olhem que eu não esperava um filme de acção. Esperava um Wong Kar Wai mais aberto em termos de espaço cénico e toda aquela intimidade de espaço quase claustrofóbico desconcertou-me bastante ao início.
Até que de repente fez-se um clique cá dentro.
Assim que percebi o quanto [“The Grandmaster(s)”] era realmente um filme sobre artes marciais fiquei absolutamente fascinado pois nunca tinha visto nada assim antes dentro do género e já não consegui sair de frente do écran.
Mesmo que quisesse a partir de certa altura as verdadeiras pinturas de luz com que Wong Kar Wai inunda o écran cativaram-me por completo e o filme poderia ser sobre relva a crescer que se a relva tivesse sido tão bem filmada quanto este filme o é eu teria continuado a ver na mesma.

grandmaster18

Eu próprio também condicionado pela ideia que temos de artes marciais aqui pelo ocidente (até por culpa dos clubes desportivos também e da imagem sobre (blargh) desporto em geral), nunca me tinha passado pela cabeça de uma forma realmente consciente que por detrás de toda a espectacularidade  haveria um lado muito profundo, bem para lá do aspecto contorcionista da coisa que normalmente é a única vertente explorada pelo cinema de acção. Nunca me tinha apercebido o quanto as artes marciais na china fizeram inclusivamente parte de um modo de vida e definiram o rumo de gerações. O que é muito bem retratado nestea obra e por o fazer de forma visualmente extraordinária está a ser atacada por muita gente que não pedia mais que isto fosse apenas um titulo de karaté nas fuças.

grandmaster31

[“The Grandmaster(s)”] mesmo que não prestasse para mais nada, é fabuloso na forma como explica ao espectador o que está na verdadeira essência das artes marciais.
É fabuloso na forma como nos apresenta toda a alma e principalmente como demonstra muito bem o quanto é extraordinária esta tradição que se ramificou numa dezena de estilos que chegaram até nós claramente deturpados, bem longe da carga filosófica original e acima de tudo da importância cultural que este filme tão bem reproduz.
Eu que pensava que já tinha visto tudo sobre artes marciais e não tinha qualquer interesse no tema pois sempre o vi mais como uma temática desportiva alimentada por pseudo-paleio-new-age de treinadores ocidentais, fiquei absolutamente surpreendido com a profundidade desta história e com o que o filme nos ensina sobre esta verdadeira herança cultural da humanidade.

grandmaster25

Quem pensa que sabe tudo sobre artes marciais e quem pensa que as artes marciais não são mais do que técnicas de luta deve ver este filme sem sobra de dúvida, pois se calhar irá surpreender-se com a carga inimista, filosófica e até sentimental que muitas destas tradições carregam afinal em milénios de história.
Wong Kar Wai está de parabéns por ter feito um filme que realmente mostra as artes marciais como nunca se tinham visto até hoje no cinema. E ainda por cima mostra-o sem evitar um estilo mais comercial apenas este está disfarçado de cinema de autor ou vice-versa. E resulta ? Se resulta !!
Adoro a envolvência dos personagens e acima de tudo consegue ser um filme sobre vingança que não envolve os habituais clichés, até na forma como não utiliza sequer -um vilão.
O verdadeir mau desta fita é a modernidade que chega com o passar dos anos e a forma inevitável como o tempo acaba por destruir tudo o que um dia foi importante para alguém.
Na verdade se há um tema central neste filme é o de que o tempo tudo consome mas tudo tem o seu tempo.

grandmaster29

E o realizador consegue passar tudo isto de uma forma muito simples e acima de tudo, de uma maneira totalmente despretensiosa.
Comarem este “cinema de autor” com coisas verdadeiramente atrozes e pseudo-intelectualoides como “Visage” e vão notar uma grande diferença certamente.
Wong Kar Wai para mim actualmente é uma das melhores portas de entrada para o chamado cinema de autor, mas cinema de autor que não se tenta armar em inteligente. Apenas tem uma forma diferente de contar uma história.
Neste momento acho que o trabalho do realizador se encontra exactamente entre o comercial e o menos comercial, sendo [“The Grandmaster(s)”] o perfeito exemplo desse equilíbrio tão fascinante do seu cinema actual.
O filme na realidade parece mais complexo e intimista do que na realidade é. Apenas tem um estilo que não é americano. Nada mais.
Mal o espectador aceita as regras da história e percebe o que o realizador está a tentar passar sobre a tradição das artes marciais, o filme parece que se abre a um universo totalmente novo perante os nossos olhos.

