Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘sexo’


Os Chineses reinventaram o slasher-movie !
Quando eu pensava que nada já haveria para fazer neste género eis que me surge pela frente uma coisa como esta.
Bem-vindos a ["Dream Home"] provavelmente o primeiro filme de terror sobre a crise imobiliária alguma vez produzido.
Digam-me lá que nunca sonharam com um apartamento localizado num sitio como este abaixo ?

Eu odeio Slashers.
Nunca percebi a piada daqueles filmes em que um gajo com uma faca limpa um a um os personagens da história cortando-os ás fatias e é um género que sempre me deu sono.
Nunca percebi a importância de “Halloween” de John Carpenter e filmes como “Sexta Feira 13” se me conseguirem manter acordado só me dão vontade de pegar numa faca e xinar os autores do produto também. E a isto nem “Psycho”  escapa.
Este tipo de filmes nunca me interessaram de todo, nem que fossem consideradas inovadoras obras primas do cinema pois estou-me borrifando para uma suposta cinéfilia obrigatória.

Por outro lado não tenho nada contra adolescente boas em t-shirts molhadas a serem esfaqueadas por ordem de entrada mas sinceramente sempre achei os slashers das coisas mais desinteressantes alguma vez produzidas pelo cinema pois não me recordo de alguma vez ter sentido qualquer suspanse ao ver um titulo do género na sua fórmula americana adolescente mais pura.

Por isso agora ["Dream Home"] surpreendeu-me bastante.
Primeiro não estava nada á espera que este filme fosse um slasher-movie, pois fui vê-lo sem saber nada sobre ele e estava convencido que seria algo semelhante a “Dark Water” ou uma simples história de fantasmas passada em apartamentos assombrados.
Quando o filme entra logo nos primeiros minutos pelo puro slasher-filma dentro fiquei bastante surpreendido e ainda mais surpreendentemente, desde o primeiro massacre nunca mais consegui desviar a atenção desta história pois tudo parecia por demais bizarro e estranhamente cativante.

["Dream Home"] não é propriamente um filme normal sobre psicopatas. Esqueçam o “Psycho”, o Jason ou até o Hannibal Lecter. A tipa deste filme deve ser o melhor psicopata de todos os tempos pela forma aparentemente arbitrária como despacha com naturalidade e simplicidade todas as pessoas que se intrometem entre ela e o seu sonho de poder comprar um apartamento com vista para o mar em Hong Kong.
Nota alta para a actriz principal e para um personagem tão cativante quanto repulsivo que alterna algures entre uma normalidade a explodir de frustração e o carrascos mais sádico que vocês poderão alguma vez ter visto desde “Audition“; curiosamente outra mulher aparentemente simpática.

A história acaba por ser cativante porque pelo meio da carnificina, na verdade ["Dream Home"] é um drama num formato episódico onde por entre flash-backs que nos explica porque razão a miuda decide limpar o sebo a tudo o que mexe num bloco de apartamentos inteiro, ainda há espaço para um estilo de filme que tem muito pouco a ver com o que esperariamos encontrar num slasher-movie.

Na verdade não há muito mais para dizer sobre isto. É um filme totalmente claustrofóbico e torna-se fascinante porque é realmente um filme de terror baseado na crise económica o que lhe dá uma actualidade bem divertida e talvez por isso até muita gente na net classifique este filme como comédia negra. A mim não me deu grande vontade de rir, mas se calhar foi porque estava demasiado espantado com a originalidade de todo o conceito e demasiado arrepiado com mulheres grávidas a esvairem-se em sangue e asfixiadas com aspiradores em modo de sucção…

Sim, porque não se esqueçam que isto é um filme de terror. E terror que funciona não só porque mete nojo enquanto filme gore, mas porque realmente a atmosfera da história e a própria caracterização da personagem principal muito contribuem para que depois as cenas com tripas e baldes de sangue ainda nos pareçam mais angustiantes.
Se gostam de cenas de tortura completamente indiscritíveis têm aqui o vosso melhor filme a seguir talvez a “Ichhi The Killer” e, claro, “Audition“.

E se pensam que já tinham visto tudo no que toca a cenas de tortura e banhos de sangue, se calhar é porque ainda não viram ["Dream Home"]. O impacto não está propriamente no gore , mas sim na parte psicológica que o envolve o que torna este filme numa história completamente eficaz que os vai arrepiar e confundir.
Confundir porque ás vezes irão ficar sem perceber o que raio se pode passar mais a seguir e como poderão as próximas cenas de tortura poderem vir a ser ainda mais angustiantes do que a anterior.
Isto porque o filme abre logo bem nesse aspecto. Mal a primeira cena de tortura com o segurança apareceu, percebi logo que ["Dream Home"] tinha qualquer coisa de muito especial e até original que felizmente soube manter até ao fim.

Há de tudo nisto, espancamentos, droga, sexo oral, sexo kamasutrico, meninas orientais nuas, mulheres grávidas que se esvaiem em sangue, adolescentes cortados aos bocados com tripas para fora, tiros na cabeça, castrações á faca, penis decepados em grande plano, mais sexo, tábuas pela nuca, etc, etc, etc num manancial de horrores físicos em tom totalmente doentio que não se recomenda de todo a quem se impressiona com este tipo de cenas ou tem estômago fraco.

E parece que também tem comédia. Dizem.

——————————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO:

Provavelmente não irei voltar a ver isto tão cedo, mas não há dúvida que estamos na presença de um produto de horror bem original e muito eficaz.
Não só é um excelente filme gore de terror, um óptimo e muito original slasher-movie (quem diria…) mas ainda tem espaço para ser um drama eficaz que embrulha bastante bem todo o horror á volta da personagem principal que na verdade só quer que lhe deixem comprar uma casa nova aproveitando a crise do mercado.
Sendo assim, não posso deixar de lhe dar cinco tigelas de noodles pois pode não ser um daqueles que nos apeteça ver mais do que uma vez, mas enquanto dura vai mantê-los interessados, horrorizados e fascinados.

noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg

A favor: a personagem principal é fantástica, as cenas de tortura são angustiantes e cheias de momentos surpreendentes, tem sangue e visceras que nunca mais acabam, boa atmosfera e excelente utilização dos cenários para criar suspanse. Parece que foi baseado num caso real…bolas, bolas, bolas !!!
Contra: estranhamente o filme nem tem 100 minutos sequer mas pareceu-me ter duas horas no mínimo por isso há algo que falha a nível narrativo e talvez o drama precisasse de ter sido apresentado de uma forma mais dinâmica.

——————————————————————————————————————

NOTAS ADICIONAIS

Trailer
http://www.youtube.com/watch?v=o4dD1Fvw6XI

Comprar
Baratinho na Amazon Uk em DVD.

Download aqui com legendas em PT/Br

IMDB

http://www.imdb.com/title/tt1407972/

——————————————————————————————————————

Filmes semelhantes de que poderá gostar:

 

——————————————————————————————————————

Read Full Post »


Ora aqui está o equivalente cinematográfico Sul Coreano daqueles emails “Enlarge your Penis” que todos gostamos de receber nas nossas caixas de correio.
Bem vindos a ["A Tale of Legendary Libido"], um filme sobre pilas.
Grandes.

["A Tale of Legendary Libido"] poderia ser também um anúncio publicitário para o Viagra por exemplo e portanto para toda a gente que sempre quis ver um filme sobre penis gigantes e nunca o encontrou antes, tem aqui o filme da sua vida.
Não é o meu.
Não é o meu mas é um filme totalmente original e muito menos estúpido do que á primeira vista vocês poderão pensar com um tema destes.
Sim, todo o filme gira á volta de um gajo com uma pila enorme. No entanto aquilo que poderia descambar numa sucessão de gags sem grande imaginação na verdade é aqui usado para criar alguns momentos não só hilariantes como acima de tudo inesperados e visualmente muito criativos; o que torna ["A Tale of Legendary Libido"] numa inesperada proposta para quem procura uma comédia sexual oriental cheia de miudas giras e muito nuas aos pulinhos por todo o lado.