grandmaster17

As cenas de acção são absolutamente incríveis, não pelas coreografias mas pela forma como estão filmadas. Quem conhece bem o estilo Kar Wai vai adorar a forma como ele mais uma vez cria poesia visual em cada frame.
E imagens lindíssimas é coisa que não faltam neste filme. Sejam, segmentos com chuva a cair, gotas de sangue contrastando com o azul do chão, nevoeiro que cria cenários de sonho ou a forma como filma cada rosto até no meio das mais intensas cenas de acção, [“The Grandmaster(s)”] tem imagens que vão ficar na vossa cabeça durante dias após terem visto o filme.
É uma espécie de cruzamento entre “2046” e “In the mood for love” com um novo look ainda mais intimista mas sempre baseado em luz e sombra como só Kar Wai consegue criar actualmente no cinema.

grandmaster37

Sendo um filme sobre pessoas, a maneira como Kar Wai filma cada figura humana é incrível e pelo menos eu nunca tinha visto nada assim. Há frames em que parece que até o figurante mais simples tem uma história por contar.
Há enquadramentos com figurantes que nos fazem querer ficar a saber mais sobre as suas vidas.
Kar Wai consegue com uma imagem de um figurante anónimo criar mais alma num “personagem” do que mil linhas de guião o fazem naquele tipo de filmes que os espectadores ocidentais gostariam de ter visto em lugar deste.

grandmaster24

[“The Grandmaster(s)”] tem a melhor colecção de retratos e imagens extraordináriamente poéticas sobre pessoas que eu vi em cinema em muitos muitos anos.
Cada rosto, quase que conta uma história por sí só e quando um filme como este vive de rostos expressivos e incrivelmente bem filmados, temos ambiente para dar e vender.
Algumas imagens parecem verdadeiras pinturas a óleo e só apetece passar o filme todo a carregar no botão de pausa, pois é quase inacreditável o nível de detalhe que está presente em muitas imagens que não chegam a estar no écran mais do que um segundo apenas. No entanto ficam na memória e é esse o poder do cinema de Wong Kar Wai que também aqui não deixa os seus créditos por mãos alheias.

grandmaster03

Este filme tem a melhor colecção de imagens inesquecíveis de que me recordo de ver desde…se calhar desde o “In the Mood for Love” ou “2046” do mesmo realizador.
E mais uma vez não só temos imagens belíssimas a todo o instante como acima de tudo temos personagens que nos parecem seres humanos de verdade. Não só alguns figurantes parecem ter uma história de vida para contar como inclusivamente até os personagens secundários têm uma identidade bem marcada, com actores sólido por detrás de cada um deles e onde há sempre um momento para brilharem na história.

grandmaster23

Muito público ocidental parece ter ficado bastante chateado por [“The Grandmaster(s)”] não ser mais outro filme com o “super-heroiIp Man na linha mais comercial que tem feito parte de uma série bastante popular.
No entanto, [“The Grandmaster(s)”] é um filme sobre artes marciais em que um dos personagens é o Ip Man, nada mais do que isso.
Não é um filme de artes marciais com o Ip Man.
E isto porque Ip Man é incontornável na história das artes marciais e sinceramente estava mais que na altura de alguém explicar ao ocidente quem era este homem que muitos conhecem apenas por ter sido a pessoa que treinou o jovem Bruce Lee (que aparece brevemente representado enquanto criança no final do filme num pequeno segmento fascinante).
Conhece-se a técnica, extrapolaram-se muitas das suas “aventuras” mas nunca tinha havido um filme sobre essencialmente aquilo que ele representava. Sobre a sua alma e de que forma a tradição o moldou. [“The Grandmaster(s)”] é esse filme.

grandmaster04

Mas não só, essencialmente [“The Grandmaster(s)”] sendo um filme sobre a tradição das artes marciais, é também uma história sobre todos os mestres que décadas atrás tanto lutaram para que as suas tradições  familiares não se vulgarizassem, tendo Ip Man acabado por se tornar talvez no último dos grandes símbolos desses tempos onde as artes marciais ainda representavam uma filosofia, uma tradição e um modo de vida e não eram apenas tema de paleio “new age” de treinadores de Karaté nos ginásios modernos; muitos dos quais certamente acharão o filme uma seca, aposto.
Toda aquela aura a fazer lembrar filmes como “O Padrinho” parte precisamente dessa introdução inicial da história, pois o filme começa essencialmente por nos apresentar esse universo tão fechado e secreto, apresentando-nos muitos dos anciões que guardam cada segredo familiar a sete chaves. Cada golpe é um mistério, cada técnica um tesouro e quase um acto sagrado. Portanto o filme não é apenas sobre mortes e vinganças, mas sim sobre tradição.
Apesar de ser um filme de interiores, por vezes abre-se em vastas paisagens momentâneas que quase pertencem a uma outra obra mas não deixam de ser benvindas em certas alturas, pois ajudam a narrativa a respirar.

grandmaster33

Como não podia deixar de ser no cinema deste realizador, [“The Grandmaster(s)”] é também uma história de amor e como também não podia deixar de ser nas mãos de Wong Kar Wai, é mais uma das grandes histórias de amor do cinema.
Novamente temos o extraordinário Tony Leung a fazer par com a não menos incrível Zhang Ziyi que não contracenavam juntos desde “2046”; novamente num par romântico totalmente real perante um romance impossível como seria de esperar.
Grande parte do epílogo final desta história é precisamente sobre a relação destes dois personagens e sobre a forma como as artes marciais inclusivamente definiram o percurso do seu amor.
Esta ideia está realmente bem desenvolvida e dá a esta história de amor uma vertente diferente do que encontramos habitualmente, que culmina num pequeno monólogo fantástico de Zhang Ziyi e coloca este filme também como uma excelente proposta para aqueles que chegam a este blog procurando por cinema romântico oriental.

grandmaster32

Apesar de estar sempre subjacente á história ao longo do filme por acaso não esperava que Kar Wai fosse entrar pela pura história de amor no momento em que o fez, mas ainda bem que assim foi, pois um filme dele sem um grande romance nunca seria o mesmo.
Inclusivamente seria um desperdício de dois personagens que se tornam ainda mais inesquecíveis porque enquanto espectadores torcemos por eles até ao último minuto de uma forma que me fez recordar “A Time to Love“, pela sua atmosfera de melancolia e saudade de algo que nunca aconteceu em pleno.
Mais uma vez a ideia de um amor impossível está presente numa história de Kar Wai e ninguém filma a saudade de momentos que nunca poderiam ter existido como este realizador.

grandmaster36

Portanto, eu passei-me com este filme.
Os primeiros 45 minutos foram-me difíceis pois não estava mesmo a ver qual a ideia por detrás de tanta aura “mafiosa” no tom da história até que de repente me caiu um piano em cima e eu finalmente acordei para o filme.
A partir daí agarrou-me por completo.
Inicialmente apenas pelas incríveis cenas de acção (que não são tão poucas como os descontentes afirmam), depois pela forma poética como Kar Wai filma cada pormenor mas principalmente como mostra cada rosto e cada alma; também pelo fascínio que conseguiu transmitir a propósito do mundo hermético das verdadeiras artes marciais e por último com a bonita história de amor entre os dois rivais que fechou em grande esta narrativa que não me sai da memória dois dias após ter visto o filme.
Só o visual do filme, aliado á vertente romântica da história vale o tempo que dispenderem a tentar habituar-se a ele. Se gostarem de filmes de Wong Kar Wai, então nem hesitem pois este é imprescindível.