E garanto-vos, vocês nunca viram nada assim.
Quando eu pensava que já tinha visto tudo no que toca a comédias sexuais , tive que reorganizar as minhas ideias porque ["A Tale of Legendary Libido"] é realmente único e se calhar até criou aqui um género novo de cinema; uma espécie de filme de fantasia de temática sexual mas sem monstros ou batalhas…apesar de meter feiticeiros e magia.
Anteriormente dentro do cinema oriental só tinha encontrado uma comédia sexual digna de nota pela sua ousadia e invenção no que toca a gags com sexo, o “Sex is Zero” de que já falei aqui no blog.
Acontece que este ["A Tale of Legendary Libido"] está no entanto numa liga á parte e só não se torna um clássico instantaneo por causa de um grave problema que passarei a explicar mais adiante.

Essencialmente a primeira metade do filme é absolutamente genial em todos os aspectos. A história é parva como o raio, mas resulta, os gags são originais, muito criativos e por demais hilariantes num par de vezes. Tudo isto muito graças ao próprio trabalho do realizador que encena as sequências mais inimagináveis envolvendo miudas nuas, gajos esfomeados e mulheres mais velhas digamos…necessitadas…

Visualmente ["A Tale of Legendary Libido"] é um filme extraordinário pela forma como cada imagem está cuidada e cada plano parece estar pensado para nos maravilhar com os mais pequenos pormenores dos cenários. Isto é fundamental para criar uma atmosfera de mundo encantado e aldeia perdida que faz com que este filme pareça na verdade uma história de Fantasia com deboche por todo o lado.
Imaginem o – Shire – dos Hobbits, mas onde toda a gente só pensa em sexo a todo o instante e onde tudo o que tenha pernas é perseguido; desde galinhas, cabras e até … ursos… quando as mulheres não se deixam apanhar e onde apesar de tudo os maridos não têm grande reputação entre elas.

É quase impossível descrever o quanto este filme é atmosférico. A primeira metade de ["A Tale of Legendary Libido"] conta não só com uma galeria de personagens hilariantes como principalmente está carregada de momentos visuais que os fará fazer ficar com vontade de fazer pausa a todo o instante só para admirar a natureza em redor. E não estou a falar das miudas orientais fofinhas sem roupa, dos seios flutuantes e de tudo o mais que vocês nem imaginam que acontece nesta história.

Os gags são muito engraçados, não só porque funcionam no papel, mas porque muitas das vezes a piada está não no que acontece, mas na forma – como – acontece !
E esperem só até ver o que acontece na cena em que os homens vão todos para o rio á noite para ver miudas giras sem roupa. Vão perceber o que eu quero dizer a propósito da inventividade do realizador, também argumentista.

["A Tale of Legendary Libido"] conta a história de um desgraçado ( curiosamente o mesmo actor de “See you after school” noutro papel de infeliz).
Este triste marginalizado pela aldeia inteira vende bolinhos de arroz e é constantemente desprezado pelas mulheres pois todas têm apenas olhos para o irmão do nosso triste heroi. E porquê ?
Bem porque ao contrário do seu irmão mais velho que foi abençoado pela natureza entre as pernas, o nosso desgraçado heroi tem fama não só de ter um membro minusculo como ainda por cima de ser impotente e logo vão perceber porquê.

Uma noite encontra um velho feiticeiro, uma espécie de “Gandalf” oriental do deboche que lhe revela que algures perto do totem presente no centro da aldeia está enterrada uma poção mágica que atribui virilidade a toda a gente que dela beber. Acontece que não se pode beber mais do que uma gota de cada vez devido á potência da bebida.
Obviamente que o nosso desgraçado heroi bebe a garrafa toda de seguida e os resultados não se fazem esperar.

["A Tale of Legendary Libido"] tem uma primeira metade tão genial, divertida, criativa e hilariante que eu estava plenamente convencido que que iria atribuir a classificação máxima a este filme sem pestanejar sequer.
O ritmo é alucinante, as sequências surpreendem-nos a todo o instante e os personagens são hilariantes, com destaque particular para a mulheres esfomeadas da aldeia e que os vão divertir á brava de cada vez que aparecem ainda mais taradas que os homens do local.
Curiosamente para uma comédia sexual, tem muito pouco sexo…o que é estranho. Parece uma espécie de comédia sexual para a família com autocensura visual e onde se fala muito mas faz-se pouco. Não esperem algo como o que viram em “Sex is Zero“, embora tenha a sua quota de miudas orientais despidas e posições sexuais…e sexo com ursos…

Também tem um pormenor muito engraçado que se calhar não se nota logo mas dá uma atmosfera ainda mais curiosa á história. Tudo ao redor do nosso desgraçado heroi é hilariante num estilo totalmente over-the-top (onde nem faltam números musicais), no entanto o personagem principal é brilhantemente sempre apresentado num registo sério e quase dramático. ["A Tale of Legendary Libido"] é uma espécie de história intensamente dramática onde toda a comédia está no que se passa ao redor da tragédia do protagonista da história e não no facto do personagem ser constantemente caracterizado apenas como o palhaço do argumento como seria de esperar neste tipo de comédia sexual.

No entanto, para minha surpresa e grande desilusão não posso atribuir uma nota muito espectacular a este título.
Se calhar nem merece a classificação que lhe atribuo no final deste texto sequer por um simples motivo.
["A Tale of Legendary Libido"] tem duas metades muito distintas que não encaixam de todo e não se percebe porquê.
A primeira metade é totalmente brilhante, mas a partir do meio do filme, mal o nosso heroi começa as suas proezas sexuais subitamente parece que todo o genial conceito original se esgotou.
Totalmente.
Quase que se pode dizer que demasiado viagra tornou este argumento impotente, o que é o pior que poderia ter acontecido num filme onde se falta tanto de sexo.

Não se percebe de todo o porquê depois de uma primeira parte tão boa na segunda metade a criatividade parece ter-se esgotado totalmente. Contém ainda bastantes piadas que nos fazem sorrir e até dar ainda umas boas gargalhadas, mas de repente sentimos que  já não estamos a ver o mesmo filme e toda a premisa incial parece ter-se esgotado em tudo.
Não só desaparece aquela criatividade nas piadas e tudo parece mais do mesmo, como inclusivamente a própria realização parece apagar-se.

["A Tale of Legendary Libido"] entra por um caminho algo ambiguo. Ás vezes parece que vai querer ser um drama, outras uma história de amor fofinha ao estilo sul coreano, mas na verdade não tem bases para nada disso, porque essencialmente levou toda a genial primeira metade a definir um estilo de filme e um universo erótico-humoristico único que depois parece não ter mais interesse em prosseguir ou desenvolver.
Isto torna a segunda metade do filme algo arrastada, sem chama e até chata de seguir e até ao final a energia incial nunca mais volta a ser a mesma.

O segundo acto está por demais fragmentado e as coisas sucedem-se sem grande referência anterior na história o que cria a ideia que os personagens flutuam por episódios sem grande ligação ou justificação.
Pensei que isto teria sido impressão minha, mas curiosamente agora ao procurar informação no imdb sobre este filme reparei que o único comentário que lá está sobre este título também fala precisamente daquela sensação de piada esgotada e filme sem imaginação que percorre a segunda metade do argumento, portanto se calhar o filme tem mesmo esse problema.

Não quer dizer que o filme se torne mau, mas simplesmente não é já mais o mesmo e isso nunca deveria ter acontecido num título como este, pois se tivesse continuado a seguir a mesma fórmula até ao fim não deixaria de ser uma comédia excelente por causa disso. Assim como está torna-se algo muito decepcionante.
Curiosamente, 95% do trailer é precisamente montado com imagens da excelente primeira parte; o que só indica que alguém também se deve ter apercebido que havia algo já não tão engraçado na segunda metade e tentou evitar que essa sensação passasse logo para o espectador .

E sim, a primeira parte é tão boa onda, divertida e cheia de humor quanto aparenta no trailer, o que ainda torna a segunda metade do filme um desperdício maior apesar de conter um par de piadas hilariantes dispersas por entre a monotonia generalizada.

——————————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO:

Provavelmente não merece uma classificação tão generosa, porque a segunda parte do filme é realmente decepcionante e desprovida de imaginação, mas leva quatro tigelas de noodles na mesma porque a primeira metade do filme é fantástica a todos os níveis.
E tem miudas fofinhas nuas, velhas taradas e sexo com animais.

noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg

A favor: a primeira parte do filme é muito engraçada, a realização é fantástica na forma como ilustra alguns gags hilariantes, o gag do rio á noite é clássico, mais uma excelente interpretação do protagonista que parece ter-se especializado em personagens geek, parece um filme de Fantasia durante a primeira parte, como comédia sexual está muito bem conseguida e tem piadas bem mais inteligentes do que poderiamos esperar, está cheio de imagens fantásticas no que toca á criação de ambiente nos cenários, tem mamas a boiar…
Contra: a mudança de registo a partir da segunda metade do filme quase que o arruina pois parece que toda a imaginação do inicio foi deitada fora pela janela e tudo se torna por demais monótono e previsivel até, para uma comédia sexual sente-se uma certa auto-censura pois não contém propriamente muito sexo.

——————————————————————————————————————

Trailer
http://www.youtube.com/watch?v=ArmK74hZN34

Comprar
http://www.yesasia.com/us/a-tale-of-legendary-libido-dvd-english-subtitled-taiwan-version/1014344788-0-0-0-en/info.html

Download – Está muito complicado voltar a encontrar uma boa cópia em torrents ou algo assim , mas podem ver o filme em várias partes no Youtube, embora com legendas em (agh) espanhol…
Também ainda não está disponível no AsianSpace.

IMDB
http://www.imdb.com/title/tt1433775

——————————————————————————————————————

Se gostou, poderá gostar de:

——————————————————————————————————————

Read Full Post »


Quando eu me preparava para ver apenas mais um exploitation movie daqueles bem chungas em que uma tipa limpa com uma foice metade de uma aldeia eis que apanho uma das surpresas do ano no que toca a cinema oriental.

Já conhecia o filme pelo nome há algum tempo, mas nunca tinha visto sequer o trailer ou lido qualquer review sobre ele e portanto parti para ["Bedevilled"] completamente ás escuras, apenas porque não tinha nada de particularmente interessante para ver no momento e apetecia-me ver um filme de porrada e carnificina japonesa para descomprimir e que não me fizesse pensar muito para além de contar o numero de braços decepados ou cabeças rolantes.
Essencialmente estava com vontade de ver uma comédia e não pedia que este filme fosse algo mais do que um grande mau-filme ao pior estilo série-b oriental, pois estava plenamente convencido que o era.

Acontece no entanto que ainda ["Bedevilled"] mal tinha começado e muito para minha surpresa já eu não conseguia tirar os olhos do ecran.
A personagem pricipal dava-me cabo dos nervos, mas os pormenores da história pareciam cada vez mais cativantes a cada cena que passava e  dei por mim a pensar que se calhar este filme era bem capaz de ser bem mais interessante do que parecia á primeira vista.
Quanto mais não fosse porque em meros minutos conseguiu criar logo suspanse de cortar á faca e ainda por cima construiu um personagem com carísma suficiente para deixar qualquer espectador intrigado. Até porque não percebemos bem se gostamos daquela gaja ou não e por isso temos mesmo de continuar a ver.

De repente aquilo que começa quase como um qualquer thriller policial  entra por um registo diferente e o filme muda para um cenário rural que nada parece ter a ver com o que se passou nos primeiros dez minutos e damos por nós a perguntar o que raio vai acontecer a seguir em ["Bedevilled"] e qual será a direção da história. O que é bom.
Há que dizer que apesar de todo o ambiente rural bucólico que nos aparece pela frente, há qualquer coisa na própria realização do filme que aponta para uma atmosfera claustrofóbica. Não só os próprios enquandramentos até nos exteriores parecem sempre algo contidos como logo se percebe na história que a claustrofobia também será psicológica para condizer com tudo o resto e contrastar totalmente com o ambiente rural em estilo mundo perdido onde tudo se passa.

E de um mundo perdido é aquilo que essencialmente ["Bedevilled"] trata no fundo.
Um mundo perdido daqueles que ainda hoje existe em muitas partes do globo terrestre onde os valores conservadores ultra tradicionais e comportamentos morais que quase se podem considerar primitivos, ainda fazem parte do dia-a-dia de muita gente em muitas comunidades rurais isoladas  onde a mulher ainda é vista como uma espécie de gado.

Portanto, se procuram um filme que constroi todo o suspanse com base nos extremos a que a condição humana pode chegar e nos comportamentos que podem ser atribuidos a tradições quase das cavernas, ["Bedevilled"] é o vosso filme.
Na aldeia bucólica vão encontrar de tudo; escravidão, violência doméstica, violações, prostituição, pedófilia, pedófilia com incesto, crueldade social e todo o tipo de violência fisica e psicológica que só os orientais poderiam colocar num filme e ainda por cima fazê-lo de forma convincente, aterradora e completamente cativante no sentido cinematográfico.

Não porque este seja um grande filme, mas porque soube como poucos pegar num argumento que tinha tudo para ser apenas chunga e quase pornográfico na forma como mostra a violência e no entanto dá-nos uma visão humana totalmente inesperada que nos agarra do primeiro ao último segundo.
Nem sequer se pode dizer que será um filme com vilões, pois até o mais desprezivel parolo desta história parece pertencer áquele lugar, o que automáticamente lhe dá logo uma carga dramática humanizada no sentido em que ninguém é caracterizado como uma besta só porque é mau, mas percebe-se que houve ali a intenção de tentar mostrar como pode o isolamento de uma comunidade presa a valores morais completamente afastados do mundo moderno contribuir para criar pessoas para quem a crueldade é apenas a sua forma de vida. Como alguém diz no filme, não há nada de anormal nas pessoas da ilha porque a vida é mesmo assim.
É esta “normalidade” que acaba por ser a coisa mais assustadora deste argumento.

["Bedevilled"] é um daqueles filmes com um argumento tão bem apresentado que nem nos lembramos que o realizador existe, o que pode criar á partida aquela ideia de que não há nada de especial com esta obra quando no entanto se calhar está aqui uma das suas grandes mais valias.
O realizador “apaga-se” totalmente para deixar as personagens respirar…ou neste caso, violar, gritar, gemer, chorar ou pior ainda,- ignorar- e dar-nos cabos dos nervos a cada segundo de tensão que passa.
Não encontrarão em ["Bedevilled"] um daqueles filmes com imagens inesquéciveis; com excepção talvez da inesperada imagem da ilha que fecha com chave de ouro uma história que foi muito além do que seria de prever e que tem a ver directamente com o enquadramento imediatamente anterior com a actriz protagonista.

Também não encontrarão uma montagem , digamos, “moderna”. Nem sequer nas sequências de gore ou acção que compõem o climax do filme o que o torna ainda mais surpreendente.
Todo o filme é construido com base numa estrutura perfeitamente clássica e sem recurso a grandes inovações estilisticas ou sequer estilizadas e como tal também é um bom antídoto para quem procura um titulo oriental moderno que não tem pretenções a estilo Anime e sabe contar uma história da forma mais tradicional possível sem recorrer a montagens podres de chiques ou designs arrojados em modo gráfico histérico. ["Bedevilled"]  não necessita de nada disso para ser arrepiantemente eficaz e nos dar cabo dos nervos a cada segundo que a sua história avança em direcção ao sangrento desenlace.