grandmaster05

Se não gostam de filmes de Kung-Fu, então passam a gostar.
Correndo o risco de me repetir, nota alta para todo o visual do filme. [“The Grandmaster(s)”] tem visuais absolutamente incríveis e para mim enquanto ilustrador consigo encontrar pelo menos umas vinte ou trinta cenas neste filme que me irão servir de inspiração nas próximas décadas.
Há de tudo em [“The Grandmaster(s)”], desde ambientes á chuva, interiores incrivelmente iluminados e como não podia deixar de ser num filme oriental, cenas de tirar o fôlego em estações de comboio.
Muitas das imagens neste filme fizeram imediatamente lembrar-me das cenas mais intimistas e até da estética de Blade Runner. Nomeadamente a forma como os rostos estão iluminados e as cenas na estação com a Zhang Ziyi num estilo a fazer lembrar a “Rachel” no filme de Riddley Scott décadas atrás.

grandmaster02

Aliás mais uma vez Wong Kar Wai cria uma personagem feminina ao mesmo tempo forte e frágil, com montes de personalidade; ter a actriz perfeita para o papel também ajudou certamente pois mais uma vez a actriz rouba todas as cenas em que entra.
Há sequências fantásticas em que o personagem nem precisa de falar. Basta caminhar em direcção à câmera e mesmo sem explosões atrás em estilo Michael Bay consegue transmitir mais identidade e alma do que todos os bonecos de cartão que costumamos encontrar no cinema plástico que inunda os nossos centros comerciais todas as semanas.
Zhang Ziyi é definitivamente uma actriz com presença e se para tal ainda houvesse dúvida bastaria confirmar-mos o seu trabalho nesta história.

grandmaster09

Em termos narrativos, em certos momentos este filme é bastante parecido também a “Ashes of Time” um dos primeiros filmes de Hong Kar Wai e portanto fica aqui o aviso: quem detestou esse muito provavelmente terá bastante dificuldade em conseguir suportar o tipo de narrativa que está agora em  [“The Grandmaster(s)”]. Ambos os filmes funcionam bastante por flashbacks, narrativas fora de ordem cronológica e vivem muitas vezes de silêncios.
Curiosamente não me recordo da banda sonora…nem me lembro se o filme tem música para dizer a verdade.  O que só pode querer dizer que é tão perfeita a criar ambiente que eu nem notei que lá estava ou então que pura e simplesmente quase não deve ter existido e eu nem dei pela falta…

grandmaster19

Recomendo vivamente que vejam o cut de duas horas e meia, pois consta por aí que Hollywood pretende remontar o filme para  video e fazê-lo caber em 90 minutos, se calhar para deixar apenas as cenas de porrada como é costume. Por isso é vê-lo na integra enquanto podem, pois se os cortes acontecerem, é bem provável que a edição que chegar em dvd a Portugal possa ser a versão cortada (tal como aconteceu com The Big Blue de Luc Besson anos atrás e nem consigo imaginar como um filme tão incrível como [“The Grandmaster(s)”] seria sem as suas cenas mais intimistas, poéticas e filosóficas que lhe dão tanta alma e que tornam as cenas de kung-fu ainda mais espectaculares por contraste de adrenalina.

—————————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO

Já entrou para a lista de filmes da minha vida também.
Depois do fabuloso e americano “My Blueberry Nights” Wong Kar Wai regressou a Hong Kong e ainda bem que o fez.
Juntamente com Makoto Shinkai na animação Wong Kar Wai é para mim actualmente o melhor realizador do mundo em filmes –live action– (nesta vertente semi-comercial talvez) e mais uma vez não me desapontou.
Poderá não ser um filme para todos os tipos de público, especialmente para aqueles que se deixarem enganar pelos trailers remontados no ocidente, mas é o filme perfeito para quem se interessa realmente por artes marciais pois garanto-vos que nunca viram nada assim; e não estou a falar da porrada.

grandmaster27

Contém no entanto cenas de acção incríveis e é um excelente exemplo de um filme que fica perfeitamente com o pé em dois mundos; tanto no mundo do cinema comercial como no mundo do cinema de autor.
É uma excelente introdução a esse universo que normalmente está cheio de filmes estúpidos e pretensiosos, por isso é refrescante ver que ainda há gente a fazer cinema intimista sem qualquer carga intelectual pindérica para impressionar intelectuais de café e ratos de festivais cinéfilos.
Ignorem as reviews negativas de muitos comentários espalhados pela net (especialmente no youtube) pois muita gente foi ver o filme pensando que era apenas mais uma aventura de artes marciais e ficou compreensivamente frustrada tendo descarregado no filme injustamente.
Cinco tigelas de noodles e um Golden Award para o melhor filme que vi este ano até agora.

noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg gold-award.jpg

A favor: é uma enciclopédia fascinante sobre o verdadeiro mundo e tradição das artes marciais, tem cenas de acção fascinantes e cheias de adrenalina, é cinema de autor sem ser pretensioso, está carregado de personagens verdadeiramente humanos, tem imagens inesquecíveis espalhadas pelo filme todo, muito poético e cheio de momentos em que só apetece fazer pausa para contemplarmos as imagens, óptima história de amor intensamente romântica no estilo mais trágico e clássico, os actores são incríveis, contém diálogos excelentes especialmente na história de amor, personagens que não se esquecem tão cedo, duas horas e meia passam num instante pois a narrativa pode ser diferente e fragmentada mas não é de forma alguma confusa ao contrário do que muita gente diz pela net, quem gosta do estilo de cinema do Wong Kar Wai vai ficar plenamente satisfeito com o que vai encontrar neste filme também que a meu ver merece plenamente o 12 prémios que ganhou pelo oriente, é tão bom ou melhor quanto “Ashes of Time” (o qual faz lembrar bastante em certos momentos), “In the Mood for Love”, “2046” ou “My Blueberry Nights”(embora bem diferente deste último em todos os aspectos). Acima de tudo é realmente um filme diferente e com muita alma. Se não gostavam de Kung-Fu passam a gostar.

Contra: Quem o vir pensando que é um novo filme de acção e aventura da série Ip Man pode ficar muito decepcionado e até irritado com a carga poética e intimista de grande parte deste filme.

—————————————————————————————————————

NOTAS ADICIONAIS

Trailer
https://www.youtube.com/watch?v=8Ngxn9NzLzs

grandmaster39

Comprar
Acho que ainda não há uma edição europeia…

Trailer americano…
https://www.youtube.com/watch?v=uC5amKLgnFU

IMDB
http://www.imdb.com/title/tt1462900

——————————————————————————————————————

Se gostou, vai gostar certamente dos seguintes filmes abaixo.
Aliás, mesmo que não tenha gostado deste  vai gostar dos filmes abaixo.

capinha_ashes-of-time-redux capinha_a-time-to-love

——————————————————————————————————————

Cinema_oriental_no_facebook

Blood: The Last Vampire (Blood: The Last Vampire) Chris Nahon (2009) Hong-Kong/China, França


Devo confessar que se há uma coisa que eu gosto no cinema comercial moderno é de filmes franceses que tentam parecer-se com produções americanas á força toda. Daqueles que se colam á estética podre de chique gringa ao pior estilo cinema-de-super-herois made-in-hollywood onde tudo parece igual.
Só muda o design dos monstros que na verdade parecem-se todos com o mesmo boneco musculado saído de livros da Marvel onde só se altera a cor do uniforme de capítulo para capítulo.

Por isso eu gosto muito de cinema francês em estilo Hollywood porque falha redondamente em tudo o que pretende fazer para se colar ao estilo americano.
Não sei o que há com estas produções europeias, que apesar de fazerem sempre tudo bem e de seguirem á risca a cartilha pipoca americana a verdade é que eu acho que se espalham todas no resultado final.
Tudo o que é filme francês de acção moderno que se tenta colar ao cinema do outro lado do oceano atlântico acaba sempre por se ficar por um resultado estranhamente hibrido que nem é carne nem é peixe. O mesmo acontece agora com este [“Blood: The Last Vampire“] uma estranha co-produção entre a Europa e Hong-Kong em piloto automático estilo Hollywood.

Mais uma vez temos um filme francês que á força de querer parecer-se com um filme americano acerta ao lado em tudo e na verdade ainda bem que assim é.
Ainda bem porque é essa falta de pontaria constante do moderno cinema-clónico francês que lhe dá imensa identidade e transforma qualquer produção europeia de efeitos especiais e acção á bruta numa coisa mais interessante do que costuma acontecer com as pipocas pré-fabricadas americanas. Talvez porque a europa use moldes diferentes.
Por muito que se tente estragar um filme rasca na europa tentando imitar o plástico americano, pelo menos eu fico sempre com a sensação de que o resultado é sempre bem mais carismático e isso ajuda a salvar da banalidade muita coisa que de outra forma poderia tornar-se absolutamente insuportável.