Para quem como eu apenas esperava encontrar apenas um banho de sangue e cabeças abertas com uma montagem estilosa em estilo Anime fiquei bastante surpreendido até na forma como o gore e o sangue é usado nos ultimos 40 minutos de filme. Mantendo-se fiel á estrutura do resto do filme até então, também no apocaliptico e totalmente entusiasmante acto final desta história ultra violenta o suspanse é totalmente controlado de uma forma eficaz e ["Bedevilled"] não entra apenas em modo gore com sangue aos litros mas equilibra toda a tensão com a própria carga dramática que foi construindo á volta dos personagens, (muitas vezes até sem o espectador se ter apercebido).

O que não quer dizer que o filme não tenha um genial banho de sangue no final, porque tem. Quem gosta de decapitações com foices vai curtir ["Bedevilled"] até ao último segundo.
No entanto a grande força do filme está não na violência e no acto final, mas principalmente na forma como usa tudo isso para construir personagens excelentes com particular destaque para as duas protagonistas.

A personagem da tipa toda coquete que nos dá cabo dos nervos é a chave do desenvolvimento dramático em todo o filme e o registo contido da própria interpretação da actriz poderá até parecer mais apagado do que o que se torna evidente na outra protagonista que é alvo de todos os abusos ao longo da história, mas ambas têm um trabalho fantástico que equilibra as duas prestações e contribui em muito para que a tensão da história a partir de certa altura chegue a níveis quase insuportáveis.
Se gostam de filmes em que lhes apetece mandar qualquer coisa contra o televisor, não percam este.
Ainda por cima é um daqueles titulos que compensa plenamente o espectador até ao último segundo por ter acompanhado aqueles personagens que ficam na memória.

Curiosamente devido ao seu tom de extrema violência fisica e psicológica, notei que o filme é algo menosprezado em algumas reviews por o considerarem demasiado exagerado no que toca ao que acontece á rapariga que é abusada e maltratada por toda a aldeia. Muita gente parece achar que algo assim seria impossível nos nossos dias.
Apenas como nota curiosa, posso garantir-vos que o tipo de pensamento e o tipo de tratamento social de extrema crueldade pela parte que me toca ainda estava bem vivo bem no interior do meu Portugal há alguns anos atrás.
Por incrivel que vos pareça, a minha mulher há 17 anos a quando de um anterior casamento que a “raptou” literalmente para as brenhas interiores do distrito de Viseu numa aldeia totalmente isolada, passou por situações tão extremas quanto muitas das coisas que poderão ver representadas neste filme e pelo que ela me relatou, só não acabou por ter a mesma reacção que a protagonista de ["Bedevilled"] porque tinha o filho ainda bébé e conseguiu fugir uma noite de volta para o Algarve escondida de tudo e todos, inclusivamente dos familiares do marido que tinham exactamente a mesma forma de pensar que poderão agora encontrar representada nos personagens das velhas senhoras da aldeia deste fabuloso argumento sul-coreano.

Por isso meus amigos, para quem duvida que este tipo de situações e de aldeias apresentadas no filme realmente possam existir, eu garanto-vos que ainda haverá certamente por este Portugal fora, muito local onde os primos casam com as manas e a tias e o cruzamento de genes não ajudará muito á própria evolução cerebral de certos habitantes. Isto aliado a velhas tradições machistas como as que se podem ver neste filme, (entre marido e mulher não se mete a colher/a mulher tem que fazer o que o marido manda / ir ás putas é de homem, a mulher se apanha nos cornos é porque fez alguma coisa errada, etc), de vez em quando dá numa daquelas notícias em que uma mulher se passa e abre uns buracos no marido com a faca de cozinha.
Por isso podem ter a certeza do que lhes digo ["Bedevilled"] não é de todo um filme exagerado. Vão por mim.

Posto isto, o que posso eu dizer mais sobre este fantástico thriller de suspanse sul coreano extremamente intenso ?
Primeiro não parece um thriller de suspanse, mas também não é um drama própriamente dito. Tem momentos mais arrepiantes que muitos filmes de terror daqueles assumidos mas também não será um filme de terror apesar das decapitações e baldes de sangue. Não será uma aventura, mas vocês passarão toda a parte final a torcer pela protagonista.

Não será um filme erótico, mas tem mais sexo do que seria de esperar embora muito violento mesmo; o que me surpreendeu bastante porque não é algo habitual no cinema oriental e em particular do Japão ou Coreia do Sul mais mainstream.
Aliás, não me lembro de ter visto até agora um filme com uma tensão sexual tão grande quando a que está presente em ["Bedevilled"] e isto de várias formas que os irá deixar em tensão total. Eu disse, tensão.

Não só as cenas de sexo pela sua violência quase que nos parecem explicitas como depois há uma carga dramática envolvendo uma espécie de história de amor lésbica não assumida ao longo de alguns momentos chave nas caracterizações das personagens principais. E isto para nem falar na tensão á volta da pedófilia que está absolutamente arrepiante, pois também aqui mais uma vez o realizador parece que nem lá está e deixa a situação falar por si.

Fiquei muito surpreendido com ["Bedevilled"] e não estava nada á espera disto.
Não será um filme a rever tão cedo, embora continue a não me sair da memória e já o vi há dias atrás; nem será se calhar uma obra prima do cinema ou particularmente um grande filme. Por outro lado se calhar até é.
A verdade é que não lhe consigo apontar qualquer falha relevante pois tudo o que faz, faz muito bem e acima de tudo mantem o espectador agarrado do primeiro ao último minuto com personagens excelentes e uma tensão constante que culmina num final inesquecível, onde ainda há espaço para pequenos pormenores e um par de twists inesperados no epílogo fechando tudo da melhor maneira possível.

——————————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO:

Já disse tudo no texto acima, mas basta só realçar mais uma vez que isto foi a surpresa do ano pois não estava nada á espera que me saísse um filme assim.
Um filme completamente inclassificavel que passa por vários géneros e mistura-os de uma forma fantástica criando uma história cheia de personagens memoráveis com um desempenho extraordinário por parte das protagonistas, nomeadamente a rapariga que é maltratada pela comunidade. O argumento é excelente na forma como liga todos os pormenores invisiveis do filme e como nunca deixa o espectador respirar um segundo , mesmo isto sendo um filme relativamente calmo que não agradará de todo a quem estiver á espera de um filme de terror com psicopatas ou apenas á procura de uns baldes de sangue.
Um grande filme mais pela sua eficácia do que propriamente por ficar na memória cinéfilamente falando.
Fantástico e totalmente recomendado a quem quiser ver um filme de vingança inesquecível e cheio de carísma com sexo e sangue quanto baste. O cinema Sul Coreano continua vivo e de boa saúde até quando não faz filmes de amor fofinhos.
Só quero ver os americanos terem coragem para fazer um remake disto !
Cinco tigelas de noodles e um golden award porque vai deixá-los – on the edge of your seats – garanto-vos.

noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg gold-award.jpg

A favor: a originalidade da estrutura da história, a frieza e a coragem de se escrever uma história assim, os personagens e as incriveis interpretações especialmente da actriz principal, a tensão sexual da história, a forma como se move entre géneros sempre de forma coerente, a tensão de roer as unhas a cada minuto que passa, os ultimos 40 minutos são fantasticos, montes de sangue também, optimo final, o realizador apaga-se e deixa a história falar por si.
Contra: pode ser demasiado calmo para quem procura um thriller ou um filme de terror apenas.

——————————————————————————————————————

NOTAS ADICIONAIS

Trailer
NOTA: NÃO VEJAM O TRAILER ANTES DE VEREM O FILME.
*Contem SPOILERS* que nunca mais acabam !
http://www.youtube.com/watch?v=eBq0SLWNF-E&feature=related

Comprar
Em Bluray ou então em DVD baratinhos na amazon.uk

Download aqui com legendas em PT/Br

IMDB
http://www.imdb.com/title/tt1646959

——————————————————————————————————————

Se gostou, poderá gostar de:

——————————————————————————————————————

Read Full Post »


Sexo e deboche.
Miudas orientais nuas, mamas por todo o lado e pouca-vergonha da boa quanto baste com boé de lésbicas de olhos em bico á mistura.
Agora é que este blog vai triplicar as visitas.
Bem-vindos a ["Sexual Parasite Killer Pussy"].
E não, vocês nunca viram nada assim.

Se calhar depois desta primeira imagem eu já nem precisava dizer mais nada mas…vocês nunca viram uma chungaria como esta e também nunca viram tanta gaja nua e tanto sexo numa recomendação deste blog.
Fica desde já aqui o aviso que este titulo não será própriamente recomendável ás minhas leitoras mais sensiveis.
Além disso este texto poderá tornar-se inclusivamente bastante chunga para condizer com o filme.
["Sexual Parasite Killer Pussy"] é puro cinema exploitation que se assume como chungaria libidinosa para machos ainda mais grunhos desde o primeiro minuto e como tal só agradará aquele público que curtir o género e entrar neste universo sem qualquer preconceito pois aqui nada é para ser levado a sério.
É um titulo totalmente despretencioso e nota-se que o objectivo foi mesmo criar um produto que divertisse por (não) ser tão chocante, tendo o resultado sido brilhante na minha opinião e não estava nada á espera disto.

Este é o tipo de filme que se fosse bom, teria sido péssimo.
Como é péssimo, logo é totalmente genial. Porque é do piorio. Mesmo !
Tudo falha em ["Sexual Parasite Killer Pussy"] , logo tudo acerta em cheio porque nada funciona.
E se nada funciona temos um filme totalmente divertido a muitos níveis e este é um daqueles títulos em que se sente que os criadores se devem ter divertido bastante a fazer o pior que podiam para nosso prazer.

Tudo o que é cliché chunga está neste filme, a começar pelo sexo. Montes de sexo.
E se procuram um filme de terror, esqueçam. Isto só pode ser para rir.
Aliás, se este filme tem uma falha gravíssima é precisamente por causa do sexo.
Não por este estar sempre presente ;(o que foi, não gostam ?), mas porque alguém deveria ter tido coragem de ter ido mais longe embora seja esta indefinição que remeta este titulo para o género dos chamados Pink Films.
["Sexual Parasite Killer Pussy"] só por um triz não é um filme porno totalmente hardcore e merecia ter sido.
Não me surpreenderia de todo se inicialmente tivesse sido pensado como tal.

Este titulo merecia ter sido um filme porno plenamente assumido, isto porque se assim fosse teriamos tido aqui um daqueles raros exemplos de cinema pornográfico que realmente cativaria o público não só pelo sexo mas porque seria um titulo divertido mesmo nas cenas onde não há miudas nuas a comerem qualquer coisa.
Aliás, nunca se percebe bem se ["Sexual Parasite Killer Pussy"] é uma história escrita para mostrar miudas e rapazinhos no deboche de dez em dez minutos com uma história de terror á mistura, ou se será uma história de terror com sexo inserido a martelo porque fica sempre bem mostrar umas gajas nuas a se comerem umas ás outras, a serem comidas pelo elenco masculino, ou a comerem o elenco masculino.

A esta altura vocês devem estar a pensar que já viram dezenas de filmes com adolescentes onde há sempre a inevitável cena com sexo ou pelo menos miudas com mamas boas á mostra por dá-cá-aquela-palha. Se estão a pensar nos habituais filmes de terror teen americanos, deixem-me dizer-lhes que as cenas de sexo neste ["Sexual Parasite Killer Pussy"] são um bocadinho mais ousadas do que costuma passar por erotísmo nas produções da terra do tio Sam e eu não estava nada á espera disto, pois pensava que ia encontrar o típico título de terror com monstros e adolescentes e mamas ao léu em moldes mais ocidentais mas filmado no Japão.

Fiquei com a ideia de que isto será inclusivamente uma daquelas produções com actores porno que querem dar o salto para o cinema-mainstream. Um pouco como os filmes “normais” em que a Tracy Lords, a Ginger Lynn ou o Ron Jeremy costumam entrar para mostrar que são mais do que um pedaço de carne, pois só assim consigo explicar até a própria ousadia sexual de alguns momentos presentes em ["Sexual Parasite Killer Pussy"].

As miudas em ["Sexual Parasite Killer Pussy"] têm mesmo um certo ar chunga natural o que só lhes fica bem.
Aliás, quando a melhor performance do filme vem do monstro de plástico a gente percebe logo que isto só pode ser um titulo de qualidade a sério.
Qual Casablanca qual quê ! Ainda me vêm falar dos clássicos ! Eu queria ver a Ingrid Bergman a representar da mesma forma com um alien com dentes a sair da vagina !
E depois ainda dizem que o pessoal do cinema chunga não sabe representar ! O mundo é muito injusto.
Por outro lado este é o filme certo para desmistificar aquele ar de miuda fofinha oriental a que estamos habituados nos filmes do Japão, porque pelo menos eu com aqueles grandes planos de mamas no ecran a todo o instante a meio do filme já nem me lembrava que “Be with You” existia !

Portanto meus amigos, (e quem sabe, amigas), se gostam de vaginas vão gostar deste filme.
Por outro lado, ["Sexual Parasite Killer Pussy"] pode dar cabo da vossa vida sexual por uns tempos.
Depois de verem isto, a vossa vida nunca mais será a mesma.
E já agora, nunca mais irão para olhar para Alien da mesma forma também pois inevitávelmente  irão sempre recordar-se que um dia viram um dos piores clones do género que alguma vez julgaram ser possivel e de repente o monstro a sair do peito de John Hurt já não lhes irá parecer tão fantástico assim. Nada se compara a uma boa vagina com dentes.

Possivelmente será um dos piores filmes que alguma vez vi e portanto ao contrário do que vocês pensam, este segue já com a minha mais alta recomendação apesar da nota mediana que irá levar no final.
["Sexual Parasite Killer Pussy"] é tão mau, mas tão mau que se torna absolutamente divertido e irressistível e vai encher as medidas de todo o pessoal que costuma chegar até este blog á procura de filmes com miudas orientais nuas ou quem está á procura de um daqueles verdadeiros títulos de culto dentro do cinema oriental a pedir uma descoberta.
É este !
E só tem 60 minutos !!!
A sério.
É bem pequeno mas parece muito maior porque tem sempre tanta coisa a acontecer a todo o instante que nunca dá descanso ao espectador e por isso garanto-vos que se gostarem de cinema de baixo orçamento, têm aqui provavelmente a melhor produção sem-orçamento do cinema oriental que alguma vez poderão encontrar pela frente.

O que me leva ás coisas positivas.
Tem gajas nuas e sexo.
Adolescentes imbecis aos bocados, castrações á dentada, baldes de sangue e muito terror de meter medo.
Mais gajas e mais sexo.
Mamas.
Vaginas com dentes e meninas lesbianas orientais, o que é sempre bom.
E também tem indios da Amazónia.

Eu disse, indios da Amazónia.
Bem, na verdade, é apenas um indio da Amazónia.
E suspeito que não terá própriamente nascido no Brasil. Ou já agora, que viva na Amazónia. (Vide senhor á direita na foto acima.)
Será certamente o primeiro  indio nativo da Amazónia a ter nascido no Japão e a viver algures num jardim botânico em Tokio, o que só demonstra o cuidado que houve nesta produção carregada de localizações deslumbrantes e efeitos especiais que os irá fazer cair para o lado.
De tanto rir.

Depois de ver a criatura de ["Sexual Parasite Killer Pussy"] eu juro que nunca mais faço comentários depreciativos em relação aos milhares de Godzillas made-in-japan com os seus fantásticos efeitos especiais estilo Power Rangers.
Isto, porque este monstro vaginal presente agora neste filme bate tudo o que vocês possam imaginar no que toca a monstros de plástico.
E já lhes falei das cenas de acção e violência ?