Há qualquer coisa de bom num mau filme pipoca europeu quando este tenta imitar o cinema de Hollywood e melhor ainda quando além de tentar imitar o cinema americano tenta ao mesmo tempo parecer-se com cinema oriental em estilo Hong-Kong.
Por isso eu gostei bastante de [“Blood: The Last Vampire“].
Estamos na presença de um bom filme de acção totalmente braindead no sentido mais positivo do termo e que mesmo com tanta mistura de estilo consegue ainda assim manter uma atmosfera europeia com um sabor intenso a baguette francesa de que não se consegue livrar apesar da overdose de pirotécnica digital á americana e kung-fu com fios á la Hong Kong.

Além disso, fiquei bastante surpreendido por este titulo ser protagonizado pela minha “Sassy Girl” favorita do cinema oriental que parece ter escolhido este papel para se tentar projectar internacionalmente, que é como quem diz, mostrar que também poderá ser uma boa escolha para filmes mais …americanos.
Quase que custamos a acreditar que esta é a mesma actriz que protagonizou também “Il Mare” num registo que não poderia ser mais oposto.

E por acaso acho que esta miúda foi a escolha perfeita para este papel. Eu não conheço bem o anime original mas do pouco que vi do desenho animado, penso que Jeon Ji-hyun (aqui com o pseudónimo internacional “Gianna Jun”), está fantástica apesar de em muitas alturas sentirmos que não estará muito confortável com os diálogos em inglés.
Sim porque [“Blood: The Last Vampire“] é um filme francês co-produzido com a China a tentar imitar o cinema americano com diálogos tanto em inglés como em japonês protagonizado por uma actriz Sul Coreana… Confusos ? Não se preocupem a coisa resulta.

Muita gente ataca [“Blood: The Last Vampire“] por causa dos seus péssimos efeitos digitais, nomeadamente o sangue em bolinhas 3D Studio em efeitos nada especiais que parecem saidos de um render amador criado para uma introdução de um jogo da Playstation-One. Tudo verdade. É quase mau demais para ser real e damos por nós a pensar como raio é que alguém deitou cá para fora um filme com efeitos tão datados assim e pensou que poderia competir com o que de mais moderno se faz no cinema deste mesmo estilo em Hollywood.
Por mim, que se lixe. Sim, o filme tem efeitos atrozes e até ridiculamente amadores e sim, aquele demónio é mau demais para ser verdade mas desde quando é que maus efeitos especiais fazem um mau filme ?

[“Blood: The Last Vampire“] apesar de todo o emaranhado de influências visuais consegue no entanto ser um produto comercial muito bem executado e com uma realização segura. Penso que o realizador francês conseguiu aqui um trabalho com personalidade e fiquei com a sensação de que só não fez melhor mais por culpa do argumento do que por causa dos péssimos efeitos especiais que tanta gente contesta.

Quanto a mim, [“Blood: The Last Vampire“] tem uma primeira metade totalmente cativante. Sequências de acção divertidas, uma estética de comercial de shampoo que resulta, actores carismáticos e uma atmosfera visual que por momentos faz lembrar Blade Runner em certos aspectos, nomeadamente no ambiente nocturno.
Infelizmente , achei que a segunda metade do filme perdeu toda a piada. Não sei o que se passou mas a partir de certa altura parece que mudaram de argumentista e todo o desenvolvimento deixa de conseguir envolver o espectador. Isto porque a história deixa de ser interessante não apenas por se tornar ainda mais previsível mas principalmente porque tudo culmina num climax que não tem particular entusiasmo ou grande espectacularidade.

No entanto, eu gostei muito da primeira metade do filme. Abre com uma sequência entusiasmante, continua com alguns personagens carismáticos, situações digitalmente sangrentas bem divertidas e a coisa resulta até meio onde de repente se instala alguma monotonia geral até ao final embora os actores bem se esforcem para dar vida a um argumento já em piloto automático no pior dos sentidos.
Não que seja própriamente muito grave, mas a verdade é que achei que este filme merecia ter-se mantido muito divertido até ao fim e na minha opinião isso não acontece como deveria ter sido.