["Sexual Parasite Killer Pussy"] além de ser chunga sexualmente e parecer-se a todo o momento com um daqueles posters para camionistas mas com gajas que mexem as mamas, é também um verdadeiro filme do Rambo, onde não falta a clássica sequência em que o heroi, neste caso a heroína se arma com tudo o que tem á mão e mete uma fita na cabeça, aqui num excelente cruzamento entre John Rambo, Helen Rippley e puta da esquina.

Depois a rapariga entra por uma onda de violência verdadeiramente arrepiante quando se lança á caça das outras gajas boas que entretanto ficaram possuídas pelo monstro e numa cena extraordináriamente cruel, espanca (mas com muito carinho) a outra chavala chungosa do filme na melhor cena de espancamento com um tubo de metal que vocês alguma vez verão num filme para gajos de barba rija.

Entretanto, há mais umas mamas e umas cenas de quecas orientais pelo meio para não desanimar o pessoal.
Tudo regado a banhos de sangue e muito gore.
Se é que se pode chamar gore a isto, pois comparado com ["Sexual Parasite Killer Pussy"], o filme “Hell” made-in-tailandia é um verdadeiro Sexta-Feira 13.
Querem tripas ? Querem entranhas banhadas em sangue e verdadeiros momentos nojentos com pessoas decepadas ?
Não é aqui neste filme.

O que levam daqui são cenas geniais com tripas feitas de tubos e mangueiras pintadas de vermelho e uma castração hilariante quando um dos rapazinhos é literalmente comido por uma das miúdas.
E já agora, ["Sexual Parasite Killer Pussy"] dá um novo significado ao sexo-oral também.
Como podem ver este filme tem tudo ! Excepto cinema talvez…
Por isso como podemos não gostar desta obra-prima ?
Os melhores 60 minutos que vocês poderão passar a ver um filme se entrarem no espírito da coisa.

——————————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO:

Vejamos…o filme é brilhante. Por isso não se deixem ficar pela minha singela classificação de apenas trés tigelas de noodles, até porque não poderia classificar isto de outra forma. Se curtem cinema de culto ultra-chunga, acrescentem-lhe mais um par de tigelas de noodles por vossa conta.
O filme é mau como o raio, mas é essa a sua grande força. Por outro lado é do piorio. Mas é bom.
E tem miudas chungosas orientais nuas em montes de deboche. E vaginas com dentes.
É boooooom !

noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg

A favor:  É completamente chunga e um excelente exemplo daquilo que é designado por Pink films no japão, tem gajas nuas, tem sexo, tem meninas lesbianas, tem mais gajas nuas, tem mamas por todo o lado, tem mais meninas lesbianas, tem mais sexo, tem chungaria que nunca mais acaba, não tem orçamento nenhum, parece um soft-porno inacabado com montes de sangue e monstros á mistura, tem mais mamas, tem mais deboche, tem violência de cair a rir, efeitos nada especiais, e mais sexo, gajas nuas outra vez, quem sempre quis saber como é o interior de uma vagina não é aqui que vai encontrar a resposta, é um filme de terror que não mete medo, os monstros são de plástico e nota-se,  tem uma vagina com dentes, tem castrações á dentada, tem violência erótica com tubos e canos (não é isso seus tarados), tem mais sexo, não se leva a sério, tem apenas 60 minutos embora para mim a duração ideal seria 69 pois as cenas eróticas são mais ousadas do que é costume encontrarmos neste tipo de filmes de terror com adolescentes imbecis, quem gosta do Brain Dead ou Bad Taste de Peter Jackson não pode perder isto.
Contra: quem não percebe onde está a piada no cinema de culto ultra low-budget não vai conseguir olhar para este excelente exemplo do exploitation oriental  trinta segundos sequer, devia ter sido um porno totalmente assumido pois assim parece que lhe falta coragem de ter ido mais longe nas cenas de sexo.

—————————————————————————————————————

NOTAS ADICIONAIS:

Trailer
http://www.youtube.com/watch?v=vsgDN2AjN8w&feature=related

Comprar
http://www.amazon.com/Sexual-Parasite-Sakurako-Kaoru/dp/B000XSKDLU/ref=sr_1_3?ie=UTF8&qid=1314306110&sr=8-3

Download com legendas em PT/Br

IMDB

http://www.imdb.com/title/tt0434125/

——————————————————————————————————————

Se gostou deste poderá gostar de:

——————————————————————————————————————

Read Full Post »


Eu sei que existem inúmeras reviews deste filme espalhadas pela net que referem a história do mesmo.
Não se iludam, essas pessoas devem andar na droga.
Desafio qualquer pessoa a ver os primeiros 45 minutos de ["Sex is Zero"] e a tentar descrever-me o seu argumento.
Este filme é o caos absoluto ! Depois de ver ["Sex is Zero"] o mundo dividir-se-há entre aqueles que vão imediatamente comprar um bilhete de avião para a Coreia do Sul e os que riscarão aquele país de qualquer potencial rota turística para os próximos anos porque aqueles gajos estão tão á frente que se calhar pode ser perigoso para a saúde mental de um ocidental desprevenido.

Como descrever isto…
Eu que desde os anos 70 já devo ter visto todas as comédias porcas, desde o mais chunga filme cómico italiano, passando pelos israelitas “Gelado de Limão (elevado ao infinito)”, pelos franceses “Turma dos Repetentes”, pelos americanos “Animal House“, “Porkys 1, 2, 3″ mais toda a colecção de “American Pies” com subsequentes clones, pensava então que já tinha visto tudo e que já nada me espantava no que toca a comédias sexuais com adolescentes.
Até que vi o sul-coreano ["Sex is Zero"] este fim de semana.

Estou a tentar encontrar palavras para não tentar exagerar, mas quando eu pensava que já tinha visto tudo no que toca a gags sexuais, quando eu pensava que já não se poderia esticar mais a coisa sem roçar o XXX, ["Sex is Zero"] entra a matar com algumas das sequências mais criativas e inimagináveis que se poderia esperar num filme deste estilo.
Lembram-se da polémica e do debate moral que o primeiro “American Pie” suscitou na américa quando saiu ?  A cena em que o personagem do Jason Biggs, bem…moca uma torta em cima da mesa da cozinha suscitou na altura intermináveis debates sobre como a cena era chocante para as mentes dos teenagers, etc, etc, etc e como aquilo era uma coisa muito á frente na comédia etc, etc, etc.
Amadores.

Estes americanos são uns amadores, pois comparado com o que aparece em ["Sex is Zero"] todos os sketches do American Pie poderiam ser patrocinados pela Disney.
Se os americanos andaram todos chocados pelo Jason Biggs fornicar uma torta, o que dizer do hilariante ingrediente secreto para sandes destinadas a provocar efeitos afrodisíacos nas meninas orientais deste filme ?! E mais não digo.
["Sex is Zero"] é um filme particularmente dificil de comentar aqui porque para o fazer de forma correcta eu teria de revelar porque razão a maior parte dos gags são hilariantes e isso estragaria logo metade do prazer em descobrirem este filme.

Posso dizer-vos no entanto que metade do fascínio desta comédia, não está propriamente no humor que apresenta mas mais naquele factor: – ” Eu não acredito que estes gajos estão a mostrar isto !!”.
Vejam ["Sex is Zero"] e passarão metade do tempo a exclamar coisas do género: – “Estes gajos têm mesmo lata !!”
Esta é uma comédia muito estranha que se torna hilariante, mais por aquilo que a gente nunca imagina que vai acontecer a seguir do que própriamente pelos gags. É dificil de explicar.

Não é própriamente a inovação das piadas sexuais que tornam o filme especial, mas sim a forma como elas são usadas e aparecem nos sítios mais inesperados tudo num ritmo verdadeiramente alucinante que nem dá tempo ao espectador respirar, ou muitas das vezes fechar a boca de espanto depois de mais outra exclamação do estilo: -”Eles não mostraram mesmo isto que eu vi pois não ?!”
Básicamente, uma coisa é certa, os jovens actores deste filme têm uma lata do caraças pela descontracção como abordam todas as situações mais inacreditáveis e humilhantes dos seus personagens.

Outra coisa que torna o filme diferente é o facto deste filme ter meninas nuas.
Muitas meninas nuas, semi-nuas, mamas, rabos, cenas de sexo quanto baste, etc.
Quem procurar por uma comédia com miudas orientais sem roupa  tem aqui não só um bom exemplo, como também um relativamente raro pois nudez feminina no cinema comercial oriental não é algo que se veja muito no cinema daquelas paragens, muito menos estando associada a um contexto tão sexualmente “explícito” como acontece neste ["Sex is Zero"] a todo o instante.
Esqueçam a imagem fofinha da miuda oriental, estas tipas são fofinhas mas têm mais hormonas aos saltos que o elenco masculino do filme todo reunido o que dá logo também uma outra vertente a esta comédia. ["Sex is Zero"] não é apenas mais um daqueles filmes com tipos atrás de gajas. Aqui elas também andam á caça de homens e sabem muito bem o que querem, para desgraça de muitos personagens que se metem nas piores situações por causa das miudas ao longo do filme todo.

E por falar em situações maradas, não recomendo que vejam este filme depois do jantar pois se são daquelas pessoas com estômago fraco fica aqui o aviso que ["Sex is Zero"] tem por base um humor primário do mais escatológico possível que envolve desde cenas com vomitado, a ratos ou a …bem… não digo. Boa sorte.
Fica só o aviso de que este filme é bem mais do que a comédia americana de suposta tendência politicamente incorrecta.
["Sex is Zero"] nem se preocupa em fingir pois se querem gags politicamente incorrectos não procurem mais longe. E o engraçado nisto tudo é que resulta.
Tudo o que é de extremos neste filme parece extremamente natural. Tudo está dentro do contexto completamente anárquico e como tal contagia o espectador.
Muitos vão adorar o humor primário, muitos vão detestar mas não vão conseguir tirar os olhos do ecran porque precisam mesmo de ver o que poderá acontecer a seguir.

Pessoalmente, detesto humor deste estilo. Talvez porque quando era puto vi tantas comédias parvas de adolescentes que já não posso mais com piadas supostamente sexuais carregadas de hormonas imbecis.
No entanto tenho que confessar que abro uma grande excepção para ["Sex is Zero"].
Dentro do avacalhamento total este filme é capaz de ser bem uma obra prima do género.
E pode ser que um dia eu consiga até achar que isto tem uma história digna de ser resumida. Mas uma coisa de cada vez.

Mas este filme tem muito mais do que apenas gags nojentos. Aliás, tirando as piadas com cenas repulsivas consegue na verdade ir muito mais além do que muita comédia do género, tanto na maneira como usa o humor mas principalmente como inesperadamente usa o drama.
A última coisa que o espectador esperaria despois de passar pelo menos os primeiros 60 minutos de filme a ver cenas absolutamente avacalhantes em todos os sentidos seria de se deparar com um interlúdio sério e dramático na parte final do filme.
Súbitamente os dois personagens principais ganham vida.
Deixam de parecer os bonecos de cartão de comédia sexual adolescente estereotipada e inesperadamente tornam-se seres humanos reais levando imediatamente o espectador a interessar-se realmente pelo seu destino numa questão de segundos.

Aqui, nota alta para o realizador e para o argumento que souberam como ninguém, passar sem que nós nos dessemos conta de uma comédia desmiolada para um pequeno drama com alma sem sair do contexto caótico do filme.
Aliás, ["Sex is Zero"] tem uma cena que ainda não tinha visto em nenhum filme e ainda estou a tentar perceber como resulta tão bem mesmo tratando-se de algo no argumento que á primeira vista seria impossível de ligar de forma que pudesse funcionar. A verdade é que funciona não só bem, como acaba por ser dos momentos mais hilariantes do filme sem recorrer a piadas porcas.
É uma cena hilariante ao mesmo tempo que é muito triste e tudo resulta plenamente graças ao trabalho dos actores e naturalmente ao talento do realizador que tem aqui talvez a melhor cena do trabalho.
Isto poderá ser um pequeno *spoiler* mas preciso de explicar isto melhor. Trata-se da cena em que a protagonista recorre a uma clinica para fazer um aborto e arrasta o amigo com ela para se fazer passar por pai do seu filho. Acontece que o rapaz encheu o cabelo de compota de morango porque não tinha gel e durante toda a cena (realmente) triste e dramática em que se discute o aborto da rapariga o cabelo do rapaz está constantemente cheio de moscas o que cria um daqueles momento únicos em que já não sabemos se estamos a chorar por causa do drama ou por causa da comédia e quanto a mim é a cena do filme. */fim do spoiler*

Pela net, muita gente achou que o filme não precisava de uma parte dramática, pois até aí tinha sido apenas uma comédia desmiolada a abrir e quem apenas gosta desse tipo de filme não gostou que de repente os personagens enfrentassem um drama real.
Na minha opinião a parte dramática é precisamente aquilo que eleva esta comédia acima de muitas outras coisas ao estilo “American Pie”  sem cérebro, pois no meio de tanto caos , subitamente damos por nós realmente interessados naquela pequena história de amor.
Se há aqui um problema é se calhar o facto de que este bocado dramático deveria ter sido inserido mas era no “100 Days With Mr Arrogant” pois se esse filme tivesse tido um segmento dramático tão bom teria sido uma excelente comédia romântica, até porque os dois filmes são com a mesma actriz (em registros completamente diferentes).
Assim mesmo estando no ["Sex is Zero"] isso não chega para classificar o presente filme de comédia romântica porque na verdade é demasiado alucinada para isso, mesmo tendo um bom coração emocional apesar de tudo.

——————————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO:

Apesar de me ter divertido muito com o filme, penso no entanto que não lhe posso dar mais que trés tigelas de noodles. Isto porque não é o tipo de filme que voltarei a rever muitas vezes e também porque já estou um bocado cansado de comédias sexuais adolescentes.
No entanto, não deixem esta minha classificação relativamente suave impedir que vejam  ["Sex is Zero"] pois é realmente uma comédia escatológica muitos furos acima de qualquer “American Pie”  e pelo meio ainda tem uma pequena história de amor com alma.
Se gostarem muito de comédias sexuais adolescentes podem acrescentar duas tigelas de noodles á minha classificação pois na verdade se vermos este filme apenas por esse prisma é realmente um produto cinco estrelas que lhes irá agradar certamente. E surpreender também.

noodle2.jpg noodle2.jpg noodle2.jpg

A favor: o caos absoluto do … “argumento” ? Muitos gags nojentos que resultam plenamente dentro do contexto do filme, a parte dramática tem alma e coração pois emociona-nos ao mesmo tempo que nos faz rir no meio da tristeza, tem meninas orientais nuas o que não se vê todos os dias num filme saído da Coreia do Sul, as piadas sexuais são literalmente um gozo, personagens masculinos e femininos em pé de igualdade sexualmente falando.
Contra: pode ter piadas um bocado nojentas para muita gente, algures nas partes finais o filme sofre uma quebra na montagem durante as sequências de ginástica e arrasta-se um bocado por minutos sem razão aparente, a realização não deslumbra e limita-se a seguir todas as fórmulas da comédia sexual adolescente que já vimos mil vezes…embora neste caso, isto tem muito que se lhe diga.

—————————————————————————————————————

NOTAS ADICIONAIS:

Trailer
http://www.youtube.com/watch?v=pXQ9YycK_MY

Comprar
Podem comprar esta óptima edição DVD na Amazon americana.