Se há uma coisa que me aborrece de morte no cinema estilo super-herois á americana é a banalidade do típico confronto final com o vilão e achei muito decepcionante que a única vez em que [“Blood: The Last Vampire“]  se parece mesmo com um filme de Hollywood seja precisamente naquela parte em que se calhar deveria ter-se parecido mais com um produto de Hong-Kong pois a sequência final aborreceu-me pela sua previsibilidade e total falta de interesse previligiando mais a pirotécnia digital do que o carisma dos personagens e a criatividade das sequências de acção.

De qualquer forma, [“Blood: The Last Vampire“]  é um produto pipoca divertido e que se recomenda a quem não pedir mais do que ver uma boa aventura com vampiros e uma heroína cheia de personalidade suportada por um bom elenco internacional onde se destaca Liam Cunningham um actor que por vezes parece estar a incoorporar o espírito do ainda bem vivo Jean Reno na construção do seu personagem de agente da CIA que estará algures entre o “Leon” e o “Enzo” presentes nos fabulosos filmes de Luc Besson.
Só é pena que acabe por ser desprediçado dentro do próprio argumento.

Muitos fãs do anime, não gostaram da personagem teenager americana que pelo visto foi inserida a martelo nesta versão da história porque acusam-na de existir apenas para agradar ao mercado americano. Pessoalmente eu gostei da rapariga. Acho que tem um personagem dinâmico e que conduz bem o filme por entre as sequências protagonizadas por Jeon Ji-hyun e ajuda até a actriz principal a brilhar pois evita que nos concentremos demasiado no inglés limitado da actriz Sul Coreana que apesar de conseguir fazer um excelente trabalho nesta sua estreia “internacional” esteve sempre um bocadinho limitada pela lingua inglesa para poder ir mais longe e conseguir carregar sózinha o protagonismo de um filme assim.

Por isso, resumindo, eu curti.

——————————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO:

Um estranho hibrido entre filme comercial americano, cinema francês e estilo Hong-Kong que só não resulta totalmente porque o argumento perde-se na banalidade a partir da segunda metade do filme e tenta depender demasiado de maus efeitos especiais para o climax da história quando esta pedia mais atenção aos personagens talvez.
De qualquer forma é um produto pipoca muito divertido, com uma primeira parte dinâmica e cheia de personalidade, uma actriz Sul Coreana que parece não conseguir ser má até quando tem limitações de idioma contra ela.
Não é um filme pipoca brilhante, mas recomenda-se bastante.
Trés tigelas e meia de noodles sem problemas mas com muita pena minha pois [“Blood: The Last Vampire“] merecia ter sido bem melhor e a culpa disso nao ter acontecido não é dos maus efeitos especiais como muita gente parece achar, mas sim de um argumento que poderia ter sido bem mais imaginativo.

noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2emeia.jpg

A favor: o elenco é excelente com destaque para a protagonista Sul Coreana que dá tudo para conseguir fazer um bom trabalho num idioma que lhe é claramente dificil de dominar, a primeira metade do filme tem pinta e uma atmosfera visual excelente, a realização faz milagres em conseguir manter todas as diversas influências coerentes ao longo do filme, contém algumas cenas de acção estilo Hong-Kong divertidas.
Contra: a segunda metade do filme parece apagada, o climax do filme depende demasiado dos maus efeitos especiais digitais que percorrem toda a história, os vilões não têm carisma nenhum e em nenhum momento causam qualquer tensão na história por tudo ser tão banalmente previsivel e vazio na sua própria caracterização.

—————————————————————————————————————

NOTAS ADICIONAIS:

Trailer
http://www.youtube.com/watch?v=Fk2L8Mgxd5Q

Comprar
Bem baratinho na Amazon Uk em DVD e em BluRay também.

Download com legendas em PT/Br

IMDB
http://www.imdb.com/title/tt0806027

——————————————————————————————————————

Filmes “semelhantes” de que poderá gostar:

——————————————————————————————————————