Imdb
http://www.imdb.com/title/tt0341555/

——————————————————————————————————————

Comédias semelhantes:

——————————————————————————————————————

Read Full Post »


Conhecem certamente aquele género de cinema denominado “heist-film“, em português qualquer coisa como “filme de golpe”, e que foca essencialmente o submundo do crime.
Nestes filmes um grupo de criminosos junta-se para planear e executar um assalto mas tudo acaba por correr mal provocando as mais variadas situações que contribuem para o desenvolvimento da história.
Normalmente há sempre um bando de malfeitores com feitios diferentes que não se gramam, chefes do crime obscuros, mafiosos de terceira categoria, assassinos profissionais e elementos da policia que fazem tudo para lhes dar caça e apanhá-los em flagrante.
Talvez um dos exemplos mais conhecidos seja o filme “Snatch” realizado pelo inglés Guy Ritchie com Brad Pitt e um bando de gajos feios porcos e maus.
É precisamente este o filme que serve de matriz para ["Men Suddenly in Black"] e é aqui que reside a grande originalidade desta comédia oriental que poderia ter ido mais longe, mas no entanto não deixa der muito divertida e estar cheia de criativade. Porque vocês não sabem mas esta obra asiática  não tem nada a ver com o mundo do crime, não mete assaltos e nem sequer tem mafiosos.

Então afinal o que tem isto a ver com um “heist-film“,  e porquê a comparação com o “Snatch” ?
É que ["Men Suddenly in Black"], aplica todos os clichés do género criminoso mas ao adúlterio com resultados muito criativos e que embora nem sempre hilariantes conseguem arrancar-nos ainda algumas gargalhadas e até conter bastante suspanse.
Confusos ? Passo a explicar.
Neste filme um grupo de homens organizam-se não para assaltarem um banco, roubar um mafioso, ou assaltar uma carrinha de valores, mas sim para basicamente meter os cornos ás mulheres com umas raparigas de má-vida.
Imaginem um grupo de gajos que só pensam em sexo porque básicamente, ou estão fartos da rotina do casamento ou nem têm namorada e resolvem dar uma escapadinha de fim de semana até Hong Kong para apreciarem a companhia do máximo de mulheres-da-vida que conseguirem comprar com o pouco dinheiro que juntaram.
Como tal, têm que o conseguir fazer sem que as mulheres descubram os seus intentos e elaboram um complexo plano digno de um assalto a um banco onde nenhum detalhe é deixado ao acaso.
Só que as coisas não correm como era suposto acontecer e as esposas e namoradas suspeitando da verdadeira intenção dos seus companheiros resolvem agir e também partem em grupo para a grande cidade para tentarem apanhar os maridos e namorados em total e absoluto flagrante.

A grande originalidade de ["Men Suddenly in Black"], é que todo o filme é apresentado como se fosse um verdeiro  “heist-film“. Toda a maneira como está filmado remete para um estilo “Snatch” onde não apenas estão presentes os clichés na estrutura de argumento como principalmente o filme assume uma estética completamente saída de um filme sobre criminosos como se este tivesse sido realizado por Guy Ritchie só que não mete assaltos a bancos mas sim facadas no casamento.
É muito dificil tentar demonstrar-lhes isto agora por palavras sem lhes estragar o prazer de descobrirem por vocês mesmo esta original comédia que segundo parece em breve também irá ter uma versão americana para mal dos nossos pecados.

Os personagens não são meras caricaturas, mas sim pessoas com personalidade e tudo é tratado como se fosse um verdadeiro filme sobre crime. Todas as situações de comédia não vêem por isso das palhaçadas que os personagens fazem, mas sim da própria originalidade das situações e da maneira como estas são decalcadas de filmes sobre mafiosos mas aplicadas ao tema do adultério.
A genialidade do filme está precisamente aqui. É engraçado por causa das constantes comparações que permite ao espectador estar sempre sem saber o que poderá acontecer a seguir e neste aspecto a realização não poderia ter acertado mais em cheio na forma como a narrativa progride.

É que neste filme, tal como num bom filme de crime não faltam perseguições e cenas de tiroteio. Acontece que em ["Men Suddenly in Black"], as perseguições são feitas de outra maneira e até as cenas de tiros substituem as pistolas e balas por mangueiras e máquinas fotográficas numa das sequências mais engraçadas e criativas de todo o filme.
E esta ideia percorre toda esta comédia, pois se os maridos em busca de sexo fácil são os criminosos, as suas esposas são o equivalente á policia que percorre todas as pistas para os conseguir apanhar em flagrante.

Tudo muito criativo e divertido.
Pelo meio ainda temos direito á inevitável cena com um respeitado mafioso ao melhor estilo “O Padrinho“, só que aqui não é uma figura mítica do mundo do crime, mas sim um gajo que agora vive em total reclusão porque um dia foi apanhado em flagrante adultério e a mulher nunca mais o deixou sair de casa desde então, tendo esta figura adquirido contornos místicos e sagrados para todos aqueles cujo o objectivo basicamente é andar no putedo sem ser descoberto pela respectiva esposa.
Só vendo mesmo, pois mais não digo e até se calhar já falei demais.

Não pensem no entanto que ["Men Suddenly in Black"], é uma comédia desmiolada ao habitual estilo oriental. Este filme tem alma, pois os personagens por mais incriveis que nos pareçam estão realmente muito bem construidos e o argumento acaba por colocar algumas questões sobre a natureza do casamento, do amor e da fidelidade que deixará muita gente a pensar como agiria nas mesmas situações, o que contribuiu para uma profundidade algo inesperada num filme que não pedia mais do que ser capaz de nos fazer rir.

Como comédia é no entanto algo estranha, pois apesar de conter um par de momentos hilariantes não se pode dizer que o filme seja verdadeiramente para rir. Não naquele sentido de nos arrancar constantes gargalhadas, isto porque muitas das vezes estamos mais a sorrir pelas comparações entre estilos do que própriamente a rir pelo humor do argumento.
Mas não se deixem desmoralizar por este meu comentário, pois ["Men Suddenly in Black"], é mesmo uma comédia. As cenas com as esposas embora breves e espalhadas por todo o filme são muito engraçadas pois tal como no caso dos homens, todas têm personalidades muito diversificadas com destaque para a “morena burra” que lhes vai proporcionar momentos de boa disposição.

——————————————————————————————————————

CLASSIFICAÇÃO:
Uma óptima comédia para quem ainda pensa que não há muita criatividade no género actualmente.
Não há muito mais a dizer, pois este é um daqueles que vale a pena descobrir por vocês mesmo.
Não acho o filme tão brilhante quanto a fama que têm nas reviews espalhadas pela net mas mesmo assim achei-o muito bom. Quatro tigelas de noodles.

A favor: a colagem ao estilo “Snatch” e ao estilo “heist-film“, é brilhante, a realização é óptima e dá ao filme não só uma estética particular como consegue manter um ritmo narrativo excelente, os actores têm carisma e os personagens são muito divertidos, contém um par de momentos hilariantes, é uma comédia com alma que não se limita a fazer rir como ainda nos dá um par de questões para pensar no assunto.
Contra: o humor do filme depende demasiado da colagem ao cinema de crime para ter graça e esquece um pouco as piadas dentro da própria história.

——————————————————————————————————————

NOTAS ADICIONAIS

Trailer
Infelizmente parece ser bastante dificil de encontrar e portanto vão ter de se contentar com a apresentação televisiva.
http://www.youtube.com/watch?v=odSbnf5oVRM

Comprar
http://www.play-asia.com/paOS-13-71-7h-77-2-49-en-15-men+suddenly-70-30t.html

Outra review
http://www.kfccinema.com/reviews/comedy/mensuddenlyinblack/mensuddenlyinblack.html

IMDB
http://www.imdb.com/title/tt0380291/

——————————————————————————————————————

Outras comédias de que poderá gostar:

Attack the gas station The Happiness of the Katakuris My Sassy Girl

——————————————————————————————————————

Read Full Post »

Older Posts »

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 203 outros seguidores

%d bloggers like this: